Publicidade

Investe CE

por Oswaldo Scaliotti

Quixeramobim

Enel retira fiação irregular de telecomunicação em Quixadá, Quixeramobim, Banabuiú e Choró

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

26 de Fevereiro de 2019

A Enel Distribuição Ceará inicia esta semana uma operação de retirada de fiação irregular de telecomunicação dos postes da companhia nos municípios de Quixadá, Quixeramobim, Banabuiú e Choró. Só esse ano, já foram retiradas cerca de 26 toneladas, equivalente a 399 mil metros de cabos, em 9.450 ações da companhia no estado.

A distribuidora realiza a fiscalização na fiação de telecomunicações desde 2017 e já realizou 43 mil fiscalizações e 9.450 regularizações, com emissão de mais de 1.200 notificações às empresas responsáveis. Mais de 300 empresas de telecomunicações firmaram contrato de compartilhamento com a Enel para regularização.

O objetivo da ação é regularizar toda a estrutura da fiação dos postes do estado e retirar a fiação e equipamentos que encontram-se irregulares. Em estudo realizado pela companhia em julho de 2017, foi identificado que existiam cerca de 291 mil cabos de telecomunicação e 17 mil postes com irregularidades no Ceará. Atualmente, esse número já chega a aproximadamente 550 mil cabos e mais de 174 mil postes com irregularidades em todo o estado.

Denúncias

Para fazer denúncias sobre uma fiação irregular ou para informar situações de risco por cabos de telecomunicações, o cliente pode entrar em contato como a companhia pelo 0800.285.7887 ou pelo e-mail compartilhamento.brasil@enel.com.

Publicidade

Rebanho e Nutron participam da II Copa Leite, em Quixeramobim

Por Oswaldo Scaliotti em Eventos

05 de dezembro de 2018

Com objetivo de fortalecer a cultura do leite no município que é a maior bacia leiteira do Ceará, Quixeramobim recebe, de 6 a 8 de dezembro de 2018, a segunda edição da Copa Leite. A Rebanho SA e a Nutron Alimentos, referências em nutrição animal, são patrocinadoras master do evento.
O médico veterinário Guilherme Gonçalves destaca que o torneio leiteiro no coração do Sertao Central movimentará a cadeia leiteira de todo Ceará, além de fomentar a economia na região. Ao todo, 18 produtores competirão em três categorias:  PRONAF,  MUNICIPAL e Categoria LIVRE. Os prêmios totalizam, aproximadamente, R$ 10 mil.
A programação do evento, que acontece durante os três dias na Via Paisagística de Quixeramobim, conta também com exposições, palestras e atrações musicais. Inscrições para competidores estão abertas e podem ser feitas pelos contatos (88) 99925-2563 ou (88) 99412-6898.
Publicidade

Sertão Central gera renda e emprego com sapatos sustentáveis

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

23 de outubro de 2017

Foto: Érico Gondim

 

Nascida em Quixeramobim e filha de agricultores, Dona Zilá, 83 anos, demonstrou seu interesse pela indústria da transformação desde criança, hoje, mestre de ofício da renda nhanduti, ela multiplica a técnica pioneira no Estado e amplia os horizontes com a produção de sapatos artesanais sustentáveis na região do Sertão Central.

Com foco no repasse da técnica nhanduti, geração de trabalho e renda, as oportunidades estão surgindo vindo da capital e de outros estados. “Os sapatos sustentáveis são comercializados com qualidade para os mercados local e nacional, e futuramente internacionalmente, quando ganhar maiores proporções com as redes sociais. Colocamos o artesão frente a frente com o mercado”, reforça Dona Zilá.

Estimular e fortalecer a organização econômica e social tem sido umas das bandeiras de defesa do Grupo Frivolitas, formado por artesãs, sapateiros e acompanhamento do designer, Erico Gondim. O fomento do projeto é do Sebrae Ceará com o apoio da Prefeitura Municipal de Quixeramobim, através da Associação de Artesãos do município.

Com a matéria-prima vinda dos restos de materiais industriais calçadistas da região, as artesãs moldam os novos pedidos de acordo com a primeira Coleção Frivolitas. São em média 10 artesãs, 3 sapateiros e 6 pessoas capacitadas, oriundas do assentamento Caraíbas. O Grupo consegue atender 40 pedidos de sapatos por mês. Os sapatos são comercializados ao preço final de R$70.

“Somos perfeccionistas nos detalhes e a renda nhanduti é o maior obstáculo. No município não se tem tantos sapateiros e os poucos que existem, ajudam na produção dos pedidos. Temos um prazo de uma semana para entregar cada par de sapatos”, disse Dona Zilá.

Fazer um produto bem feito com design atemporal tem conquistado muita gente na capital e cidades do interior. “Nossa matéria-prima começa onde todos os outros terminam, com as sobras. Não queremos somente que eles sejam inseridos no mercado, temos interesse em ensinar a técnica do rendado nhanduti para mais pessoas. Somos empreendedoras sociais e pensamos muito além, na geração de emprego e renda”, afirma Zilá.

