Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

EDP Brasil

Starter Acceleration Program prorroga as inscrições até 13 de maio e ganha nova parceira

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

08 de Maio de 2019

A empresa de energia americana AEP, American Eletric Power, se junta ao projeto, que reúne em uma só inciativa global os programas de aceleração de startups que a EDP mantém em diferentes países

 

O Starter Acceleration Program, projeto que reúne em um só programa global as iniciativas de aceleração que a EDP mantém nos países onde está presente, prorrogou as inscrições para as startups interessadas que terão até o dia 13 de maio para finalizarem o seu cadastro no site edpstarter.com/acceleration.

Além disso o programa ganhou mais uma parceira, a empresa americana American Electric Power. Uma das maiores empresas de energia dos Estados Unidos, a AEP se junta à EDP no Starter Acceleration Program, que está à procura de startups com tecnologias inovadoras e aplicáveis ao setor de energia e toda sua cadeia de valor. A iniciativa ainda conta com o apoio das aceleradoras ACE e LMarks, duas especialistas em projetos de inovação e empreendedorismo e referências nas geografias onde atuam.

A partir do sucesso dos projetos EDP Open Innovation e EDP Starter Brasil e Espanha, o grupo decidiu criar o Starter Acceleration Program. O projeto terá módulos contemplando a América Latina, América do Norte e Europa. A final será no Web Summit, em Lisboa.

“A EDP Brasil vem desenvolvendo o ecossistema empreendedor local nos últimos dois anos e, em 2019, com a globalização do programa Starter, desenvolvido pela ACE e a LMarks, e com a AEP como parceira, teremos uma ótima oportunidade para alcançar as mais incríveis startups do mundo. Estamos muito animados com a possibilidade de descobrir novas soluções para o setor de energia” diz Livia Brando, gestora executiva de Estratégia, Inovação e Ventures da EDP Brasil.

Neste ano, a busca será por startups de todo o mundo, já que o programa terá módulos em três regiões – Europa (em Madri, Espanha), América Latina (São Paulo, Brasil) e América do Norte (em Houston, Estados Unidos) – regiões nas quais a EDP já tem forte presença e experiência reconhecida na área da Inovação. Serão selecionadas 10 startups para cada módulo. Elas passarão por uma semana de imersão para o desenvolvimento das propostas de projetos-piloto junto à EDP e AEP, com o apoio do time de especialistas das Empresas, além de receber  mentoria das aceleradoras. Ao fim desse processo, haverá um Demoday, no qual as startups farão os pitchs. As startups com maior potencial participarão do evento final, a ser realizado em novembro, em Lisboa, durante o Web Summit. As escolhidas terão um stand na maior Conferênciada de tecnologia da Europa, podendo apresentar suas soluções ao mercado e prospectar novas oportunidades de negócio. A startup mais bem avaliada será premiada com 50 mil euros.

Em linha com as áreas estratégicas da EDP, o Starter Acceleration Program prospecta projetos em sete categorias: Energias Limpas, Soluções com Foco no Cliente, Inovação Digital, Armazenamento de Energia, Redes Inteligentes, Inovação em Processos Internos e Acesso à Energia. Durante o programa, as startups vão também ter acesso a vários benefícios, com destaque para as mentorias de especialistas em inovação de todo o mundo e análises pela EDP Ventures para potenciais investimentos. O primeiro módulo do programa será realizado em Madri, no mês de junho; seguido de São Paulo, em julho; e Houston, em setembro.

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Transmissão, Distribuição, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes em suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Sobre a AEP

Situada em Columbus, Ohio, a American Eletric Power está focada na construção de uma infraestrutura de energia mais inteligente e no fornecimento de novas tecnologias e soluções de energia personalizadas para os seus clientes. Aproximadamente 18.000 funcionários da AEP operam e mantêm o maior sistema de transmissão de eletricidade dos Estados Unidos e mais de 219.000 milhas de linhas de distribuição para fornecer energia segura e confiável a quase 5,4 milhões de clientes regulamentados em 11 estados. A AEP também é uma das maiores produtoras de eletricidade do país, com aproximadamente 32.000 megawatts de capacidade geradora diversa, incluindo 4.300 megawatts de energia renovável. O Grupo AEP inclui as plantas, AEP Ohio, AEP Texas, Appalachian Power (em Virginia e West Virginia), AEP Appalachian Power (no Tennessee), Indiana Michigan Power, Kentucky Power, Public Service Company Oklahoma, e Southwestern Electric Power Company (em Arkansas, Louisiana, leste do Texas e do Texas Panhandle). A AEP também é proprietária da AEP Energy, da AEP Energy Partners, da AEP OnSite Partners e da AEP Renewables, que fornecem soluções inovadoras de energia competitiva em todo o país.

 

Sobre a ACE

A ACE é uma das pioneiras no ecossistema empreendedor desde 2012, e tem como objetivo ajudar grandes empresas e startups a tornarem-se organizações exponenciais. Entre a consultoria e o investimento, a história da empresa conta com mais de 600 empresários, 250 startups aceleradas, 55 programas de inovação e 30 das maiores corporações mundiais no portfólio. Atua globalmente em diferentes mercados, como a saúde e finanças, com empresas como a Google, BTG, Natura, Itaú, entre outras.

