Publicidade

Le Chef Coxinha

por Ariane Cajazeiras

Doceville

Um bate-papo com Manu Weyne, da Doceville

Por Ariane Cajazeiras em Chefs do mundo, Sem categoria, Vejo comida em todo lugar

25 de Abril de 2018

Quem gosta de gastronomia certamente acompanha tudo o que sai de programas e realities sobre o tema. Nesta quarta-feira tem mais um episódio da Batalha dos Confeiteiros, apresentado pelo confeiteiro Buddy Valastro, dono da Carlo’s Bakery e criador de bolos super grandiosos em pasta americana. Eu acompanhava o Buddy no programa Cake Boss, uma série de televisão americana em formato reality show transmitida pelo canal de TV a cabo TLC e também no Discovery Home & Health.

16 participantes estão nesta edição (Foto: Divulgação)

Não assisti ao primeiro Batalha de Confeiteiros (que também tem formato de reality show e é transmitido no canal aberto pela Record), mas fiquei animada ao saber que temos cearense nesta edição. E é a querida Manuela Weyne, chef e proprietária de uma das patisseries mais fofas de Fortaleza, a Doceville. Batemos um papo com ela e você confere aqui 🙂

(Foto: Divulgação)

Le Chef: O programa já foi todo gravado e só falta a final, que é ao vivo, não é isso? Como foi essa experiência? Muito estresse, pressão? O que você aprendeu?

Manu: Isso, a gente gravou todo o programa, a gente ficou um mês confinado gravando tudo e a final será ao vivo. Entao ninguém sabe ainda o resultado, na final todos voltamos pra gravar. Foi uma experiência única, eu nunca na vida vou viver algo parecido com isso e é uma oportunidade que eu abracei com todas as minhas forças, me dediquei ao máximo. E o que eu sempre pensava quando eu tava lá era que eu queria viver o máximo de tempo possível, tudo aquilo que Deus tinha colocado na minha vida. Muito estresse, muita pressão, mas eu acho que são com essas oportunidades da vida que a gente cresce e foi muito, muito legal.

Le Chef: No primeiro episódio o Buddy ficou com vontade de provar o seu tijolinho de tapioca com brigadeiro de dedo de moça. Essa receita você desenvolveu quando?

Manu: Essa foi uma receita que eu fiz há uns 4 anos atrás pro Prazeres da Mesa. Eu dei uma aula lá com essa receita e foi a melhor receita do evento, que virou capa da revista nacionalmente. Então eu acho que é uma receita que é a minha cara, que fez parte da minha história, por isso eu quis fazer ela no primeiro episódio. Queria muuuito que o Buddy provasse, quando ele falou que estava com vontade de provar, que devia estar mais gostoso, eu fiquei muito feliz, mesmo não tendo sido a sobremesa escolhida. E a gente tá fazendo ela aqui na Doceville então quem quiser vir provar a receita que o Buddy não provou ela tá aqui! Ela é um tijolinho de tapioca que leva queijo coalho, queijo parmesão, a goma da tapioca, com um brigadeiro de chocolate amargo com pimenta dedo de moça. Uma combinação perfeita!

Le Chef: Fala um pouco da sua carreira. Quando você começou? Há quanto tempo está com a Doceville?

Manu: Quando eu tinha 9 anos, a minha mãe começou a fazer brownie em casa com uma receita de família, de uma tia nossa os EUA, e aí ela fazia essa receita pra gente, pra festas. E todo mundo começou a pedir, ninguém conhecia brownie. E aí ela começou a fazer pra encomenda e o negócio foi crescendo dentro de casa, no final já tinha 30 pontos de revenda. Eu, criança, adorava ficar na cozinha, ajudar, sempre gostei de fazer sobremesa, mas não era algo que eu pensava pra minha vida. Tanto que eu era professora de dança, fazia Direito e não pensava em trabalhar com isso nos meus 17, 18 anos. E aí eu fui morar na França, fazer um semestre da faculdade de Direito lá e como lá é o berço da gastronomia eu me apaixonei por esse universo. Comecei a fazer cursos, prolonguei o tempo da minha viagem, fiquei 10 meses e aí eu comecei a estudar, fiz vários cursos, a Cordon Bleu. Aí quando eu voltei, abri a loja, a Doceville abriu tem 5 anos e graças a Deus vem só crescendo nesse tempo. Mas hoje eu tenho certeza que é minha paixão, é onde meu coração bate forte. E foi a melhor decisão que eu fiz! Abri mão da minha faculdade, mas hoje eu faço o que eu amo mesmo.

