Publicidade

Blog do Guifil

por Guilherme Custódio

ceará-sporting-club

Ceará vai em busca de igualar feito da dupla Ba-Vi na Copa do Nordeste

Por guilhermecustodio em Copa do Nordeste

09 de Fevereiro de 2016

IMG_0255_1

Zagueiro Charles marcou o primeiro gol na final de 2015 contra o Bahia. Foto: Christian Alekson / Cearasc.com

Em 2016 o Ceará poderá se tornar o terceiro clube na história a vencer duas edições seguidas da Copa do Nordeste. Caso o Vovô levante o troféu de campeão nordestino, irá se igualar ao Bahia e ao Vitória, que conseguiram os títulos nas edições de 2001, 2002, e 2003 e 2010, respectivamente. Vale lembrar que, após o ano de 2003 a competição só voltou a ser disputada novamente sete anos depois.

Esta será a décima sexta edição do torneio regional. Apenas seis clubes tiveram a honra de conquistar o maior título da nossa região.

Títulos
O maior vencedor da competição é Vitória-BA, que tem nada menos do que cinco títulos. Depois vem o Sport-Recife com três taças. Seguido do bicampeão Bahia. Com um título cada temos: Ceará, América de Natal e Campinense-PB.

Remanescentes
O Alvinegro de Porangabussu manteve sete jogadores que conquistaram o título da “Lampions League”, são eles: os zagueiros Charles, Carlão, e Sandro, o volante João Marcos, os laterais Tiago Cametá e Fernandinho, e o atacante Assisinho.

A estreia do Ceará na competição será no próximo domingo (14) contra o Vitória da Conquista-BA, às 16h (horário local), no Estádio Lomanto Júnior.

Saiba mais
Ceará vence Tiradentes de novo e mantém 100% de aproveitamento

Publicidade

Domínio de Ceará e Fortaleza no Estadual deve continuar por muito tempo

Por guilhermecustodio em Opinião

04 de Fevereiro de 2016

Ceará venceu nesta quarta-feira (3) o Guarany de Sobral por 2 a 0. Foto: Rafael Barros/CearaSC.com

Ceará venceu nesta quarta-feira (3) o Guarany de Sobral por 2 a 0. Foto: Rafael Barros/CearaSC.com

Nas últimas vinte edições do Campeonato Cearense de Futebol da 1ª divisão o título ficou com o Fortaleza ou Ceará. A hegemonia dos dois maiores clubes do estado deve continuar. O Tricolor e o Vovô venceram todos os quatros jogos que disputaram até aqui no Estadual 2016.

Tudo bem que ambos ainda não jogaram uma partida de encher os olhos dos seus torcedores, mas pelo cenário do início do campeonato parece ser pouco provável que outro time possa ser campeão cearense.

Sem dúvida, os dois principais fatores para o domínio de Ceará e Fortaleza em âmbito local é a superioridade econômica e estrutural que possuem sobre os demais times. Os clubes menores precisam encarar o futebol com mais visão, priorizando a organização e a continuidade de trabalho, algo que não acontece por aqui (e no resto do país também). Tenho certeza que se todas as equipes dessem importância para organização (fora de campo) e sequência de trabalho o nível do nosso futebol iria crescer, e muito.

Saiba mais
Ceará cresce na reta final da partida e vence o Guarany no Junco
Fortaleza possui melhor ataque e atletas na lista de artilheiros do Cearense 2016

Na vitória diante do Maranguape, nesta quarta, Flávio Araújo completou 40 jogos no comando do Fortaleza. Foto:/Divulgação

Na vitória diante do Maranguape, nesta quarta, Flávio Araújo completou 40 jogos no comando do Fortaleza. Foto:/Divulgação

Outros times até andaram perto de ganhar o Cearense, mas esbarraram na segunda colocação. Foi o caso do Icasa, que ficou com vice nos anos de 2005, 2007 e 2008. A dupla Guarasol e Guaraju andou perto também. Em 2011 o time da Região do Cariri ficou com o vice, perdendo o troféu para o Ceará. Já em 2013 foi a vez do Cacique do Vale bater na trave contra o Vozão. Vale também citar o Ferroviário, que ficou com o vice nas edições de 1996, 1998 e 2003. Sabemos que tudo no futebol é imprevisível, porém, acredito que a taça de campeão cearense de 2016 vai ficar com um dos grandes do estado.

