Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Responsabilidade social

Projeto Unifametro na Comunidade chega ao Morro do Ouro nesse fim de semana

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

07 de junho de 2019

 

Nos dias 08, 10 e 11, a Unifametro está presente na comunidade do Morro do Ouro levando capacitação, cuidados básicos com a saúde e estética, além de orientações profissionais. O atendimento é gratuito e ocorre na Escola Paulo Petrola (Avenida Sargento Hermínio Sampaio, 415, Jacarecanga). As vagas são limitadas e as inscrições são feitas presencialmente na Associação dos Moradores da Comunidade do Morro do Ouro.

 

A ação é uma iniciativa do Núcleo de Extensão e Responsabilidade Social da Unifametro, e tem como intuito aproximar-se da comunidade do entorno do centro universitário. As atividades são realizadas nas instalações da Escola Paulo Petrola no sábado (08) e também nos Campi da Unifametro nos dias restantes.

 

Os cursos que participam da ação são: Direito, Educação Física, Enfermagem, Estética e Cosmética, Fisioterapia, Gastronomia, Gestão de Recursos Humanos,  Nutrição, Psicologia e Serviço Social.

 

Confira a programação completa:

 

Dia 08 (sábado)

Local: Escola Paulo Petrola

8h às 11h30

Verificação de pressão arterial e glicemia, massagens quicks, aula de zumba, orientação sobre plantas medicinais e distribuição de mudas, corte de cabelo, orientação jurídica, avaliação nutricional e alimentação saudável.

 

Dia 10 (segunda-feira)

Local: Clínica Integrada Unifametro

8h às 11h30

Atendimento facial, corporal, capilar e zen; avaliação nutricional e palestra educativa.

14h às 17h

Terapia da dor

 

Dia 11 (terça-feira)

Local: Clínica Integrada Unifametro

8h às 11h30

Fabricação de pães recheados doces e salgados

13h às 17h

Bolos confeitados e bolos doces

Local: Associação Morro do Ouro

14h às 17h

Orientação sobre currículos e entrevista de emprego; contação de história de oficina de pintura (para crianças de 06 a 10 anos de idade)

 

Serviço: Unifametro na Comunidade. Dias 08, 10 e 11 de junho na comunidade Morro do Ouro. Acesso gratuito mediante inscrição presencial na Associação dos

Moradores da Comunidade do Morro do Ouro. Informações: (85) 98408.5853 (falar com sr. Wilson).

Publicidade

Projeto Calendário do Bem do Instituto Nordeste Cidadania promove revitalização de praça na Serrinha

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

05 de junho de 2019

No próximo dia 07 de junho (sexta-feira), o Instituto Nordeste Cidadania (Inec), por meio do seu projeto Calendário do Bem, realiza a revitalização de uma praça no bairro Serrinha (Rua Freire Alemão, logo após a Associação dos Catadores da Serrinha – Acores). Na ocasião, serão feitas pintura de painéis, construção de espirais de ervas e caminhos com pneus.

O projeto Calendário do Bem tem o objetivo de expandir as ações socioambientais para toda a área de atuação do Inec (Região Nordeste e nortes de Minas Gerais e do Espírito Santo), por meio de seus mais de 7.500 colaboradores, envolvendo comunidades e parceiros. Em 2019, o projeto, que está na sua sexta edição, tem como tema “Colaboração para um Futuro Sustentável”. Nesse sentido, todas as ações socioambientais realizadas ao longo do ano terão como foco as sustentabilidades ambiental, econômica e social.

Desde 2018, quando o Inec passou a ser signatário do Movimento Nacional ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável), as ações do projeto Calendário do Bem têm sido norteadas pelos objetivos do movimento. Nesta edição, serão realizadas três ações coordenadas durante o ano, que se referem diretamente aos seguintes Objetivos do Desenvolvimento Sustentável: ODS 6 – Água Potável e Saneamento; ODS 12 – Consumo e Produção Responsáveis, e ODS 2 – Fome Zero e Agricultura Sustentável. A ação da próxima sexta está relacionada ao ODS 6.

Sobre o Movimento ODS

O Movimento ODS é uma articulação de diversos atores sociais que tem como objetivo a implementação da Agenda 2030, um plano de ação global adotado durante a 70º Assembleia Geral das Nações Unidas, realizada em setembro de 2015. Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) a serem implementados de 2016 a 2030 decorrem do movimento gerado pelos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) e se colocam como uma agenda de desenvolvimento audaciosa, constituída por um conjunto integrado e indivisível de prioridades globais com foco no desenvolvimento sustentável.

