Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Apesar da queda, Índice de Confiança inspira otimismo

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

09 de Março de 2016

Análise ] O estudo aponta também que o consumidor continua preocupado com a situação econômica nacional, com 60,9% dos entrevistados descrevendo-a como ruim ou péssima.

 Segundo pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio/CE), o Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza apresentou queda de 3,1% em março, com relação ao último mês de fevereiro, passando de 105,3 pontos para 102,0 pontos neste mês, tendo o indicador permanecido na área que indica otimismo por parte do consumidor.

O resultado de março decorreu da queda dos seus dois componentes: o Índice de Situação Presente, que teve redução de 5,1% no mês, passando de 100,5 pontos em fevereiro para 95,3 pontos neste mês; já o Índice de Situação Futura apresentou diminuição de 1,9%, atingindo 106,4 pontos.

Pretensão de compra

Apesar da queda no Índice de Confiança, a taxa de pretensão de compras teve leve aumento de 0,8 pontos percentuais, passando de 36,2%, em fevereiro, para 37,0% neste mês – o que reforça o argumento da elevada seletividade dos consumidores, que priorizam as promoções e liquidações. Ainda assim, o indicador deste mês é inferior ao observado no mesmo mês do ano passado, de 41,5%.

O valor médio das compras é estimado em R$ 301,56 e a intenção de compra mostra-se superior para os homens (39,5%), mais vigorosa para os consumidores do grupo com idade entre 18 e 24 anos (48,0%) e com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos (43,8%). Os produtos mais procurados são: Móveis e artigos de decoração, citados por 16,6% dos entrevistados; Televisores (16,4%); Artigos de Vestuário (15,2%); Aparelhos de Telefonia Celular (12,7%); Geladeira e Refrigeradores (11,3%) e Fogão (9,1%).

 

Expectativa dos consumidores

A expectativa dos consumidores, medida pelo percentual de consumidores que consideram o momento atual ótimo ou bom para a compra de bens duráveis teve redução em março, passando de 45,0%, em fevereiro, para 36,8% neste mês.

No perfil daqueles com maior disposição para as compras se destacam os consumidores do gênero feminino (36,9%), do grupo com idade entre 18 e 24 anos (42,4%) e com renda familiar superior a dez salários mínimos (53,7%).

A pesquisa também revela que 62,1% dos consumidores de Fortaleza consideram que sua situação financeira atual está melhor ou muito melhor do que há um ano. Já as expectativas com o futuro se mostram mais otimistas, com 77,5% dos entrevistados acreditando que sua situação financeira futura será melhor ou muito melhor do que a atual.

O consumidor de Fortaleza tem mostrado preocupações com a situação econômica nacional, com 60,9% dos entrevistados descrevendo-a como ruim ou péssima. Esse sentimento recebe influências da aceleração da inflação, do aumento dos juros e da percepção de relativa piora no mercado de trabalho.

  • postado por Oswaldo Scaliotti

 

Publicidade aqui

Apesar da queda, Índice de Confiança inspira otimismo

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

09 de Março de 2016

Análise ] O estudo aponta também que o consumidor continua preocupado com a situação econômica nacional, com 60,9% dos entrevistados descrevendo-a como ruim ou péssima.

 Segundo pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio/CE), o Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza apresentou queda de 3,1% em março, com relação ao último mês de fevereiro, passando de 105,3 pontos para 102,0 pontos neste mês, tendo o indicador permanecido na área que indica otimismo por parte do consumidor.

O resultado de março decorreu da queda dos seus dois componentes: o Índice de Situação Presente, que teve redução de 5,1% no mês, passando de 100,5 pontos em fevereiro para 95,3 pontos neste mês; já o Índice de Situação Futura apresentou diminuição de 1,9%, atingindo 106,4 pontos.

Pretensão de compra

Apesar da queda no Índice de Confiança, a taxa de pretensão de compras teve leve aumento de 0,8 pontos percentuais, passando de 36,2%, em fevereiro, para 37,0% neste mês – o que reforça o argumento da elevada seletividade dos consumidores, que priorizam as promoções e liquidações. Ainda assim, o indicador deste mês é inferior ao observado no mesmo mês do ano passado, de 41,5%.

O valor médio das compras é estimado em R$ 301,56 e a intenção de compra mostra-se superior para os homens (39,5%), mais vigorosa para os consumidores do grupo com idade entre 18 e 24 anos (48,0%) e com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos (43,8%). Os produtos mais procurados são: Móveis e artigos de decoração, citados por 16,6% dos entrevistados; Televisores (16,4%); Artigos de Vestuário (15,2%); Aparelhos de Telefonia Celular (12,7%); Geladeira e Refrigeradores (11,3%) e Fogão (9,1%).

 

Expectativa dos consumidores

A expectativa dos consumidores, medida pelo percentual de consumidores que consideram o momento atual ótimo ou bom para a compra de bens duráveis teve redução em março, passando de 45,0%, em fevereiro, para 36,8% neste mês.

No perfil daqueles com maior disposição para as compras se destacam os consumidores do gênero feminino (36,9%), do grupo com idade entre 18 e 24 anos (42,4%) e com renda familiar superior a dez salários mínimos (53,7%).

A pesquisa também revela que 62,1% dos consumidores de Fortaleza consideram que sua situação financeira atual está melhor ou muito melhor do que há um ano. Já as expectativas com o futuro se mostram mais otimistas, com 77,5% dos entrevistados acreditando que sua situação financeira futura será melhor ou muito melhor do que a atual.

O consumidor de Fortaleza tem mostrado preocupações com a situação econômica nacional, com 60,9% dos entrevistados descrevendo-a como ruim ou péssima. Esse sentimento recebe influências da aceleração da inflação, do aumento dos juros e da percepção de relativa piora no mercado de trabalho.

  • postado por Oswaldo Scaliotti