Roberto Cláudio Archives - Página 2 de 5 - Blog do Wanfil 
Publicidade

Blog do Wanfil

por Wanderley Filho

Roberto Cláudio

Datafolha: Wagner cresce e embola disputa na última semana

Por Wanfil em Eleições 2016

23 de outubro de 2016

O segundo turno em Fortaleza caminha para um final emocionante, conforme indicam os números da pesquisa Datafolha/O Povo divulgados no sábado (22). Na comparação com o levantamento anterior, feito entre os dias 7 e 8 de outubro, Capitão Wagner (PR) subiu de 34% para 36%, enquanto Roberto Cláudio (PDT) que recuou de 48% para 45%.

Mais importante do que os números em si, é o movimento captado pela pesquisa o que interessa. O republicano não apenas interrompeu o fluxo de crescimento do pedetista, que era constante, mas inverteu essa tendência. Obviamente, isso é resultado da estratégia de comunicação de Wagner, que há pelos duas semanas passou a veicular propagandas mais críticas (que já demandaram mediação da Justiça Eleitoral) em relação a Roberto Cláudio e sua gestão.

Essas alterações nos humores do eleitorado, é importante anotar, não são estáticos e acontecem dentro de uma onda cujo deslocamento é de difícil apreensão. Pesquisas captam um breve instante de um fenômeno que é contínuo e de velocidade variável. Entre a captação, a publicação e a análise dos índices, as flutuações continuam ocorrendo.

Na guerra de imagens que é uma campanha, a coligação do prefeito buscou desconstruir o adversário com a pecha da inexperiente, que pareceu funcionar entre o final do primeiro e o início do segundo turnos. Agora, os estrategistas de Wagner miram na desconfiança do público em relação aos políticos, acusando o prefeito de não cumprir o que promete. Pelo Datafolha, surtiu efeito.

Falta uma semana para a eleição. É pouco tempo para alterações na comunicação de ambos. A se confirmar a tendência de redução na distância entre os dois candidatos, que caiu de 14 para nove pontos, o desafio é saber se a intensidade dessa propensão será suficiente para uma mudança de posições.

Agora, tudo será fundamental. Especialmente o debate do Sistema Jangadeiro, na próxima terça (25), que pelo horário – às 12:20 – tem grande alcance junto aos eleitores que não podem acompanhar debates em outros horários.

Publicidade

Wagner e RC: ataque como estratégia eleitoral funciona?

Por Wanfil em Eleições 2016

17 de outubro de 2016

O clima esquentou de vez no segundo turno da disputa eleitoral pela Prefeitura de Fortaleza. Desde o final de semana propagandas veiculadas pela coligação do Capitão Wagner (PR) apresentam ataques e denúncias contra o rival Roberto Cláudio (PDT), cuja campanha, por sua vez, revidou.

Apesar do tom emotivo para mobilizar o eleitorado, existe uma lógica racional a orientar esse acirramento. Não se trata de ser bom ou mal, vermelho ou azul, rico ou pobre: é estratégia, ainda que se possa, naturalmente, discordar de seu conteúdo e eficácia.

O fato é que Roberto Cláudio encerrou o primeiro turno à frente de seu concorrente, Wagner. Se ambos mantivessem as mesmas abordagens de comunicação, o resultado provavelmente se repetiria. Aliás, isso tem sido constatado nas pesquisas. Situação que interessa ao pedetista, óbvio. Nesse caso, a pressão por mudança pesa mais sobre o candidato republicano.

Não significa dizer, porém, que vale tudo, seja do ponto de vista legal ou da conveniência eleitoral. Apontar eventuais erros ou desvios do concorrente, ou supostos erros e desvios, faz parte do jogo. Mas sempre existe o risco do excesso e do feitiço virar contra o feiticeiro. Na ponta inversa, é preciso ainda saber como reagir: ignorar, mostrar-se superior, posar de vítima ou partir para o enfrentamento? Vai depender do potencial de estrago.

Há nisso tudo uma boa dose de cálculo, para definir a intensidade da propaganda de desconstrução. O certo é que ninguém fica indiferente a essa nova situação, o que mostra que a esperança de um lado e o temor de outro por seus resultados são uma realidade.

Se vai dar certo,isso é impossível dizer, pois depende de inúmeras variáveis. Pode gerar desconfiança contra o alvo dos ataques em certos segmentos do eleitorado, ao tempo em que junto a outros grupos pode criar antipatia em relação a quem os desfere.

