De Brumadinhos, coqueiros e elevadores - MOUSE OU MENOS 
Publicidade

MOUSE OU MENOS

por Nonato Albuquerque

De Brumadinhos, coqueiros e elevadores

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

31 de Janeiro de 2019

O Brasil é um país onde a preocupação com o item segurança não é levado a sério. Vira e mexe você se depara com fatos que parecem confirmar a velha assertiva de que “só fechamos a porta, depois de roubados”.

E não estou falando apenas do caso da barragem de Brumadinho, não; onde foi necessária uma tragédia para alertar as autoridades para o risco que correm outros equipamentos semelhantes pelo País afora.

Aqui mesmo em Fortaleza tem esse caso da senhora que foi vítima de um elevador, sem manutenção há pelo menos dois anos, e que acabou causando a morte dela.

Quando é que, verdadeiramente, iremos colocar entre os ítens de importância as questões relacionadas à segurança? Antes de ontem, uma senhora quase morreu na Beira Mar, por conta de um coqueiro que desabou na avenida causando-lhe ferimentos.

Depois dos acidentes é que se vai atrás do prejuízo. Barragens serão vistoriadas. Condomínios começam a se preocupar com a situação de seus elevadores. A Prefeitura vai fazer inspeção no parque verde para saber quais as árvores que estão em situação de risco.

Cobrar de cada um, essa responsabilidade é necessária. Principalmente, quando se sabe que todo ser humano, dificilmente cuida de si, quanto mais daquilo que o cerca. Olho vivo, que a vida é coisa boa de se ter.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

De Brumadinhos, coqueiros e elevadores

Por Nonato Albuquerque em ARTIGO

31 de Janeiro de 2019

O Brasil é um país onde a preocupação com o item segurança não é levado a sério. Vira e mexe você se depara com fatos que parecem confirmar a velha assertiva de que “só fechamos a porta, depois de roubados”.

E não estou falando apenas do caso da barragem de Brumadinho, não; onde foi necessária uma tragédia para alertar as autoridades para o risco que correm outros equipamentos semelhantes pelo País afora.

Aqui mesmo em Fortaleza tem esse caso da senhora que foi vítima de um elevador, sem manutenção há pelo menos dois anos, e que acabou causando a morte dela.

Quando é que, verdadeiramente, iremos colocar entre os ítens de importância as questões relacionadas à segurança? Antes de ontem, uma senhora quase morreu na Beira Mar, por conta de um coqueiro que desabou na avenida causando-lhe ferimentos.

Depois dos acidentes é que se vai atrás do prejuízo. Barragens serão vistoriadas. Condomínios começam a se preocupar com a situação de seus elevadores. A Prefeitura vai fazer inspeção no parque verde para saber quais as árvores que estão em situação de risco.

Cobrar de cada um, essa responsabilidade é necessária. Principalmente, quando se sabe que todo ser humano, dificilmente cuida de si, quanto mais daquilo que o cerca. Olho vivo, que a vida é coisa boa de se ter.