Augusto Borges lança livro sobre mais de seis décadas na comunicação


Augusto Borges lança livro sobre mais de seis décadas na comunicação

Comunicador cearense relembra na obra grande momentos vividos durante a carreira de 64 anos na obra “Então Eu Conto”

Por Renatta Pimentel em Cultura

30 de janeiro de 2014 às 10:38

Há 5 anos
Augusto Borges comemora 64 anos de carreira na comunicação cearense (Foto: Divulgação)

Augusto Borges comemora 64 anos de carreira na comunicação cearense (Foto: Divulgação)

Comemorando 64 anos de carreira, todos estes em rádio e 53 anos em televisão, Augusto Borges, conhecido atualmente como o comunicador mais antigo vivo e trabalhando, apresenta sua primeira obra literária nesta quinta-feira (30), a partir das 19 horas, no Iate Clube de Fortaleza, durante sessão de autógrafos somente para convidados e imprensa.

“Então Eu Conto” relembra, em suas 475 páginas, grandes momentos vividos, entre  “…casos, fatos, coisas, estórias (que até se tornaram histórias) no decorrer de mais de seis décadas a serviço da comunicação no Ceará.”, estes, em diversos cargos conquistados com muito trabalho, um aprendizado da época de criança, ainda aos nove anos de idade, quando, a pedido de seu pai, comercializou gravatas, lenços, meias, cintos, pentes, giletes, cuecas e outras quinquilharias, em prol de tirar a maior lição da vida: amar o trabalho.

> LEIA MAIS

Amor este, aprimorado logo aos 13 anos, quando Augusto Borges conheceu seu  padrinho Paulo Cabral, diretor da pioneira Ceará Rádio Clube, empresa na qual a vida profissional, por vocação, teve inicio, lá pelo fim da década de 1940, quando se submeteu a realizar o primeiro teste, lendo alguns textos publicitários.

“Nem vara verde tremia tanto quanto eu”, diz Augusto sobre sua primeira experiência com o microfone. O pior, segundo ele mesmo, foi receber o veredito de que ainda não estava pronto para ser locutor, pois sua voz não era de menino e nem de adulto. “Foi um tiro na minha moleira. Caíam por terra todos os meus castelos e com eles todos os sonhos.”, completa.

Perfis

O livro traz ainda, não somente momentos de Augusto Borges, perfis de grandes nomes cearenses são traçados por ele, como por exemplo, dos empresários Dr. Edilson Brasil Soarez e Ivens Dias Branco, este com agradecimentos especiais, bem como de comunicadores do porte de Demócrito Rocha Dummar, artistas com o brio de Emiliano Queiroz, Ary Barroso e Luiz Viera.

O humor não poderia faltar. Sempre presente nas páginas da obra, a vertente ganha destaque durante piadas, trocadilhos e causos, um deles aproveitado para homenagear o maior humorista de todos os tempos, assim declarado e considerado por Augusto Borges, o eterno Chico Anysio, além de Renato Aragão, que ganhou o capítulo nomeado “Artesão do Humor”.

A antiga cidade de Fortaleza, com seus famosos bares e uma vida que respirava a boemia, bem como a prostituição, é revisitada com riqueza de pormenores, estes descritos, aqui ou acolá, por palavras mais chulas, não menos firmes e fortes, todas cheias de respeito, dedicando ao leitor a mais pura forma de recriar em sua mente. O esporte também entra em cena, já que Augusto Borges fala sobre detalhes por ele vivido, quando, já um dia, ocupou o carga de dirigente do Ferroviário Atlético Clube.

Pílulas de filosofia também acompanham a obra, que comumente aparecem ao longo de cada texto em balões que carregam consigo frases, pensamentos e observações de escritores, músicos ou pensadores de marcaram suas épocas. O vocabulário dos cearenses é bastante utilizado. Palavras e mais palavras, muitas expressões antigas e novas, compõem o texto leve e de fácil leitura.

A jornalista Adísia Sá também se fez presente na literatura. Uma das primeiras a conferir o esboço e composição da obra, não faltou com palavras de estimulo para que o livro chegasse ao público, e ressaltou: Publique! É a cara do autor.