Uma decisão liminar da Justiça Eleitoral suspendeu, temporariamente, algumas propagandas do PR contra o candidato do PDT. Os advogados de Wagner prometem recorrer. A difícil missão de arbitrar uma disputa que envereda por esse caminho pede pressa e muito cuidado. Pressa porque o tempo é curto, cuidado porque críticas ou denúncias fazem parte da política, desde que amparadas nos fatos e colocadas em termos adequados.

De resto, caberá ao eleitor decidir sobre a conveniência e a eficácia dessa estratégia.

Publicidade

Datafolha mostra como largam RC e Wagner no 2º turno: nova corrida, novas estratégias

Por Wanfil em Pesquisa

10 de outubro de 2016

Segundo turno é nova corrida. RC larga com 48% e Wagner com 34%, segundo o Datafolha. O desafio agora é dosar a energia, a agressividade e o oxigênio

Segundo turno é nova corrida. RC larga com 48% e Wagner com 34%, segundo Datafolha.

A primeira pesquisa Datafolha feita após o início do segundo turno em Fortaleza, encomendada pelo jornal O Povo, mostra Roberto Cláudio (PDT) com 48% das intenções e Capitão Wagner (PR) com 34%. Ao  longo da campanha, os dois só fizeram crescer, com o candidato à reeleição mantendo no primeiro turno uma distância mais ou menos constante em relação ao principal adversário, ali na casa dos 10%.

A propaganda de Roberto Cláudio, que tem maior recall por já ter disputado a prefeitura em 2012, repetiu as campanhas do grupo político liderado pela família Ferreira Gomes: obras, imagens aéreas, as cores de sempre, ilustrando o perfil realizador do candidato. Já a campanha de Wagner, que possui menor recall, centrou esforços para apresentá-lo, com ênfase no apelo à emoção, com enfoque na segurança pública para colocá-lo no centro do debate e, ao mesmo tempo, com gravações do candidato como professor na sala de aula e cidadão que anda nas ruas, para ampliar a dimensão de sua imagem.

Deu certo para ambos. Na prática, suas campanhas priorizaram uma abordagem de autoafirmação, com menos espaço para a desconstrução de adversários. Agora deve ser diferente. É comum dizer que segundo turno é nova eleição. Assim, o que funcionou antes não garante sucesso agora. Nesse sentido, a pesquisa Datafolha registra o posicionamento inicial para uma corrida de velocidade, disputada após um corrida de fundo. Os competidores agora traçam suas estratégias a partir dessa condição.

A vantagem, evidentemente, é de Roberto Cláudio, que conseguiu ampliar a distância de largada para Wagner. É sobre  o candidato do PR, portanto, que a pressão pela desconstrução – leia-se ataque – do concorrente é maior, afinal, não basta conseguir mais votos: é necessário tirar votos dele. Acertar o tom e a intensidade desse ataque é fundamental, porém, difícil. Para RC, o risco é a acomodação, a mesmice, uma vez que sua liderança não é incontornável e Wagner já não é o desconhecido do primeiro turno.

Como a propaganda eleitoral voltou a ser veiculada somente na última sexta-feira, seu impacto ainda não foi captado pelo Datafolha. E imagem é tudo, como diz o bordão. Será preciso esperar pelo menos uma semana para ver como ela pode interferir junto aos eleitores. Assim, para os candidatos, é hora de controlar os nervos e, principalmente, os aliados mais afoitos. Qualquer erro agora, pode ser fatal, pois não haverá tempo para corrigi-lo. Agora a corrida é de velocidade.Nada de poupar energia.

Publicidade

Segundo turno: o apoio do PT ajuda ou atrapalha? Eis a questão

Por Wanfil em Eleições 2016

04 de outubro de 2016

Nas cidades onde acontece segundo turno, é natural que os candidatos que continuam na disputa busquem o apoio daqueles que ficaram pelo meio do caminho. Em Fortaleza, Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner (PR) trabalham para conquistar parte dos 15% obtidos por Luizianne Lins (PT), terceira colocada no primeiro turno. Lideranças do PT prometem uma definição para esta quarta-feira. A decisão, porém, não é simples.

A ex-prefeita, que controla o Diretório Municipal do partido, não contou com a ajuda do governador Camilo Santana, que apoiou Roberto Cláudio, que  pertence ao grupo político liderado por Ciro Gomes, desafeto de Luizianne.