Publicidade

Confira quem leva a melhor no retrospecto entre Ceará e Flamengo

Por guilhermecustodio em Futebol

19 de Janeiro de 2016

Dois clubes já se enfrentaram 17 vezes. Foto: cearasc.com/Divulgação

Dois clubes já se enfrentaram 17 vezes. Foto: cearasc.com/Divulgação

É amistoso, mas vale taça!. A primeira edição da Taça Asa Branca reúne Ceará e Flamengo, neste quinta-feira (21), às 20h30 (horário local), no Estádio Arena Castelão. Os dois times já se enfrentaram em 17 oportunidades. O rubro-negro carioca leva vantagem. São sete vitórias, sete empates e três vitórias alvinegras.

O primeiro duelo entre os dois clubes aconteceu no dia 08 de novembro de 1964.  O último foi realizado no dia 15 de outubro de 2011. Já nas duas últimas vezes que se enfrentaram pelo Copa do Brasil (em 2005 e 2011) o Ceará eliminou o Flamengo.

Pré-temporada
A partida desta quinta-feira será a primeira oficial de ambos os times na temporada. De um lado, o técnico Lisca tenta encontrar a melhor formação para tentar levar o Vovô ao título cearense e ao bicampeonato do Nordeste. Ao todo, 13 reforços foram contratados até agora, entre eles o atacante Bill, que torna depois da sua primeira passagem em 2014. Outro reforço do time cearense é o meia argentino Emanuel Biancucchi, primo de Lionel Messi.

Do outro lado, Muricy Ramalho estreia como técnico do Flamengo, também em busca de achar a melhor formação após a chegada de oito reforços, com destaques para o argentino Federico Mancuello, contratado do Indepiendente-ARG por 12 R$ milhões de reais, e o volante Willian Arão, que veio do Botafogo. Os ingressos para o jogo ainda estão à venda neste endereço eletrônico.

Saiba mais
Zico confirma presença em Fortaleza para ver Ceará e Flamengo na Arena Castelão

Veja todos os jogos entre Ceará e Flamengo

Fonte: ogol.com.br

Fonte: ogol.com.br

 

Publicidade

Futebol cearense precisa sair do amadorismo para sobreviver

Por guilhermecustodio em Opinião

18 de Janeiro de 2016

Dez clubes participam da competição. Foto: FCF/Divulgação

Dez clubes participam da competição. Foto: FCF/Divulgação

Não é de hoje que todos nós sabemos que o futebol cearense precisa ser melhorado em vários aspectos, mas, principalmente, na organização e na estrutura que os clubes do interior têm para desempenhar a modalidade.

Todo início de campeonato é a mesma coisa.  Os times do interior saem das suas sedes para viajar centenas de quilômetros para exercer o seus mandos de campo em outras cidades. Na abertura do Estadual, entre Itapipoca e Uniclinic, no último sábado (16), o time da terra dos três climas mandou seu jogo no Estádio do Junco, em Sobral, devido o Perilo Teixeira não ter condições estruturais de receber partidas do cearense. Resultado: apenas 73 pessoas pagaram para assistir a o evento, que teve uma renda de R$ 496,00.

O Maranguape desceu a serra para jogar contra o Icasa no Estádio Presidente Vargas. Prática que se tornou comum no ano passado com o time da Região Metropolitana de Fortaleza com a falta do Estádio Moraisão, que não estar apto a receber jogos do certame. Apenas 140 pessoas pagaram para acompanhar este jogo, que teve uma renda de R$ 1.300,00.

O Quixadá fará sua estreia na competição na próxima quinta-feira (20) contra o Itapajé. O duelo acontecerá bem longe do Estádio Abilhão. Mas precisamente no bom e velho PV. Falta os clubes do nosso interior se unirem com as gestões municipais e os empresários para tentar conseguir recursos que possibilitem melhorar as condições de seus respectivos estádios. Chega a ser absurdo ver tamanha falta de visão em pleno século XXI. Hoje, o Campeonato Cearense é transmitido por três emissoras de televisão, que levam o evento para o mundo inteiro. Sem contar com os vários portais de notícias, rádios e jornal impresso. Quer melhores fontes de propaganda para seus times querem ter?

