Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

ABLA – Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis

Greve dos caminhoneiros afetou aproximadamente 85 mil veículos das locadoras de automóveis

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

02 de junho de 2018

A crise no abastecimento de combustíveis provocada pela greve dos caminhoneiros também afetou o setor de locação de veículos durante os últimos sete dias. Segundo estimativa da ABLA (Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis), cerca de 30% da frota disponível para o aluguel diário (aproximadamente 85 mil veículos) esteve temporariamente impedida de ser alugada.

“Entram nessa conta tanto os veículos que saíram das locadoras com tanque cheio e que não puderam ser devolvidos dessa forma pelos clientes, quanto os veículos que inclusive foram devolvidos antecipadamente, em função da dificuldade de abastecimento encontrada pelos usuários para continuarem rodando”, explica Paulo Miguel Junior, presidente da ABLA.

“As locadoras estão passando pelo mesmo problema que os proprietários de veículos em geral”, avalia Paulo Miguel. “Como o setor libera os carros com tanques cheios e os usuários começaram a devolvê-los vazios, na medida em que não encontraram meios para reabastecimento, nós ficamos sem boa parte da nossa principal ‘matéria-prima’ para alugar aos próximos clientes”.

De acordo com a entidade, a oferta total da frota para aluguel diário somente será normalizada quando a oferta de combustível no varejo também estiver normalizada.

Conforme o SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados), a frota total do setor de locação de veículos no Brasil é de 709 mil veículos, sendo que aproximadamente 280 mil são destinados para o aluguel diário (principalmente para turistas em viagens de negócios e/ou de lazer).

A maior parte da frota das locadoras (aproximadamente 430 mil veículos) está atualmente voltada para o aluguel de longa duração, que inclui o atendimento de clientes corporativos (terceirização de frotas inteiras para pequenas, médias e grandes empresas públicas e privadas, além de órgãos públicos federais, estaduais e municipais).

Publicidade

Locadoras do Ceará compram 2.914 veículos novos no ano

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

08 de Maio de 2018

Novo censo do setor de aluguel de carros mostra que, no estado, o setor foi o maior cliente das montadoras em 2017

Conforme pesquisa da ABLA – Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis – 598 empresas de locação de veículos operam atualmente no Ceará. Juntas, essas locadoras emplacaram, no decorrer do ano passado, exatos 2.914 automóveis e comerciais leves, o que fez do setor de locação o maior cliente das montadoras no estado.

Dos 2.914 automóveis e comerciais leves comprados, 40,22% foram modelos da Volkswagen, seguida pela Chevrolet (General Motors), com 35,62% de participação nas compras anuais do setor. O terceiro lugar ficou com a FCA (Fiat/Chrysler/Jeep), com 9,57%. A Toyota com 5,11% e a Renault (4,22%) completam o ranking das cinco montadoras que mais venderam veículos para o setor de locação do Ceará no ano passado.

Em 2017, em relação às compras por subsegmentos, a maior parte (27,35%) dos emplacamentos feitos pelas locadoras cearenses foi composta por “veículos de entrada” (Fiat/Mobi, Fiat/Palio, Fiat/Uno, Ford/Ka, GM/Celta, Renault/Kwid, VW/Gol, VW/UP). Em segundo lugar ficaram os “hatchs pequenos” (Fiat/Argo, Ford/Fiesta, Ford/Ka, GM/Onix, Renault/Sandero, VW/Fox, VW/Polo), com 26,15% do total de emplacamentos das locadoras do estado.

Aleksander Rangel, diretor da ABLA no Ceará, diz que em termos nacionais o setor de locação de veículos foi responsável por comprar 16,5% de todos os automóveis e comerciais leves vendidos em 2017 no Brasil. “As empresas de locação estão diretamente relacionadas com novas soluções de mobilidade urbana”, diz Rangel Nogueira. “A renovação da nossa frota faz parte desse processo, na medida em que oferecer carros novos faz parte das exigências dos nossos clientes”.

Das 598 locadoras ativas no Ceará, 447 alugam veículos sem motorista, enquanto 151 atuam prestando o serviço de aluguel incluindo o motorista. Essas empresas são responsáveis pela manutenção de 4.121 empregos diretos no estado.

