Relembre canções de forró que usaram sucessos internacionais como inspiração


Relembre canções de forró que usaram sucessos internacionais como inspiração

Por volta dos anos 90, bandas de forró buscaram traduzir hits internacionais para emplacar sucessos. Porém, a tradução não correspondia à música original

Por Rosana Romão em Comportamento

6 de maio de 2015 às 06:00

Há 4 anos
Aviões do Forró é uma das bandas que mais usaram hits internacionais para criar versões em português. (FOTO: Divulgação)

Aviões do Forró é uma das bandas que mais usaram hits internacionais para criar versões em português. (FOTO: Divulgação)

Quem viveu os anos 60, onde a Jovem Guarda ditava comportamento e moda através de suas músicas, conhece a prática de algumas bandas em regravar músicas internacionais. Na época, usava-se a mesma melodia e a tradução da letra não era ao pé da letra mas era fiel ao conteúdo. Por exemplo, a música “Help, get me some help” da dupla Ottawan foi traduzida para “Vem me ajudar” pela banda The Fevers.

Depois dessa época, outros artistas brasileiros passaram a “traduzir” as canções internacionais. A dupla Sandy e Júnior emplacou o sucesso “Não ter”, inspirado em “Non C’e”, da cantora italiana Laura Pausini. A roqueira Rita Lee costumava traduzir as canções da banda “Beatles”, como fez em “Tudo Por Amor”, que teve como base “Can’t Buy Me Love”. Além destes, houve Zezé de Camargo e Luciano usando melodia de Backstreet Boys, Kelly Key se inspirando em Aqua e o trio KLB regravando músicas de Robin Williams e Frankie J.

A famosa “Bate Bate Bate Na Porta do Céu” do paraibano Zé Ramalho, veio de “Knocking On Heaven’s Door”, de Bob Dylan. Uma das mais fieis à letra original, gravada pelos Engenheiros do Hawaii,  “Era um garoto, que como eu” veio de “C’era un ragazzo che come me”, do italiano Gianni Morandi. E quem nunca cantou “O amor e o poder”, de Rosana, que teve como referência “The Power Of Love”, de Air Suply”?

Forró das antigas

Por volta dos anos 90, bandas de forró buscaram retomar a prática. Para isso, usavam músicas de sucesso internacional do momento – normalmente propagadas por novelas. Porém a tradução não correspondia a nada do que a música original trazia. Por muitas vezes a versão brasileira era tida como cômica devido a esse aspecto. Os fãs das músicas originais não perdoavam as novas versões e diziam até que as bandas de forró “estragavam a música”.

A famosa “Without You” na versão da cantora Mariah Carey passou a ser “Paulinha” na voz da banda de forró sergipana Calcinha Preta. Enquanto uma trata de um lamento devido a partida de um grande amor, a outra se queixa do casamento de Paulinha, que também representa um grande amor. A banda é conhecida pelo forró romântico, super produção em shows e figurinos que são uma atração especial a cada apresentação. Além de suas inúmeras formações, se destaca por suas versões em português de clássicos de rock e pop internacional.

A Thousand Miles“, da cantora Vanessa Carlton, que fala sobre saudade e distância de uma paixão, se transformou em um hino de auto-afirmação da cantora piauiense Stefhany, que usou seu próprio nome para titular a música “Eu Sou Stefhany”. A versão em português fez sucesso pelo conteúdo da música, “eu sou linda, absoluta”, e pelo emblemático clipe inspirado em performances da cantora Beyoncé.

Torn” de Natalie Imbruglia tem como título “despedaçada” e fala sobre ilusão, quando “traduzida” pela banda Aviões do Forró, traz o tema do término de um relacionamento onde uma pessoa quer voltar, mas o seu par não aceita e se coloca como superior. O nome da música – Blá Blá Blá – já mostra o descrédito que o par tem para com o outro, que está arrependido e quer voltar.

Entre as bandas de forró, Limão com Mel, Painel de Controle, Noda de Caju, Tropikália, Calcinha Preta e Aviões do Forró são as que mais fizeram versões em português. O Tribuna do Ceará listou alguns sucessos, relembre:

1 – Cara Metade – Moleca Sem Vergonha (Hotel California – Eagles)


2 – Pétalas Neón – Noda de Caju (Mariah Carey – Hero)


3 – Aqui se faz, aqui se paga – Aviões do Forró (Set Fire To The Rain – Adele)


4 – Meu anjo azul – Gatinha Manhosa (Because of you – Kelly Clarkson)


5 – Meu mundo sem você – Noda de Caju (My immortal – Evanescence)


6 – Pra sempre – Limão com Mel (Lost In Love – Air Supply)


7 – Vida vazia – Desejo de menina (Long Night – The Coors)


8 – Esnobou meus sentimentos – Aviões do Forró (Umbrella – Rihanna)

