Variedade de cachaças e marca de peso garantem ao Ceará lugar de destaque em exportação


Variedade de cachaças e marca de peso garantem ao Ceará lugar de destaque em exportação

Estado ocupou a 5ª posição nas exportações em um levantamento realizado em 2012 pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Por Wolney Batista em Check- In

3 de maio de 2014 às 13:00

Há 5 anos
Ypióca é a marca de cachaça mais rentável do Ceará (FOTO: Divulgação)

Ypióca é a marca de cachaça mais rentável do Ceará (FOTO: Divulgação)

O Ceará figura entre os estados com maior volume de exportação de cachaça. Em 2012, o mercado local ocupou a 5ª posição entre os maiores exportadores brasileiros do produto, de acordo com um levantamento realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

As exportações cearenses de cachaça registraram, em 2011, o valor de US$ 1,17 milhão, alta de 8,7% se comparado ao ano anterior. A participação do Estado no total das vendas do país foi de 6,8%.

São Paulo respondeu por quase a metade do valor total exportado desse produto,  46,72%. Em seguida apareceu Pernambuco (14,29%), Rio de Janeiro (11,05%) e Minas Gerais (7,76%).

Uma grande parcela do feito cearense deve-se à produção da gigante Ypióca. A empresa conferiu lucro de 3 milhões de libras – cerca de R$ 10 milhões – , à Diageo, companhia inglesa que comprou a marca cearense no ano retrasado.  Antes da aquisição, a cachaçaria brasileira exportava para mais de 40 países.

>LEIA MAIS:

A linha standart é um dos carros chefes dos produtos da Ypióca. Nela há as versões prata e ouro da bebida. Outra linha popular é a das saborizadas, com opções de gosto de limão e guaraná. Gold, Empalhada, Sport e Orgânica – produzida com cana cultivada com adubo orgânico e colhida sem queima de palha – são as cachaças premium do leque de produtos.

Há ainda as extrapremium, composta pela 150 e 160, edições criadas em homenagem às datas de comemoração do ano de fundação da Ypióca, em1846. O item mais barato das linhas pode ser encontrado pelo valor de R$ 17 e o mais caro por R$ 90. A Ypióca detém também a Sapupara, uma segunda linha da cachaçaria.

Variedade

O estado também é um dos maiores produtos de cachaça do país.  Doze marcas se destacam entre as mais conhecidas (confira na galeria abaixo).  Boa parte é produzida nas cidades da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) como Aquiraz, Cascavel, Maranguape e a própria Capital.

Mas o interior também está presente nesse mercado. Redenção, Barbalha, Viçosa e Carnaubal são polos da bebida no Estado.  No município do Crato é produzida a cachaça com maior teor alcoólico dentre todas as cearenses. A marca Patativa tem 40% de álcool na composição.

Mercado Cearense
1/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
2/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
3/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
4/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
5/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
6/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
7/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
8/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado cearense
9/15

Mercado cearense

Mercado cearense

Mercado Cearense
10/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
11/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
12/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado cearense
13/15

Mercado cearense

Mercado cearense

Mercado Cearense
14/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
15/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

A falta de incentivos do Governo é um dos entraves para que o número do artigo no Estado seja maior, declarou Rodrigo Bitar, diretor comercial e marketing do grupo Brasilcred, responsável pela produção da Cachaça de Rolha e da Cedro do Líbano.

“Nós não temos tanto produtores de cachaças artesanais como tem em Minas Gerais. Muitas empresas de cachaças artesanais quebraram por falta de política pública. O Estado nunca deu muito beneficio”, expõe o diretor. Segundo ele, uma redução no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) poderia aliviar os custos e aumentar o volume de exportação.

A Cedro do Líbano surgiu de experimentos realizados pelo pai de Rodrigo, Antonio Bitar, um estudioso da bebida. Hoje, sete anos após a criação da cachaça, são produzidos 25 mil litros por ano. O investimento no produto tem dado resultado, de acordo com o diretor. “O consumo da bebida está aumentando”, garante.