No Ceará, a terceirização (aluguel de frotas inteiras para empresas e órgãos públicos e também para empresas da iniciativa privada) e o turismo de lazer (pessoas físicas em viagens de férias), são os principais responsável pelo faturamento bruto do setor, ambos com 40%. O turismo de negócios (profissionais em viagens de trabalho pelo Ceará) vem em seguida no estado, com 20% de participação.

Frota atual – Somadas as compras de veículos realizadas em 2017 aos seminovos das empresas de locação do Ceará, a frota atual do setor no estado atingiu 10.113 unidades. A Volkswagen é a líder de participação na frota total, com 33,20%, seguida pela Chevrolet (General Motors) com 29,40%. A FCA vem em terceiro lugar (23,19%), com Renault (4,18%) e Toyota (4,18%) completando a lista das cinco montadoras mais presentes na frota total do setor de aluguel de veículos no Ceará.

Por subsegmentos, a frota atual das locadoras cearenses tem predominância dos “veículos de entrada”, que são 31,98%. Os “sedans pequenos” (Chery/Celer Sedan, Fiat/Cronos, Fiat/Siena, Ford/Ka Sedan, GM/Prisma, Hyundai/HB20s, Nissan/Versa, Renault/Logan, Toyota/Etios Sedan, VW/Voyage) somam 17,07%, os “hatchs pequenos” representam 16,27% e as “pick ups grandes” (Fiat/Toro, Ford/Ranger, GM/S10, Lifan/Folson, Mitsubishi/L200, Nissan/Frontier, RAM/2500, Renault/Oroch, Toyota/Hilux, VW/Amarok), 10,16%. As “pick ups pequenas” (Fiat/Strada, GM/Montana, VW/Saveiro) vêm a seguir, com 8,33% de presença na frota total do setor de locação no Ceará.

A ABLA utilizou dados estatísticos de frota fornecidos diretamente pelo SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados). Trata-se de uma empresa autorizada pelo DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito) e que é também a maior empresa pública de tecnologia da informação do mundo.

Brasil – O faturamento bruto com a locação de automóveis e comerciais leves no Brasil atingiu R$ 15,5 bilhões no ano passado, representando 12,3% de crescimento em relação a 2016. O número de empregos diretos atingiu 80.378, variação positiva de 4,93% em relação a 2016.

O número de locadoras subiu 2,52%, passando de 11.199 em 2016, para as atuais 11.482 empresas de locação de veículos ativas junto à Receita Federal, com automóveis e comerciais leves registrados junto aos órgãos competentes de Trânsito. O numero de usuários também registrou aumento (17,24%), saindo de 23,2 milhões em 2016 para 27,2 milhões durante todo o decorrer do ano passado.

Conforme a pesquisa da ABLA, nacionalmente os emplacamentos feitos pelas locadoras em 2017 chegaram 359.702 novas unidades, que representam 16,56% de todos os automóveis e comerciais leves vendidos durante o ano pelas montadoras que atuam no Brasil. A frota total das locadoras (soma das compras de veículos realizadas em 2017 com os seminovos disponíveis para aluguel) é de 709.033 unidades no Brasil.

Publicidade

Locadoras do Ceará compram 2.914 veículos novos no ano

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

08 de Maio de 2018

Novo censo do setor de aluguel de carros mostra que, no estado, o setor foi o maior cliente das montadoras em 2017

Conforme pesquisa da ABLA – Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis – 598 empresas de locação de veículos operam atualmente no Ceará. Juntas, essas locadoras emplacaram, no decorrer do ano passado, exatos 2.914 automóveis e comerciais leves, o que fez do setor de locação o maior cliente das montadoras no estado.

Dos 2.914 automóveis e comerciais leves comprados, 40,22% foram modelos da Volkswagen, seguida pela Chevrolet (General Motors), com 35,62% de participação nas compras anuais do setor. O terceiro lugar ficou com a FCA (Fiat/Chrysler/Jeep), com 9,57%. A Toyota com 5,11% e a Renault (4,22%) completam o ranking das cinco montadoras que mais venderam veículos para o setor de locação do Ceará no ano passado.

