Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Índice de Confiança do Consumidor (ICC)

71,6% dos consumidores de Fortaleza apontam melhorias na sua situação financeira, aponta pesquisa

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

23 de Janeiro de 2019

O pessimismo em relação ao cenário econômico brasileiro vem diminuindo e dando lugar a confiança no poder de compra, entre os brasileiros

Pesquisa recente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), aponta que a confiança do consumidor aumentou, em 2018, cerca de 12%. A capital do Ceará é uma prova do otimismo financeiro entre os brasileiros. Pesquisa recente do Índice de Confiança do Consumidor (ICC), realizada pela Fecomércio, aponta que no primeiro mês do ano 53,7% dos consumidores fortalezenses apresentaram disposição para as compra de bens duráveis. O estudo mostra ainda que para 71,6% dos fortalezenses a situação financeira está melhor ou muito melhor que o comparado a um ano atrás.

O consultor Marcos Sá assinala ainda que o otimismo entre os consumidores, que deve ser equilibrado, é peça fundamental para a recuperação da economia, o que acontece também a partir da movimentação de dinheiro. ‘’Não é necessário gastar descontroladamente. Se o consumidor fizer uso adequadamente do seu dinheiro para o consumo de quaisquer bens que deseja, isso vai influenciar diretamente na economia do país, que é impulsionada a produzir ainda mais, atraindo assim investimento tanto no Brasil como no exterior’’.

A pesquisa do Índice de Confiança do Consumidor (ICC) aponta ainda que, em relação ao futuro, os consumidores de Fortaleza são ainda mais otimistas. Para 86,7% dos entrevistados, a situação econômica será melhor ou muito melhor se comparada a atual.

Brasil

O otimismo, quanto à situação econômica, é uma realidade para 61% dos brasileiros que acreditam que a vida financeira vai melhorar contra outros 9% que relatam não possuir tal otimismo. A pesquisa aponta que desses 61%, 41% acredita que o otimismo é resultado do novo contexto político enquanto outros 12% pensam ser pela queda do desemprego.

O consultor financeiro, Marcos Sá, aponta que esse otimismo não deve ser motor para o consumo desenfreado: ‘’Antes do consumo é preciso que haja uma reflexão não apenas sobre a necessidade do bem a ser adquirido, mas também se os rumos que a economia do país estão caminhando beneficiam realmente o consumidor’’.

Publicidade

Ambiente econômico derruba confiança do consumidor

Por Oswaldo Scaliotti em Sem categoria

11 de setembro de 2015

Segundo pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), O Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza voltou a cair em setembro, atingindo 92,5 pontos, com queda de 3,4% sobre o resultado do último mês de agosto (95,8 pontos). O consumidor avalia o momento econômico atual como adverso, contribuindo com o sentimento de confiança e o potencial de consumo.

A redução do ICC decorreu da piora dos seus dois componentes: o Índice de Situação Presente caiu 3,5%, passando de 92,6 pontos em agosto para 89,4 pontos neste mês. Já o Índice de Situação Futura caiu 3,3 pontos atingindo 94,6 pontos, como pode ser visto na tabela a seguir:

 

Tabela 1 – ICC, Síntese dos resultados

Índice Valor mensal – em pontos Média do Trimestre
Jul Ago Set
ICC 94,0 95,8 92,5 94,1
ISP 93,6 92,6 89,4 91,9
IEF 94,4 97,9 94,6 95,6

 

Fonte: Pesquisa Direta Fecomércio/IPDC

 

Pretensão de compra

A taxa de pretensão de compras teve queda de 2,9 pontos percentuais, passando de 39,3%, em agosto, para 36,4% neste mês. Esse percentual está abaixo do resultado do indicador em setembro do ano passado, de 48,2%, sinalizando que o segundo semestre neste ano iniciou mais fraco em termos de expectativas de vendas.

O valor médio das compras é estimado em R$ 301,62 e a intenção de compra mostra-se levemente superior para as mulheres (36,6%), mas mais vigorosa para os consumidores do grupo com idade entre 18 e 24 anos (48,1%) e com renda familiar acima de dez salários mínimos (49,8%).

Os produtos mais procurados são: Aparelhos de telefonia celular, citados por (18,6%) dos entrevistados; Artigos de vestuário (17,1%); Televisores (15,3%); Móveis e artigos de decoração (12,1%); Geladeiras e refrigeradores (11,8%); calçados (11,8%) e Fogão (8,2%).

 

Expectativa dos consumidores

 Acompanhando a mudança no índice de confiança, o percentual de consumidores que consideram o momento atual ótimo ou bom para a compra de bens duráveis também recuou em setembro, passando de 36,1%, em agosto, para 34,7% neste mês.

O perfil daqueles com maior disposição para as compras destaca os consumidores do sexo masculino (35,0%), do grupo com idade entre 18 e 24 anos (39,4%) e com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos (38,1%).

 

A pesquisa também revela que 55,6% dos consumidores de Fortaleza consideram que sua situação financeira atual está melhor ou muito melhor do que há um ano. Já as expectativas com o futuro se mostram mais otimistas, com 67,5% dos entrevistados acreditando que sua situação financeira futura será melhor ou muito melhor do que a atual.

 

O consumidor de Fortaleza tem mostrado preocupações com a situação econômica nacional, com 68,2% dos entrevistados descrevendo-a como ruim ou péssima. Esse sentimento recebe influências da aceleração da inflação, do aumento dos juros e da percepção de relativa piora no mercado de trabalho trazendo expectativas negativas para o ambiente econômico dos próximos meses.