Sobre a L Marks

A L Marks é uma das principais consultorias em inovação aplicada e criou a maior rede de aceleradoras empresariais do Reino Unido. A empresa lançou também mais de 50 programas de inovação em toda a Europa, Israel, Japão e Estados Unidos. Trabalha com algumas das marcas mais conhecidas do mundo, incluindo BMW, Lloyd’s of London, Arsenal e British Airways, para identificar os desafios das empresas e transformá-los em oportunidades de crescimento. Seus programas colaborativos e orientados para resultados oferecem informações e acesso a startups, enquanto incorporam as suas tecnologias pioneiras às empresas para melhorar sua operação e seu espírito empreendedor, bem como a experiência do cliente.

Publicidade

Programa da EDP de aceleração global para startups do setor de energia recebe inscrições até 06 de maio

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

24 de Abril de 2019

O Starter Acceleration Program terá módulos na América Latina, América do Norte e Europa. Final será no Web Summit, em Lisboa

A EDP, empresa que atua em toda a cadeia do setor elétrico, vai reunir em um só programa global várias iniciativas de aceleração de startups que mantém nos países onde está presente. A partir do sucesso dos projetos EDP Open Innovation e EDP Starter Brasil e Espanha, o grupo decidiu criar o Starter Acceleration Program. O programa está à procura de startups com tecnologias inovadoras e adaptavéis ao setor de energia e ao negócio da Empresa. A ação vai contar com o apoio da L Marks e da Ace, duas especialistas em projetos de inovação e empreendedorismo. As startups têm até o dia 6 de maio para se inscrever em edpstarter.com/acceleration.

“A EDP Brasil vem desenvolvendo o ecossistema de empreendedorismo local nos últimos dois anos e, em 2019, com a globalização do programa Starter, desenvolvido pela ACE e a Lmarks, teremos uma ótima oportunidade para alcançar as mais incríveis startups do mundo, além de reforçar as startups da América Latina. Estamos animados com a possibilidade de descobrir novas soluções para o setor de energia” diz Livia Brando, gestora executiva de Estratégia e Inovação da EDP Brasil.

Neste ano, a busca será por startups de todo o mundo e, nesse sentido, o novo programa irá realizar módulos em três regiões – Europa (em Madri, Espanha), América Latina (São Paulo, Brasil) e América do Norte (Houston, Estados Unidos), – onde a EDP já tem uma presença forte e experiência reconhecida na área da Inovação. As startups selecionadas terão uma fase de trabalhos intensivos com a EDP, onde irão desenvolver projetos aplicáveis à empresa. Ao fim desse processo, serão selecionadas as startups com maior potencial para a final realizada em novembro, em Lisboa, durante o Web Summit. As escolhidas terão espaço próprio no maior festival de inovação e empreendedorismo da Europa para mostrar seus produtos e prospectar oportunidades de negócio. A startup mais bem avaliada será premiada com 50 mil euros.

“Estamos muito satisfeitos em ser o parceiro exclusivo da EDP na América Latina na conquista de uma inovação corporativa de classe mundial, bem como de ajudar a Companhia a explorar novos modelos de negócio, mercados e empreendimentos. Apoiamos fortemente toda companhia que deseje trabalhar com o melhor parceiro tecnológico, independentemente de onde ele esteja localizado mundo. Essa abordagem nos permite trazer os melhores talentos e ideias, com uma rápida validação do mercado. Inovar ao lado dos nossos parceiros é o DNA da ACE. Juntos, podemos construir um relacionamento rico que impulsiona o setor elétrico com o ritmo da tecnologia”, diz Pedro Waengertner, sócio-fundador da ACE.

Em linha com as áreas estratégicas da EDP, o Starter Acceleration Program selecionará projetos em sete categorias: energias limpas, soluções para clientes, inovação digital, armazenamento de energia, redes inteligentes, acesso à energia e inovação em processos internos. Durante o programa, as startups terão acesso a vários benefícios, como o aconselhamento de especialistas em inovação e marketing, entre outros. O primeiro módulo do programa vai ser realizado em Madri, no mês de junho; seguido de São Paulo, em julho; e Houston, em setembro.

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes em suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Sobre a L Marks

A L Marks é uma das principais consultorias em inovação aplicada e criou a maior rede de aceleradoras empresariais do Reino Unido. A empresa lançou também mais de 50 programas de inovação em toda a Europa, Israel, Japão e Estados Unidos. Trabalha com algumas das marcas mais conhecidas do mundo, incluindo BMW, Lloyd’s of London, Arsenal e British Airways, para identificar os desafios das empresas e transformá-los em oportunidades de crescimento. Seus programas colaborativos e orientados para resultados oferecem informações e acesso a startups, enquanto incorporam as suas tecnologias pioneiras às empresas para melhorar sua operação e seu espírito empreendedor, bem como a experiência do cliente.

Sobre a ACE

A ACE é uma das pioneiras no ecossistema empreendedor desde 2012, e tem como objetivo ajudar grandes empresas e startups a tornarem-se organizações exponenciais. Entre a consultoria e o investimento, a história da empresa conta com mais de 600 empresários, 250 startups aceleradas, 55 programas de inovação e 30 das maiores corporações mundiais no portfólio. Atua globalmente em diferentes mercados, como saúde e finanças, com empresas como Google, BTG, Natura e Itaú, entre outras.

Publicidade

EDP lança novo programa de aceleração global para startups do setor de energia

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

03 de Abril de 2019

O Starter Acceleration Program terá módulos na América Latina, América do Norte e Europa. Final será no Web Summit, em Lisboa

A EDP, empresa que atua em toda a cadeia do setor elétrico, vai reunir em um só programa global várias iniciativas de aceleração de startups que mantém nos países onde está presente. A partir do sucesso dos projetos EDP Open Innovation e EDP Starter Brasil e Espanha, o grupo decidiu criar o Starter Acceleration Program.