Em 2017, em relação às compras por subsegmentos, a maior parte (27,35%) dos emplacamentos feitos pelas locadoras cearenses foi composta por “veículos de entrada” (Fiat/Mobi, Fiat/Palio, Fiat/Uno, Ford/Ka, GM/Celta, Renault/Kwid, VW/Gol, VW/UP). Em segundo lugar ficaram os “hatchs pequenos” (Fiat/Argo, Ford/Fiesta, Ford/Ka, GM/Onix, Renault/Sandero, VW/Fox, VW/Polo), com 26,15% do total de emplacamentos das locadoras do estado.

Aleksander Rangel, diretor da ABLA no Ceará, diz que em termos nacionais o setor de locação de veículos foi responsável por comprar 16,5% de todos os automóveis e comerciais leves vendidos em 2017 no Brasil. “As empresas de locação estão diretamente relacionadas com novas soluções de mobilidade urbana”, diz Rangel Nogueira. “A renovação da nossa frota faz parte desse processo, na medida em que oferecer carros novos faz parte das exigências dos nossos clientes”.

Das 598 locadoras ativas no Ceará, 447 alugam veículos sem motorista, enquanto 151 atuam prestando o serviço de aluguel incluindo o motorista. Essas empresas são responsáveis pela manutenção de 4.121 empregos diretos no estado.

No Ceará, a terceirização (aluguel de frotas inteiras para empresas e órgãos públicos e também para empresas da iniciativa privada) e o turismo de lazer (pessoas físicas em viagens de férias), são os principais responsável pelo faturamento bruto do setor, ambos com 40%. O turismo de negócios (profissionais em viagens de trabalho pelo Ceará) vem em seguida no estado, com 20% de participação.

Frota atual – Somadas as compras de veículos realizadas em 2017 aos seminovos das empresas de locação do Ceará, a frota atual do setor no estado atingiu 10.113 unidades. A Volkswagen é a líder de participação na frota total, com 33,20%, seguida pela Chevrolet (General Motors) com 29,40%. A FCA vem em terceiro lugar (23,19%), com Renault (4,18%) e Toyota (4,18%) completando a lista das cinco montadoras mais presentes na frota total do setor de aluguel de veículos no Ceará.

Por subsegmentos, a frota atual das locadoras cearenses tem predominância dos “veículos de entrada”, que são 31,98%. Os “sedans pequenos” (Chery/Celer Sedan, Fiat/Cronos, Fiat/Siena, Ford/Ka Sedan, GM/Prisma, Hyundai/HB20s, Nissan/Versa, Renault/Logan, Toyota/Etios Sedan, VW/Voyage) somam 17,07%, os “hatchs pequenos” representam 16,27% e as “pick ups grandes” (Fiat/Toro, Ford/Ranger, GM/S10, Lifan/Folson, Mitsubishi/L200, Nissan/Frontier, RAM/2500, Renault/Oroch, Toyota/Hilux, VW/Amarok), 10,16%. As “pick ups pequenas” (Fiat/Strada, GM/Montana, VW/Saveiro) vêm a seguir, com 8,33% de presença na frota total do setor de locação no Ceará.

A ABLA utilizou dados estatísticos de frota fornecidos diretamente pelo SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados). Trata-se de uma empresa autorizada pelo DENATRAN (Departamento Nacional de Trânsito) e que é também a maior empresa pública de tecnologia da informação do mundo.

Brasil – O faturamento bruto com a locação de automóveis e comerciais leves no Brasil atingiu R$ 15,5 bilhões no ano passado, representando 12,3% de crescimento em relação a 2016. O número de empregos diretos atingiu 80.378, variação positiva de 4,93% em relação a 2016.

O número de locadoras subiu 2,52%, passando de 11.199 em 2016, para as atuais 11.482 empresas de locação de veículos ativas junto à Receita Federal, com automóveis e comerciais leves registrados junto aos órgãos competentes de Trânsito. O numero de usuários também registrou aumento (17,24%), saindo de 23,2 milhões em 2016 para 27,2 milhões durante todo o decorrer do ano passado.

Conforme a pesquisa da ABLA, nacionalmente os emplacamentos feitos pelas locadoras em 2017 chegaram 359.702 novas unidades, que representam 16,56% de todos os automóveis e comerciais leves vendidos durante o ano pelas montadoras que atuam no Brasil. A frota total das locadoras (soma das compras de veículos realizadas em 2017 com os seminovos disponíveis para aluguel) é de 709.033 unidades no Brasil.