oscar Archives - Cinema Sinergia 
Publicidade

Cinema Sinergia

por Thiago Sampaio

oscar

Crítica: “Green Book – O Guia” é um eficiente road movie com obstáculos dramáticos

Por Thiago Sampaio em Crítica

12 de Fevereiro de 2019

Foto: Divulgação

Já é comum termos aqueles indicados ao Oscar de Melhor Filme com tom despretensioso, leve, que dificilmente desagradam alguém. Foi assim com “Ou Tudo Ou Nada” (1997), “Pequena Miss Sunshine” (2006), “Juno” (2007), “O Lado Bom da Vida” (2012), dentre tantos outros. Nesta edição de 2019, quem assume esse papel é “Green Book – O Guia” (Green Book, 2018), que chega com o respaldo de ter levado o Globo de Ouro na categoria Melhor Filme – Comédia ou Musical e vem sendo comparado com “Conduzindo Miss Daisy” (1989), vencedor do principal prêmio da Academia em 1990, só que “às aversas”. Mas neste caso, o fato de ser “baseado em fatos reais” pode acabar por interromper as pretensões por causa de algumas polêmicas.

A história se passa em 1962 e apresenta Tony Vallelonga (Viggo Mortensen), um americano descendente de italianos que trabalha como segurança de uma discoteca em Nova York. Precisando de emprego após um incidente no local, ele vai a uma entrevista com Don Shirley (Mahershala Ali), um pianista Que precisa de motorista para a sua turnê. Enquanto os dois se chocam no início, já que Tony apresenta comportamentos racistas, um vínculo entre os dois cresce à medida que eles viajam.
Leia mais

Publicidade

“Roma” e “A Favorita” lideram em indicações ao Oscar 2019

Por Thiago Sampaio em Oscar

22 de Janeiro de 2019

Foto: Montagem/Divulgação

Foi divulgada nesta terça-feira (22) a lista dos indicados ao Oscar de 2019. “Roma”, do mexicano Alfonso Cuarón e lançada pela Netflix, e “A Favorita”, do grego Yorgos Lanthimos, lideram com 10 indicações cada.

“Roma” é o filme de língua não inglesa com mais indicações na história da premiação, empatado com o chinês “O Tigre e o Dragão”, de 2010.

“Pantera Negra”, indicado a nove prêmios, entra para a história como o primeiro longa-metragem de super-heróis a ser indicado na principal categoria da Academia.

Por outro lado, a ausência mais sentida foi a de Bradley Cooper na categoria direção, por “Nasce Uma Estrela”, apesar dele estar indicado como melhor ator pelo mesmo filme. Pawel Pawlikowski, diretor do polonês “Guerra Fria” foi a surpresa ao faturar a vaga.

Confira a lista completa dos indicados:
Leia mais

Publicidade

Confira os pitacos sobre as principais categorias do Oscar 2018

Por Thiago Sampaio em Oscar

04 de Março de 2018

Acontece na noite deste domingo (4) a principal premiação do cinema, da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, o Oscar 2018. A cerimônia acontece no Teatro Dolby, em Los Angeles, com apresentação de Jimmy Kimmel.

Como é tradição do blog Cena Cultural, deixo aqui meus dois centavos de palpites nas principais categorias, quem acredito que vai ganhar e quem, abrindo mão da imparcialidade mesmo, gostaria que levasse (afinal, todos somos humanos e temos nossas torcidas).

A cerimônia acontece à partir das 22 horas (horário de Brasília). O tapete vermelho começa um pouco mais cedo, as 20h30.

Leia mais

Publicidade

Crítica: Belíssimo, “A Forma da Água” é a carta de amor de Guillermo del Toro ao “estranho”

Por Thiago Sampaio em Crítica

05 de Fevereiro de 2018

Pôster: Divulgação

Já é do conhecimento de quase todos que o diretor Guillermo del Toro tem um fascínio por monstros. Seja cercando uma criança como forma de mascarar a realidade violenta (“O Labirinto do Fauno”, 2006) ou lutando com robôs gigantes (“Círculo de Fogo”, 2013), eles existem para fomentar a fantasia. E quando algo se torna reconhecido, deixa de ser estranho. É natural. Mas para isso, é necessário um longo processo de aceitação por parte dos que julgam o diferente como um problema. E é repleto de poesia e, principalmente, coração, que o cineasta mexicano faz em “A Forma da Água” (The Shape of Water, 2017) a sua carta de amor ao “não convencional”.