São 17 os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável:

ODS 1 – Erradicação da pobreza;

ODS 2 – Fome zero e agricultura sustentável;

ODS 3 – Saúde e bem-estar;

ODS 4 – Educação de qualidade;

ODS 5 – Igualdade de gênero;

ODS 6 – Água potável e saneamento;

ODS 7 – Energia limpa e acessível;

ODS 8 – Trabalho decente e crescimento econômico;

ODS 9 – Indústria, inovação e infraestrutura;

ODS 10 – Redução das desigualdades;

ODS 11 – Cidades e comunidades sustentáveis;

ODS 12 – Consumo e produção responsáveis;

ODS 13 – Ação contra a mudança global do clima;

ODS 14 – Vida na água;

ODS 15 – Vida terrestre;

ODS 16 – Paz, justiça e instituições eficazes;

ODS 17 – Parcerias e meios de implementação.

Sobre o Inec

O Instituto Nordeste Cidadania (Inec) surgiu em 1993 como Comitê de Ação da Cidadania para realizar ações emergenciais, como doações de cestas básicas, roupas e brinquedos para pessoas em situação de vulnerabilidade. Em 1996, a iniciativa constituiu-se como Organização Não-Governamental (ONG) e, em 2003, foi qualificada como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). O Inec, que completa 26 anos em 2019, tem como missão contribuir com a inclusão e o desenvolvimento sociocultural e econômico das pessoas. Para atingir este objetivo, a instituição é parceira do Banco do Nordeste na operacionalização dos programas Crediamigo e Agroamigo, além de desenvolver os programas socioambientais Inec Juventude, Inec Cultura, Inec Território e Inec Tecnologia.

Publicidade

Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia junto a rede de parceiros locais

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

05 de junho de 2019

No Dia Mundial do Meio Ambiente, companhia reforça posicionamento sustentável e convida a conhecer o que uma marca de beleza pode fazer pela Amazônia

 O Brasil registra números alarmantes de desmatamento ilegal na região Amazônica e a devastação tem se acelerado nos últimos meses. A cada hora, a Amazônia perde uma área verde do tamanho de 20 campos de futebol. De acordo com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), esse foi o ritmo do desmatamento registrado em maio passado nas Unidades de Conservação federais,  que são áreas protegidas por lei.

Para reforçar a importância da biodiversidade nacional e do desenvolvimento sustentável da Amazônia, a Natura divulga neste Dia do Meio Ambiente dados inéditos do Programa Natura Amazônia de conservação da floresta.

Como parte integrante de uma rede atuante na região, a Natura contribui para a conservação de 1,8 milhão de hectares na Amazônia, área equivalente a 12 vezes o tamanho da cidade de São Paulo. O novo dado é resultado da reformulação da metodologia que calcula a área total conservada, antes de 257 mil hectares. Esse número compreendia a área de atuação com as cadeias da sociobiodiversidade de relacionamento direto com a Natura para compra de insumos. Agora, ele também incorpora outras áreas onde a Natura desenvolve iniciativas que geram impacto positivo para a conservação. Outra mudança foi a fonte de dados, que passou a utilizar informações atualizadas anualmente pelo projeto Prodes-INPE, responsável por realizar o mapeamento via satélite do desmatamento na Amazônia Legal.

Esse trabalho de conservação é realizado em parceria com organizações não governamentais e governamentais – em especial aos órgãos gestores onde atuamos com Unidades de Conservação de Uso Sustentável, como SEMA-AP (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá), ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), SEMAS-AM (Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas) – além das comunidades agroextrativistas e organizações sociais da região.

“Acreditamos que uma marca de beleza deve fazer de tudo para deixar o mundo mais bonito e isso envolve o esforço de fazer uma floresta ficar maior, e não menor”, Andrea Alvares, vice-presidente de Marketing, Inovação e Sustentabilidade da Natura. “É por isso que desenvolvemos negócios que geram e compartilham valor com uma rede de 5,6 mil famílias de comunidades fornecedoras, sobretudo da Amazônia, contribuindo para o desenvolvimento de alternativas econômicas sustentáveis e inclusivas na região e para a conservação de cerca de 1.8 milhão hectares de floresta.”

Em uma relação que já dura duas décadas, a Natura tem uma ligação com comunidades amazônicas que fornecem ingredientes por meio de sua atuação na região, com pesquisa de ingredientes naturais, desenvolvimento de técnicas de manejo em campo, a assessoria  direta em campo para orientar sobre questões de direitos trabalhistas, de saúde e segurança do trabalho, gestão organizacional, boas práticas de produção e apoio à redes territoriais.

Em 2011, a Natura reuniu as iniciativas na região sob o Programa Amazônia, com a meta de movimentar um valor acumulado de R$ 1 bilhão de reais na região até 2020, considerando todas as nossas iniciativas, que incluem o fornecimento de ingredientes e repartição de benefícios. Essa meta foi batida em no primeiro semestre de 2017 e hoje o volume de negócios movimentado na região passa de R$ 1,5 bilhão.

