Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Marcos Soares

Limpa Fácil investe R$ 9,5 milhões em duplicação de unidade fabril no CE

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

02 de agosto de 2017

Depois de anunciado o Polo Industrial Químico de Guaiuba e a vinda da indústria detentora da Brilux para o Ceará, mais um grande investimento deverá consolidar o Estado como referência no setor químico. A Kaçan Industrial Produtos Limpa Fácil Ltda acaba de anunciar uma ampliação para dobrar a capacidade da produção industrial em território cearense. O projeto conta com a transferência da unidade fabril em Fortaleza para a Região Metropolitana.
 
“Estivemos no município de Itaitinga com o presidente do Sindquímica, Marcos Soares, conferindo de perto as novas instalações da Limpa Fácil, uma empresa 100% cearense, nascida no bairro Granja Portugal, em Fortaleza, e que agora ganha novos rumos de crescimento. Com as novas instalações, a empresa vai gerar 120 empregos diretos e 480 indiretos para a região. O Governo do Estado está apoiando a iniciativa e trabalha para viabilizar a concessão de incentivos fiscais para a expansão da empresa”, comemora a presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Nicolle Barbosa.
 
Conforme o presidente do grupo, José Ribamar Alves Lima, esse é o momento do setor químico no Ceará. “Atualmente, é um estado muito importador de produtos de limpeza de outras localidades. Nossa empresa tem uma grande cartela de clientes em outras regiões e precisava ampliar a produção para atender a demanda”, explica, adiantando que as atividades no novo local serão iniciadas em dezembro deste ano.
 
O cenário favorável para o segmento industrial químico do Ceará também é destacado pelo presidente do Sindquímica, Marcos Soares. “Não temos nenhuma indústria de expressão na área de saneantes, enquanto os estados vizinhos abrigam empresas de grande porte. A Limpa Fácil, com sua ampliação, poderá ser uma delas. Por isso, o sindicato, como instituição, está dando apoio e procurando incentivos fiscais com a Adece e a Secretaria do Desenvolvimento Econômico do Ceará (SDE) para a empresa competir de igual para igual com outros estados. Também estamos pleiteando junto à Prefeitura de Itaitinga melhorias no acesso ao distrito industrial”, declara.
 
Atualmente instalada em uma área residencial da capital cearense, a empresa terá a produção transferida de uma área de 1.555 metros quadrados (m²) para um prédio industrial de 4.120 m² localizado em um terreno de 20 mil m². “Tivemos a oportunidade de ir para outros estados, recebemos outros convites, mas optamos por crescer em nosso território”, acrescenta o empresário.
 
Para as novas instalações produtivas a empresa está investindo, neste ano, R$ 9,5 milhões. Já para o planejamento até o ano de 2020 o aporte será de R$ 20 milhões com a expansão de novos negócios. Também está nos planos da indústria a expansão do atendimento para as regiões Nordeste, Norte e Centro Oeste.
 
Atualmente, a Limpa Fácil fabrica detergentes, ácido muriático, tira ferrugem, água sanitária e soda cáustica. A comercialização dos produtos é feita também para os estados da Paraíba, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Piauí e Maranhão. Três novos estão prestes a entrar no portfólio da empresa: desinfetante, amaciante de roupas e sabão líquido para roupas.
* postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Adece instaura Câmara Setorial da Indústria Química

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

09 de dezembro de 2015

DSCN3360[1]
Tendo em vista a expressiva atuação e a importância da indústria química cearense, um novo órgão colegiado foi instaurado pelo Governo do Estado do Ceará, nesta terça-feira (8), com o intuito de alavancar o setor no Ceará. Na ocasião, o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Ferruccio Feitosa, lançou a Câmara Setorial da Cadeia produtiva da Indústria Química (CS Química), órgão consultivo para propor, apoiar e acompanhar projetos e ações visando o crescimento sustentável do setor no território local. 
 
“Conversamos com alguns participantes da Câmara Setorial de Saúde e levantamos a hipótese de criar a CS Química para focar no setor, que possui tamanha importância na economia e na sociedade do Estado. Estamos criando um órgão colegiado, formado por entidades governamentais e não-governamentais, com o intuito de trazermos assuntos relevantes para o setor”, disse Ferruccio Feitosa. 
 
Para representar a câmara no primeiro ano de atuação, podendo haver renovação de mandatos por mais 12 meses, foram eleitos presidente, primeiro e segundo secretários Marcos Soares (Sindquímica), Ricardo Sabadia (IEL) e Ronaldo Ferreira do Nascimento (UFC), respectivamente.
 