A trama se passa na década de 60, em meio aos grandes conflitos políticos e transformações sociais dos Estados Unidos da Guerra Fria. A muda Elisa (Sally Hawkins), zeladora em um laboratório experimental secreto do governo, se afeiçoa a uma criatura fantástica mantida presa e maltratada no local. Para executar um arriscado e apaixonado resgate ela recorre ao melhor amigo Giles (Richard Jenkins) e à colega de turno Zelda (Octavia Spencer).

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Bingo – O Rei das Manhãs” é, de fato, a melhor opção brasileira para o Oscar 2018

Por Thiago Sampaio em Crítica

22 de setembro de 2017

"Bingo: O Rei das Manhãs" (idem, 2017) é uma das mais eficientes produções do cinema nacional dos últimos anos.

Foto: Divulgação

A premissa de uma cinebiografia de um dos muitos intérpretes do palhaço Bozo no Brasil não é das mais interessantes. Até porque a história de um artista deslumbrado com a fama que cai no vício das drogas já foi abordada em exaustão. Mas graças ao tratamento quase cirúrgico do diretor Daniel Rezende (o que inclui a performance irretocável do protagonista), “Bingo: O Rei das Manhãs” (idem, 2017) é uma das mais eficientes produções do cinema nacional dos últimos anos.

A trama apresenta Augusto Mendes (Vladimir Brichta), um ator de pornochanchadas que se depara com sua grande chance ao se tornar “Bingo”, um palhaço apresentador de um programa infantil que é sucesso absoluto no Brasil. Logo ele conquista a garotada com o estilo debochado e chega à liderança da audiência nas manhãs, ao mesmo tempo em que mergulha em uma vida de excessos, que o afasta de seu filho.

Leia mais

Publicidade

Com direito a gafe no final, “Moonlight” tira o principal Oscar de “La La Land”

Por Thiago Sampaio em Oscar

27 de Fevereiro de 2017

Foto: Getty Images

Aconteceu na noite deste domingo (26) a 89ª cerimônia do Oscar 2017, principal premiação do cinema mundial. Em cerimônia conduzida por Jimmy Kimmel, com direito a muita alfinetadas ao presidente americano, o que mais chamou atenção foi um erro no momento do anúncio do prêmio mais aguardado.

Os apresentadores do prêmio de Melhor Filme, Warren Beatty e Faye Dunaway, tinham em mãos o envelope errado (relativo ao prêmio de Melhor Atriz, vencido por Emma Stone) e acabaram equivocadamente anunciando “La La Land – Cantando Estações” como o filme ganhador. Os próprios produtores de La La Land, que já se encontravam no palco discursando, perceberam o erro e anunciaram que o vencedor era “Moonlight: Sob a Luz do Luar”.

Ainda assim, “La La Land – Cantando Estações” foi o maior premiado da noite, levando seis dos 14 prêmios que estava indicado. “Moonlight”, que faturou o Melhor Filme, levou três estatuetas. “Manchester à Beira-Mar” ganhou dois Oscars.

Confira a lista completa dos vencedores:

Leia mais

Publicidade

Confira as apostas para as principais categorias do Oscar 2017

Por Thiago Sampaio em Oscar

24 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A 89ª edição do Oscar acontece neste domingo (26), premiando os melhores de 2016. Não é surpresa para ninguém que “La La Land – Cantando Estações”, indicado em 14 categorias, igualando os recordes de “A Malvada” (1950) e “Titanic” (1997), é o grande favorito a levar os principais prêmios. Porém, “Moonlight: Sob a Luz do Luar”, com oito indicações, pode surpreender.

Aqui eu mando os meus pitacos, apontando quem eu acredito que vai levar a estatueta, os motivos, e qual realmente eu acredito que mereceria vencer. Vamos lá!

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Manchester à Beira-Mar” é um profundo drama sobre perdas

Por Thiago Sampaio em Crítica

22 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O silêncio e as atitudes na maioria das vezes são muito mais profundos do que milhões de palavras. A complexidade do ser humano e suas inúmeras reações ao meio em que vive são difíceis de descrever apenas com diálogos. E é essa peculiaridade que faz de “Manchester à Beira-Mar” (Manchester by the Sea, 2016), indicado a seis Oscars (Filme, Diretor, Ator, Ator Coadjuvante, Atriz Coadjuvante e Roteiro Original), um longa-metragem tão belo, apesar de triste do início ao fim. Trata-se de uma obra sobre o luto e a forma como cada um lida com as adversidades da vida.

