ICID+18 Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

ICID+18

Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa – 2017

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente

25 de Abril de 2017

     Este ano, 2017, o Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa, em sua 12ª edição, tem como agraciado o Prof. Antônio Rocha Magalhães. Mencionado prêmio é uma outorga da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, sendo agraciada, alternadamente ano a ano, uma pessoa física ou uma pessoa jurídica, que tenha desenvolvido relevantes ações em prol do Bioma Caatinga.

     Conforme o de acordo com o Decreto Estadual nº 27.781, de 26/04/2005, que instituiu o Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa, a ser entregue no Dia Nacional da Caatinga, dia 28 de abril, para concorrer é necessário que a pessoa (física ou jurídica, pública ou privada) tenha prestado relevantes serviços voltados à melhoria da qualidade do bioma caatinga, assim como a criação e implantação de projetos visando sua recuperação e conservação e/ou tenha publicação de trabalhos científicos e literários na defesa e promoção do bioma caatinga.

     A escolha do agraciado é feita pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga, que é composto por 14 instituições, de forma paritária, das quais sete representam o Governo e sete a Sociedade Civil.

     Este ano, por motivo de força maior, a entrega do Prêmio acontecerá dia 19/05/2017 na Assembleia Legislativa do Ceará.

Antônio Rocha Magalhães – defesa em prol da Caatinga e das Terras Secas

     Ainda na década de 1990, quando o mundo discutia a operacionalização do conceito de Desenvolvimento Sustentável, o cearense de Canindé, Prof. Antônio Rocha Magalhães, coordenou a Conferência Internacional sobre Impactos das Variações Climáticas e Desenvolvimento Sustentável em Regiões Semiáridas (ICID), em Fortaleza, em 1992. Essa importante Conferência foi fundamental para que em junho de 1992, durante a Conferência das Nações Unidas para Meio Ambiente e Desenvolvimento, a chamada Rio92, os países assinassem a Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação (UNCCD, sigla em inglês), produzida enquanto recomendação baseada nos estudos técnicos da ICID.

     Em 2010, o Prof. Antônio Rocha Magalhães coordenou a ICID+18, também chamada de ICID2010, a Conferência Internacional sobre o Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento das Regiões Semiáridas, realizada em Fortaleza, em agosto de 2010; da qual tive a honra e o privilégio de estar ao seu lado, auxiliando-o na organização, juntamente com colegas professores e técnicos da FUNCEME, do CGEE e do MMA.

     Em 2011, o Prof. Antônio Rocha Magalhães foi eleito presidente da Comissão Científica da Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação, durante a 10ª Conferência das Partes (COP 10) da mencionada Convenção.

Breve currículo do Prof. Antônio Rocha Magalhães

    Em 2007, o Ministério do Meio Ambiente anunciou o nome do prof. Antônio Rocha Magalhães como candidato a comandar a Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação. O currículo, abaixo, foi transcrito de mencionada candidatura com informações do Banco Mundial, do qual o Prof. Antônio Rocha Magalhães foi consultor.

    É economista graduado pela Universidade Federal do Ceará, com doutorado também em economia pela Universidade de São Paulo. Em 1968, ingressou na carreira de Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco do Nordeste. Em 1971, assumiu em Brasília o cargo Técnico em Planejamento e Pesquisa do IPEA. Em 1986, foi assessor especial do ministro do Planejamento para assuntos regionais. Em 1987, foi Secretário de Planejamento do Governo do Estado do Ceará. Em 1995 voltou ao Governo do Ceará como assessor para assuntos internacionais e, um ano depois, ingressou no Banco Mundial como Assessor Principal para o Brasil. Foi professor de teoria econômica na Universidade Federal do Ceará (1969/71) e professor visitante na Escola de Políticas Públicas Lyndon B. Johnson, na Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos (1995/96). Durante os anos em que não exerceu atividades no governo foi consultor de organizações nacionais e internacionais, como o PNUD, PNUMA, Banco Mundial, BID, IICA e CEPAL. Atualmente é consultor do CGEE, do MCTI, em Brasília.

Fonte: SEMA, 2017; Banco Mundial, 2007; UNCCD, 2010.

Foto: Ikone Eventos, 2010. ICID +18.

