Arquivos 28 de Janeiro de 2013 - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

28 de Janeiro de 2013

Ponto de Não Retorno – Alerta do Greenpeace

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente, Saúde Ambiental

28 de Janeiro de 2013

     O relatório Point of No Return (Ponto de Não Retorno) do Greenpeace publicado esta semana alerta para os níveis de emissões de gases de efeito estufa e suas consequências deletérias para a saúde humana e para o meio ambiente.

     Mencionado Relatório afirma que o mundo está rapidamente chegando a um ponto de não retorno, no sentido de não permitir a prevenção dos piores impactos oriundos das mudanças climáticas. Se continuarmos com o curso atual (no que diz respeito à emissão de gases de efeito estufa e do uso de combustíveis fósseis) ficará difícil, se não impossível, evitar impactos generalizados e catastróficos das mudanças climáticas.

    Alerta o Relatório para os custos, que serão substanciais: bilhões gastos para lidar com a destruição por causa de eventos climáticos extremos. O alerta passa, ainda, pelo sofrimento humano incalculável e as dezenas de milhões de mortes por causa dos impactos, a partir de 2030.

Fonte: Point of No Return Report - Greenpeace

Fonte: Point of No Return Report – Greenpeace

    O relatório Point of No Return destaca a hipocrisia dos governos, pois se comprometeram em manter o aquecimento global abaixo de 2° C. No entanto, muitos países continuam promovendo projetos que irão empurrar o aquecimento global para 3,5° e 4° e, provavelmente, a 6° C. Um futuro assustador!

     Conforme o Relatório, 2010-2020 é a década de tomada de decisões definitivas, no sentido de cumprir metas de aquecimento global para o patamar máximo de 2º C. Na figura ao lado, de cor vermelha, está o cenário que os projetos de energia suja (dirty energy) tendem a crescer.

    Para ter acesso ao Relatório, na íntegra, cliquem aqui.

     E quais são as nossas escolhas? Permanecemos “fingindo” não ver? Ou será que vemos, mas não queremos enxergar? Enxergamos e não optamos por agir (ou optamos por não agir), porque não é de nossa responsabilidade.(!) Será que a responsabilidade não é nossa?

    Sinceramente, não tenho resposta. Mas sei que seremos cobrados em pouco tempo, ou por nós mesmos, ou por nossos filhos.

Fonte: Greenpeace

Publicidade

Ponto de Não Retorno – Alerta do Greenpeace

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente, Saúde Ambiental

28 de Janeiro de 2013

     O relatório Point of No Return (Ponto de Não Retorno) do Greenpeace publicado esta semana alerta para os níveis de emissões de gases de efeito estufa e suas consequências deletérias para a saúde humana e para o meio ambiente.

     Mencionado Relatório afirma que o mundo está rapidamente chegando a um ponto de não retorno, no sentido de não permitir a prevenção dos piores impactos oriundos das mudanças climáticas. Se continuarmos com o curso atual (no que diz respeito à emissão de gases de efeito estufa e do uso de combustíveis fósseis) ficará difícil, se não impossível, evitar impactos generalizados e catastróficos das mudanças climáticas.

    Alerta o Relatório para os custos, que serão substanciais: bilhões gastos para lidar com a destruição por causa de eventos climáticos extremos. O alerta passa, ainda, pelo sofrimento humano incalculável e as dezenas de milhões de mortes por causa dos impactos, a partir de 2030.

Fonte: Point of No Return Report - Greenpeace

Fonte: Point of No Return Report – Greenpeace

    O relatório Point of No Return destaca a hipocrisia dos governos, pois se comprometeram em manter o aquecimento global abaixo de 2° C. No entanto, muitos países continuam promovendo projetos que irão empurrar o aquecimento global para 3,5° e 4° e, provavelmente, a 6° C. Um futuro assustador!

     Conforme o Relatório, 2010-2020 é a década de tomada de decisões definitivas, no sentido de cumprir metas de aquecimento global para o patamar máximo de 2º C. Na figura ao lado, de cor vermelha, está o cenário que os projetos de energia suja (dirty energy) tendem a crescer.

    Para ter acesso ao Relatório, na íntegra, cliquem aqui.

     E quais são as nossas escolhas? Permanecemos “fingindo” não ver? Ou será que vemos, mas não queremos enxergar? Enxergamos e não optamos por agir (ou optamos por não agir), porque não é de nossa responsabilidade.(!) Será que a responsabilidade não é nossa?

    Sinceramente, não tenho resposta. Mas sei que seremos cobrados em pouco tempo, ou por nós mesmos, ou por nossos filhos.

Fonte: Greenpeace