Cearense viaja à Europa para estudar a relação da tapioca com o turismo em Fortaleza

GASTRONOMIA

Cearense viaja à Europa para estudar a relação da tapioca com o turismo em Fortaleza

Em sua tese de doutorado, Uiara Martins buscou saber como a comida é ofertada como um produto turístico em Fortaleza

Por Matheus Ribeiro em Gastronomia

23 de julho de 2016 às 10:22

Há 3 anos
Cearense Uiara Martins viajou em 2007 e passou oito anos estudando no exterior (FOTO: Arquivo Pessoal)

Cearense Uiara Martins viajou em 2007 e passou oito anos estudando no exterior (FOTO: Arquivo Pessoal)

Todo cearense que se preze não abre mão de uma tapioca. E esse é um dos alimentos que a professora Uiara Martins deixa escapar. Aos 33 anos de idade, a cearense está prestes a concluir seu doutorado em Portugal, mas com um detalhe um pouquinho diferente. Tendo fortes raízes ligadas a sua terra natal, Uiara decidiu ir ao exterior para estudar tudo sobre a comida típica do Nordeste brasileiro.

Em entrevista ao Tribuna do Ceará, a doutoranda relatou que a necessidade de fazer a pesquisa fora do ambiente onde o objeto de estudo está situado foi devido a falta de opção. “Eu tinha acabado de terminar hotelaria e já estudava a relação da hotelaria com a gastronomia. E como aqui não tinha muitas opções de mestrado em turismo, e fazer fora do Brasil saia o mesmo preço, eu resolvi sair do país. Na época eu tinha 24 anos, e foi uma experiência incrível para mim”, explicou. 

Apesar de passar oito anos fora do país estudando para o mestrado e doutorado, Uiara relata que nunca negou suas raízes cearenses. Para ela, a decisão de estudar a tapioca surgiu pela necessidade de fazer algo pela sua terra.

“Quando eu decidi estudar a tapioca tinha intenção de trabalhar algo da minha terra, porque eu sempre tive a vontade de voltar para o Brasil e queria contribuir de alguma forma para a minha região. Então, busquei todos esses anos saber como a tapioca é ofertada como um produto turístico em Fortaleza. Além disso, também tive o objetivo de saber como o turista do Ceará tem acesso à tapioca e como essa comida típica da gente entra dentro desse cenário turístico”, destacou Uiara.

tapioca-cafe

Uiara ensinou amigos brasileiros e portugueses a fazer a comida típica nordestina (FOTO: Arquivo Pessoal)

Exportando a receita

Mesmo sendo um produto bastante conhecido no Nordeste, mas sem muito destaque em outras partes do país, a tapioca cai facilmente no gosto de quem consome. Pensando nisso, a cearense decidiu tomar como missão repassar a receita da tapioca aos seus amigos portugueses.

“A gente cria essa relação quando vai pra fora e lá não tem e quando eu fui pra Portugal eu não sabia que não tinha essas comidas típicas lá. Então, ensinei todos os meus amigos brasileiros e portugueses a fazer a tapioca. Deixei vários portugueses fazendo sua própria tapioca”, concluiu Uiara rindo.

Publicidade

Dê sua opinião

GASTRONOMIA

Cearense viaja à Europa para estudar a relação da tapioca com o turismo em Fortaleza

Em sua tese de doutorado, Uiara Martins buscou saber como a comida é ofertada como um produto turístico em Fortaleza

Por Matheus Ribeiro em Gastronomia

23 de julho de 2016 às 10:22

Há 3 anos
Cearense Uiara Martins viajou em 2007 e passou oito anos estudando no exterior (FOTO: Arquivo Pessoal)

Cearense Uiara Martins viajou em 2007 e passou oito anos estudando no exterior (FOTO: Arquivo Pessoal)

Todo cearense que se preze não abre mão de uma tapioca. E esse é um dos alimentos que a professora Uiara Martins deixa escapar. Aos 33 anos de idade, a cearense está prestes a concluir seu doutorado em Portugal, mas com um detalhe um pouquinho diferente. Tendo fortes raízes ligadas a sua terra natal, Uiara decidiu ir ao exterior para estudar tudo sobre a comida típica do Nordeste brasileiro.

Em entrevista ao Tribuna do Ceará, a doutoranda relatou que a necessidade de fazer a pesquisa fora do ambiente onde o objeto de estudo está situado foi devido a falta de opção. “Eu tinha acabado de terminar hotelaria e já estudava a relação da hotelaria com a gastronomia. E como aqui não tinha muitas opções de mestrado em turismo, e fazer fora do Brasil saia o mesmo preço, eu resolvi sair do país. Na época eu tinha 24 anos, e foi uma experiência incrível para mim”, explicou. 

Apesar de passar oito anos fora do país estudando para o mestrado e doutorado, Uiara relata que nunca negou suas raízes cearenses. Para ela, a decisão de estudar a tapioca surgiu pela necessidade de fazer algo pela sua terra.

“Quando eu decidi estudar a tapioca tinha intenção de trabalhar algo da minha terra, porque eu sempre tive a vontade de voltar para o Brasil e queria contribuir de alguma forma para a minha região. Então, busquei todos esses anos saber como a tapioca é ofertada como um produto turístico em Fortaleza. Além disso, também tive o objetivo de saber como o turista do Ceará tem acesso à tapioca e como essa comida típica da gente entra dentro desse cenário turístico”, destacou Uiara.

tapioca-cafe

Uiara ensinou amigos brasileiros e portugueses a fazer a comida típica nordestina (FOTO: Arquivo Pessoal)

Exportando a receita

Mesmo sendo um produto bastante conhecido no Nordeste, mas sem muito destaque em outras partes do país, a tapioca cai facilmente no gosto de quem consome. Pensando nisso, a cearense decidiu tomar como missão repassar a receita da tapioca aos seus amigos portugueses.

“A gente cria essa relação quando vai pra fora e lá não tem e quando eu fui pra Portugal eu não sabia que não tinha essas comidas típicas lá. Então, ensinei todos os meus amigos brasileiros e portugueses a fazer a tapioca. Deixei vários portugueses fazendo sua própria tapioca”, concluiu Uiara rindo.