Ao longo de 2018, por exemplo, foram realizados treinamentos com mais de 370 pessoas, a fim de promover o desenvolvimento local e a melhoria na qualidade de trabalho das comunidades. O investimento em apoios técnicos e capacitações em 2018 foi de R$ 6,5 milhões. “Aumentamos consideravelmente os impactos positivos gerados nas comunidades. Com isso, seguimos comprometidos em potencializar o uso dos ingredientes da biodiversidade brasileira no portfólio e o comprometimento da Natura com o desenvolvimento das comunidades”, ressalta Mauro Costa, gerente deRelacionamento e Abastecimento da Sociobiodiversidade da Natura.

Iniciativas

Atualmente, existem cerca de 5,6 mil famílias fornecedoras da sociobiodiversidade, sendo 81% da região Amazônica – de comunidades no Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará e Rondônia (veja no mapa).

Órgãos gestores das unidades de conservação:  Reserva de Desenvolvimento Sustentável Uacarí (Unidade de Conservação Estadual): Sema – Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amazonas; Reserva Extrativista Médio Juruá (Unidade de Conservação Federal: ICMBio – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade;     Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Rio Iratapuru (Unidade de Conservação Estadual): SEMA-AP -Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Amapá.

Além da compra de insumos, a Natura reparte benefícios a partir do acesso ao patrimônio genético e do conhecimento tradicional das comunidades, e reverte uma porcentagem da venda de produtos com ingredientes da biodiversidade brasileira em apoio a iniciativas que geram impactos socioambientais. Ao todo, são mais de 90 contratos de repartição de benefícios. Em 2018, o investimento foi de R$ 18,7 milhões em projetos de conservação ambiental como ações de apoio à educação, infraestrutura de unidades de beneficiamento, fortalecimento institucional, entre outras. Além disso, a empresa apoia a educação no campo e na floresta, a articulação de redes territoriais – como o Território Médio Juruá e a Rede Jirau de Agroecologia, no Baixo Tocantins – e o empreendedorismo comunitário.

Exemplos emblemáticos da atuação da Natura na região

Carbono Circular

Primeiro Insetting carbon do Brasil, o projeto remunera pequenos agricultores da comunidade Reca – Reflorestamento Econômico Consorciado e Adensado pelo serviço de conservação ambiental, estimulando-os a manterem a Amazônia conservada.

Projeto SAF Dendê

União de cultivo de palma em modelo agroflorestal, que combina o cultivo da planta com outras culturas, como cacau, açaí e andiroba.

Abastecimento ético

Como forma de garantir o comércio ético e justo, toda a cadeia da sociobiodiversidade passa por auditorias anuais e cumpre critérios do Biocomércio Ético, o que inclui a rastreabilidade de todos os insumos garantidos nas comunidades. Por meio desse comprometimento, a Natura conquistou a certificação internacional da UEBT (União para o BioComércio Ético) para os produtos da linha Ekos. O selo atesta a sustentabilidade da cadeia de fornecimento de todos os ingredientes naturais da linha, reforçando o compromisso com o comércio justo, a conservação da biodiversidade e o desenvolvimento social, decorrentes de relacionamentos de confiança com os fornecedores.

Sobre a Natura

Fundada em 1969, a Natura é uma multinacional brasileira de higiene e cosmética. Líder no setor de venda direta no Brasil, com mais de 1,7 milhão de consultoras, faz parte de Natura &Co, resultado da combinação entre as marcas Natura, The Body Shop e Aesop, com faturamento de R$ 13,4 bilhões em 2018. Foi a primeira companhia de capital aberto a receber a certificação B Corp no mundo, em dezembro de 2014, o que reforça sua atuação transparente e sustentável nos aspectos social, ambiental e econômico. É também a primeira empresa brasileira a conquistar o selo “The Leaping Bunny”, concedido pela organização de proteção animal Cruelty Free International, em 2018, que atesta o compromisso da empresa com a não realização de testes em animais de seus produtos ou ingredientes. Com operações na Argentina, Chile, Colômbia, Estados Unidos, França, México e Peru, os produtos da marca Natura podem ser adquiridos com as Consultoras, pelo Rede Natura, por meio do app, nas lojas próprias ou nas franquias “Aqui tem Natura”. Para mais informações, visite www.natura.com.br ouacesse os perfis da empresa nas redes sociais: LinkedInFacebook e Instagram.