Em 2012, o PT chegou a sondar o então vereador Capitão Wagner para ser vice de Elmano de Freitas contra Roberto Cláudio, mas em 2016, o apoio do PMDB e do PSDB à deputado do PR dificulta o diálogo com os petistas.

Assim, embora o ex-presidente Lula e o deputado José Guimarães, que controla a Executiva Estadual do PT, defendam abertamente a aliança com o PDT, para Luizianne, qualquer escolha que não seja a neutralidade guarda contradições com sua trajetória política.

Além do mais, é preciso avaliar até que ponto o apoio ostensivo do PT realmente pode ajudar. A sigla vive sua maior crise de imagem e tenta sobreviver ao duro golpe sofrido nessas eleições, quando perdeu nas principais capitais e viu seu tamanho reduzir em todo o país.

É claro que neste segundo turno Wagner e RC querem atrair os eleitores de Luizianne. O desafio será como fazer isso sem afugentar aqueles que rejeitaram o PT nas urnas. Não foram poucos.

Publicidade

Datafolha também sinaliza cheirinho de segundo turno em Fortaleza

Por Wanfil em Pesquisa

26 de setembro de 2016

Pelas pesquisas, eleitores adiarão o fim das eleições em Fortaleza

Pelas pesquisas, eleitores devem adiar o fim das eleições em Fortaleza para 30 de outubro. Pelas pesquisas…

Pesquisa Datafolha em Fortaleza, contratada pelo jornal O Povo e divulgada no final de semana, mostra Roberto Cláudio (PDT) e Capitão Wagner (PR) isolados na liderança, com 34% e 28% respectivamente.

Luizianne Lins (PT) marca 15% e Heitor Férrer (PSB) tem 6%. Ronaldo Martins (PRB) aparece com 3% e João Alfredo (PSOL) com 1%. Francisco Gonzaga (PSTU) e Tin Gomes (PHS) não pontuaram. Brancos e nulos representam 6%; não sabem ou não responderam, também 6%.

Assim como o Ibope, a segunda pesquisa do Datafolha para a capital nesta campanha mostra um cenário que converge para a realização de um segundo turno entre Roberto Cláudio e Capitão Wagner. Significa então que haverá segundo turno? Não. Além de estarmos pisando no terreno das probabilidades, o eleitorado de Fortaleza é dado a mudanças de última hora.

De todo modo, as campanhas precisam estar preparadas para essa contingência, sobretudo quando ela se mostra bastante possível. Implica dizer que o planejamento financeiro das campanhas precisa ter fôlego até o dia 30 de outubro e que as estrategistas políticos deverão pensar nos eleitores daqueles candidatos que não passarem para o eventual segundo turno.

Nesse sentido, dificilmente RC e Wagner atacarão Luzianne Lins ou Heitor Férrer nessa reta final, para não criar ressentimentos. O momento é de afiar armas estudando tendências, curvas, abstenção, rejeição, histórico, entre outros, na tentativa de enxergar para onde esses votos podem ir e formas de conquistá-los ou, pelo menos, de impedir que migrem para o adversário.

Como fazer isso fica para um próximo texto. Não vamos colocar  o carro à frente dos bois. Por enquanto, aguardemos o desenrolar desta última semana. Pelos números, Roberto Cláudio pode tentar um esforço final para resolver a parada no primeiro turno, o que parece muito difícil de acontecer. Já Wagner precisa manter o ritmo de crescimento para forçar um novo turno, já que uma virada agora também soa improvável. Mas como eu já disse, Fortaleza é imprevisível, especialmente nas 48 horas que antecedem a votação.

Publicidade

Candidatos mudam estratégias na reta final em Fortaleza

Por Wanfil em Eleições 2016

19 de setembro de 2016

As pesquisas realizadas após o início desta curta campanha eleitoral indicam quais campanhas conseguiram emplacar suas estratégias e quais precisam mudá-la para tentar chegar a um provável segundo turno em Fortaleza. É o que está acontecendo.

Do ponto de vista do marketing eleitoral, o Capitão Wagner (PR) conseguiu definir a segurança pública como tema central do debate. Como saiu do empate técnico com Luizianne Lins (PT) para chegar ao empate técnico com o prefeito Roberto Cláudio (PDT), os demais concorrentes se viram obrigados a abordar o assunto, na tentativa de anular a vantagem tática do candidato do PR.

