Bebês de mães infectadas por Zika serão acompanhados até os 3 anos

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Bebês de mães infectadas por Zika serão acompanhados até os 3 anos

Além da medida da cabeça, outras malformações decorrentes do vírus serão investigadas

Por Lyvia Rocha em Mulher

22 de novembro de 2016 às 06:50

Há 3 anos
zica-microcefalia

As crianças com zica receberão assistência até os 3 anos (FOTO: Divulgação)

Os bebês cujas mães foram infectadas pelo vírus zika durante a gestação serão acompanhadas, a partir de agora, até os 3 anos de idade. Além da medida da cabeça, principal critério para notificação de microcefalia, outras malformações decorrentes do vírus serão investigadas.

O cuidado com as gestantes também será ampliado. O Ministério da Saúde recomenda uma segunda ultrassonografia no pré-natal para identificar alterações neurológicas durante a gestação.

Assim, o exame deverá ser realizado no primeiro trimestre, como já era previsto, e repetido por volta do 7º mês de gravidez. Os repasses federais para esse atendimento serão de R$ 52,6 milhões por ano.

As medidas, anunciadas um ano depois da declaração de emergência de saúde por causa da microcefalia, atendem às recentes evidências científicas sobre os efeitos do Zika na formação do bebê durante a gestação. A ampliação do período para o diagnóstico possibilita a inclusão de mais crianças no monitoramento da síndrome congênita associada à infecção pelo vírus, qualificando a vigilância.

Além da microcefalia, já foram identificadas outras malformações, como problemas na visão, audição ou nos membros. Essas alterações podem ser observadas nos três primeiros anos do bebê, período fundamental para o seu desenvolvimento.

De acordo com o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, a recomendação de realização da segunda ultrassonografia obstétrica durante o pré-natal, em torno da 30ª semana gestacional, será importante para identificar, antes do nascimento, alterações no desenvolvimento do feto.

“A realização da segunda ultrassonografia no SUS e os novos investimentos em serviços de reabilitação, associados ao acompanhamento até os três anos dos bebês de mães submetidas ao vírus Zika, vão permitir uma assistência mais qualificada tanto para os que tiveram a microcefalia identificada ao nascimento quanto, agora, para os que apresentarem consequências dessa infecção identificadas ao longo deste primeiro período da vida, ampliando a oportunidade de desenvolvimento”, concluiu o ministro.

Publicidade

Dê sua opinião

MINISTÉRIO DA SAÚDE

Bebês de mães infectadas por Zika serão acompanhados até os 3 anos

Além da medida da cabeça, outras malformações decorrentes do vírus serão investigadas

Por Lyvia Rocha em Mulher

22 de novembro de 2016 às 06:50

Há 3 anos
zica-microcefalia

As crianças com zica receberão assistência até os 3 anos (FOTO: Divulgação)

Os bebês cujas mães foram infectadas pelo vírus zika durante a gestação serão acompanhadas, a partir de agora, até os 3 anos de idade. Além da medida da cabeça, principal critério para notificação de microcefalia, outras malformações decorrentes do vírus serão investigadas.

O cuidado com as gestantes também será ampliado. O Ministério da Saúde recomenda uma segunda ultrassonografia no pré-natal para identificar alterações neurológicas durante a gestação.

Assim, o exame deverá ser realizado no primeiro trimestre, como já era previsto, e repetido por volta do 7º mês de gravidez. Os repasses federais para esse atendimento serão de R$ 52,6 milhões por ano.

As medidas, anunciadas um ano depois da declaração de emergência de saúde por causa da microcefalia, atendem às recentes evidências científicas sobre os efeitos do Zika na formação do bebê durante a gestação. A ampliação do período para o diagnóstico possibilita a inclusão de mais crianças no monitoramento da síndrome congênita associada à infecção pelo vírus, qualificando a vigilância.

Além da microcefalia, já foram identificadas outras malformações, como problemas na visão, audição ou nos membros. Essas alterações podem ser observadas nos três primeiros anos do bebê, período fundamental para o seu desenvolvimento.

De acordo com o Ministro da Saúde, Ricardo Barros, a recomendação de realização da segunda ultrassonografia obstétrica durante o pré-natal, em torno da 30ª semana gestacional, será importante para identificar, antes do nascimento, alterações no desenvolvimento do feto.

“A realização da segunda ultrassonografia no SUS e os novos investimentos em serviços de reabilitação, associados ao acompanhamento até os três anos dos bebês de mães submetidas ao vírus Zika, vão permitir uma assistência mais qualificada tanto para os que tiveram a microcefalia identificada ao nascimento quanto, agora, para os que apresentarem consequências dessa infecção identificadas ao longo deste primeiro período da vida, ampliando a oportunidade de desenvolvimento”, concluiu o ministro.