Publicidade

Dê sua opinião

Augusto Borges lança livro sobre mais de seis décadas na comunicação

Comunicador cearense relembra na obra grande momentos vividos durante a carreira de 64 anos na obra “Então Eu Conto”

Por Renatta Pimentel em Cultura

30 de janeiro de 2014 às 10:38

Há 5 anos
Augusto Borges comemora 64 anos de carreira na comunicação cearense (Foto: Divulgação)

Augusto Borges comemora 64 anos de carreira na comunicação cearense (Foto: Divulgação)

Comemorando 64 anos de carreira, todos estes em rádio e 53 anos em televisão, Augusto Borges, conhecido atualmente como o comunicador mais antigo vivo e trabalhando, apresenta sua primeira obra literária nesta quinta-feira (30), a partir das 19 horas, no Iate Clube de Fortaleza, durante sessão de autógrafos somente para convidados e imprensa.

“Então Eu Conto” relembra, em suas 475 páginas, grandes momentos vividos, entre  “…casos, fatos, coisas, estórias (que até se tornaram histórias) no decorrer de mais de seis décadas a serviço da comunicação no Ceará.”, estes, em diversos cargos conquistados com muito trabalho, um aprendizado da época de criança, ainda aos nove anos de idade, quando, a pedido de seu pai, comercializou gravatas, lenços, meias, cintos, pentes, giletes, cuecas e outras quinquilharias, em prol de tirar a maior lição da vida: amar o trabalho.

> LEIA MAIS

Amor este, aprimorado logo aos 13 anos, quando Augusto Borges conheceu seu  padrinho Paulo Cabral, diretor da pioneira Ceará Rádio Clube, empresa na qual a vida profissional, por vocação, teve inicio, lá pelo fim da década de 1940, quando se submeteu a realizar o primeiro teste, lendo alguns textos publicitários.

“Nem vara verde tremia tanto quanto eu”, diz Augusto sobre sua primeira experiência com o microfone. O pior, segundo ele mesmo, foi receber o veredito de que ainda não estava pronto para ser locutor, pois sua voz não era de menino e nem de adulto. “Foi um tiro na minha moleira. Caíam por terra todos os meus castelos e com eles todos os sonhos.”, completa.

Perfis

O livro traz ainda, não somente momentos de Augusto Borges, perfis de grandes nomes cearenses são traçados por ele, como por exemplo, dos empresários Dr. Edilson Brasil Soarez e Ivens Dias Branco, este com agradecimentos especiais, bem como de comunicadores do porte de Demócrito Rocha Dummar, artistas com o brio de Emiliano Queiroz, Ary Barroso e Luiz Viera.

O humor não poderia faltar. Sempre presente nas páginas da obra, a vertente ganha destaque durante piadas, trocadilhos e causos, um deles aproveitado para homenagear o maior humorista de todos os tempos, assim declarado e considerado por Augusto Borges, o eterno Chico Anysio, além de Renato Aragão, que ganhou o capítulo nomeado “Artesão do Humor”.

A antiga cidade de Fortaleza, com seus famosos bares e uma vida que respirava a boemia, bem como a prostituição, é revisitada com riqueza de pormenores, estes descritos, aqui ou acolá, por palavras mais chulas, não menos firmes e fortes, todas cheias de respeito, dedicando ao leitor a mais pura forma de recriar em sua mente. O esporte também entra em cena, já que Augusto Borges fala sobre detalhes por ele vivido, quando, já um dia, ocupou o carga de dirigente do Ferroviário Atlético Clube.

Pílulas de filosofia também acompanham a obra, que comumente aparecem ao longo de cada texto em balões que carregam consigo frases, pensamentos e observações de escritores, músicos ou pensadores de marcaram suas épocas. O vocabulário dos cearenses é bastante utilizado. Palavras e mais palavras, muitas expressões antigas e novas, compõem o texto leve e de fácil leitura.

A jornalista Adísia Sá também se fez presente na literatura. Uma das primeiras a conferir o esboço e composição da obra, não faltou com palavras de estimulo para que o livro chegasse ao público, e ressaltou: Publique! É a cara do autor.