24 de outubro de 2018 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

24 de outubro de 2018

leia tudo sobre

Publicidade

E por falar em ciúme…

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

24 de outubro de 2018

Uma mãe denuncia o esposo por ter raptado a filha de oito anos e de tê-la proibido ver a criança. Esse não é um caso isolado. Acontece muito. E é resultado de relacionamento desgastado, muitas vezes, pelo ciúme doentio. O ciúme é um germe terrível a desorientar até mesmo as boas convivências.

Diante de qualquer doença, o comum é a pessoa buscar recurso médico. Quando se trata de questões de ordem psíquicas – e o ciumento é um doente dessa natureza que precisa de trato -, a maioria das pessoas foge a qualquer indicativo de que precisam, sim, de ajuda.

Todo ciúme acaba com qualquer relação amorosa. Por melhor que ela seja. E, muitas vezes, na separação sobram efeitos e consequências danosas para os filhos. Eles acabam pagando por um erro do qual não são culpados.

O histórico policial narra casos trágicos de casais que, após a separação, acabaram vitimando inocentes, movidos pelo ódio. Ódio que, nessas ocasiões, parece – eu disse, parece – ser mais forte do que a força do amor. Pense nisso.

leia tudo sobre

Publicidade

E por falar em ciúme…

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

24 de outubro de 2018

Uma mãe denuncia o esposo por ter raptado a filha de oito anos e de tê-la proibido ver a criança. Esse não é um caso isolado. Acontece muito. E é resultado de relacionamento desgastado, muitas vezes, pelo ciúme doentio. O ciúme é um germe terrível a desorientar até mesmo as boas convivências.

Diante de qualquer doença, o comum é a pessoa buscar recurso médico. Quando se trata de questões de ordem psíquicas – e o ciumento é um doente dessa natureza que precisa de trato -, a maioria das pessoas foge a qualquer indicativo de que precisam, sim, de ajuda.

Todo ciúme acaba com qualquer relação amorosa. Por melhor que ela seja. E, muitas vezes, na separação sobram efeitos e consequências danosas para os filhos. Eles acabam pagando por um erro do qual não são culpados.

O histórico policial narra casos trágicos de casais que, após a separação, acabaram vitimando inocentes, movidos pelo ódio. Ódio que, nessas ocasiões, parece – eu disse, parece – ser mais forte do que a força do amor. Pense nisso.