Se não bastasse os problemas estruturais, os dirigentes ainda conseguem bagunçar o campeonato antes mesmo de começar, com o sobe e desce de time via Justiça Desportiva. Já passou da hora do profissionalismo chegar no nosso futebol, não sendo apenas exclusividade de Ceará e Fortaleza.

Saiba mais
Guia do Campeonato Cearense 2016: conheça os times que desafiam Ceará e Fortaleza

Publicidade

Veja os possíveis adversários dos times cearenses na 1ª fase da Copa do Brasil

Por guilhermecustodio em Copa do Brasil

10 de Janeiro de 2016

Sorteio acontece na tarde desta segunda-feira. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Sorteio acontece na tarde desta segunda-feira. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) realiza nesta segunda-feira (11), às 14h30 (horário de Brasília), o sorteio da 1ª fase da Copa do Brasil. Os representantes cearenses são: Fortaleza (vaga obtida pelo título estadual de 2015), Ceará (vaga pelo vice-campeonato estadual de 2015) e Guarany de Sobral (vaga pelo título da Taça Fares Lopes 2015.

A CBF dividiu os 80 clubes participantes de acordo com a posição ocupada no Ranking Nacional de Clubes (RNC), que leva em consideração o desempenho dos times nas competições nacionais e pelo Ranking Nacional de Federações (RNF).

O Ceará ficou no grupo B e tem como possíveis adversários os seguintes times; Vitória da Conquista (BA), Goianésia (GO), Resende (RJ), Globo (RN), Operário (MT), Náutico (RR), Aparecidense (GO), Princesa dos Solimões (AM), Caldense (MG) e Operário (PR).

O Fortaleza poderá enfrentar; Internacional de Lages (SC), Imperatriz (MA), Juazeirense (BA), Tocantinópolis (TO), Ferroviária (SP), Linense (SP), Paraupebas (PA), Dom Bosco (MT), Galvez (AC) e Ivinhema (MS).

O Guarasol, que vai disputar a competição pela primeira vez, tem uma chave com prováveis adversários bem mais difíceis. O Cacique do Vale poderá enfrentar o Flamengo, ou outros times das Séries A e B do futebol brasileiro. Seu adversário será um desses clubes; Cruzeiro, Santos, Flamengo, Fluminense, Vasco da Gama, Atlético Parananense, Botafogo, Coritiba, Goiás e Figueirense.

Saiba mais
Fortaleza e Guarany de Sobral se enfrentam pela primeira partida da Taça dos Campeões

Publicidade

Ceará contrata “gigante” de 2 metros de altura para a zaga

Por guilhermecustodio em Ceará Sporting Club

04 de Janeiro de 2016

Salazar veio do Coritiba-PR. Foto: cearasc.com/Divulgação

Salazar veio do Coritiba-PR. Foto: cearasc.com/Divulgação

O Ceará anunciou a contratação de um grande reforço, pelo menos no que diz respeito a altura. Trata-se do zagueiro colombiano Luis Ángel Salazar Cuesta, 21 anos. O defensor veio do Coritiba, também teve passagens pelo Águilas Doradas e pelo Expreso Rojo, ambos da Colômbia.

Salazar tem 2 metros de altura. Se ele vai ser titular não sabemos, mas, em tese, pode vir muito a acrescentar no setor defensivo do Vovô, principalmente, se for levado em conta o fator bola aérea. A diferença de altura de Salazar com os outros zagueiros do elenco alvinegro é considerada. Para se ter uma ideia, o jogador Sandro, um dos mais antigos do atual plantel, mede 1m,80. Os outros zagueiros têm estatura semelhantes: Charles (1m,88), Carlão (1m,87) e Thiago Carvalho (1m,87).

Outros reforços
Outros três atletas foram anunciados como reforços do Alvinegro de Porangabussu: o meio-campo Guilherme Biteco (ex-Náutico), o volante Richardson, que vestiu a camisa do Confiança-SE em 2015, e do lateral-direito Juliano, ex-juventude-RS.