 

Índice de Confiança do Consumidor

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) é uma medida sintética de indicadores da percepção do consumidor quanto à sua situação econômica, composto do Índice da Situação Presente (ISP) e Índice das Expectativas Futuras (IEF). O ICC funciona, portanto, como um indicador do potencial de consumo, baseado na opinião dos próprios consumidores.

O índice varia no intervalo de 0 a 200, sendo o índice 100 a fronteira entre a situação de pessimismo (abaixo desse valor) e otimismo (acima desse valor). O índice zero denotaria a situação de total pessimismo, enquanto 200 pontos indicariam a situação de total otimismo.

 

Saiba mais

A Pesquisa de Confiança e Intenção de Compra do Consumidor de Fortaleza (ICC) é realizada mensalmente pelo IPDC- Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio, ligado à Fecomércio-CE. Tem como principal objetivo verificar a expectativa real dos consumidores, em relação à situação econômica e em relação às futuras intenções de compras. A pesquisa avalia, também, o potencial de consumo a cada mês, a confiança do consumidor em relação à capacidade de compra e a situação do país. Além de verificar os produtos que o consumidor deseja adquirir, a propensão para gastar, a situação financeira atual e futura do consumidor, entre outros.

* postado por Oswaldo Scaliotti

Publicidade

Ambiente econômico derruba confiança do consumidor

Por Oswaldo Scaliotti em Sem categoria

11 de setembro de 2015

Segundo pesquisa divulgada pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Ceará (Fecomércio-CE), O Índice de Confiança do Consumidor de Fortaleza voltou a cair em setembro, atingindo 92,5 pontos, com queda de 3,4% sobre o resultado do último mês de agosto (95,8 pontos). O consumidor avalia o momento econômico atual como adverso, contribuindo com o sentimento de confiança e o potencial de consumo.

A redução do ICC decorreu da piora dos seus dois componentes: o Índice de Situação Presente caiu 3,5%, passando de 92,6 pontos em agosto para 89,4 pontos neste mês. Já o Índice de Situação Futura caiu 3,3 pontos atingindo 94,6 pontos, como pode ser visto na tabela a seguir:

 

Tabela 1 – ICC, Síntese dos resultados

Índice Valor mensal – em pontos Média do Trimestre
Jul Ago Set
ICC 94,0 95,8 92,5 94,1
ISP 93,6 92,6 89,4 91,9
IEF 94,4 97,9 94,6 95,6

 

Fonte: Pesquisa Direta Fecomércio/IPDC

 

Pretensão de compra

A taxa de pretensão de compras teve queda de 2,9 pontos percentuais, passando de 39,3%, em agosto, para 36,4% neste mês. Esse percentual está abaixo do resultado do indicador em setembro do ano passado, de 48,2%, sinalizando que o segundo semestre neste ano iniciou mais fraco em termos de expectativas de vendas.

O valor médio das compras é estimado em R$ 301,62 e a intenção de compra mostra-se levemente superior para as mulheres (36,6%), mas mais vigorosa para os consumidores do grupo com idade entre 18 e 24 anos (48,1%) e com renda familiar acima de dez salários mínimos (49,8%).

Os produtos mais procurados são: Aparelhos de telefonia celular, citados por (18,6%) dos entrevistados; Artigos de vestuário (17,1%); Televisores (15,3%); Móveis e artigos de decoração (12,1%); Geladeiras e refrigeradores (11,8%); calçados (11,8%) e Fogão (8,2%).

 

Expectativa dos consumidores

 Acompanhando a mudança no índice de confiança, o percentual de consumidores que consideram o momento atual ótimo ou bom para a compra de bens duráveis também recuou em setembro, passando de 36,1%, em agosto, para 34,7% neste mês.

O perfil daqueles com maior disposição para as compras destaca os consumidores do sexo masculino (35,0%), do grupo com idade entre 18 e 24 anos (39,4%) e com renda familiar entre cinco e dez salários mínimos (38,1%).

 

A pesquisa também revela que 55,6% dos consumidores de Fortaleza consideram que sua situação financeira atual está melhor ou muito melhor do que há um ano. Já as expectativas com o futuro se mostram mais otimistas, com 67,5% dos entrevistados acreditando que sua situação financeira futura será melhor ou muito melhor do que a atual.

 

O consumidor de Fortaleza tem mostrado preocupações com a situação econômica nacional, com 68,2% dos entrevistados descrevendo-a como ruim ou péssima. Esse sentimento recebe influências da aceleração da inflação, do aumento dos juros e da percepção de relativa piora no mercado de trabalho trazendo expectativas negativas para o ambiente econômico dos próximos meses.

 

Índice de Confiança do Consumidor

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) é uma medida sintética de indicadores da percepção do consumidor quanto à sua situação econômica, composto do Índice da Situação Presente (ISP) e Índice das Expectativas Futuras (IEF). O ICC funciona, portanto, como um indicador do potencial de consumo, baseado na opinião dos próprios consumidores.

O índice varia no intervalo de 0 a 200, sendo o índice 100 a fronteira entre a situação de pessimismo (abaixo desse valor) e otimismo (acima desse valor). O índice zero denotaria a situação de total pessimismo, enquanto 200 pontos indicariam a situação de total otimismo.

 

Saiba mais

A Pesquisa de Confiança e Intenção de Compra do Consumidor de Fortaleza (ICC) é realizada mensalmente pelo IPDC- Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Comércio, ligado à Fecomércio-CE. Tem como principal objetivo verificar a expectativa real dos consumidores, em relação à situação econômica e em relação às futuras intenções de compras. A pesquisa avalia, também, o potencial de consumo a cada mês, a confiança do consumidor em relação à capacidade de compra e a situação do país. Além de verificar os produtos que o consumidor deseja adquirir, a propensão para gastar, a situação financeira atual e futura do consumidor, entre outros.

* postado por Oswaldo Scaliotti