Publicidade

Dia do Meio Ambiente: Grupo Aço Cearense contribui para uma sociedade cada vez mais sustentável

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

04 de junho de 2019

Participar do desenvolvimento do país nos aspectos econômico, social e ambiental é um dos principais objetivos do Grupo Aço Cearense, cuja atuação baseia-se em um alinhamento de seus negócios com uma gestão socialmente engajada. Líder no segmento do aço nas regiões Norte e Nordeste, o Grupo conta com 4 empresas e 1 Instituto com atuação no Ceará, Pará e Tocantins: Aço Cearense Comercial, Aço Cearense Industrial, SINOBRAS, SINOBRAS Florestal e Instituto Aço Cearense.

 Em alusão do Dia Mundial do Meio Ambiente, comemorado no dia 5 de junho, o Grupo reforça seu compromisso com o bem-estar do planeta, sempre buscando recursos que facilitem os processos e mantenham a sustentabilidade do meio ambiente.

O Grupo desenvolve também projetos voltados para as áreas sociais com a ajuda do Instituto Aço Cearense, que atendem pessoas em situação de vulnerabilidade social. O Instituto apoia também colaboradores das empresas do Grupo que se destacam no esporte e realiza campanhas com diversas ações de solidariedade, como arrecadação de roupas, produtos de higiene pessoal, alimentos e brinquedos. O Instituto Aço Cearense acredita que o trabalho social é um esforço conjunto para que a sociedade cresça, desenvolvendo pessoas por meio da promoção da cidadania, da reabilitação e da integração.

Sustentabilidade ambiental

 As empresas do Grupo Aço Cearense trabalham com atenção no gerenciamento de seus resíduos e controles legais ambientais, com o objetivo de garantir o melhor desempenho, o pleno acompanhamento das destinações e reduções dos resíduos gerados, bem como o cumprimento de todas as obrigações legais.

O Grupo é o maior reciclador de aço do Norte-Nordeste brasileiro e trabalha sob a ótica da Economia Circular. Na SINOBRAS, a produção do aço é feita com 70% de sucata e 30% de ferro-gusa líquido. A SINOBRAS Florestal, outra empresa do Grupo localizada em São Bento do Tocantins (TO), é fornecedora de redutor bioenergético, com 15 fazendas próprias de plantio de eucalipto, em uma área de 25 mil hectares.  A empresa conta com duas Unidades de Produção de Redutor Bioenergético com capacidade produtiva de 25.500 metros cúbicos. Possui 46 fornos retangulares, que mitigam os impactos ambientais e produzem o redutor bioenergético que é utilizado pela SINOBRAS.

Contribuindo para o incremento socioeconômico da região, a SINOBRAS Florestal gera cerca de 200 empregos diretos e, por ocasião do plantio, outros colaboradores são somados para operações sazonais.

O uso consciente de recursos naturais é uma diretriz importante da SINOBRAS Florestal, que adota uma postura de responsabilidade com os valores ambientais e sociais, que vão desde o cuidado com o meio ambiente até a melhoria na qualidade de vida das pessoas da região onde atua.

Entre os exemplos de ações e projetos implementados pelo Grupo Aço Cearense que reforçam essa filosofia de sustentabilidade estão:

– Gestão de resíduos – em suas empresas, o Grupo aplica metodologias com o objetivo de ter melhor desempenho e acompanhamento das destinações e reduções dos resíduos gerados.

Na SINOBRAS, no processo de Sinterização são reaproveitados os coprodutos gerados durante o processo de produção do aço e produzido o sínter, matéria-prima utilizada como parte substituta do minério de ferro na produção do gusa.

A logística reversa é outra prática de preservação ambiental realizada no Grupo Aço Cearense, aplicada em baterias, que, após o final de sua utilização, são encaminhadas para o fabricante e recebem destinação correta. Da mesma forma acontece com os pneus, que são encaminhados para ecopontos.

A destinação de óleos lubrificantes após o uso, é feita com o rerrefino de óleo lubrificante usado ou contaminado (oluc). Esse processo transforma o óleo usado em óleo básico novamente, por meio de empresas parceiras, evitando que esse resíduo perigoso seja descartado no meio ambiente.

– A preocupação com o uso da água ocorre desde o início da operação em suas empresas, por meio de um robusto sistema de captação, tratamento, recirculação, torres de resfriamento de água e tanques de decantação, que garantem a recirculação da água utilizada nos processos industriais. Em 2018, foi alcançada a marca de 98,35% de água recirculada nos processos.

– Implantação do Projeto Reciclo, com o objetivo de consolidar a coleta seletiva no Grupo Aço Cearense, o qual inclui as atividades de caracterização dos resíduos, adequação das áreas, treinamento de colaboradores, monitoramento dos resultados e auditorias internas;

– Ações de doações de mudas de árvores com os colaboradores e em diversas comunidades onde eles residem e nas quais a empresa atua.