Com as inscrições abertas a partir de hoje, o programa está à procura de startups com tecnologias inovadoras e adaptavéis ao setor de energia e ao negócio da Empresa. A ação vai contar com o apoio da L Marks e da Ace, duas especialistas em projetos de inovação e empreendedorismo. As startups têm até o dia 6 de maio para se inscrever em edpstarter.com/acceleration.

“A EDP Brasil vem desenvolvendo o ecossistema de empreendedorismo local nos últimos dois anos e, em 2019, com a globalização do programa Starter, desenvolvido pela ACE e a Lmarks, teremos uma ótima oportunidade para alcançar as mais incríveis startups do mundo, além de reforçar as startups da América Latina. Estamos animados com a possibilidade de descobrir novas soluções para o setor de energia” diz Livia Brando, gestora executiva de Estratégia e Inovação da EDP Brasil.

Neste ano, a busca será por startups de todo o mundo e, nesse sentido, o novo programa irá realizar módulos em três regiões – Europa (em Madri, Espanha), América Latina (São Paulo, Brasil) e América do Norte (Houston, Estados Unidos), – onde a EDP já tem uma presença forte e experiência reconhecida na área da Inovação. As startups selecionadas terão uma fase de trabalhos intensivos com a EDP, onde irão desenvolver projetos aplicáveis à empresa. Ao fim desse processo, serão selecionadas as startups com maior potencial para a final realizada em novembro, em Lisboa, durante o Web Summit. As escolhidas terão espaço próprio no maior festival de inovação e empreendedorismo da Europa para mostrar seus produtos e prospectar oportunidades de negócio. A startup mais bem avaliada será premiada com 50 mil euros.

“Estamos muito satisfeitos em ser o parceiro exclusivo da EDP na América Latina na conquista de uma inovação corporativa de classe mundial, bem como de ajudar a Companhia a explorar novos modelos de negócio, mercados e empreendimentos. Apoiamos fortemente toda companhia que deseje trabalhar com o melhor parceiro tecnológico, independentemente de onde ele esteja localizado mundo. Essa abordagem nos permite trazer os melhores talentos e ideias, com uma rápida validação do mercado. Inovar ao lado dos nossos parceiros é o DNA da ACE. Juntos, podemos construir um relacionamento rico que impulsiona o setor elétrico com o ritmo da tecnologia”, diz Pedro Waengertner, sócio-fundador da ACE.

Em linha com as áreas estratégicas da EDP, o Starter Acceleration Program selecionará projetos em sete categorias: energias limpas, soluções para clientes, inovação digital, armazenamento de energia, redes inteligentes, acesso à energia e inovação em processos internos. Durante o programa, as startups terão acesso a vários benefícios, como o aconselhamento de especialistas em inovação e marketing, entre outros. O primeiro módulo do programa vai ser realizado em Madri, no mês de junho; seguido de São Paulo, em julho; e Houston, em setembro.

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes em suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Sobre a L Marks

A L Marks é uma das principais consultorias em inovação aplicada e criou a maior rede de aceleradoras empresariais do Reino Unido. A empresa lançou também mais de 50 programas de inovação em toda a Europa, Israel, Japão e Estados Unidos. Trabalha com algumas das marcas mais conhecidas do mundo, incluindo BMW, Lloyd’s of London, Arsenal e British Airways, para identificar os desafios das empresas e transformá-los em oportunidades de crescimento. Seus programas colaborativos e orientados para resultados oferecem informações e acesso a startups, enquanto incorporam as suas tecnologias pioneiras às empresas para melhorar sua operação e seu espírito empreendedor, bem como a experiência do cliente.

Sobre a ACE

A ACE é uma das pioneiras no ecossistema empreendedor desde 2012, e tem como objetivo ajudar grandes empresas e startups a tornarem-se organizações exponenciais. Entre a consultoria e o investimento, a história da empresa conta com mais de 600 empresários, 250 startups aceleradas, 55 programas de inovação e 30 das maiores corporações mundiais no portfólio. Atua globalmente em diferentes mercados, como saúde e finanças, com empresas como Google, BTG, Natura e Itaú, entre outras.

Publicidade

Unidade administrativa da UTE Pecém recebe selo Procel Edificações A

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

01 de Abril de 2019

A unidade administrativa da UTE Pecém, termelétrica administrada pela EDP Brasil, recebeu selo Procel Edificações A. Na prática, o selo nível A garante que o empreendimento obteve uma ótima performance em eficiência energética. O prédio foi projetado para aproveitar características naturais da região, como luminosidade e ventilação, além de reutilizar água. A obra inovou ao utilizar cinzas de carvão mineral na composição (volume) de blocos de vedação, blocos calha, meio fio e piso.

O reconhecimento ocorreu após auditoria realizada pela Fundação Vanzolini, que é acreditada no Procel, no Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro) e na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

“A partir de uma série de análises na arquitetura, envoltória, iluminação e condições térmicas do edifício, os auditores recomendaram a Etiqueta nível A. Esse selo é o nível de ponderação mais elevado nos critérios de eficiência energética para edifícios construídos”, explica Diego Rebouças, responsável pela área de Pesquisa & Desenvolvimento da UTE Pecém.

Dentre os motivos considerados para conceder a certificação estão a redução da necessidade de iluminação artificial e elevada participação da iluminação natural dentro do edifício. O prédio também utiliza a técnica de iluminação zenital, recurso que aproveita a luz natural das janelas de vidro na cobertura para iluminar o interior do edifício. A forma geométrica e arquitetônica do edifico favorecem a circulação interna do ar ambiente sem necessidade de sistema de ar-condicionado nas áreas de circulação.