Estrangeiros
Ter jogadores estrangeiros não é algo muito comum no Ceará. Antes de Salazar, o meio-campista Javier Reina foi o último gringo que defendeu o Ceará, nos anos de 2010 e 2012.

O atacante David Madrigal defendeu o Ceará em 2002 e foi centro de uma verdadeira polêmica naquele ano. Após marcar gols importantes, o jogador costarriquenho foi acusado de ter atuado no Brasil com o seu visto de trabalho vencido.

A acusação custou um processo, no qual se pedia a anulação do título estadual do Alvinegro, o que não ocorreu, mas o atacante nunca mais vestiu a camisa alvinegra.

Saiba mais
Ceará apresenta cinco novos contratados para a temporada 2016

Relembre alguns estrangeiros que passaram (e muito mal) pelo futebol cearense e brasileiro

 

Publicidade

Em busca do bi, Fortaleza tenta manter hegemonia de estaduais no Século XXI

Por guilhermecustodio em Futebol Cearense

27 de dezembro de 2015

Título de 2015 foi o 40º estadual conquistado pelo Fortaleza. Foto: TV Leão/Reprodução

Título de 2015 foi o 40º estadual conquistado pelo Fortaleza. Foto: TV Leão/Reprodução

A menos de um mês para o início do Campeonato Cearense de Futebol da 1ª Divisão, os times se aprontam para a 102ª edição do Estadual. O Fortaleza, atual campeão, tentará manter a hegemonia de títulos estaduais no Século XXI. O Leão do Pici conquistou nove campeonatos neste século. O Ceará vem logo atrás com seis troféus.

A última vez que o título cearense não ficou nas mãos do Fortaleza ou do Ceará foi no ano de 1995, quando o Ferroviário levantou a taça. Já no somatório geral, o Alvinegro de Porangabussu leva vantagem. São 43 títulos do Vovô contra 40 do Tricolor de Aço.

O início do Cearense 2015 está marcado para o dia 17 de janeiro. A estreia do Fortaleza será no dia 24, diante do Itapipoca. Confira a tabela completa.

Títulos estaduais no Século XXI
2015 – Fortaleza
2014 – Ceará
2013 – Ceará
2012 – Ceará
2011 – Ceará
2010 – Fortaleza
2009 – Fortaleza
2008 – Fortaleza
2007 – Fortaleza
2006 – Ceará
2005 – Fortaleza
2004- Fortaleza
2003 – Fortaleza
2002- Ceará
2001 – Fortaleza

Saiba mais
Fortaleza contrata dois zagueiros para a temporada 2016

 

Publicidade

Fortaleza e Ceará encerram ano entre as 15 melhores médias de público do Brasil

Por guilhermecustodio em Futebol

17 de dezembro de 2015

Jogo entre Fortaleza e Brasil de Pelotas-RS teve a maior renda da história do futebol cearense. Foto: Daniel Herculano/Tribuna do Ceará

Fortaleza e Brasil de Pelotas-RS teve a maior renda da história do futebol cearense. Foto: Daniel Herculano/Tribuna do Ceará

Final da Copa do Nordeste entre Ceará e Bahia registou o 3º maior púbico no ano. Foto: cearasc.com/Divulgação

Final da Copa do Nordeste entre Ceará e Bahia registou o 3º maior púbico no ano. Foto: cearasc.com/Divulgação

 

 

 

 

 

 

 

Oh povo pra gostar de futebol. Os times do Fortaleza e do Ceará, respectivamente, encerram o ano de 2015 entre as 15 melhores médias de público dentre os 100 times que disputaram as séries A, B, C e D. O Leão do Pici teve uma média de 18.072 torcedores, ocupando a 10ª colocação no ranking, ficando na frente dos times do Fluminense, Atlético-PR, Sport, Vasco, Coritiba, Ponte Preta, clubes que disputaram a Série A em 2015.

O Alvinegro de Porangabussu ficou na 14ª posição, com uma média de 16.142 torcedores. O Vovô tem outro número significativo, o de terceiro maior público do ano do futebol nacional. A marca foi registrada na final da Copa do Nordeste, no dia 29 de abril, quando 63.399 pessoas viram o time cearense vencer o Bahia por 2 a 1 e conquistar o inédito título regional.