Para o prefeito, que também cresceu nas pesquisas e praticamente está garantido no segundo turno, pequenos ajustes foram introduzidos, como a lembrança de que o investimento em creches é uma ação que visa também a segurança das crianças. Provavelmente não fará ataques agora, pela razão que explico a seguir.

O cenário das pesquisas forçou mudanças na estratégia de Luizianne, que agora procura desconstruir o discurso de Wagner para a segurança pública. No início da campanha ela mirou a gestão Roberto Cláudio, apostando na polarização da disputa. No entanto, sem emplacar nas pesquisas, a petista percebeu que atacar a gestão do pedetista acabou por beneficiar Wagner, que sem contraponto, avançou tranquilo.

É uma situação delicada para Luizianne e o PT. Se bater muito no Capitão e conseguir ultrapassá-lo, corre o risco de perder os eleitores de Wagner em caso de segundo turno, o que ajudaria na reeleição de Roberto Cláudio, aliado de Cid e Ciro Gomes, adversários de Luizianne.

Outra mudança, menos importante, mas significativa como ilustração de uma forma de fazer política, é na campanha de Tin Gomes (PHS), deputado estadual e primo dos Ferreira Gomes. O candidato, que não tem chance alguma e com desempenho pífio, de neutro passou a criticar Wagner indiretamente, mostrando mais preocupação com os concorrentes da atual gestão do que com a própria condução dessa mesma gestão que ele, por algum motivo, acha que merece ser interrompida, caso contrário, por suposto, não seria candidato.

A não ser que aceitasse ser usado por terceiros, especialmente nos debates, hipótese que ninguém pode acreditar, não é mesmo?

Publicidade

Ibope: a Capital entre o prefeito e o Capitão

Por Wanfil em Pesquisa

15 de setembro de 2016

A segunda pesquisa do Ibope para as eleições em Fortaleza, divulgada ontem pela Verdes Mares, mostra empate técnico, no limite da margem de erro de 3 pontos, entre o prefeito Roberto Cláudio e o deputado estadual Capitão Wagner. Na comparação com o primeiro levantamento, de 22 de agosto, temos a seguinte evolução dos cinco primeiros colocados:

Roberto Cláudio (PDT) – de 29% para 34%
Capitão Wagner (PR) – 21% para 28%
Luizianne Lins (PT) – 18% nas duas pesquisas
Heitor Férrer (PSB) – 9% para 7%
Ronaldo Martins (PRB) – 4% para 3%
Outros (PSOL, PSTU, PHS) – 4% para 1%
Brancos/nulos – 10% para 7%
Não sabe/não respondeu – 5% para 2%

É o seguinte: faltando pouco mais de duas semanas para as eleições, Roberto Cláudio e Capitão Wagner apresentam curvas ascendentes. Luizianne estaciona. Com 40% de rejeição, a petista está próxima do seu teto. Como não cai, tudo indica que é o eleitor cativo do PT. O desempenho dela é o fiel da balança para a provável realização de um segundo turno. Férrer, Martins e indecisos oscilaram negativamente, mas dentro da margem de erro. Desse cenário, podemos concluir:

1 – Os indecisos e eleitores que mudaram de voto se dividiram entre RC e Wagner, com vantagem para o candidato de oposição, que cresceu 7 pontos, contra cinco do prefeito;

2 – Capitão Wagner deixa o empate técnico com Luizianne e marca empate com o prefeito, movimento que acende a luz amarela na campanha do candidato à reeleição;

3 – A dinâmica dos números mostra que Capitão Wagner deve manter a estratégia que alterna criticas a atual gestão e o discurso biográfico para aproximação com o eleitorado. Já Roberto Cláudio precisa desconstruir o rival que o ameaça e que tem a menor rejeição entre os eleitores: 18% contra 24% do prefeito. A questão é como fazer isso. Assessores e comissionados ligados à sua campanha já sinalizam ataques pessoais ao candidato do PR, o que revela um estado de ânimo tenso. Segundo os manuais de marketing eleitoral, bater demais, ou bater errado, pode ser fatal.

A Capital está, nesse momento, entre o prefeito e o Capitão.

Publicidade

Fortaleza e a eleição dos padrinhos tímidos

Por Wanfil em Pesquisa

12 de setembro de 2016

Pesquisa Datafolha divulgada no final de semana pelo O Povo mostra que a campanha em Fortaleza tende a se polarizar entre Roberto Cláudio (PDT), que aparece com 32%, e Capitão Wagner (PR), com 24%. Em terceiro está Luizianne Lins (PT), que tem 16%.

