A JUSTIÇA DORMIU DE TOGA - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

A JUSTIÇA DORMIU DE TOGA

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

26 de Maio de 2013

A violência é insuportável. Ela está escancarada em todo lugar. Nas ruas. Nas praças de esportes. Nos templos religiosos. Em todo canto há sempre registro de uma ação criminosa clamando providências. E já não é assunto apenas de um programa como o Barra Pesada. Está exposto nos telejornais nacionais, evidenciando que existe um problema grave a reclamar soluções do governo.

Mas, enquanto o crime se alastra, os políticos perdem tempo com discussões efêmeras e revelam, também, o lado violento de suas índoles -, a Justiça revela mais um dado estarrecedor. Um suspeito de cometer 20 homicídios – eu falei, 20 homicídios cometidos n a área do Eusébio, região metropolitana – e que fora preso no mês de abril, foi solto por não ter sido julgado a tempo hábil.

Com 20 crimes nas costas, ele tem apenas 17 anos de idade. É citado em mais de 20 inquéritos pela prática de homicídio. Pois ele foi solto, após passar 108 dias internado. Um jovem com um histórico de crimes que vem desde os 14 anos de idade.

Os crimes cometidos por ele têm sempre motivos torpes. E, como se previa, estão ligados a drogas. A delegada Ana Lúcia mostrou-se surpresa com a notícia da soltura do infrator. Mesmo porque, depois de liberto, ele já voltou a circular na companhia de outros indivíduos de mau comportamento.

É incrível como a lerdeza da Justiça em julgar casos como esse, acaba favorecendo o lado criminoso. Enquanto o País inteiro grita por ações mais ágeis e efetivas, os homens de toga caminham na contramão do que mais se deseja. E acabam favorecendo o crime. Porque essa impunidade gera estímulos a outros criminosos. No caso desse delinquente solto no último dia 17,  a delegada do Eusébio já tem informações de que ele passou a circular com as más companhias do passado, numa atitude que pode revelar a zombaria que esses menores fazem da inabilidade e da ineficiência do poder judiciário. A Justiça, pelo menos nesse caso, dormiu de toga.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

A JUSTIÇA DORMIU DE TOGA

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

26 de Maio de 2013

A violência é insuportável. Ela está escancarada em todo lugar. Nas ruas. Nas praças de esportes. Nos templos religiosos. Em todo canto há sempre registro de uma ação criminosa clamando providências. E já não é assunto apenas de um programa como o Barra Pesada. Está exposto nos telejornais nacionais, evidenciando que existe um problema grave a reclamar soluções do governo.

Mas, enquanto o crime se alastra, os políticos perdem tempo com discussões efêmeras e revelam, também, o lado violento de suas índoles -, a Justiça revela mais um dado estarrecedor. Um suspeito de cometer 20 homicídios – eu falei, 20 homicídios cometidos n a área do Eusébio, região metropolitana – e que fora preso no mês de abril, foi solto por não ter sido julgado a tempo hábil.

Com 20 crimes nas costas, ele tem apenas 17 anos de idade. É citado em mais de 20 inquéritos pela prática de homicídio. Pois ele foi solto, após passar 108 dias internado. Um jovem com um histórico de crimes que vem desde os 14 anos de idade.

Os crimes cometidos por ele têm sempre motivos torpes. E, como se previa, estão ligados a drogas. A delegada Ana Lúcia mostrou-se surpresa com a notícia da soltura do infrator. Mesmo porque, depois de liberto, ele já voltou a circular na companhia de outros indivíduos de mau comportamento.

É incrível como a lerdeza da Justiça em julgar casos como esse, acaba favorecendo o lado criminoso. Enquanto o País inteiro grita por ações mais ágeis e efetivas, os homens de toga caminham na contramão do que mais se deseja. E acabam favorecendo o crime. Porque essa impunidade gera estímulos a outros criminosos. No caso desse delinquente solto no último dia 17,  a delegada do Eusébio já tem informações de que ele passou a circular com as más companhias do passado, numa atitude que pode revelar a zombaria que esses menores fazem da inabilidade e da ineficiência do poder judiciário. A Justiça, pelo menos nesse caso, dormiu de toga.