31 de Maio de 2019 - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

31 de Maio de 2019

Sobre coisas que sabemos e não colocamos em prática: o perdão

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

31 de Maio de 2019

Um mentor espiritual de grande envergadura moral ao se referir sobre a questão do perdão lembra que é preciso ter paciência com os erros nossos e, principalmente, os dos outros. Somos seres em construção. Ninguém é perfeito.

A gente costuma reclamar sempre de quem erra. No entanto, diz o mestre, antes de acusar, silencie. É preciso perdoar e servir sempre.

Diante da mãe que tenta tirar a vida do pequeno filho, lançando numa correnteza, medite. Provavelmente ela não exibe as marcas da enfermidade com que, talvez, amanhã se recolha à sombra de um hospício.

Alguém passou por você e não respondeu a cordialidade do cumprimento? Pense na possibilidade de algum motivo inconfesso de dor e tormento que ela deva estar convivendo.

Aquele que, tendo cargo de chefia e por falta de humildade, desconhece a prática da bonomia, de ser cortês com seus pares, é mais infeliz do que os infelicitados por ele. Os que oprimem subalternos se esquecem de que, em breve tempo, podem perder o cargo e até cair sob o golpe da morte.

Por isso, importa perdoar sempre; porque os ofensores de qualquer condição carregam consigo o remorso, como espinho de fogo encravado no próprio ser.

Antes de qualquer julgamento antecipado, contra quem quer que seja, cale a sua voz de acusação. Permita-se à certeza de que, todos nós, estamos na escola de aprendizado terreno. E ninguém ainda tirou diploma de autoridade maior para julgar os que, a exemplo de todos nós, ainda não se edificaram no aprendizado do Bem.

leia tudo sobre

Publicidade

Sobre coisas que sabemos e não colocamos em prática: o perdão

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

31 de Maio de 2019

Um mentor espiritual de grande envergadura moral ao se referir sobre a questão do perdão lembra que é preciso ter paciência com os erros nossos e, principalmente, os dos outros. Somos seres em construção. Ninguém é perfeito.

A gente costuma reclamar sempre de quem erra. No entanto, diz o mestre, antes de acusar, silencie. É preciso perdoar e servir sempre.

Diante da mãe que tenta tirar a vida do pequeno filho, lançando numa correnteza, medite. Provavelmente ela não exibe as marcas da enfermidade com que, talvez, amanhã se recolha à sombra de um hospício.

Alguém passou por você e não respondeu a cordialidade do cumprimento? Pense na possibilidade de algum motivo inconfesso de dor e tormento que ela deva estar convivendo.

Aquele que, tendo cargo de chefia e por falta de humildade, desconhece a prática da bonomia, de ser cortês com seus pares, é mais infeliz do que os infelicitados por ele. Os que oprimem subalternos se esquecem de que, em breve tempo, podem perder o cargo e até cair sob o golpe da morte.

Por isso, importa perdoar sempre; porque os ofensores de qualquer condição carregam consigo o remorso, como espinho de fogo encravado no próprio ser.

Antes de qualquer julgamento antecipado, contra quem quer que seja, cale a sua voz de acusação. Permita-se à certeza de que, todos nós, estamos na escola de aprendizado terreno. E ninguém ainda tirou diploma de autoridade maior para julgar os que, a exemplo de todos nós, ainda não se edificaram no aprendizado do Bem.