A trama apresenta Lee Chandler (Casey Affleck), um homem que é forçado a retornar para sua cidade natal com o objetivo de tomar conta de seu sobrinho adolescente (Lucas Hedges) após o pai (Kyle Chandler) do rapaz, seu irmão, falecer precocemente. Este retorno ficará ainda mais complicado quando Lee precisa enfrentar as razões que o fizeram ir embora e deixar sua família para trás, anos antes.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “Até o Último Homem” é o melhor Mel Gibson desde “Coração Valente”

Por Thiago Sampaio em Crítica

14 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Mel Gibson é aquele cara cujo potencial tem sido confundido ao longo dos anos com a sua vida pessoal, de modo que nem ele próprio parecia saber ao certo o que queria para a carreira. Consagrado pelas franquias de ação “Mad Max” (1979, 1981, 1985) e “Máquina Mortífera” (1987, 1989, 1992, 1998), vencedor do Oscar de melhor Filme e Diretor por “Coração Valente” (Braveheart, 1995), se viu em meio a polêmicas envolvendo fanatismo religioso, alcoolismo e agressão à ex-esposa, Oksana Grigorieva.

Ele até voltou a atuar em algumas produções como “Os Mercenários 3” (The Expendables 3, 2014) e “Herança de Sangue” (Blood Father, 2016), mas bem longe do destaque de outrora. Em “Até o Último Homem” (Hacksaw Ridge, 2016), indicado a seis Oscars (Filme, Diretor, Ator, Montagem, Mixagem de Som e Edição de Som), Gibson volta a direção 10 anos depois do polêmico “Apocalypto” (idem, 2006), no que parece ser o seu renascimento como artista, unindo talento por trás das câmeras, religião e a característica dose de loucura.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “A Qualquer Custo” traz um retrato cru dos dias atuais

Por Thiago Sampaio em Crítica

08 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“A Qualquer Custo” (Hell or High Water, 2016) é aquele tipo de filme que não é fácil de ser digerido por todos. É monótono e, por muitas vezes, incômodo. Porém, essa peculiaridade é algo que o torna tão diferenciado. Indicado a quatro Oscars (Filme, Ator Coadjuvante, Roteiro Original e Montagem), esse faroeste contemporâneo tem uma forte crítica social escondida numa trama, aparentemente não muito criativa, sobre irmãos que assaltam bancos. Aqui, não há heróis, não há bandidos. Todos são homens comuns, vítimas do sistema opressivo pós depressão americana.

O longa se passa no interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tannar (Ben Foster) são irmãos que se reúnem após anos de separação para roubar agências do banco que ameaça a falência das terras da família. Porém, eles se encontram na mira de Marcus (Jeff Bridges), um Texas Ranger que procura por uma última grande perseguição nas vésperas de sua aposentadoria, e seu parceiro comanche, Alberto (Gil Birmingham). Com os perseguidores à sua sombra, os irmãos tramam um último golpe para completar o plano.

Leia mais

Publicidade

Crítica: “A Qualquer Custo” traz um retrato cru dos dias atuais

Por Thiago Sampaio em Crítica

08 de Fevereiro de 2017

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“A Qualquer Custo” (Hell or High Water, 2016) é aquele tipo de filme que não é fácil de ser digerido por todos. É monótono e, por muitas vezes, incômodo. Porém, essa peculiaridade é algo que o torna tão diferenciado. Indicado a quatro Oscars (Filme, Ator Coadjuvante, Roteiro Original e Montagem), esse faroeste contemporâneo tem uma forte crítica social escondida numa trama, aparentemente não muito criativa, sobre irmãos que assaltam bancos. Aqui, não há heróis, não há bandidos. Todos são homens comuns, vítimas do sistema opressivo pós depressão americana.

O longa se passa no interior do Texas, Estados Unidos. Toby (Chris Pine) e Tannar (Ben Foster) são irmãos que se reúnem após anos de separação para roubar agências do banco que ameaça a falência das terras da família. Porém, eles se encontram na mira de Marcus (Jeff Bridges), um Texas Ranger que procura por uma última grande perseguição nas vésperas de sua aposentadoria, e seu parceiro comanche, Alberto (Gil Birmingham). Com os perseguidores à sua sombra, os irmãos tramam um último golpe para completar o plano.

(mais…)