Dupla do Cariri
Se os dois maiores times do estado tiveram boas médias de público em 2015, o mesmo não se pode dizer das duas principais forças da Região do Cariri. O Icasa, rebaixado para a Série D, termina o ano na setuagésima terceira posição (73ª), com média de 949 torcedores. Já o Guarani de Juazeiro, que disputou a Série D, ocupa a octagésima terceira colocação (83ª), com média de 477 pessoas.

Ricardinho assina contrato com time árabe e Ceará aguarda o depósito da multa rescisória
Arena Castelão tem o recorde de público da Série C e também a maior renda do futebol cearense

Publicidade

Éverson faz defesa do campeonato e Ceará consegue o que parecia impossível

Por guilhermecustodio em Opinião

28 de novembro de 2015

Atacante Rafael Costa foi o autor do gol que garantiu o Ceará na Série B. Foto:  Christian Alekson / cearasc.com)

Atacante Rafael Costa foi o autor do gol que garantiu o Ceará na Série B. Foto: Christian Alekson / cearasc.com)

Alívio, emoção, choro, agradecimento. Esses foram alguns dos sentimentos que os torcedores do Ceará viveram na tarde deste sábado (28) no Estádio Arena Castelão. A vitória por 1 a 0 diante do Macaé-RJ foi comemorada como um título pela torcida alvinegra. A permanência do Vovô na Série B passa muito pela mãos do técnico Lisca, que assumiu o time no final de setembro e deu outra cara, ao então, desacreditado Ceará. 

O torcedor alvinegro sofreu até o último minuto. O goleiro Éverson, que até pouco tempo não fazia parte do elenco alvinegro, entrou para a história do clube ao fazer uma defesa salvadora, aos 47 minutos do segundo tempo. Sem dúvida, foi defesa do campeonato. Outro personagem emblemático da reação do Vovô na Série B é o técnico Lisca. Ao término da partida, o gaúcho não conteve a emoção e foi comemorar nos braços da galera. Tamanha alegria é justificada. Até a chegada do treinador, o clube era dado como apontado como rebaixado. Em dois meses, o que para muitos parecia impossível se tornou realidade e o Ceará conseguiu o que tanto almejava nessa reta final de Segundona.

Agora, a diretoria precisa sentar e rever tudo o que foi feito de errado no decorrer do ano, e assim, evitar mais um ano de sofrimento na Série B.

Saiba mais
Ceará vence Macaé, sai da zona de rebaixamento e permanece na Série B

 

Publicidade

Espaço craques do passado: relembre a trajetória do ex-jogador Babá

Por guilhermecustodio em Sem categoria

11 de novembro de 2015

Babá é o quarto da esquerda para a direita, agachado. Foto: Guilherme Custódio/Arquivo Pessoal

Babá é o quarto da esquerda para a direita, agachado. Foto: Guilherme Custódio/Arquivo Pessoal

O Blog do Conrado abre espaço para contar histórias de jogadores cearenses que fizeram história no nosso futebol. A primeira matéria do espaço “Craques do Passado” traz a história do ex-jogador Babá, que marcou seu nome na história dos três principais clubes do futebol local. 

Em “Forte e vigoroso, jogou com destaque no Fortaleza, Ferroviário e Ceará. Integrou o selecionado cearense sete vezes”. É assim que o saudoso historiador do futebol cearense, Alfredo Sampaio (1926-2005), definia Sebastião Medeiros de Brito, ou simplesmente Babá.

Nascido na capital cearense, no dia 05 de novembro de 1916, ele faleceu aos 82 anos, na mesma cidade. Babá era lateral e encerrou a carreira após problemas no menisco do joelho esquerdo. Como treinador, foi campeão cearense pelo proletário Ferroviário Atlético Clube, em 1950.