Além disso, utilizaram-se materiais com alta eficiência no isolamento, na transmitância térmica do edifício e no sistema de climatização. A área foi pintada com uma tinta branca específica tendo SRI (Solar Reflectance Index) de alta performance. A unidade possui sistema de desligamento automático da iluminação artificial do edifício. Já os sensores de presença ligam e desligam a iluminação artificial em corredores. O prédio possui ainda sistema de desligamento automático de equipamento de ar-condicionado das salas e utiliza apenas lâmpadas de LEDs para iluminação artificial. Há ainda cogeração de energia elétrica por meio de painéis fotovoltaicos.

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes em suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

Governo de São Paulo realiza evento, ao lado de USP e EDP, para apresentar plano de restauração do Museu do Ipiranga

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

27 de Março de 2019

Empresa, que é a primeira patrocinadora máster da recuperação, com investimento de R$ 12 milhões, quer mobilizar iniciativa privada em torno do projeto

O governador de São Paulo, João Dória, realizou nesta terça, 26, um evento no Palácio dos Bandeirantes para apresentar o projeto de restauração do Museu do Ipiranga. Ao lado da Universidade de São Paulo (USP), a EDP, empresa que atua em toda a cadeia de valor do setor elétrico, convidou a iniciativa privada a se mobilizar em torno da missão de devolver o Ipiranga à população. A Companhia foi a primeira a anunciar, em janeiro, o patrocínio máster à recuperação, com um investimento de R$ 12 milhões por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. “O Museu do Ipiranga tem uma importância histórica incontornável para o País, e também para Portugal. Na qualidade de maior investidor português no Brasil, com uma trajetória de mais de 20 anos por aqui, a EDP não poderia ficar de fora deste importante investimento para preservação do nosso patrimônio histórico e cultural, à semelhança do que estamos fazendo com o Museu da Língua Portuguesa”, diz Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil. O evento contou com a presença de empresários e de Jorge Cabral, embaixador de Portugal no Brasil.

Durante a reunião, foi apresentado o projeto arquitetônico do Museu após a obra, que tem duração prevista de 30 meses. Além da adequação às normativas atuais de infraestrutura, acessibilidade, segurança e sustentabilidade, o edifício será ampliado em 5 mil metros quadrados. A nova área proporcionará ao público novas facilidades, como área de exposições temporárias, auditório, salas para ações educativas, café e loja. Areinauguração está programada para 2022.

“Queremos contribuir e colocar o Museu em ordem para celebrar os 200 anos da Independência do Brasil, com este patrimônio restaurado. Temos esta missão e o comprometimento em ajudar nesta recuperação para os brasileiros de forma geral e também para toda a comunidade da língua portuguesa. Pois é uma obra que atende a todos que tem orgulho da origem lusitana. Fico muito feliz pelo sentimento pátrio de recuperação, e por Portugal dar um belíssimo exemplo com a EDP, que foi a primeira empresa que aceitou prontamente o nosso convite,” declarou o governador João Doria.

“A participação da iniciativa privada é fundamental para concretização desse grandioso e necessário projeto para a renovação do Museu do Ipiranga. O apoio da EDP sinaliza uma nova etapa para o Museu do Ipiranga e para a Universidade no que se refere às formas de sustentabilidade financeira do Museu daqui em diante, para que ele possa cumprir de forma plena sua missão de pesquisa, cultural e educativa,” destaca Solange Lima, Docente e diretora do museu do Ipiranga.

Museu que desperta paixões

Composto por um acervo de mais de 450 mil peças, entre objetos, documentos iconográficos e textuais do século XVI até meados do século XX, o Museu do Ipiranga é fundamental para a compreensão da sociedade brasileira. O Museu foi aberto ao público em 1895 no edifício-monumento que ficou pronto em 1890. O prédio de arquitetura neoclássica marca o local onde teria acontecido a proclamação da Independência do Brasil, realizada em 1822, por D. Pedro I, às margens do riacho Ipiranga. Uma das obras mais conhecidas de sua coleção é o quadro Independência ou Morte, pintado em 1888 pelo artista Pedro Américo. Fechado desde 2013, esse espaço cultural recebia uma média de 350 mil visitantes anuais.

Compromisso com o patrimônio cultural

A EDP acredita em apoiar a cultura e a arte dos países que falam português e evidenciam a riqueza e a diversidade do idioma, o mais usado no hemisfério sul do planeta. A valorização da língua é uma das bandeiras da Companhia, que garantiu o maior patrocínio à reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo: um investimento de R$ 20 milhões até 2019.

Para levar a experiência do Museu a todo o País, a EDP criou a exposição itinerante “A Energia da Língua Portuguesa”. Instalada em um caminhão, a mostra rodou o Brasil, levando cultura e informação sobre a língua a mais de 23 mil visitantes nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia e Ceará. Ainda nessa frente, a Empresa foi apoiadora cultural da 25ª Bienal Internacional do Livro em São Paulo e co-patrocinadora da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP).

