Com zabumba e triângulo, torcida organizada do Ceará toca forró no intervalo de jogos

DIFERENCIADA

Com zabumba e triângulo, torcida organizada do Ceará toca forró no intervalo de jogos

Criada em 2011, a Cangaceiros Alvinegros se diferencia das demais pelo chapéu de couro utilizado pelos integrantes e também pelo forró no intervalo

Por Lyvia Rocha em Futebol cearense

15 de agosto de 2017 às 07:00

Há 2 anos
A torcida faz a festa no intervalo (FOTO: Arquivo pessoal)

A torcida faz a festa no intervalo (FOTO: Arquivo pessoal)

O tradicional forró cearense está inserido em vários segmentos do Estado e não poderia ficar de fora de um estádio de futebol. É com esse ritmo que a torcida “Cangaceiros Alvinegros” se diferencia das demais nas arquibancadas na hora de torcer pelo Ceará.

Criada desde 2011, a ideia surgiu após ofensas que alguns amigos sofreram no Rio de Janeiro. Ao invés de se irritarem, eles resolveram criar a torcida, como explica Eduardo Reis, agente social e vice-presidente do “Cangaceiros“.

“Na verdade começamos como uma turma de amigos que se encontravam antes dos jogos para beber. Em uma viagem para um jogo contra o Flamengo no Rio de Janeiro, alguns cariocas, vendo alguns de nós com chapéu de sertanejo, começaram a nos chamar de cangaceiro, ‘comedor de calango‘. Mas ao invés de tomarmos isso como injúria racial, começamos a brincar e dizer que éramos cangaceiros mesmo”, relata.

Então, a ofensa se tornou ideia e nasceu a torcida. “Na volta, o então presidente Mario Veríssimo, auxiliar administrativo e presidente da torcida, em um desses encontros teve a ideia da criação, que na mesma hora foi aceita pelo grupo de amigos, e assim nasceu os Cangaceiros Alvinegros. E nasceu pela necessidade de diferenciação, que é a proposta da torcida desde o nascimento, a ideia é levar alegria e festa com cultura nordestina”, relembra o torcedor.

Com um nome típico da região, o ritmo também não poderia ser diferente: o forró. “O pé de serra e o forró tradicional caíram como uma luva e influenciaram diretamente nas músicas e paródias que criamos”, explica Eduardo.

A torcida foi criada em 2011 (FOTO: Arquivo pessoal)

A torcida foi criada em 2011 (FOTO: Arquivo pessoal)

E a música entoa a torcida nos intervalos dos jogos. Em forma de respeito, as outras torcidas do Vovô ficam em silêncio durante os 15 minutos de intervalo para curtir o forró. “Na verdade, fazemos a festa no intervalo, mas também fora do estádio no intervalo e no final”, diz o Cangaceiro.

Além do tradicional forró da arquibancada que teve início há seis anos, eles já fizeram uma quadrilha no estádio Presidente Vargas. Atualmente, são duas pessoas que tocam com uma zambumba e um triângulo, mas isso já foi até mais profissional.

“No início nós já levamos foi sanfona e trio pé de serra, mas com o tempo nós aprendemos e nós mesmo tocamos”, afirma. O sucesso é grande e Eduardo garante que a torcida já fica no aguardo pela música. “Todos já ficam esperando pelo forró na hora do intervalo dos jogos”, brinca o torcedor.

Veja o vídeo:

https://youtu.be/p6pDzR6i4eY

Publicidade

Dê sua opinião

DIFERENCIADA

Com zabumba e triângulo, torcida organizada do Ceará toca forró no intervalo de jogos

Criada em 2011, a Cangaceiros Alvinegros se diferencia das demais pelo chapéu de couro utilizado pelos integrantes e também pelo forró no intervalo

Por Lyvia Rocha em Futebol cearense

15 de agosto de 2017 às 07:00

Há 2 anos
A torcida faz a festa no intervalo (FOTO: Arquivo pessoal)

A torcida faz a festa no intervalo (FOTO: Arquivo pessoal)

O tradicional forró cearense está inserido em vários segmentos do Estado e não poderia ficar de fora de um estádio de futebol. É com esse ritmo que a torcida “Cangaceiros Alvinegros” se diferencia das demais nas arquibancadas na hora de torcer pelo Ceará.

Criada desde 2011, a ideia surgiu após ofensas que alguns amigos sofreram no Rio de Janeiro. Ao invés de se irritarem, eles resolveram criar a torcida, como explica Eduardo Reis, agente social e vice-presidente do “Cangaceiros“.

“Na verdade começamos como uma turma de amigos que se encontravam antes dos jogos para beber. Em uma viagem para um jogo contra o Flamengo no Rio de Janeiro, alguns cariocas, vendo alguns de nós com chapéu de sertanejo, começaram a nos chamar de cangaceiro, ‘comedor de calango‘. Mas ao invés de tomarmos isso como injúria racial, começamos a brincar e dizer que éramos cangaceiros mesmo”, relata.

Então, a ofensa se tornou ideia e nasceu a torcida. “Na volta, o então presidente Mario Veríssimo, auxiliar administrativo e presidente da torcida, em um desses encontros teve a ideia da criação, que na mesma hora foi aceita pelo grupo de amigos, e assim nasceu os Cangaceiros Alvinegros. E nasceu pela necessidade de diferenciação, que é a proposta da torcida desde o nascimento, a ideia é levar alegria e festa com cultura nordestina”, relembra o torcedor.

Com um nome típico da região, o ritmo também não poderia ser diferente: o forró. “O pé de serra e o forró tradicional caíram como uma luva e influenciaram diretamente nas músicas e paródias que criamos”, explica Eduardo.

A torcida foi criada em 2011 (FOTO: Arquivo pessoal)

A torcida foi criada em 2011 (FOTO: Arquivo pessoal)

E a música entoa a torcida nos intervalos dos jogos. Em forma de respeito, as outras torcidas do Vovô ficam em silêncio durante os 15 minutos de intervalo para curtir o forró. “Na verdade, fazemos a festa no intervalo, mas também fora do estádio no intervalo e no final”, diz o Cangaceiro.

Além do tradicional forró da arquibancada que teve início há seis anos, eles já fizeram uma quadrilha no estádio Presidente Vargas. Atualmente, são duas pessoas que tocam com uma zambumba e um triângulo, mas isso já foi até mais profissional.

“No início nós já levamos foi sanfona e trio pé de serra, mas com o tempo nós aprendemos e nós mesmo tocamos”, afirma. O sucesso é grande e Eduardo garante que a torcida já fica no aguardo pela música. “Todos já ficam esperando pelo forró na hora do intervalo dos jogos”, brinca o torcedor.

Veja o vídeo:

https://youtu.be/p6pDzR6i4eY