Jogador e marceneiro
Na época, alguns anos após a profissionalização do esporte no Ceará, fato ocorrido em 1939, era comum os jogadores de futebol exercerem também outra profissão. No Ferrão, grande parte dos jogadores eram funcionários da antiga Rede de Viação Cearense (RVC), onde Babá trabalhava na marcenaria. Outros exemplos de equipes de origem proletária do futebol brasileiro são o Bangu-RJ e o Criciúma-SC.
Sobre a sua troca de clube, entre os rivais Fortaleza e Ceará, jornais do período relatam que “do Fortaleza, Babá se transferiu para o Ceará e não foi menor, talvez até maior a sua projeção vestindo a camiseta alvinegra, formando com outros talentosos jogadores uma intermediária célebre dos nossos gramados”. Por jornais que falam sobre o jogador, era descrito como “Babá era duro, sem ser desleal. Dono de um físico avantajado tinha, porém, muita velocidade, a que aliava um senso perfeito de colocação em campo”.
Para o escritor e pesquisador Airton Fontenele, “no seu tempo, meia-cancha de respeito tinha de ter Babá”. Para o jornalista Tom Barros, Babá “deixou o seu nome no futebol cearense”. Enfim, como diria o trecho do recorte de um jornal, guardado em uma velha caixa por sua filha caçula, Maria Júlia, ele foi “um craque do passado, que soube honrar o nome do futebol cearense”.* Escrito pelo jornalista Guilherme Custódio, neto do ex-jogador Babá.

Saiba mais
Pelé completa 75 anos: relembre o dia que o Rei brilhou no Castelão

Publicidade

Espaço craques do passado: relembre a trajetória do ex-jogador Babá

Por guilhermecustodio em Sem categoria

11 de novembro de 2015

Babá é o quarto da esquerda para a direita, agachado. Foto: Guilherme Custódio/Arquivo Pessoal

Babá é o quarto da esquerda para a direita, agachado. Foto: Guilherme Custódio/Arquivo Pessoal

O Blog do Conrado abre espaço para contar histórias de jogadores cearenses que fizeram história no nosso futebol. A primeira matéria do espaço “Craques do Passado” traz a história do ex-jogador Babá, que marcou seu nome na história dos três principais clubes do futebol local. 

Em “Forte e vigoroso, jogou com destaque no Fortaleza, Ferroviário e Ceará. Integrou o selecionado cearense sete vezes”. É assim que o saudoso historiador do futebol cearense, Alfredo Sampaio (1926-2005), definia Sebastião Medeiros de Brito, ou simplesmente Babá.

Nascido na capital cearense, no dia 05 de novembro de 1916, ele faleceu aos 82 anos, na mesma cidade. Babá era lateral e encerrou a carreira após problemas no menisco do joelho esquerdo. Como treinador, foi campeão cearense pelo proletário Ferroviário Atlético Clube, em 1950.

Jogador e marceneiro
Na época, alguns anos após a profissionalização do esporte no Ceará, fato ocorrido em 1939, era comum os jogadores de futebol exercerem também outra profissão. No Ferrão, grande parte dos jogadores eram funcionários da antiga Rede de Viação Cearense (RVC), onde Babá trabalhava na marcenaria. Outros exemplos de equipes de origem proletária do futebol brasileiro são o Bangu-RJ e o Criciúma-SC.
Sobre a sua troca de clube, entre os rivais Fortaleza e Ceará, jornais do período relatam que “do Fortaleza, Babá se transferiu para o Ceará e não foi menor, talvez até maior a sua projeção vestindo a camiseta alvinegra, formando com outros talentosos jogadores uma intermediária célebre dos nossos gramados”. Por jornais que falam sobre o jogador, era descrito como “Babá era duro, sem ser desleal. Dono de um físico avantajado tinha, porém, muita velocidade, a que aliava um senso perfeito de colocação em campo”.
Para o escritor e pesquisador Airton Fontenele, “no seu tempo, meia-cancha de respeito tinha de ter Babá”. Para o jornalista Tom Barros, Babá “deixou o seu nome no futebol cearense”. Enfim, como diria o trecho do recorte de um jornal, guardado em uma velha caixa por sua filha caçula, Maria Júlia, ele foi “um craque do passado, que soube honrar o nome do futebol cearense”.* Escrito pelo jornalista Guilherme Custódio, neto do ex-jogador Babá.

Saiba mais
Pelé completa 75 anos: relembre o dia que o Rei brilhou no Castelão