Publicidade

Sociedade Brasileira de Cardiologia reúne cerca de 200 pessoas em caminhada contra o tabagismo

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

04 de junho de 2019

A Sociedade Brasileira de Cardiologia do Ceará (SBC) promoveu, no último sábado (01), caminhada na Avenida Beira Mar, em Fortaleza para chamar a atenção da sociedade contra os problemas de saúde causados pelo tabagismo. A iniciativa ocorreu em razão do Dia Mundial Sem Tabaco, celebrado em 31 de maio. A caminhada percorreu ao todo 6km.

“O nosso intuito com essa ação foi chamar a atenção da sociedade para a relevância da prevenção das doenças que o tabagismo causa, uma vez que ele é um dos principais fatores de risco das doenças cardiovasculares e diversos tipos de cânceres. É importante que as pessoas atentem para uma real mudança no estilo de vida para evitar adquirir essas patologias, não esquecendo também de fazer um check-up de forma periódica”, disse a presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia do Ceará (SBC), Maria Tereza Sá Leitão.

A ação contou com o apoio da Secretaria de Saúde do Estado do Ceará, que distribuiu folders e orientou os participantes no stand, além de uma assessoria esportiva, que deu todo o suporte durante a caminhada.

CURIOSIDADE

No último dia 21 de maio, a Advocacia Geral da União (AGU) protocolou ação civil pública para que a Justiça Federal condene as empresas fabricantes de cigarros a ressarcirem os gastos públicos em razão do tabagismo. O valor total a ser ressarcido ainda será calculado, caso a sentença seja favorável à União. A iniciativa do Brasil foi elogiada pela Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

DADOS
No Brasil, 428 pessoas morrem por dia em razão da dependência à nicotina. O país gasta um total de R$ 56,9 bilhões por ano com despesas médicas e perda de produtividade. Ao todo, 156.216 mortes anuais poderiam ser evitadas sem o tabagismo. Os dados são do Instituto Nacional do Câncer (Inca) e foram divulgados em outubro de 2018.

DOENÇA
O tabagismo é reconhecido como uma doença crônica causada pela dependência à nicotina presente nos produtos à base de tabaco.

Segundo o Inca, o tabaco fumado em qualquer uma de suas formas causa até 90% de câncer de pulmão. Além disso, é um fator de risco significativo para acidentes cérebro-vasculares e ataques cardíacos mortais.

TIPOS DE CÂNCER

O tabagismo não causa somente câncer de pulmão. É responsável também pelos seguintes cânceres: leucemia mielóide aguda; câncer de bexiga; câncer de pâncreas; câncer de fígado; câncer do colo do útero; câncer de esôfago; câncer nos rins; câncer de laringe (cordas vocais); câncer de pulmão; câncer na cavidade oral (boca); câncer de faringe (pescoço); câncer de estômago.

Publicidade

Academia Personal promove, gratuitamente, Workshop de Primeiros Socorros

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

04 de junho de 2019

Com o foco em situações de engasgo, queda e até mesmo infarto, durante o encontro serão abordadas ações e técnicas para o primeiro atendimento ao paciente

No próximo dia 08 de junho, às 10h, no Museu da Fotografia, será realizada a primeira edição do Workshop de Primeiros Socorros da Academia Personal. O momento é destinado aos alunos da academia, familiares e para o público em geral que tenha interesse em saber um pouco mais sobre como agir diante de situações extremas como engasgo, quedas, fraturas, queimaduras e até infarto. O workshop será ministrado pela enfermeira Slavia Nayana, pós graduando em urgência e emergência e enfermeira chefe da CSE Resgate.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas diretamente na recepção da Academia que fica localizada na Rua Professor Dias da Rocha, 70, bairro Meireles. As vagas são limitadas.

Publicidade

Sindipostos adere à campanha Amigo da Criança e do Adolescente

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

02 de junho de 2019

Após reunião com o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, o vereador Antônio Henrique, o Sindipostos Ceará aderiu à campanha Amigo da Criança e do Adolescente, um projeto voltado para empresas que desejam auxiliar no combate à exploração sexual de crianças e adolescentes no Estado. Na ocasião, o presidente do Sindipostos, Manoel Novais Neto, esteve com associados na Câmara para debater propostas e direcionamentos do projeto.

O vereador Antônio Henrique também participou de uma plenária do sindicato na última semana para convocar a adesão dos mais de 300 associados da entidade. “Esse momento serviu para que o presidente pudesse esclarecer a importância da campanha e tirar dúvidas dos associados, que receberam muito bem a proposta de conscientização”, comentou Novais Neto.