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes pelas suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

Startup cearense é a primeira do país a receber investimento do EDP Ventures Brasil

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

19 de Fevereiro de 2019


A cearense Delfos captou 1,5 mi, que serão utilizados a fim de aprimorar soluções de Inteligência Artificial para usinas de geração de energia

A startup cearense Delfos acaba de ser contemplada com aporte de R$ 1,5 milhão para finalizar o desenvolvimento da Inteligência Artificial aplicada à manutenção preditiva de usinas de geração de energia. A empresa foi a primeira do setor elétrico brasileiro a receber investimento do EDP Ventures Brasil, veículo de investimentos de capital de risco (Corporate Venture Capital) do Grupo EDP. Além da EDP Ventures Brasil, que atuou como Investidor Líder, sendo responsável pela maior fatia do capital, o aporte tem participação do BMG Uptech e da Bossa Nova Investimentos.

“Escolhemos a Delfos para receber o primeiro aporte da EDP Ventures Brasil por acreditarmos que esta solução brasileira tem um grande potencial de crescimento no mercado de energias renováveis local e global. Queremos investir para alavancar o desenvolvimento de tecnologias criadas no Brasil e que tenham qualidade para ganhar o mundo”, afirma Cassio Vidigal, Head da empresa de Venture Capital da EDP.

Segundo Rosario Cannata, Investment Manager da EDP Ventures “A Inteligência artificial aplicada à manutenção preditiva é uma tecnologia muito inovadora, com a qual a Delfos poderá ajudar empresas de energia eólica, hidrelétrica e solar a se tornarem mais eficientes, aumentando a produção das usinas e reduzindo seus custos através da previsão de falhas e de um melhor conhecimento operacional”. A Delfos iniciou sua relação com a EDP em 2016, ao vencer o concurso de startups EDP Open Innovation e receber uma premiação de 50 mil euros para o desenvolvimento de um sistema de previsão de falhas em turbinas eólicas. Na ocasião, o administrador Guilherme Studart e o engenheiro Samuel Lima criaram um modelo de cruzamento de dados capaz de antecipar o desgaste dos componentes e recomendar a manutenção preventiva dos equipamentos.

Durante esse período, a startup passou por todos os processos de mentoria da EDP e conquistou grandes clientes no País, encerrando o ano de 2018 com projetos e contratos envolvendo 3,1 GW (gigawatts) de ativos, mais do que sete vezes o total monitorado em 2017 (0,4 GW).

“O apoio da EDP impulsionou a forma de atuação da Delfos no mercado. Nossa solução tem como objetivo possibilitar uma Governança Operacional eficiente, reduzindo incertezas operacionais e aumentando a produtividade dos ativos de energias renováveis. Queremos expandir nosso negócio utilizando a Inteligência Artificial aplicada a todos os segmentos do setor de Energia ”, destaca Guilherme Studart, CEO da Delfos.

Com o aporte da EDP Ventures Brasil, BMG Uptech e Bossa Nova, a startup pretende agora consolidar a robustez da plataforma, aumentando a escalabilidade, além de aperfeiçoar a confiabilidade dos dados, tornando o sistema capaz de operar em tempo real e gerando um clone virtual para a captação de possíveis falhas. Além do apoio financeiro, BMG Uptech e Bossa Nova contam com um portfólio de mais de 400 startups investidas e poderão ajudar a Delfos na expansão local e internacional e no acesso a capital de risco em futuras captações. Os investidores terão direito a uma participação minoritária da empresa e trabalharão em conjunto para dar suporte ao crescimento da Companhia.

A escolha da EDP Ventures Brasil

No início de 2018, a Delfos desenvolveu um projeto-piloto com a EDP Renováveis em um complexo eólico na Bélgica. O modelo de previsão de falhas, testado em 11 turbinas, aumentou sua capacidade de análise e melhorou a habilidade de tratar dados, gerando modelos mais assertivos e painéis de análise aprimorados. A constante evolução da plataforma atraiu o interesse da EDP Ventures Brasil, que, com apenas oito meses de atuação, já havia prospectado mais de 200 startups e conversado com mais de 70 fundos de investimentos, aceleradoras e polos tecnológicos.

Além de investimento direto, a empresa de Venture Capital da EDP oferece também apoio financeiro para a realização de projetos-piloto, acesso às áreas de negócio e ativos do Grupo EDP e seus parceiros em 16 países, além do acompanhamento de uma rede de incubadoras, aceleradoras e investidores brasileiros e internacionais.

A EDP Ventures Brasil procura startups com soluções para o mercado de energia que possam trazer valor para o grupo dentro das seguintes verticais de investimento: energia renovável, redes inteligentes, armazenamento de energia, Inovação digital (blockchain, IoT, big data, realidade virtual), Soluções com foco no cliente (fintechs, soluções inteligentes para casa) e área de suporte (legal tech, plataformas de RH).

A EDP Ventures Brasil avalia desde startups em fase inicial de desenvolvimento (seed investment) até startups mais maduras, em fase de escala e tração no mercado (series A), com a possibilidade de co-investimento com outras corporações ou fundos parceiros. Interessados podem acessar o site www.edpventures.vc para obter mais informações ou inscrever novos projetos.

O Grupo EDP possui uma estratégia global de Corporate Venture. Por meio de um veículo semelhante existente em Portugal desde 2008, a EDP já investiu mais de 30 milhões de euros em 22 startups.

Plataforma de inovação aberta da EDP Brasil

No Brasil, a EDP apoia o empreendedorismo nacional no setor de energia desde 2015, com iniciativas que auxiliam no desenvolvimento de soluções desde a ideia inicial até o investimento, passando pelos processos de prototipagem, aceleração e projeto-piloto. Os programas de aceleração EDP Starter Brasil e Free Electrons são as principais portas de entrada para a aproximação com a Companhia.