Um dos fatos mais interessantes nestas eleições é a ausência de padrinhos políticos nas propagandas. Desde já faço aqui uma distinção: quando falo em padrinho (ou madrinha), não me refiro aos apoiadores que exercem ou já exerceram cargos importantes nos governos e partidos, mas àquela liderança que, segura de seu prestígio e posição, lança um “afilhado” sem sem força própria para a disputa. Via de regra, a presença dos padrinhos nas campanhas de seus escolhidos é intensa, pois o seu sucesso depende justamente na transferência de votos do criador para a criatura.

As eleições de 2012 foram a expressão perfeita dessa forma de controle. Luizianne Lins e Cid Gomes travaram uma batalha por meio da disputa entre seus protegidos, Elmano de Freitas e Roberto Cláudio, dois nomes de pouca densidade eleitoral na cidade. E todos suplicavam pelas bênçãos de Dilma e Lula.

Agora é diferente. O capital político dos principais padrinhos não é o mesmo. Lula e Dilma lutam para não serem presos. O presidente Temer é odiado pelos ex-aliados e não tem, obviamente, a simpatia de quem não votou na chapa Dilma/Temer. O governador Camilo Santana, do PT, apoia o candidato do PDT contra a candidata do PT, o que inviabiliza sua participação direta na propaganda. Curiosamente, Cid e Ciro também não deram notícias em Fortaleza.

A opção por, digamos assim, esconder os padrinhos certamente é baseada em pesquisas. Roberto Cláudio, que na sua primeira eleição precisou muito da chancela dos seus líderes, agora aparece sozinho, buscando, certamente, mostrar que tem liderança própria.

O Capitão Wagner conta com o apoio dos senadores Eunício Oliveira (PMDB) e Tasso Jereissati (PSDB), mas esses entram como apoiadores, pois o candidato surgiu por conta própria e não depende deles para continuar na política. Nesse caso, eleitores de Eunício e Tasso podem se juntar aos eleitores que já se identificam com o próprio candidato.

Luizianne tem liderança própria e eleitoralmente é o maior nome do PT no Ceará, mas sofre nitidamente com o peso do impeachment dos escândalos que abateram o partido. Aliás, candidatos petistas em outras capitais apresentam desempenho bem abaixo ao dela e Fortaleza.

É a eleição dos padrinhos sumidos.

Publicidade

Luizianne para RC: “O que você acha do impeachment da presidente Dilma”?

Por Wanfil em Eleições 2016

02 de setembro de 2016

A candidata Luizianne Lins (PT) trouxe o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff para a disputa eleitoral em Fortaleza, durante o debate realizado pela Nordestv (ver cobertura aqui:  Capitão Wagner muda estratégia e confronta Roberto Cláudio em debate), ao indagar a posição do atual prefeito, Roberto Cláudio (PDT), candidato à reeleição, sobre o tema. Abaixo, reproduzo pergunta e resposta, com grifos meus, e em seguida comento rapidamente.

Luizianne Lins: “Eu queria perguntar para o candidato Roberto Cláudio. Eu estive ontem com a presidente Dilma, porque nós tivemos um processo que considero um ‘golpe’ grave na democracia brasileira, e o candidato tem como seu vice um candidato que é do DEM, que foi um dos partidos artífices do ‘golpe’ contra a presidente Dilma. Como eu não ouvi nenhuma manifestação de vossa excelência sobre essa questão, eu gostaria de lhe perguntar: o que você acha do impeachment da presidente Dilma e o seu vice?

Roberto Cláudio: “Se não ouviu, deputada, não foi por falta de oportunidade em eu ter dito. Já manifestei publicamente, inclusive estive com ex-presidente pessoalmente, junto com seis outros prefeitos, entendendo que o impeachment é um erro, o impeachment trará à democracia brasileira cicatrizes que nós não sabemos ainda os exatos contornos dela, e enfim, minha posição pública e clara é essa. Lamento o que aconteceu, o processo tanto o processo de impeachment quanto o desfecho dele. De fato meu vice tem uma posição diferente a respeito do assunto. Não só disso! Ele pensa diferente de mim em outros assuntos também. Entretanto nós estamos juntos nessa empreitada pelo que nos une e não pelo que nos separa.”