(Foto: Divulgação)

Le Chef: Pra finalizar, proponho uma brincadeira! Vamos mudar de papel. Já provou os doces do Buddy? Qual sua avaliação dele?

 

Manu: (Risos) Hoje eu sou fã do Buddy por ele ter levado ao mundo todo, todo mundo passou a valorizar os bolos decorados como uma arte e não só como um bolo. E realmente todo mundo passou a enxergar isso e isso é mérito dele mesmo. E em relação às sobremesas dele, eu sou apaixonada pelo rabo de lagosta com caramelo salé. Acho que é o top dos tops dele. É um sabor diferente pra gente, paladar brasileiro é diferente. A gente gosta de coisa mais doce mais cremosa, nos EUA os bolos são mais secos, usam muito Butter Cream que tem muita gordura, então é muito de paladar mesmo. Eu sei que um americano prova um brigadeiro nosso e acha enjoento. Então é costume mesmo! Mas o rabo de lagosta vale a pena provar! E agora tem a loja dele em São Paulo (Carlo’s Bakery São Paulo – R. Bela Cintra, 2182 – Jardins), né? Então fica mais fácil!

lobster tail, ou rabo de lagosta! (Foto: Divulgação Carlo’s Bakery)

Obrigada, Manu! A nossa torcida tá com você!

(Foto: Divulgação)

 

Publicidade

Um bate-papo com Manu Weyne, da Doceville

Por Ariane Cajazeiras em Chefs do mundo, Sem categoria, Vejo comida em todo lugar

25 de Abril de 2018

Quem gosta de gastronomia certamente acompanha tudo o que sai de programas e realities sobre o tema. Nesta quarta-feira tem mais um episódio da Batalha dos Confeiteiros, apresentado pelo confeiteiro Buddy Valastro, dono da Carlo’s Bakery e criador de bolos super grandiosos em pasta americana. Eu acompanhava o Buddy no programa Cake Boss, uma série de televisão americana em formato reality show transmitida pelo canal de TV a cabo TLC e também no Discovery Home & Health.

16 participantes estão nesta edição (Foto: Divulgação)

Não assisti ao primeiro Batalha de Confeiteiros (que também tem formato de reality show e é transmitido no canal aberto pela Record), mas fiquei animada ao saber que temos cearense nesta edição. E é a querida Manuela Weyne, chef e proprietária de uma das patisseries mais fofas de Fortaleza, a Doceville. Batemos um papo com ela e você confere aqui 🙂

(Foto: Divulgação)

Le Chef: O programa já foi todo gravado e só falta a final, que é ao vivo, não é isso? Como foi essa experiência? Muito estresse, pressão? O que você aprendeu?

Manu: Isso, a gente gravou todo o programa, a gente ficou um mês confinado gravando tudo e a final será ao vivo. Entao ninguém sabe ainda o resultado, na final todos voltamos pra gravar. Foi uma experiência única, eu nunca na vida vou viver algo parecido com isso e é uma oportunidade que eu abracei com todas as minhas forças, me dediquei ao máximo. E o que eu sempre pensava quando eu tava lá era que eu queria viver o máximo de tempo possível, tudo aquilo que Deus tinha colocado na minha vida. Muito estresse, muita pressão, mas eu acho que são com essas oportunidades da vida que a gente cresce e foi muito, muito legal.