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes pelas suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

EDP investirá R$ 12 milhões na restauração do Museu do Ipiranga

Por Oswaldo Scaliotti em Sem categoria

26 de Janeiro de 2019

Empresa será a primeira patrocinadora do restauro deste patrimônio histórico da cidade de São Paulo e monumento nacional;

Reinauguração do museu está prevista para 2022, ano do bicentenário da Independência do Brasil;

São Paulo, 25 de janeiro de 2019 – A EDP, empresa que atua em todos os segmentos do setor elétrico brasileiro, anuncia no aniversário da cidade de São Paulo o investimento de R$ 12 milhões para a restauração do Museu do Ipiranga, fechado desde 2013. A Empresa, por meio do apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, é a primeira a fechar um contrato com a Universidade de São Paulo (USP) para apoiar a reforma do Museu. A obra tem duração prevista de 30 meses e a reinauguração está programada para 2022.

“Estamos em um momento histórico que é a aproximação do marco do bicentenário da Independência do Brasil. Como maior investidor português no País, não podiamos deixar de estar presentes em um evento tão importante, junto ao Governo do Estado e à USP. O Museu do Ipiranga é um patrimônio que conecta a memória de Portugal e Brasil, e está no coração do povo brasileiro,” afirma Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil.

Composto por um acervo de mais de 450 mil peças, entre objetos, documentos iconográficos e textuais de até meados do século XX, o Museu do Ipiranga é fundamental para a compreensão da sociedade brasileira. O Museu foi aberto ao público em 1895 no edifício-monumento que ficou pronto em 1890. O prédio de arquitetura neoclássica marca o local onde teria acontecido a proclamação da Independência do Brasil, realizada em 1822, por D. Pedro I, às margens do riacho Ipiranga. Uma das obras mais conhecidas de sua coleção é o quadro Independência ou Morte, pintado em 1888 pelo artista Pedro Américo. Fechado desde 2013, esse espaço cultural recebia uma média de 350 mil visitantes anuais.

“Estamos esperançosos de que outras empresas se juntem a nós e façam parte deste grupo empresarial que apoiará a reconstrução do Museu do Ipiranga”, acrescenta o CEO da EDP.

O Museu Paulista, popularmente conhecido como Museu do Ipiranga, é um órgão da Universidade de São Paulo, integrado desde 1963, sendo considerado uma instituição científica, cultural e educacional com atuação no campo da História. Sua curadoria tem como foco a formação e a ampliação de coleções (por meio de doações, aquisições etc), sua conservação física, seu estudo e documentação de seus arquivos. Dessa forma, o Museu disponibilizará acesso ao seu conteúdo através de exposições, cursos, programas educativos e publicações.

Compromisso com o patrimônio histórico brasileiro

A EDP acredita em apoiar a cultura e a arte dos países que falam português e evidenciam a riqueza e a diversidade do idioma, o mais usado no hemisfério sul do planeta. A valorização da língua é uma das bandeiras da Companhia, que garantiu o maior patrocínio à reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo: um investimento de R$ 20 milhões até 2019.

Para levar a experiência do Museu a todo o País, a EDP criou a exposição itinerante “A Energia da Língua Portuguesa”. Instalada em um caminhão, a mostra rodou o Brasil, levando cultura e informação sobre a língua a mais de 23 mil visitantes nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia e Ceará. Ainda nessa frente, a Empresa foi apoiadora cultural da 25ª Bienal Internacional do Livro em São Paulo e co-patrocinadora da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP).

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Geração, Distribuição, Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia. Possui seis unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica, e atende cerca de 3,4 milhões de clientes pelas suas Distribuidoras em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, tornou-se a principal acionista da CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 13 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

EDP patrocina exposição O retrato do rei dom João VI

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

03 de dezembro de 2018

Este é o primeiro de uma série de eventos culturais que a Companhia vai apoiar até 2022. Mostra, no Museu Histórico Nacional, marca obicentenário da aclamação do monarca como rei de Portugal, Brasil e Algarves

 

A EDP, empresa que atua em todos os segmentos do setor elétrico brasileiro, é patrocinadora da exposição O retrato do rei dom João VI, que marca o bicentenário da coroação do monarca à frente do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves. Este é o primeiro de uma série de eventos culturais que a Companhia vai apoiar até 2022, ano em que será celebrado o aniversário de 200 anos da Independência do Brasil.

A mostra ficará aberta ao público entre 30 de novembro e 17 de fevereiro de 2019 no Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro. O tema da exposição é a construção da imagem de Dom João VI como rei, a partir de um amplo panorama amplo da iconografia de um personagem decisivo na história de Portugal e Brasil na passagem do século XVIII para o XIX.

Para isso, o acervo reúne 24 pinturas, oriundas de instituições brasileiras e portuguesas, coleções particulares e do próprio acervo do MHN. Além dos retratos, completam a exposição condecorações, medalhas, moedas, leques, gravuras e uma réplica da coroa de 1818 – somando cerca de 60 itens.

“Como maior investidora portuguesa no Brasil, para a EDP é uma satisfação apoiar um evento que celebra e reforça os laços históricos entre Brasil e Portugal. Essa exposição marca o início da programação cultural que a EDP pretende promover para a comemoração do bicentenário da Independência do Brasil”, afirma Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil.

No Ceará, a EDP é responsável pela UTE Pecém I, sediada no município de São Gonçalo do Amarante. Em operação desde 2012, a Usina gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da termelétrica foi responsável pela transformação do Ceará de estado importador em exportador da energia elétrica.

