Arquivos 13 de dezembro de 2012 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

13 de dezembro de 2012

A minha voz conta?

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Governos Locais, Legislação Ambiental, Meio Ambiente

13 de dezembro de 2012

     Há poucos dias, comentei sobre o direito de todas as pessoas de que suas vozes sejam ouvidas na vida pública e que sejam incluídas na tomada de decisão política. Aí eu me pergunto: a minha voz conta?

Fonte:ONU

    Gostaria que sim, tenho esperança que sim. Pois hoje gostaria de falar um pouco sobre “boatos” que alguns novos gestores de municípios cearenses, em sua nova plataforma de gestão, intencionam extinguir as secretarias municipais de meio ambiente.

    Friso novamente que são boatos e sinceramente não acredito em palavras ou frases que não tenha referencial ou credencial.

    Acredito que os novos gestores municipais cearenses, eleitos este ano, devem seguir o que está posto na Política Nacional de Meio Ambiente, concernente ao Sistema Nacional de Meio Ambiente e mais especificamente em âmbito municipal, com a instituição do órgão local de meio ambiente (para aqueles governos locais que ainda não o possuam ou, ainda, o fortalecimento do órgão ambiental municipal existente) em conjunto com o fortalecimento dos Conselhos municipais de meio ambiente.

    Creio, fortemente, que os novos gestores, cônscios de seu papel e da importância da execução da política ambiental em nível local, devem promover o incremento na quantidade e qualificação de recursos humanos para trabalhar nos órgãos locais de meio ambiente.

     Desejo que todos os 184 gestores municipais do Estado do Ceará incorporem em sua plataforma de gestão, o esforço necessário para o atendimento do disposto na Lei Complementar n. 140/2011.

     Fiquei muito feliz com as palavras da Promotora do Ministério Público Estadual que, no dia da cerimônia da entrega dos certificados do Programa Selo Município Verde aos municípios cearenses, comentou da preocupação do MPE sobre a criação e o fortalecimento das secretarias municipais de meio ambiente (órgãos locais) e que um dos parâmetros das discussões do planejamento estratégico do MPE, em esfera ambiental, eram as variáveis oriundas de mencionado Programa.

     Portanto, caríssimos leitores do Blog Verde, eu estou tranquila, porque tenho esperança de que, ao contrário do que os “boatos” apregoam, não teremos, no estado do Ceará, extinções de órgãos locais de meio ambiente. Pelo contrário, deposito minha fé no fortalecimento dos já existentes e na criação dos órgãos locais de meio ambiente naqueles municípios que, ainda, não o possuem, para que possam executar a política ambiental em esfera local em consonância com o disposto nos diplomas legais.

    Aos novos gestores municipais, eleitos este ano, e aos que renovaram seus mandatos, se minha voz conta, permitam-me dizer-lhes algo a respeito da esfera ambiental: usem as variáveis ambientais, do Programa Selo Município Verde, como norteador da instituição e execução da política ambiental em seus municípios. Há exatos nove anos, o Ceará tem um diagnóstico da situação dos municípios, referente às questões ambientais. E este pode ser bastante auxiliar como identificador de onde se encontram os gargalos ambientais e por onde e como se deve seguir.

     Se minha voz conta, prezados gestores municipais do estado do Ceará, contem com a minha voz e com o coral de vozes que emana dos técnicos representantes da Comissão e do Comitê Gestor do Programa Selo Município Verde.

     Se minha voz conta, permitam-me encerrar com versos de canções de Gonzaguinha:

eu sei que a vida devia ser bem melhor; e será!

“Fé na vida, fé no homem, fé no que virá;

Nós podemos tudo; nós podemos mais. Vamos lá fazer o que será”.

Publicidade

A minha voz conta?

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Governos Locais, Legislação Ambiental, Meio Ambiente

13 de dezembro de 2012

     Há poucos dias, comentei sobre o direito de todas as pessoas de que suas vozes sejam ouvidas na vida pública e que sejam incluídas na tomada de decisão política. Aí eu me pergunto: a minha voz conta?

Fonte:ONU

    Gostaria que sim, tenho esperança que sim. Pois hoje gostaria de falar um pouco sobre “boatos” que alguns novos gestores de municípios cearenses, em sua nova plataforma de gestão, intencionam extinguir as secretarias municipais de meio ambiente.

    Friso novamente que são boatos e sinceramente não acredito em palavras ou frases que não tenha referencial ou credencial.

    Acredito que os novos gestores municipais cearenses, eleitos este ano, devem seguir o que está posto na Política Nacional de Meio Ambiente, concernente ao Sistema Nacional de Meio Ambiente e mais especificamente em âmbito municipal, com a instituição do órgão local de meio ambiente (para aqueles governos locais que ainda não o possuam ou, ainda, o fortalecimento do órgão ambiental municipal existente) em conjunto com o fortalecimento dos Conselhos municipais de meio ambiente.

    Creio, fortemente, que os novos gestores, cônscios de seu papel e da importância da execução da política ambiental em nível local, devem promover o incremento na quantidade e qualificação de recursos humanos para trabalhar nos órgãos locais de meio ambiente.

     Desejo que todos os 184 gestores municipais do Estado do Ceará incorporem em sua plataforma de gestão, o esforço necessário para o atendimento do disposto na Lei Complementar n. 140/2011.

     Fiquei muito feliz com as palavras da Promotora do Ministério Público Estadual que, no dia da cerimônia da entrega dos certificados do Programa Selo Município Verde aos municípios cearenses, comentou da preocupação do MPE sobre a criação e o fortalecimento das secretarias municipais de meio ambiente (órgãos locais) e que um dos parâmetros das discussões do planejamento estratégico do MPE, em esfera ambiental, eram as variáveis oriundas de mencionado Programa.

     Portanto, caríssimos leitores do Blog Verde, eu estou tranquila, porque tenho esperança de que, ao contrário do que os “boatos” apregoam, não teremos, no estado do Ceará, extinções de órgãos locais de meio ambiente. Pelo contrário, deposito minha fé no fortalecimento dos já existentes e na criação dos órgãos locais de meio ambiente naqueles municípios que, ainda, não o possuem, para que possam executar a política ambiental em esfera local em consonância com o disposto nos diplomas legais.

    Aos novos gestores municipais, eleitos este ano, e aos que renovaram seus mandatos, se minha voz conta, permitam-me dizer-lhes algo a respeito da esfera ambiental: usem as variáveis ambientais, do Programa Selo Município Verde, como norteador da instituição e execução da política ambiental em seus municípios. Há exatos nove anos, o Ceará tem um diagnóstico da situação dos municípios, referente às questões ambientais. E este pode ser bastante auxiliar como identificador de onde se encontram os gargalos ambientais e por onde e como se deve seguir.

     Se minha voz conta, prezados gestores municipais do estado do Ceará, contem com a minha voz e com o coral de vozes que emana dos técnicos representantes da Comissão e do Comitê Gestor do Programa Selo Município Verde.

     Se minha voz conta, permitam-me encerrar com versos de canções de Gonzaguinha:

eu sei que a vida devia ser bem melhor; e será!

“Fé na vida, fé no homem, fé no que virá;

Nós podemos tudo; nós podemos mais. Vamos lá fazer o que será”.