Cada um pode auxiliar a diminuir a violência da cidade - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

Cada um pode auxiliar a diminuir a violência da cidade

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

14 de Fevereiro de 2017

Se tem uma coisa que os telespectadores do Barra Pesada sempre fazem referência, quando encontro com eles por ai, é ao final do programa. Esse editorial. Por ser o momento em que a gente faz uma reflexão em torno de assuntos relacionados ao comum do programa, na tentativa de se buscar esclarecimento sobre a importância de cada um de nós na luta contra esse mal que é a violência. Na verdade, todos reclamamos da falta de segurança, do número de crimes em nossa capital, mas qual é a contribuição de cada indivíduo para evitar que a violência diminua? Todos somos responsáveis.
Aquele que alimenta um pé de briga; uma inimizade e não busca refrear em si o ímpeto de vingança, é sim culpado por esse desassossego que a cidade assiste. Quem, por qualquer motivo, não sabe relevar uma palavra de ofensa e já parte pra briga, acaba contribuindo para a desordem da violência. Quem não busca conviver bem na sua comunidade e, por qualquer besteirinha, já anda de cara amuada, feito um bicho bruto, mal sabe que é um incentivador do mal.

Para vencer a onda de violência que essa cidade registra, preciso é que as pessoas se desarmem – e não só das armas convencionais não – mas se desarme do espírito de ódio com o qual nos alimentamos e que é o responsável em ocasiões por crimes inexplicáveis; pelas brigas intempestivas; pela mágoa que se guarda no coração, como se ele fosse lixeira – e por qualquer indisposição que se fizer contra quem quer que seja.

A violência existe porque existem pessoas não sabem controlar seus ímpetos de raiva e suas emoções mais fortes. Se briga por um motivo banal qualquer, incapaz que somos de chegar até àqueles com que nos indispomos para uma conversa esclarecedora, um diálogo que possa diminuir as diferenças.

Tem uma mensagem circulando por aí que diz que é preciso ter vibrações boas para se evitar situações difíceis. E a pura verdade. “Pensamentos infelizes geram vibrações negativas. Vibrações negativas atraem outras, criando uma aura de perturbação”, por onde quer que você vá. Pessoas pessimistas, que adoram cobrar dos outros aquilo que não fazem, acabam sugando as energias boas e ameaçando o relacionamento.

Quando você está de bem com a vida, tudo se reflete a seu favor. Quem não tem interesses egoístas; quem faz o seu trabalho sem pensar em interesses pessoais, vibra positivamente e cria um campo de força como um escudo de proteção. Os egoístas, pelo contrário, são como zumbis a roubar as energias edificantes de cada um, criando desarmonia por onde circule, como um vampiro que rouba as nossas forças mais íntimas.

Por isso, não crie campos de desânimo ao seu redor. Evite desprender energias negativas que acabam acumulando o ambiente onde você convive, seja no trabalho ou em casa, porque são dessas sensações nefastas que o mal se alimenta. É desse individualismo besta que algumas pessoas se reveste, que a violência se alimenta. Deixe que tudo ao seu redor se ilumine de positividade. De bem querença. De afeto. E não é preciso dispensar as amizades que lhe dão prejuízo; tente viver o seu lado de luz para que as sombras delas acabe sendo afastada e criando um ambiente de harmonia e de paz. Pense nisso.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Cada um pode auxiliar a diminuir a violência da cidade

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

14 de Fevereiro de 2017

Se tem uma coisa que os telespectadores do Barra Pesada sempre fazem referência, quando encontro com eles por ai, é ao final do programa. Esse editorial. Por ser o momento em que a gente faz uma reflexão em torno de assuntos relacionados ao comum do programa, na tentativa de se buscar esclarecimento sobre a importância de cada um de nós na luta contra esse mal que é a violência. Na verdade, todos reclamamos da falta de segurança, do número de crimes em nossa capital, mas qual é a contribuição de cada indivíduo para evitar que a violência diminua? Todos somos responsáveis.
Aquele que alimenta um pé de briga; uma inimizade e não busca refrear em si o ímpeto de vingança, é sim culpado por esse desassossego que a cidade assiste. Quem, por qualquer motivo, não sabe relevar uma palavra de ofensa e já parte pra briga, acaba contribuindo para a desordem da violência. Quem não busca conviver bem na sua comunidade e, por qualquer besteirinha, já anda de cara amuada, feito um bicho bruto, mal sabe que é um incentivador do mal.

Para vencer a onda de violência que essa cidade registra, preciso é que as pessoas se desarmem – e não só das armas convencionais não – mas se desarme do espírito de ódio com o qual nos alimentamos e que é o responsável em ocasiões por crimes inexplicáveis; pelas brigas intempestivas; pela mágoa que se guarda no coração, como se ele fosse lixeira – e por qualquer indisposição que se fizer contra quem quer que seja.

A violência existe porque existem pessoas não sabem controlar seus ímpetos de raiva e suas emoções mais fortes. Se briga por um motivo banal qualquer, incapaz que somos de chegar até àqueles com que nos indispomos para uma conversa esclarecedora, um diálogo que possa diminuir as diferenças.

Tem uma mensagem circulando por aí que diz que é preciso ter vibrações boas para se evitar situações difíceis. E a pura verdade. “Pensamentos infelizes geram vibrações negativas. Vibrações negativas atraem outras, criando uma aura de perturbação”, por onde quer que você vá. Pessoas pessimistas, que adoram cobrar dos outros aquilo que não fazem, acabam sugando as energias boas e ameaçando o relacionamento.

Quando você está de bem com a vida, tudo se reflete a seu favor. Quem não tem interesses egoístas; quem faz o seu trabalho sem pensar em interesses pessoais, vibra positivamente e cria um campo de força como um escudo de proteção. Os egoístas, pelo contrário, são como zumbis a roubar as energias edificantes de cada um, criando desarmonia por onde circule, como um vampiro que rouba as nossas forças mais íntimas.

Por isso, não crie campos de desânimo ao seu redor. Evite desprender energias negativas que acabam acumulando o ambiente onde você convive, seja no trabalho ou em casa, porque são dessas sensações nefastas que o mal se alimenta. É desse individualismo besta que algumas pessoas se reveste, que a violência se alimenta. Deixe que tudo ao seu redor se ilumine de positividade. De bem querença. De afeto. E não é preciso dispensar as amizades que lhe dão prejuízo; tente viver o seu lado de luz para que as sombras delas acabe sendo afastada e criando um ambiente de harmonia e de paz. Pense nisso.