Restauração ao vivo

Além disso, será realizada no local da exposição, aos olhos dos visitantes, a restauração de um retrato de Dom João VI de grande proporção (2 metros x 3 metros) pelo técnico do Laboratório de Restauração em pintura do MHN, Luiz Fernando Abreu, com a ajuda de estudantes da Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

A obra, do quase anônimo pintor brasileiro Antônio Alves, é a cópia de uma tela pintor italiano Domenico Pellegrini (1759-1840). A curiosidade é que na pintura do italiano vê-se, pela janela, o Terreiro do Paço, em Lisboa. Na versão de Alves, a paisagem vista é a da Baía da Guanabara, com o Pão de Açúcar ao fundo.

 A intenção é que, após o encerramento do evento, a obra restaurada seja apresentada como o principal legado da mostra.

A iniciativa conta ainda com programação educativa, com oferecimento de transporte e lanche para mil visitas escolares durante o período expositivo. A realização é do Museu Histórico Nacional e Instituto Brasileiro de Museus. Co-patrocinam a exposição o Instituto São Fernando, com a colaboração do Ministério da Cultura de Portugal e apoio da Embaixada de Portugal no Brasil, Instituto Camões em Brasília e Associação de Amigos do MHN. A produção é da Artepadilla.

Investimento histórico

A EDP acredita em apoiar a cultura e a arte dos países que falam português e evidenciam a riqueza e a diversidade do idioma, o mais usado no hemisfério sul do planeta. A valorização da língua é uma das bandeiras da Companhia, que garantiu o maior patrocínio à reconstrução do Museu da Língua Portuguesa, em São Paulo: um investimento de R$ 20 milhões até 2019.

Para levar a experiência do Museu a todo o País, a EDP criou a exposição itinerante “A Energia da Língua Portuguesa”. Instalada em um caminhão, a mostra rodou o Brasil, levando cultura e informação sobre a língua a mais de 22 mil visitantes nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Bahia e Ceará. Ainda nessa frente, a Empresa é apoiadora cultural da 25ª Bienal Internacional do Livro em São Paulo e co-patrocinadora da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP).

 

Ficha Técnica

Exposição: O retrato do rei dom João VI

Coordenação Geral: Museu Histórico Nacional

Curadoria: Paulo Knauss/ Diretor do MHN

Proponente: Associação de Amigos do MHN

Produção Executiva: Artepadilla/ Roberto Padilla

Design expositivo: Cristiane João/ Museógrafa do MHN.

Serviço

Data: 30 de novembro e 17 de fevereiro de 2019

Onde: Museu Histórico Nacional

Visitação: terça a sexta, 10h às 17h30; sábado, domingo e feriado, 13h às 17h

Ingressos:   R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Entrada gratuita aos domingos. Confira outras gratuidades em mhn.museus.gov.br

Mais informações: (21) 3299 0324 (recepção)

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia, e possui sete unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica. Em Distribuição, atende cerca de 3,4 milhões de clientes em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, adquiriu participação na CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 12 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Museu Histórico Nacional

Dedicado à História do Brasil, o Museu Histórico Nacional (MHN) está  localizado no centro histórico da cidade do Rio de Janeiro (RJ). Foi criado em 1922, como parte das comemorações do Centenário da Independência do Brasil. O museu é uma das unidades do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) e possui um vasto acervo constituído por cerca de 350 mil peças, entre manuscritos, iconografia, mobiliário, armaria, esculturas, indumentária etc.

Publicidade

EDP é eleita a empresa com a melhor reputação do setor “Utilidades e Concessões”

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

09 de novembro de 2018

 

 

Estudo Reputation Index, realizado pela consultoria DOM Strategy Partners e pelo Centro de Inteligência Padrão, avaliou as mil maiores empresas brasileiras nos últimos 12 meses

A EDP, companhia que atua em todos os segmentos do setor elétrico, foi eleita a empresa líder da categoria “Utilidades e Concessões” no estudo Reputation Index 2018, da revista Consumidor Moderno. A pesquisa avaliou a reputação das mil maiores empresas brasileiras de 20 setores por meio de uma metodologia que mensurou a sua performance segundo dois pilares – credibilidade e imagem corporativa.

No Ceará, a EDP é responsável pela UTE Pecém I, sediada no município de São Gonçalo do Amarante. Em operação desde 2012, a Usina gera 370 empregos diretos e 1.053 empregos indiretos. A atividade da termelétrica foi responsável pela transformação do Ceará de estado importador em exportador da energia elétrica.

As análises, realizadas entre novembro de 2017 e agosto de 2018 pelo CIP (Centro de Inteligência Padrão) e pela consultoria DOM Strategy Partners, além de especialistas no assunto, observaram não só indicadores financeiros e mercadológicos tradicionais, como faturamento, crescimento e market share, mas também aspectos como construção e sustentação da credibilidade e imagem positiva da empresa aos olhos de seus clientes, funcionários, acionistas, mídia tradicional e social, entre outros stakeholders.

Um exemplo de ação da EDP que consolidou seu caráter inovador perante os pesquisadores foi a criação do Centro de Excelência em Robotização (CER), responsável pelo gerenciamento de todo o processo de digitalização do trabalho na Companhia. Segundo o estudo, ao investir nesta tecnologia, a organização se destacou entre as empresas de seu segmento e demonstrou excelência em atributos como Fortalecimento Institucional e Criatividade Aplicada e Relacionamento com Stakeholders.

“É motivo de satisfação saber que o nosso propósito de usar a nossa energia para cuidar sempre melhor tem sido reconhecido por nossos colaboradores, clientes e parceiros de negócios. Tudo isso nos anima a buscar continuamente as melhores soluções para exceder as expectativas de todas as partes interessadas no nosso negócio”, afirma Miguel Setas, presidente da EDP no Brasil.