Iguais, mas diferentes

O processo de impeachment da presidente mais impopular que já houve, cassada por crime de responsabilidade em maior a maior recessão da História do País, pode afetar as campanhas de seus correligionários e aliados.

Ao obrigar Roberto Cláudio se posicionar contra o impeachment (e ficou evidente que ele estava com a resposta bem ensaiada), Luizianne, que não é amadora em campanhas eleitorais, muito pelo contrário, procurou expor o adversário. Ela sabe que os eleitores que rejeitam Dilma tendem a rejeita-la, por razões óbvias. Portanto, reforçar que RC também é próximo da ex-presidente pode fazer esse mesmo público rejeitar igualmente o prefeito.

Por outro lado, eleitores mais moderados do PT podem votar até votar em RC, mas se perceberem que este faz uma defesa tímida, protocolar para não parecer que deu as costas para a antiga aliada, podem se decepcionar e ficar com a candidata do próprio PT. Reparem que o prefeito não falou as palavras “golpe”, “inocente” ou “honesta”. Apenas disse que se trata de um “erro” que pode deixar cicatrizes na democracia.

Nas atuais circunstâncias, foi uma resposta para agradar a média de seus eleitores. Se o assunto voltará a ser explorado, os próximos dias irão dizer.

Publicidade

O candidato esconde, mas o Facebook entrega

Por Wanfil em Eleições 2016

18 de agosto de 2016

Chego ao trabalho e abro o email. Destaque para mensagens de dois candidatos à Prefeitura de Fortaleza. São as assessorias de imprensa fazendo a sua parte.

Na primeira, fico sabendo que Heitor Férrer (PSB) “dedicará a quinta-feira a reuniões internas com a equipe de campanha”. Ou seja, o candidato não tem agenda. Na segunda, recebo um release com fotos de uma pequena carreata de Roberto Cláudio em Messejana. Entre as imagens, reparei nesta em particular:

17.08 - mini Carreata em Messejana - Roberto Cláudio (1)

Como a imagem do carro ficou distante, fiquei curioso. Quem é esse ao lado do prefeito? Fui ao Facebook do candidato à reeleição para ver se outras fotos da carreata teriam sido publicadas. Foram, sim. Encontrei essas:

RC carreata Messejana 2

RC carreata Messejana

Novamente, não foi possível identificar quem, afinal, seria o sujeito de camisa amarela. A posição de destaque no carro que leva o prefeito sugere proximidade política entre os dois, no entanto, seu rosto não aparece.

Como a carreata foi em Messejana, procurei páginas de políticos do bairro, até que o mistério foi elucidado no Facebook de um ex-vereador que, após ser afastado do cargo por decisão da justiça no ano passado, renunciou para não ser cassado. O nome dele é… suspense… Leonelzinho Alencar!

Leonelzinho RC carreata Messejana

Esse Facebook.

 

Publicidade

O candidato esconde, mas o Facebook entrega

Por Wanfil em Eleições 2016

18 de agosto de 2016

Chego ao trabalho e abro o email. Destaque para mensagens de dois candidatos à Prefeitura de Fortaleza. São as assessorias de imprensa fazendo a sua parte.

Na primeira, fico sabendo que Heitor Férrer (PSB) “dedicará a quinta-feira a reuniões internas com a equipe de campanha”. Ou seja, o candidato não tem agenda. Na segunda, recebo um release com fotos de uma pequena carreata de Roberto Cláudio em Messejana. Entre as imagens, reparei nesta em particular:

17.08 - mini Carreata em Messejana - Roberto Cláudio (1)

Como a imagem do carro ficou distante, fiquei curioso. Quem é esse ao lado do prefeito? Fui ao Facebook do candidato à reeleição para ver se outras fotos da carreata teriam sido publicadas. Foram, sim. Encontrei essas:

RC carreata Messejana 2

RC carreata Messejana

Novamente, não foi possível identificar quem, afinal, seria o sujeito de camisa amarela. A posição de destaque no carro que leva o prefeito sugere proximidade política entre os dois, no entanto, seu rosto não aparece.

Como a carreata foi em Messejana, procurei páginas de políticos do bairro, até que o mistério foi elucidado no Facebook de um ex-vereador que, após ser afastado do cargo por decisão da justiça no ano passado, renunciou para não ser cassado. O nome dele é… suspense… Leonelzinho Alencar!

Leonelzinho RC carreata Messejana

Esse Facebook.