Publicidade

Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa – 2017

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Meio Ambiente

25 de Abril de 2017

     Este ano, 2017, o Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa, em sua 12ª edição, tem como agraciado o Prof. Antônio Rocha Magalhães. Mencionado prêmio é uma outorga da Assembleia Legislativa do Estado do Ceará, sendo agraciada, alternadamente ano a ano, uma pessoa física ou uma pessoa jurídica, que tenha desenvolvido relevantes ações em prol do Bioma Caatinga.

     Conforme o de acordo com o Decreto Estadual nº 27.781, de 26/04/2005, que instituiu o Prêmio Ambientalista Joaquim Feitosa, a ser entregue no Dia Nacional da Caatinga, dia 28 de abril, para concorrer é necessário que a pessoa (física ou jurídica, pública ou privada) tenha prestado relevantes serviços voltados à melhoria da qualidade do bioma caatinga, assim como a criação e implantação de projetos visando sua recuperação e conservação e/ou tenha publicação de trabalhos científicos e literários na defesa e promoção do bioma caatinga.

     A escolha do agraciado é feita pelo Comitê Estadual da Reserva da Biosfera da Caatinga, que é composto por 14 instituições, de forma paritária, das quais sete representam o Governo e sete a Sociedade Civil.

     Este ano, por motivo de força maior, a entrega do Prêmio acontecerá dia 19/05/2017 na Assembleia Legislativa do Ceará.

Antônio Rocha Magalhães – defesa em prol da Caatinga e das Terras Secas

     Ainda na década de 1990, quando o mundo discutia a operacionalização do conceito de Desenvolvimento Sustentável, o cearense de Canindé, Prof. Antônio Rocha Magalhães, coordenou a Conferência Internacional sobre Impactos das Variações Climáticas e Desenvolvimento Sustentável em Regiões Semiáridas (ICID), em Fortaleza, em 1992. Essa importante Conferência foi fundamental para que em junho de 1992, durante a Conferência das Nações Unidas para Meio Ambiente e Desenvolvimento, a chamada Rio92, os países assinassem a Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação (UNCCD, sigla em inglês), produzida enquanto recomendação baseada nos estudos técnicos da ICID.

     Em 2010, o Prof. Antônio Rocha Magalhães coordenou a ICID+18, também chamada de ICID2010, a Conferência Internacional sobre o Clima, Sustentabilidade e Desenvolvimento das Regiões Semiáridas, realizada em Fortaleza, em agosto de 2010; da qual tive a honra e o privilégio de estar ao seu lado, auxiliando-o na organização, juntamente com colegas professores e técnicos da FUNCEME, do CGEE e do MMA.

     Em 2011, o Prof. Antônio Rocha Magalhães foi eleito presidente da Comissão Científica da Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação, durante a 10ª Conferência das Partes (COP 10) da mencionada Convenção.

Breve currículo do Prof. Antônio Rocha Magalhães

    Em 2007, o Ministério do Meio Ambiente anunciou o nome do prof. Antônio Rocha Magalhães como candidato a comandar a Convenção das Nações Unidas sobre Combate à Desertificação. O currículo, abaixo, foi transcrito de mencionada candidatura com informações do Banco Mundial, do qual o Prof. Antônio Rocha Magalhães foi consultor.

    É economista graduado pela Universidade Federal do Ceará, com doutorado também em economia pela Universidade de São Paulo. Em 1968, ingressou na carreira de Técnico em Desenvolvimento Econômico do Banco do Nordeste. Em 1971, assumiu em Brasília o cargo Técnico em Planejamento e Pesquisa do IPEA. Em 1986, foi assessor especial do ministro do Planejamento para assuntos regionais. Em 1987, foi Secretário de Planejamento do Governo do Estado do Ceará. Em 1995 voltou ao Governo do Ceará como assessor para assuntos internacionais e, um ano depois, ingressou no Banco Mundial como Assessor Principal para o Brasil. Foi professor de teoria econômica na Universidade Federal do Ceará (1969/71) e professor visitante na Escola de Políticas Públicas Lyndon B. Johnson, na Universidade do Texas em Austin, nos Estados Unidos (1995/96). Durante os anos em que não exerceu atividades no governo foi consultor de organizações nacionais e internacionais, como o PNUD, PNUMA, Banco Mundial, BID, IICA e CEPAL. Atualmente é consultor do CGEE, do MCTI, em Brasília.

Fonte: SEMA, 2017; Banco Mundial, 2007; UNCCD, 2010.

Foto: Ikone Eventos, 2010. ICID +18.