Sobre a EDP Brasil

Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Transmissão, Comercialização e Serviços de Energia, e possui 15 unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica. Em Distribuição, atende cerca de 3,4 milhões de clientes em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, adquiriu participação na CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 12 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

UTE Pecém reutiliza 23% do efluente na geração de energia elétrica

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

30 de julho de 2018

A EDP Brasil, companhia do setor elétrico que atua em toda a cadeia de valor, vem implementando projetos voltados à redução do consumo de água e de reuso dos efluentes gerados pela UTE Pecém, localizada em São Gonçalo do Amarante (CE). Com isso, 23% do resíduo gerado – o equivalente a 20 mil metros cúbicos por mês – deixaram de ser descartados e fazem parte do processo de geração de energia elétrica. O projeto recebe um investimento anual de R$ 1,2 milhão, sendo 66% por parte da EDP e 33% da Eneva – empresa que tem participação na produção da usina Pecém II.

O reaproveitamento e tratamento de efluentes foi proporcionado por um sistema de clarificação da água moderno e compacto. Até o fim do ano, a meta da Companhia é praticamente triplicar o volume recuperado do recurso, passando de 20 mil para mais de 57 mil metros cúbicos mensais.

Outra inovação foi a implantação de um sistema de alta tecnologia, inédito no Brasil, para o tratamento da água de recirculação das torres de resfriamento, a fim de aumentar os ciclos de concentração de 3,5 para 12 vezes, e de reduzir a necessidade de descarte e reposição de água. A iniciativa gerou, ainda, uma redução de até 80 mil metros cúbicos por mês no consumo de água do sistema de resfriamento da Usina. No total, alcançou-se uma economia de 100 mil metros cúbicos mensais.

A redução do gasto de água é uma prioridade para a Usina desde o início das suas atividades, em 2012. “A UTE Pecém é uma das mais eficientes do País. Por conta disso, todos os anos investimos em ações para reduzir o consumo de água, diminuindo o impacto no meio ambiente”, afirma Lourival Teixeira, diretor técnico da UTE Pecém. A água que já foi economizada desde a implementação dos projetos seria suficiente para abastecer, durante seis meses, uma cidade com cerca de 48 mil habitantes.

As unidades geradoras de Pecém, pertencentes ao grupo EDP, têm capacidade de produção de 720MWh, equivalente a 45% da energia consumida em todo o estado do Ceará.


Sobre a EDP no Brasil
Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Transmissão, Comercialização e Soluções em Energia, e possui 15 unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica. Em Distribuição, atende cerca de 3,4 milhões de clientes em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, adquiriu participação na CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 12 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.

Publicidade

UTE Pecém reutiliza 23% do efluente na geração de energia elétrica

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

30 de julho de 2018

A EDP Brasil, companhia do setor elétrico que atua em toda a cadeia de valor, vem implementando projetos voltados à redução do consumo de água e de reuso dos efluentes gerados pela UTE Pecém, localizada em São Gonçalo do Amarante (CE). Com isso, 23% do resíduo gerado – o equivalente a 20 mil metros cúbicos por mês – deixaram de ser descartados e fazem parte do processo de geração de energia elétrica. O projeto recebe um investimento anual de R$ 1,2 milhão, sendo 66% por parte da EDP e 33% da Eneva – empresa que tem participação na produção da usina Pecém II.

O reaproveitamento e tratamento de efluentes foi proporcionado por um sistema de clarificação da água moderno e compacto. Até o fim do ano, a meta da Companhia é praticamente triplicar o volume recuperado do recurso, passando de 20 mil para mais de 57 mil metros cúbicos mensais.

Outra inovação foi a implantação de um sistema de alta tecnologia, inédito no Brasil, para o tratamento da água de recirculação das torres de resfriamento, a fim de aumentar os ciclos de concentração de 3,5 para 12 vezes, e de reduzir a necessidade de descarte e reposição de água. A iniciativa gerou, ainda, uma redução de até 80 mil metros cúbicos por mês no consumo de água do sistema de resfriamento da Usina. No total, alcançou-se uma economia de 100 mil metros cúbicos mensais.

A redução do gasto de água é uma prioridade para a Usina desde o início das suas atividades, em 2012. “A UTE Pecém é uma das mais eficientes do País. Por conta disso, todos os anos investimos em ações para reduzir o consumo de água, diminuindo o impacto no meio ambiente”, afirma Lourival Teixeira, diretor técnico da UTE Pecém. A água que já foi economizada desde a implementação dos projetos seria suficiente para abastecer, durante seis meses, uma cidade com cerca de 48 mil habitantes.

As unidades geradoras de Pecém, pertencentes ao grupo EDP, têm capacidade de produção de 720MWh, equivalente a 45% da energia consumida em todo o estado do Ceará.


Sobre a EDP no Brasil
Com mais de 20 anos de atuação, a EDP é uma das maiores empresas privadas do setor elétrico a operar em toda a cadeia de valor. A Companhia, que tem mais de 10 mil colaboradores diretos e terceirizados, atua em Transmissão, Comercialização e Soluções em Energia, e possui 15 unidades de geração hidrelétrica e uma termelétrica. Em Distribuição, atende cerca de 3,4 milhões de clientes em São Paulo e no Espírito Santo. Recentemente, adquiriu participação na CELESC, em Santa Catarina. No Brasil, é referência em áreas como Inovação, Governança e Sustentabilidade, estando há 12 anos consecutivos no Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3.