Publicidade

Dê sua opinião

Relembre canções de forró que usaram sucessos internacionais como inspiração

Por volta dos anos 90, bandas de forró buscaram traduzir hits internacionais para emplacar sucessos. Porém, a tradução não correspondia à música original

Por Rosana Romão em Comportamento

6 de maio de 2015 às 06:00

Há 4 anos
Aviões do Forró é uma das bandas que mais usaram hits internacionais para criar versões em português. (FOTO: Divulgação)

Aviões do Forró é uma das bandas que mais usaram hits internacionais para criar versões em português. (FOTO: Divulgação)

Quem viveu os anos 60, onde a Jovem Guarda ditava comportamento e moda através de suas músicas, conhece a prática de algumas bandas em regravar músicas internacionais. Na época, usava-se a mesma melodia e a tradução da letra não era ao pé da letra mas era fiel ao conteúdo. Por exemplo, a música “Help, get me some help” da dupla Ottawan foi traduzida para “Vem me ajudar” pela banda The Fevers.

Depois dessa época, outros artistas brasileiros passaram a “traduzir” as canções internacionais. A dupla Sandy e Júnior emplacou o sucesso “Não ter”, inspirado em “Non C’e”, da cantora italiana Laura Pausini. A roqueira Rita Lee costumava traduzir as canções da banda “Beatles”, como fez em “Tudo Por Amor”, que teve como base “Can’t Buy Me Love”. Além destes, houve Zezé de Camargo e Luciano usando melodia de Backstreet Boys, Kelly Key se inspirando em Aqua e o trio KLB regravando músicas de Robin Williams e Frankie J.

A famosa “Bate Bate Bate Na Porta do Céu” do paraibano Zé Ramalho, veio de “Knocking On Heaven’s Door”, de Bob Dylan. Uma das mais fieis à letra original, gravada pelos Engenheiros do Hawaii,  “Era um garoto, que como eu” veio de “C’era un ragazzo che come me”, do italiano Gianni Morandi. E quem nunca cantou “O amor e o poder”, de Rosana, que teve como referência “The Power Of Love”, de Air Suply”?

Forró das antigas

Por volta dos anos 90, bandas de forró buscaram retomar a prática. Para isso, usavam músicas de sucesso internacional do momento – normalmente propagadas por novelas. Porém a tradução não correspondia a nada do que a música original trazia. Por muitas vezes a versão brasileira era tida como cômica devido a esse aspecto. Os fãs das músicas originais não perdoavam as novas versões e diziam até que as bandas de forró “estragavam a música”.

A famosa “Without You” na versão da cantora Mariah Carey passou a ser “Paulinha” na voz da banda de forró sergipana Calcinha Preta. Enquanto uma trata de um lamento devido a partida de um grande amor, a outra se queixa do casamento de Paulinha, que também representa um grande amor. A banda é conhecida pelo forró romântico, super produção em shows e figurinos que são uma atração especial a cada apresentação. Além de suas inúmeras formações, se destaca por suas versões em português de clássicos de rock e pop internacional.

A Thousand Miles“, da cantora Vanessa Carlton, que fala sobre saudade e distância de uma paixão, se transformou em um hino de auto-afirmação da cantora piauiense Stefhany, que usou seu próprio nome para titular a música “Eu Sou Stefhany”. A versão em português fez sucesso pelo conteúdo da música, “eu sou linda, absoluta”, e pelo emblemático clipe inspirado em performances da cantora Beyoncé.

Torn” de Natalie Imbruglia tem como título “despedaçada” e fala sobre ilusão, quando “traduzida” pela banda Aviões do Forró, traz o tema do término de um relacionamento onde uma pessoa quer voltar, mas o seu par não aceita e se coloca como superior. O nome da música – Blá Blá Blá – já mostra o descrédito que o par tem para com o outro, que está arrependido e quer voltar.

Entre as bandas de forró, Limão com Mel, Painel de Controle, Noda de Caju, Tropikália, Calcinha Preta e Aviões do Forró são as que mais fizeram versões em português. O Tribuna do Ceará listou alguns sucessos, relembre:

1 – Cara Metade – Moleca Sem Vergonha (Hotel California – Eagles)


2 – Pétalas Neón – Noda de Caju (Mariah Carey – Hero)


3 – Aqui se faz, aqui se paga – Aviões do Forró (Set Fire To The Rain – Adele)


4 – Meu anjo azul – Gatinha Manhosa (Because of you – Kelly Clarkson)


5 – Meu mundo sem você – Noda de Caju (My immortal – Evanescence)


6 – Pra sempre – Limão com Mel (Lost In Love – Air Supply)


7 – Vida vazia – Desejo de menina (Long Night – The Coors)


8 – Esnobou meus sentimentos – Aviões do Forró (Umbrella – Rihanna)