O estranho caso do aumento das passagens de ônibus em Fortaleza 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

O estranho caso do aumento das passagens de ônibus em Fortaleza

Por Wanfil em Fortaleza

02 de Janeiro de 2013

Uma coisa é certa: no conflito de interesses entre a gestão que sai e a que entra, ninguém é ingênuo.

A grande surpresa na mudança de comando na Prefeitura de Fortaleza foi o aumento para R$ 2,20 no valor das passagens de ônibus, a partir do próximo dia 11 de janeiro. A decisão foi tomada pela ex-prefeita Luizianne Lins ainda no dia 21 de dezembro e publicada no Diário Oficial do Município três dias depois.

O caso é estranho por vários aspectos. Primeiro foi o fato de ser surpresa. O prefeito eleito Roberto Cláudio classificou a medida de “pegadinha”. Como assim? Onde estavam o novo prefeito e sua equipe de transição que não leram o Diário Oficial? Provavelmente, por ser véspera de Natal… Mas a comparação é justa. Uma pegadinha só funciona se houver uma vítima desatenta ou imprevidente. O acompanhamento de medidas no final de um mandato é obrigação básica para uma nova gestão, especialmente se a disputa eleitoral foi desgastante. Se não viram, falharam feio; se souberam e não falaram, é estranho.

É estranho também que a própria ex-prefeita tenha assumido uma medida que acarreta ônus para a sua imagem. Todo aumento no preço de serviços e de impostos sempre desagrada a população. Então por que ela pouparia o novo prefeito de ter que anunciar novos reajustes? Ou então de ter que manter preços baixos comprometendo receita fiscal? Estaria Luizianne Lins chateada com os eleitores? Difícil. Políticos de sucesso são profissionais e costumam a pesar as vantagens e as desvantagens de uma decisão. Se Luizianne aumentou a passagem no apagar das luzes de seu mandato, é legítimo acreditar que tenha visto nisso um benefício. Estranho.

O certo mesmo é que nesse jogo de interesses em conflito entre a gestão que sai e a que entra, não há espaço para ingenuidades. Estranho seria se não fosse assim.

Publicidade aqui

O estranho caso do aumento das passagens de ônibus em Fortaleza

Por Wanfil em Fortaleza

02 de Janeiro de 2013

Uma coisa é certa: no conflito de interesses entre a gestão que sai e a que entra, ninguém é ingênuo.

A grande surpresa na mudança de comando na Prefeitura de Fortaleza foi o aumento para R$ 2,20 no valor das passagens de ônibus, a partir do próximo dia 11 de janeiro. A decisão foi tomada pela ex-prefeita Luizianne Lins ainda no dia 21 de dezembro e publicada no Diário Oficial do Município três dias depois.

O caso é estranho por vários aspectos. Primeiro foi o fato de ser surpresa. O prefeito eleito Roberto Cláudio classificou a medida de “pegadinha”. Como assim? Onde estavam o novo prefeito e sua equipe de transição que não leram o Diário Oficial? Provavelmente, por ser véspera de Natal… Mas a comparação é justa. Uma pegadinha só funciona se houver uma vítima desatenta ou imprevidente. O acompanhamento de medidas no final de um mandato é obrigação básica para uma nova gestão, especialmente se a disputa eleitoral foi desgastante. Se não viram, falharam feio; se souberam e não falaram, é estranho.

É estranho também que a própria ex-prefeita tenha assumido uma medida que acarreta ônus para a sua imagem. Todo aumento no preço de serviços e de impostos sempre desagrada a população. Então por que ela pouparia o novo prefeito de ter que anunciar novos reajustes? Ou então de ter que manter preços baixos comprometendo receita fiscal? Estaria Luizianne Lins chateada com os eleitores? Difícil. Políticos de sucesso são profissionais e costumam a pesar as vantagens e as desvantagens de uma decisão. Se Luizianne aumentou a passagem no apagar das luzes de seu mandato, é legítimo acreditar que tenha visto nisso um benefício. Estranho.

O certo mesmo é que nesse jogo de interesses em conflito entre a gestão que sai e a que entra, não há espaço para ingenuidades. Estranho seria se não fosse assim.