A ideia é que todos os estabelecimentos participantes coloquem material indicativo sobre a campanha, que acontecerá em vários empreendimentos e instituições de Fortaleza. Em caso de denúncias, os cidadãos podem entrar em contato com as autoridades através do Disque 100. A discagem é gratuita.

Publicidade

Órgãos federais e estaduais do Ceará assinam protocolo para ações conjuntas de responsabilidade socioambiental

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

30 de Maio de 2019

Oito instituições federais e estatuais assinam, nesta sexta-feira (31/5), às 10h, no Tribunal Regional do Trabalho do Ceará (TRT/CE), Protocolo de Cooperação Técnica com o objetivo de implementar programas e ações de responsabilidade socioambiental. A iniciativa integra as atividades da Semana do Meio Ambiente de 2019 e acontece durante cerimônia de abertura do evento no auditório da Escola Judicial do TRT/CE (Rua Vicente Leite, 1281, 4º andar – Anexo 2).

Além da Justiça do Trabalho, aderem ao Protocolo a Justiça Federal, o Tribunal de Justiça, a Justiça Eleitoral, a Procuradoria da República no Estado do Ceará, a Procuradoria Regional do Trabalho, a Procuradoria Geral de Justiça do Estado e a Universidade Federal do Ceará.

Atualmente, cada uma dessas instituições possui seus próprios núcleos de gestão ambiental. A ideia é buscar a integração desses órgãos para implementar políticas permanentes em defesa do meio ambiente. Isso será alcançado por meio da criação de um Comitê de Trabalho Interistitucional (Ecos do Ceará) que reunirá dois representantes de cada unidade de gestão ambiental para planejar e acompanhar os programas e as metas.

Logo após a assinatura do Protocolo de Cooperação, haverá uma palestra com o conselheiro do Conselho Nacional de Justiça Valdetário Monteiro. Ele vai abordar o tema “Alinhamento das Metas do Poder Judiciário com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – Agenda ONU 2030.” A palestra é aberta ao público em geral, mas é necessário fazer inscrição no site da Escola Judicial do TRT/CE.

Programação

Com o tema “Responsabilidade Socioambiental x Objetivos de Desenvolvimento Sustentável – Agenda ONU 2030,” A Semana do Meio Ambiente tem ações programadas até o dia 6 de junho. No dia 1º, acontece o dia de Limpeza na Praia de Iracema. A concentração será no Centro Cultural Belchior, às 8h. De lá, os servidores e demais interessados em participar saem para o mutirão de limpeza da praia.

No dia 4 de junho, a Justiça Federal irá realizar uma roda de conversa sobre o tema “Plástico nosso de cada dia: uma conversa sincera sobre direitos e deveres fundamentais.” Já o Tribunal de Justiça promove, no dia 5 de junho, palestras sobre sustentabilidade e consumo consciente e também sobre nutrição. Para encerrar a Semana, no dia 6 de junho, a Justiça Eleitoral programou uma exposição dialogada sobre sustentabilidade. Veja a programação completa no site do TRT/CE.

Serviço:
Assinatura de Protocolo de Cooperação Técnica
Local: Rua Vicente Leite, 1281, 4º andar – Anexo 2 do TRT/CE
Data: 31 de maio, às 10h.

Publicidade

Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Doenças Raras realizará sessão inaugural para discutir acesso aos tratamentos e debater as pautas dos pacientes e associações

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

27 de Maio de 2019

 

Na próxima quarta-feira (29), acontecerá a Sessão Inaugural da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Doenças Raras (CDRAROS), na sede da OAB-CE. O evento começa às 13h e segue até às 17h. A comissão serve como um mecanismo para atuar a favor dos cidadãos relacionados à causa, já que o Brasil conta com, aproximadamente, 13 milhões de pacientes com algum tipo de doença rara.

O Presidente da Comissão, Alexandre Costa, informou sobre as pautas que serão debatidas no evento. “No começo da sessão, serão debatidos temas como: a dispensação de medicamentos, opções de tratamentos e questões que envolvem as enfermidades. Outro ponto que será comentado é o Projeto de Lei n°324/19, de autoria da deputada Fernanda Pessoa (PSDB), que dispõe sobre a obrigatoriedade do repasse de informações dos diagnosticados com doenças raras. O PL já está tramitando na Assembleia Legislativa e vale lembrar que foi uma sugestão da CDRAROS”, pontuou o Presidente.

O encontro contará com a participação de quatro renomados profissionais (duas médicas geneticistas, um endocrinologista, um neurologista e um neuropediatra), que farão exposições sobre as doenças raras, métodos profiláticos, acesso aos tratamentos, dentre outros. A Comissão também estará recebendo demandas de pautas e solicitações de pacientes e associações presentes.