Curiosidades

  • Você sabia que a cachaça pode ser acompanhar o almoço ou jantar? Segundo Rodrigo Bitar, a bebida envelhecida em barril de carvalho é ideal para ser consumida com carne, por exemplo.
  • As cachaças do tipo branca são indicadas para o preparo de caipirinha, ser ingerida com frutas ou acompanhar uma feijoada.
  • Burrinho ou celular – Uma expressão nordestina que se refere à garrafa Ks, de 90ml,com cachaça.
  • Meiota – Embalagem pet de 300 ml. Exatamente a metade de uma garrafa de 600 ml.
Publicidade

Dê sua opinião

Variedade de cachaças e marca de peso garantem ao Ceará lugar de destaque em exportação

Estado ocupou a 5ª posição nas exportações em um levantamento realizado em 2012 pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior

Por Wolney Batista em Check- In

3 de maio de 2014 às 13:00

Há 5 anos
Ypióca é a marca de cachaça mais rentável do Ceará (FOTO: Divulgação)

Ypióca é a marca de cachaça mais rentável do Ceará (FOTO: Divulgação)

O Ceará figura entre os estados com maior volume de exportação de cachaça. Em 2012, o mercado local ocupou a 5ª posição entre os maiores exportadores brasileiros do produto, de acordo com um levantamento realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

As exportações cearenses de cachaça registraram, em 2011, o valor de US$ 1,17 milhão, alta de 8,7% se comparado ao ano anterior. A participação do Estado no total das vendas do país foi de 6,8%.

São Paulo respondeu por quase a metade do valor total exportado desse produto,  46,72%. Em seguida apareceu Pernambuco (14,29%), Rio de Janeiro (11,05%) e Minas Gerais (7,76%).

Uma grande parcela do feito cearense deve-se à produção da gigante Ypióca. A empresa conferiu lucro de 3 milhões de libras – cerca de R$ 10 milhões – , à Diageo, companhia inglesa que comprou a marca cearense no ano retrasado.  Antes da aquisição, a cachaçaria brasileira exportava para mais de 40 países.

>LEIA MAIS:

A linha standart é um dos carros chefes dos produtos da Ypióca. Nela há as versões prata e ouro da bebida. Outra linha popular é a das saborizadas, com opções de gosto de limão e guaraná. Gold, Empalhada, Sport e Orgânica – produzida com cana cultivada com adubo orgânico e colhida sem queima de palha – são as cachaças premium do leque de produtos.

Há ainda as extrapremium, composta pela 150 e 160, edições criadas em homenagem às datas de comemoração do ano de fundação da Ypióca, em1846. O item mais barato das linhas pode ser encontrado pelo valor de R$ 17 e o mais caro por R$ 90. A Ypióca detém também a Sapupara, uma segunda linha da cachaçaria.

Variedade

O estado também é um dos maiores produtos de cachaça do país.  Doze marcas se destacam entre as mais conhecidas (confira na galeria abaixo).  Boa parte é produzida nas cidades da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF) como Aquiraz, Cascavel, Maranguape e a própria Capital.

Mas o interior também está presente nesse mercado. Redenção, Barbalha, Viçosa e Carnaubal são polos da bebida no Estado.  No município do Crato é produzida a cachaça com maior teor alcoólico dentre todas as cearenses. A marca Patativa tem 40% de álcool na composição.

Mercado Cearense
1/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
2/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
3/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
4/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
5/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
6/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
7/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
8/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado cearense
9/15

Mercado cearense

Mercado cearense

Mercado Cearense
10/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
11/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
12/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado cearense
13/15

Mercado cearense

Mercado cearense

Mercado Cearense
14/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

Mercado Cearense
15/15

Mercado Cearense

Mercado Cearense

A falta de incentivos do Governo é um dos entraves para que o número do artigo no Estado seja maior, declarou Rodrigo Bitar, diretor comercial e marketing do grupo Brasilcred, responsável pela produção da Cachaça de Rolha e da Cedro do Líbano.

“Nós não temos tanto produtores de cachaças artesanais como tem em Minas Gerais. Muitas empresas de cachaças artesanais quebraram por falta de política pública. O Estado nunca deu muito beneficio”, expõe o diretor. Segundo ele, uma redução no Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) poderia aliviar os custos e aumentar o volume de exportação.

A Cedro do Líbano surgiu de experimentos realizados pelo pai de Rodrigo, Antonio Bitar, um estudioso da bebida. Hoje, sete anos após a criação da cachaça, são produzidos 25 mil litros por ano. O investimento no produto tem dado resultado, de acordo com o diretor. “O consumo da bebida está aumentando”, garante.

Curiosidades

  • Você sabia que a cachaça pode ser acompanhar o almoço ou jantar? Segundo Rodrigo Bitar, a bebida envelhecida em barril de carvalho é ideal para ser consumida com carne, por exemplo.
  • As cachaças do tipo branca são indicadas para o preparo de caipirinha, ser ingerida com frutas ou acompanhar uma feijoada.
  • Burrinho ou celular – Uma expressão nordestina que se refere à garrafa Ks, de 90ml,com cachaça.
  • Meiota – Embalagem pet de 300 ml. Exatamente a metade de uma garrafa de 600 ml.