Arquivos 8 de Janeiro de 2013 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

8 de Janeiro de 2013

Riscos Globais 2013 – ambientais e econômicos

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

08 de Janeiro de 2013

    O Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum) publicou hoje o Relatório Riscos Globais 2013 (Global Risks 2013 Report – eighth edition) em que comenta que, em linhas gerais, as perspectivas econômicas e sociais são ligeiramente mais pessimistas se comparadas a 2012.

Fonte:WEF

     Mencionado Relatório é desenvolvido anualmente por um grupo de mais de 1000 especialistas oriundos das áreas de indústria, do Governo, da Academia e da sociedade civil que analisaram cenários de 50 riscos globais.

     O Relatório reflete a preocupação com o impacto da crise na zona do euro e da falta de perspectiva positiva sobre o aquecimento global da atmosfera oriunda, sobretudo, da ação industrial do ser humano.

    O Relatório considera como um dos riscos globais, cuja realização é mais provável de acontecer nos próximos 10 anos, uma grande falha no sistema financeiro.

    O aumento das emissões dos gases de efeito estufa é o terceiro maior risco apontado pelos especialistas. Dois outros riscos estão entre os cinco de maior impacto provável, conforme o Relatório: uma crise de água por causa das mudanças climáticas e inadequado manejo no processo de envelhecimento da população.

     Textualmente o Relatório Global Risks 2013 diz “a natureza dos riscos globais muda constantemente. Trinta anos atrás, os clorofluorcarbonos (CFCs) foram vistos como um risco planetário, enquanto a ameaça de um ataque cibernético em massa foi tratado por muitos como ficção científica. No mesmo período, a proliferação de armas nucleares ocuparam as mentes dos cientistas e políticos, enquanto a proliferação de detritos orbitais não.”

     Continua o Relatório “com novas informações, as percepções e realidades dos riscos mudaram, e muitas vezes em direções imprevisíveis. Por exemplo, em alguns momentos, a ameaça das emissões de gases de efeito estufa fez a energia nuclear parecer ser menos perigosa do que os combustíveis fósseis, em longo prazo. No entanto, a catástrofe nuclear em Fukushima, no Japão, mudou a percepção do público não apenas lá, mas também a política energética, quase do dia para noite, em algumas partes da Europa”.

     Aos interessados em conhecer os Riscos Globais 2013, cliquem aqui.

Fonte: WEF

Publicidade

Riscos Globais 2013 – ambientais e econômicos

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

08 de Janeiro de 2013

    O Fórum Econômico Mundial (World Economic Forum) publicou hoje o Relatório Riscos Globais 2013 (Global Risks 2013 Report – eighth edition) em que comenta que, em linhas gerais, as perspectivas econômicas e sociais são ligeiramente mais pessimistas se comparadas a 2012.

Fonte:WEF

     Mencionado Relatório é desenvolvido anualmente por um grupo de mais de 1000 especialistas oriundos das áreas de indústria, do Governo, da Academia e da sociedade civil que analisaram cenários de 50 riscos globais.

     O Relatório reflete a preocupação com o impacto da crise na zona do euro e da falta de perspectiva positiva sobre o aquecimento global da atmosfera oriunda, sobretudo, da ação industrial do ser humano.

    O Relatório considera como um dos riscos globais, cuja realização é mais provável de acontecer nos próximos 10 anos, uma grande falha no sistema financeiro.

    O aumento das emissões dos gases de efeito estufa é o terceiro maior risco apontado pelos especialistas. Dois outros riscos estão entre os cinco de maior impacto provável, conforme o Relatório: uma crise de água por causa das mudanças climáticas e inadequado manejo no processo de envelhecimento da população.

     Textualmente o Relatório Global Risks 2013 diz “a natureza dos riscos globais muda constantemente. Trinta anos atrás, os clorofluorcarbonos (CFCs) foram vistos como um risco planetário, enquanto a ameaça de um ataque cibernético em massa foi tratado por muitos como ficção científica. No mesmo período, a proliferação de armas nucleares ocuparam as mentes dos cientistas e políticos, enquanto a proliferação de detritos orbitais não.”

     Continua o Relatório “com novas informações, as percepções e realidades dos riscos mudaram, e muitas vezes em direções imprevisíveis. Por exemplo, em alguns momentos, a ameaça das emissões de gases de efeito estufa fez a energia nuclear parecer ser menos perigosa do que os combustíveis fósseis, em longo prazo. No entanto, a catástrofe nuclear em Fukushima, no Japão, mudou a percepção do público não apenas lá, mas também a política energética, quase do dia para noite, em algumas partes da Europa”.

     Aos interessados em conhecer os Riscos Globais 2013, cliquem aqui.

Fonte: WEF