No evento, 11 personalidades serão homenageadas pelo empenho proporcionado para a criação da comissão e as relevantes contribuições para a causa dos pacientes com doenças raras no Estado.

Serviço
Sessão Inaugural da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Doenças Raras
Data: 29 de maio
Horário: Das 13h às 17h
Local: Sede OAB Ceará (Av. Washington Soares, 800 – Guararapes)

Publicidade

Enel Brasil publica Relatório Anual de Sustentabilidade 2018

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

27 de Maio de 2019

 

  • Cerca de R$ 3 milhões de renda gerados para as comunidades, por meio de inciativas de empreendedorismo social
  • Projetos alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estratégicos beneficiaram mais de 1,6 milhão de pessoas desde 2015
  • Mais de 226 mil MWh de energia economizada em projetos de eficiência energética

 

 A Enel Brasil, maior grupo privado do setor elétrico nacional, publica amanhã, dia 28, o Relatório Anual de Sustentabilidade 2018 da Companhia, elaborado com base na metodologia internacional da “Global Reporting Initiative – GRI Standards” e verificado pela EY. A publicação engloba os resultados da Enel Brasil e Enel Green Power, divisão de Energias Renováveis.

Em 2018, o Grupo quebrou o próprio recorde de investimentos no País, que alcançou R$ 12,7 bilhões, em função, principalmente, da aquisição da Eletropaulo, hoje Enel Distribuição São Paulo.O investimento também foi destinado à melhoria e eficiência do sistema elétrico e à expansão em geração renovável, dentre outros.

Com a compra da Eletropaulo, a Companhia se tornou líder do setor elétrico privado no País, atendendo a mais de 17 milhões de consumidores no segmento de distribuição de energia, em quatro estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Goiás.

No ano passado, também houve a consolidação no País da Enel X, braço de soluções inteligentes e inovadoras em energia, que proporcionará o avanço na mobilidade elétrica, geração distribuída e automação, agregando ainda mais valor ao relacionamento com o consumidor.

Confira outros destaques do Relatório:

Investimentos sociais

Cerca de R$ 51 milhões em investimentos sociais externos e a geração de mais de R$ 3 milhões de renda para as comunidades onde a empresa atua, por meio do Enel Compartilha, maior programa de sustentabilidade do Grupo.

Com o Enel Compartilha Empreendedorismo,  um dos projetos desenvolvidos, a empresa doou resíduos de cabos de telecomunicações, colocados de forma irregular nos postes, que são reutilizados na fabricação de móveis e peças de decoração, o que proporciona renda extra para as comunidades. A iniciativa reforça os princípios de Economia Circular e da metodologia de Criação de Valor Compartilhado, que têm sido base para a atuação social da empresa.

“Estamos vivendo um momento de transição energética sem precedentes. Na Enel, atuamos com a visão Open Power, com a sustentabilidade e a inovação enraizados no nosso DNA, o que nos permite enfrentar os principais desafios globais relacionados à energia – a descarbonização, eletrificação, digitalização e urbanização. O Plano de Sustentabilidade engloba toda a nossa estratégia de trabalho, que é diretamente associada ao nosso compromisso público com a Agenda 2030”, afirma Márcia Massotti, diretora de Sustentabilidade da Enel no Brasil.

Renováveis

O Brasil ocupa posição de grande relevância para a Enel, no segmento de geração de energia renovável. No País, o Grupo tem 2.934 MW de capacidade instalada total. Em 2018, consolidou-se como líder em geração de energia solar, por meio, por exemplo, do início da operação do parque solar Horizonte (103 MW), localizado na Bahia.

Também se solidificou como um dos maiores players em geração de energia eólica, com o início da operação da usina Morro do Chapéu Sul (172 MW) e expansão do parque Delfina (180 MW), ambos na Bahia.

Eficiência Energética

Por meio do seu Programa de Eficiência Energética, a companhia economizou cerca de 226 mil MWh, o que equivale ao consumo de um mês dos domicílios de Goiânia/GO.

Com o projeto Ecoenel, mais de 7 mil toneladas de materiais recicláveis foram coletados, cujo reaproveitamento corresponde a menos 44.409 árvores cortadas.

Compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

Desde 2015, o Grupo Enel apoia diretamente 4 dos 17 objetivos: ODS 4 – Educação

de Qualidade, ODS 7 – Energia Limpa e Acessível, ODS 8 – Trabalho Descente e Crescimento Econômico e o ODS 13 – Ação Contra a Mudança Global do Clima, realizando inúmeros projetos e beneficiando mais de 1,7 milhão de pessoas no Brasil. A partir de 2019, a Enel definiu metas para o ODS 9 (Indústria, Inovação e Infraestrutura) e ODS 11 (Cidades e Comunidades Sustentáveis), totalizando seis ODS prioritários para a companhia.

