REDD+ Archives - Blog Verde 
Publicidade

Blog Verde

por Nájila Cabral

REDD+

REDD+ e a estratégia brasileira

     REDD+ (Redução de Emissões provenientes de Desmatamento e Degradação Florestal) é uma estratégia em discussão na UNFCCC (Convenção Quadro das Nações Unidas de Mudanças Climáticas) que, de alguma maneira, oferece compensações aos países em desenvolvimento que reduzirem as suas emissões de GEE, ou, ainda, que investirem em práticas de baixo carbono correlacionadas ao uso da terra.

     O Ministério do Meio Ambiente está disponibilizando em sua página na internet informações sobre a estratégia brasileira de REDD+; portanto as informações aqui presentes foram retiradas de mencionado site.

     Conforme o MMA, a estratégia nacional da REDD+ define como um país em desenvolvimento reduzirá suas emissões oriundas de desmatamento e degradação com apoio financeiro, técnico e tecnológico adequado e previsível. A COP 16, que ocorreu em 2010, no México, indicou que os países considerassem as causas do desmatamento e da degradação florestal, as questões fundiárias e, ainda, de governança florestal.

     Mais recentemente, em novembro de 2013, houve a COP 19, em Varsóvia. O Brasil retornou de mencionado evento com novos insumos para agregar a sua estratégia nacional de REDD+, que, atualmente, encontra-se em fase de discussão na esfera governamental.

Fonte: MMA

Publicidade

Principais decisões da COP 19 – Conferência sobre Mudanças Climáticas (parte 2)

Por Nájila Cabral em Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas

26 de novembro de 2013

     Além das já citadas decisões da COP 19 no post de ontem, no último sábado, dia 23/11, os países decidiram ainda pelo:

– Corte de emissões por desmatamento; os acordos incluem, neste quesito, um conjunto significativo de decisões sobre as formas de ajudar os países em desenvolvimento a reduzir as emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação das florestas, que representam cerca de um quinto de todas as emissões humanas geradas no mundo. O Quadro de Varsóvia para o REDD + é apoiado por promessas de US$ 280 milhões de dólares de financiamento dos EUA, da Noruega e do Reino Unido.

     O Presidente da Conferência do Clima em Varsóvia, Marcin Korolec, disse: “Tenho orgulho dessa realização concreta. Estamos todos conscientes do papel central que as florestas desempenham como sumidouros de carbono, estabilizadores climáticos e como paraísos da biodiversidade. Através das nossas negociações uma contribuição significativa para a preservação da floresta e para o uso sustentável que vai beneficiar as pessoas que vivem dentro e ao redor delas. E estou orgulhoso de que este instrumento tenha sido nomeado de Quadro de Varsóvia para REDD+”.

     Interessante destacar que o Ministro do Meio Ambiente da Polônia e Presidente da COP 19, Marcin Korolec, foi demitido do cargo no dia 20/11, durante a realização da Conferência do Clima, no entanto permaneceu na Presidência da Conferência, dedicando-se às negociações.

Fonte: UNFCC (Press Release)

Publicidade

Acre é o primeiro a receber dinheiro por deixar de emitir CO2

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

26 de dezembro de 2012

    O Estado do Acre tornou-se na última semana o primeiro estado do Brasil a realizar transações financeiras relacionadas à Redução de Emissões do Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+).

Foto: Arquivo pessoal

    Conforme Agência de Notícias do Acre, por meio de um contrato assinado entre o governo do Acre e o banco alemão KfW, o Estado vai receber, nos próximos quatro anos, 16 milhões de euros – cerca de R$ 50 milhões de reais – por ter deixado de emitir 4 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) nos últimos anos.

     Interessante lembrar, por exemplo, das Conferências das Partes (COPs) promovidas pela Organização das Nações Unidas, nas quais os países têm dificuldades em entrar em consenso sobre os valores das toneladas de dióxido de carbono e, portanto, não conseguem avançar nas discussões relacionadas a este assunto. No caso do acordo entre o Acre e o banco alemão, cada tonelada de CO2 não emitida foi estimada em US$ 5.

Fonte: Agência de Notícias do Acre

Publicidade

Acre é o primeiro a receber dinheiro por deixar de emitir CO2

Por Nájila Cabral em Conservação da Natureza, Desenvolvimento Sustentável, Meio Ambiente

26 de dezembro de 2012

    O Estado do Acre tornou-se na última semana o primeiro estado do Brasil a realizar transações financeiras relacionadas à Redução de Emissões do Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+).

Foto: Arquivo pessoal

    Conforme Agência de Notícias do Acre, por meio de um contrato assinado entre o governo do Acre e o banco alemão KfW, o Estado vai receber, nos próximos quatro anos, 16 milhões de euros – cerca de R$ 50 milhões de reais – por ter deixado de emitir 4 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) nos últimos anos.

     Interessante lembrar, por exemplo, das Conferências das Partes (COPs) promovidas pela Organização das Nações Unidas, nas quais os países têm dificuldades em entrar em consenso sobre os valores das toneladas de dióxido de carbono e, portanto, não conseguem avançar nas discussões relacionadas a este assunto. No caso do acordo entre o Acre e o banco alemão, cada tonelada de CO2 não emitida foi estimada em US$ 5.

Fonte: Agência de Notícias do Acre