A primeira coleção feminina de sandálias e sapatilhas possui forte identidade local e regional. Através de consultorias promovidas pelo SEBRAE Ceará foi desenvolvendo um negócio inovador, agregando mais valor às peças e mantendo o conceito sustentável, sem uso de origem animal.

As redes de lojas, designers de moda e desfiles de moda sustentável pelo país afora é um dos objetivos do grupo em participar. O Sebrae tem sido o responsável por propagar os produtos de grupos de artesãos, como tem demonstrado sua evolução e expansão  dos negócios com a consultoria da instituição.

Sobre o Frivolitas

O grupo de Quixeramobim é responsável pelo repasse da técnica Nhanduti e Frivolité, gerando preservação da cultura popular e renda para comunidades locais. A nova coleção artesanal é composta de reaproveitamento de material das fábricas da região e da aplicação do Nhanduti. O Projeto de Resgate de Ofícios Artesanais é uma realização do SEBRAE Ceará – Escritório Regional Sertão Central.

Ponto de Venda em Fortaleza

Elabore //colab.store

Rua Marcos Macêdo, 655 – loja 10

Aldeota, Fortaleza/CE

(85) 3013-5733

 

  • postado por Oswaldo Scaliotti
Publicidade

Posicionamento do Sinduscon-CE sobre as invasões aos imóveis do MCMV em Quixeramobim:

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

04 de Abril de 2017

O Sinduscon-CE, Sindicato das Construtoras, solicitou providências ao Governo do Ceará, através de ofícios enviados à Casa Civil e ao próprio governador, para a retomada de posse das obras do Programa Minha Casa Minha Vida, que foram invadidas no Estado. Somente esta semana, dois empreendimentos com mais de 90% das obras finalizadas foram tomados e depredados no Município de Quixeramobim, além de outras unidades próximas à Fortaleza que sofreram ameaças de ocupação indevida.

Em Quixeramobim, foram 412 unidades residenciais do empreendimento Edmilson Duarte Lima, e mais 520 unidades do Jardim Norte 01. A situação se agrava quando somam-se os perigos de invasão aos demais empreendimentos em fase de conclusão, colocando em risco o andamento do Programa no Estado.

O Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) foi lançado para permitir que famílias de baixa renda tivessem acesso à casa própria. Além do objetivo social, o Programa gera emprego e renda, por meio do incremento da cadeia produtiva do setor da construção civil. Para o financiamento das obras, são feitos aportes do Governo Federal, juntamente com contrapartidas do Estado ou dos Municípios. O dinheiro público investido vem atender à população carente que aguarda em fila de espera, até receber um imóvel.

Com as invasões, o Sinduscon-CE alerta que há a impossibilidade de conclusão das obras, gerando graves prejuízos, com custos extras gerados pelos dias parados, além de danos a serem reparados nos imóveis e impossibilitando que as famílias verdadeiramente detentoras do direito à residência possam sair da fila e receber seu imóvel.

Nos ofícios encaminhados, o Sinduscon-CE solicita providências para a retomada da posse dos empreendimentos já invadidos e o apoio para resguardar a segurança e a integridade dos que correm perigo de invasão.

Publicidade

Posicionamento do Sinduscon-CE sobre as invasões aos imóveis do MCMV em Quixeramobim:

Por Oswaldo Scaliotti em Mercado

04 de Abril de 2017

O Sinduscon-CE, Sindicato das Construtoras, solicitou providências ao Governo do Ceará, através de ofícios enviados à Casa Civil e ao próprio governador, para a retomada de posse das obras do Programa Minha Casa Minha Vida, que foram invadidas no Estado. Somente esta semana, dois empreendimentos com mais de 90% das obras finalizadas foram tomados e depredados no Município de Quixeramobim, além de outras unidades próximas à Fortaleza que sofreram ameaças de ocupação indevida.

Em Quixeramobim, foram 412 unidades residenciais do empreendimento Edmilson Duarte Lima, e mais 520 unidades do Jardim Norte 01. A situação se agrava quando somam-se os perigos de invasão aos demais empreendimentos em fase de conclusão, colocando em risco o andamento do Programa no Estado.

O Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) foi lançado para permitir que famílias de baixa renda tivessem acesso à casa própria. Além do objetivo social, o Programa gera emprego e renda, por meio do incremento da cadeia produtiva do setor da construção civil. Para o financiamento das obras, são feitos aportes do Governo Federal, juntamente com contrapartidas do Estado ou dos Municípios. O dinheiro público investido vem atender à população carente que aguarda em fila de espera, até receber um imóvel.

Com as invasões, o Sinduscon-CE alerta que há a impossibilidade de conclusão das obras, gerando graves prejuízos, com custos extras gerados pelos dias parados, além de danos a serem reparados nos imóveis e impossibilitando que as famílias verdadeiramente detentoras do direito à residência possam sair da fila e receber seu imóvel.

Nos ofícios encaminhados, o Sinduscon-CE solicita providências para a retomada da posse dos empreendimentos já invadidos e o apoio para resguardar a segurança e a integridade dos que correm perigo de invasão.