Publicidade

Enel Brasil publica Relatório Anual de Sustentabilidade 2018

Por Oswaldo Scaliotti em Responsabilidade social

27 de Maio de 2019

 

  • Cerca de R$ 3 milhões de renda gerados para as comunidades, por meio de inciativas de empreendedorismo social
  • Projetos alinhados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) estratégicos beneficiaram mais de 1,6 milhão de pessoas desde 2015
  • Mais de 226 mil MWh de energia economizada em projetos de eficiência energética

 

 A Enel Brasil, maior grupo privado do setor elétrico nacional, publica amanhã, dia 28, o Relatório Anual de Sustentabilidade 2018 da Companhia, elaborado com base na metodologia internacional da “Global Reporting Initiative – GRI Standards” e verificado pela EY. A publicação engloba os resultados da Enel Brasil e Enel Green Power, divisão de Energias Renováveis.

Em 2018, o Grupo quebrou o próprio recorde de investimentos no País, que alcançou R$ 12,7 bilhões, em função, principalmente, da aquisição da Eletropaulo, hoje Enel Distribuição São Paulo.O investimento também foi destinado à melhoria e eficiência do sistema elétrico e à expansão em geração renovável, dentre outros.

Com a compra da Eletropaulo, a Companhia se tornou líder do setor elétrico privado no País, atendendo a mais de 17 milhões de consumidores no segmento de distribuição de energia, em quatro estados – São Paulo, Rio de Janeiro, Ceará e Goiás.

No ano passado, também houve a consolidação no País da Enel X, braço de soluções inteligentes e inovadoras em energia, que proporcionará o avanço na mobilidade elétrica, geração distribuída e automação, agregando ainda mais valor ao relacionamento com o consumidor.

Confira outros destaques do Relatório:

Investimentos sociais

Cerca de R$ 51 milhões em investimentos sociais externos e a geração de mais de R$ 3 milhões de renda para as comunidades onde a empresa atua, por meio do Enel Compartilha, maior programa de sustentabilidade do Grupo.

Com o Enel Compartilha Empreendedorismo,  um dos projetos desenvolvidos, a empresa doou resíduos de cabos de telecomunicações, colocados de forma irregular nos postes, que são reutilizados na fabricação de móveis e peças de decoração, o que proporciona renda extra para as comunidades. A iniciativa reforça os princípios de Economia Circular e da metodologia de Criação de Valor Compartilhado, que têm sido base para a atuação social da empresa.

“Estamos vivendo um momento de transição energética sem precedentes. Na Enel, atuamos com a visão Open Power, com a sustentabilidade e a inovação enraizados no nosso DNA, o que nos permite enfrentar os principais desafios globais relacionados à energia – a descarbonização, eletrificação, digitalização e urbanização. O Plano de Sustentabilidade engloba toda a nossa estratégia de trabalho, que é diretamente associada ao nosso compromisso público com a Agenda 2030”, afirma Márcia Massotti, diretora de Sustentabilidade da Enel no Brasil.

Renováveis

O Brasil ocupa posição de grande relevância para a Enel, no segmento de geração de energia renovável. No País, o Grupo tem 2.934 MW de capacidade instalada total. Em 2018, consolidou-se como líder em geração de energia solar, por meio, por exemplo, do início da operação do parque solar Horizonte (103 MW), localizado na Bahia.

Também se solidificou como um dos maiores players em geração de energia eólica, com o início da operação da usina Morro do Chapéu Sul (172 MW) e expansão do parque Delfina (180 MW), ambos na Bahia.

Eficiência Energética

Por meio do seu Programa de Eficiência Energética, a companhia economizou cerca de 226 mil MWh, o que equivale ao consumo de um mês dos domicílios de Goiânia/GO.

Com o projeto Ecoenel, mais de 7 mil toneladas de materiais recicláveis foram coletados, cujo reaproveitamento corresponde a menos 44.409 árvores cortadas.

Compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)

Desde 2015, o Grupo Enel apoia diretamente 4 dos 17 objetivos: ODS 4 – Educação

de Qualidade, ODS 7 – Energia Limpa e Acessível, ODS 8 – Trabalho Descente e Crescimento Econômico e o ODS 13 – Ação Contra a Mudança Global do Clima, realizando inúmeros projetos e beneficiando mais de 1,7 milhão de pessoas no Brasil. A partir de 2019, a Enel definiu metas para o ODS 9 (Indústria, Inovação e Infraestrutura) e ODS 11 (Cidades e Comunidades Sustentáveis), totalizando seis ODS prioritários para a companhia.