De acordo com Marcos Soares, a câmara já dá início às atividades elaborando um planejamento para os próximos nove anos. “Reunir indústria, Estado e academia é o tripé que desejávamos para dar um passo à frente. Hoje mesmo vamos sair daqui para elabor um mapa do setor químico no Estado até o ano de 2025. Temos aqui farmacêuticos, químicos e pessoas da área de tecnologia. Precisamos de todos esses atores para crescer”, disse.
 
Atualmente, o setor químico no Estado se ressalta principalmente na fabricação de fibras artificiais e sintéticas, defensivos agrícolas, produtos de limpeza, cosméticos, perfumaria, higiene pessoal e tintas têm destaque na produção cearense. Nas regiões Norte e Nordeste, o Ceará é referência na fabricação de tintas e medicamentos. De acordo com o presidente da câmara setorial, um dos objetivos avançar mais ainda na área de cosméticos e semeantes.
 
Entidades
 
Um total de 17 entidades compõe a Câmara Setorial da Cadeia produtiva da Indústria Química (CS Química). São elas: Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece); Associação Empresarial de Indústrias (Aedi); Banco do Nordeste do Brasil (BNB); Conselho Regional de Farmácia do Estado do Ceará (CRF-CE); Conselho Regional de Química 10a Região (CRC); Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC); Instituto Euvaldo Lodi (IEL); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE); Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-CE); Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Ceará (Secitece); Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará (Sefaz); Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai); Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa); Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace); Sindicato das Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Destilação e Refinação de Petróleo no Estado do Ceará (Sindquímica-CE); Universidade Estadual do Ceará (UECE); Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de Fortaleza (Unifor).
* postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Adece instaura Câmara Setorial da Indústria Química

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

09 de dezembro de 2015

DSCN3360[1]
Tendo em vista a expressiva atuação e a importância da indústria química cearense, um novo órgão colegiado foi instaurado pelo Governo do Estado do Ceará, nesta terça-feira (8), com o intuito de alavancar o setor no Ceará. Na ocasião, o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Ferruccio Feitosa, lançou a Câmara Setorial da Cadeia produtiva da Indústria Química (CS Química), órgão consultivo para propor, apoiar e acompanhar projetos e ações visando o crescimento sustentável do setor no território local. 
 
“Conversamos com alguns participantes da Câmara Setorial de Saúde e levantamos a hipótese de criar a CS Química para focar no setor, que possui tamanha importância na economia e na sociedade do Estado. Estamos criando um órgão colegiado, formado por entidades governamentais e não-governamentais, com o intuito de trazermos assuntos relevantes para o setor”, disse Ferruccio Feitosa. 
 
Para representar a câmara no primeiro ano de atuação, podendo haver renovação de mandatos por mais 12 meses, foram eleitos presidente, primeiro e segundo secretários Marcos Soares (Sindquímica), Ricardo Sabadia (IEL) e Ronaldo Ferreira do Nascimento (UFC), respectivamente.
 
De acordo com Marcos Soares, a câmara já dá início às atividades elaborando um planejamento para os próximos nove anos. “Reunir indústria, Estado e academia é o tripé que desejávamos para dar um passo à frente. Hoje mesmo vamos sair daqui para elabor um mapa do setor químico no Estado até o ano de 2025. Temos aqui farmacêuticos, químicos e pessoas da área de tecnologia. Precisamos de todos esses atores para crescer”, disse.
 
Atualmente, o setor químico no Estado se ressalta principalmente na fabricação de fibras artificiais e sintéticas, defensivos agrícolas, produtos de limpeza, cosméticos, perfumaria, higiene pessoal e tintas têm destaque na produção cearense. Nas regiões Norte e Nordeste, o Ceará é referência na fabricação de tintas e medicamentos. De acordo com o presidente da câmara setorial, um dos objetivos avançar mais ainda na área de cosméticos e semeantes.
 
Entidades
 
Um total de 17 entidades compõe a Câmara Setorial da Cadeia produtiva da Indústria Química (CS Química). São elas: Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece); Associação Empresarial de Indústrias (Aedi); Banco do Nordeste do Brasil (BNB); Conselho Regional de Farmácia do Estado do Ceará (CRF-CE); Conselho Regional de Química 10a Região (CRC); Federação das Indústrias do Estado do Ceará (FIEC); Instituto Euvaldo Lodi (IEL); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE); Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-CE); Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Ceará (Secitece); Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará (Sefaz); Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai); Secretaria da Saúde do Estado do Ceará (Sesa); Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace); Sindicato das Indústrias Químicas, Farmacêuticas e da Destilação e Refinação de Petróleo no Estado do Ceará (Sindquímica-CE); Universidade Estadual do Ceará (UECE); Universidade Federal do Ceará (UFC) e Universidade de Fortaleza (Unifor).
* postado por Oswaldo Scaliotti