Le Chef: No primeiro episódio o Buddy ficou com vontade de provar o seu tijolinho de tapioca com brigadeiro de dedo de moça. Essa receita você desenvolveu quando?

Manu: Essa foi uma receita que eu fiz há uns 4 anos atrás pro Prazeres da Mesa. Eu dei uma aula lá com essa receita e foi a melhor receita do evento, que virou capa da revista nacionalmente. Então eu acho que é uma receita que é a minha cara, que fez parte da minha história, por isso eu quis fazer ela no primeiro episódio. Queria muuuito que o Buddy provasse, quando ele falou que estava com vontade de provar, que devia estar mais gostoso, eu fiquei muito feliz, mesmo não tendo sido a sobremesa escolhida. E a gente tá fazendo ela aqui na Doceville então quem quiser vir provar a receita que o Buddy não provou ela tá aqui! Ela é um tijolinho de tapioca que leva queijo coalho, queijo parmesão, a goma da tapioca, com um brigadeiro de chocolate amargo com pimenta dedo de moça. Uma combinação perfeita!

Le Chef: Fala um pouco da sua carreira. Quando você começou? Há quanto tempo está com a Doceville?

Manu: Quando eu tinha 9 anos, a minha mãe começou a fazer brownie em casa com uma receita de família, de uma tia nossa os EUA, e aí ela fazia essa receita pra gente, pra festas. E todo mundo começou a pedir, ninguém conhecia brownie. E aí ela começou a fazer pra encomenda e o negócio foi crescendo dentro de casa, no final já tinha 30 pontos de revenda. Eu, criança, adorava ficar na cozinha, ajudar, sempre gostei de fazer sobremesa, mas não era algo que eu pensava pra minha vida. Tanto que eu era professora de dança, fazia Direito e não pensava em trabalhar com isso nos meus 17, 18 anos. E aí eu fui morar na França, fazer um semestre da faculdade de Direito lá e como lá é o berço da gastronomia eu me apaixonei por esse universo. Comecei a fazer cursos, prolonguei o tempo da minha viagem, fiquei 10 meses e aí eu comecei a estudar, fiz vários cursos, a Cordon Bleu. Aí quando eu voltei, abri a loja, a Doceville abriu tem 5 anos e graças a Deus vem só crescendo nesse tempo. Mas hoje eu tenho certeza que é minha paixão, é onde meu coração bate forte. E foi a melhor decisão que eu fiz! Abri mão da minha faculdade, mas hoje eu faço o que eu amo mesmo.

(Foto: Divulgação)

Le Chef: Pra finalizar, proponho uma brincadeira! Vamos mudar de papel. Já provou os doces do Buddy? Qual sua avaliação dele?

 

Manu: (Risos) Hoje eu sou fã do Buddy por ele ter levado ao mundo todo, todo mundo passou a valorizar os bolos decorados como uma arte e não só como um bolo. E realmente todo mundo passou a enxergar isso e isso é mérito dele mesmo. E em relação às sobremesas dele, eu sou apaixonada pelo rabo de lagosta com caramelo salé. Acho que é o top dos tops dele. É um sabor diferente pra gente, paladar brasileiro é diferente. A gente gosta de coisa mais doce mais cremosa, nos EUA os bolos são mais secos, usam muito Butter Cream que tem muita gordura, então é muito de paladar mesmo. Eu sei que um americano prova um brigadeiro nosso e acha enjoento. Então é costume mesmo! Mas o rabo de lagosta vale a pena provar! E agora tem a loja dele em São Paulo (Carlo’s Bakery São Paulo – R. Bela Cintra, 2182 – Jardins), né? Então fica mais fácil!

lobster tail, ou rabo de lagosta! (Foto: Divulgação Carlo’s Bakery)

Obrigada, Manu! A nossa torcida tá com você!

(Foto: Divulgação)