Policial ferido em confronto de torcidas no Castelão tomou uma cadeirada na cabeça


Policial ferido em confronto de torcidas no Castelão tomou uma cadeirada na cabeça

O soldado Cassiano, oficial do Batalhão de Eventos, estava em serviço no último domingo (03) quando foi atingido por uma cadeira da própria praça esportiva

Por Lucas Catrib em Futebol cearense

4 de maio de 2015 às 14:00

Há 4 anos
O soldado Alex Cassiano foi atingido por uma cadeira retirada da Arena Castelão (FOTO: reprodução/Facebook)

O soldado Alex Cassiano foi atingido por uma cadeira retirada da Arena Castelão (FOTO: reprodução/Facebook)

Das cenas de selvageria vividas na Arena Castelão, no último domingo (03), registro de pessoas feridas. No confronto entre membros de torcidas de Ceará e Fortaleza, na final do Cearense 2015, um policial foi atingido por um assento ainda dentro de campo. O soldado Alex Cassiano, homônimo do autor do gol do título tricolor, deu entrada em um hospital da capital logo após o ocorrido.

“Ele estava no Uniclinic (hospital local), mas já está bem. Ele foi atingido por uma cadeira, no confronto das torcidas”, revelou Karen Kattiussya, amiga do oficial.

O soldado do Batalhão de Eventos ingressou na Polícia Militar do Ceará em 2010. Cassiano era um dos 700 militares escalados para fazer a segurança da segunda partida da decisão do Campeonato Cearense, embate vencido pelo Fortaleza.

“Esses vândalos participam de gangues, não são torcedores. Os policiais do Batalhão de Policiamento de Eventos só trabalham em eventos de grande porte, sem nenhum tipo de proteção. Sem capacete protetor, como aqueles que os policiais do Batalhão de Choque usam. São desmoralizados”, evidenciou Karen.

Sem condições

Diante do choque entre as torcidas dos dois clubes, o comandante do Batalhão de Eventos da Polícia Militar do Ceará, o tenente-coronel Aginaldo Oliveira, se pronunciou sobre o caso.

É humanamente impossível se impedir uma invasão com 50 mil pessoas, pelas estruturas físicas que foi feito o Castelão. Isso foi para a Copa do Mundo, para a Europa, para o nosso estado não tem condição. Para o Brasil não tem”, afirmou.

Em campo

O Fortaleza conseguiu arrancar um empate aos 47 minutos do segundo tempo. Após bola levantada por Wanderson, Tinga mandou de cabeça para o meio da área. Então, Cassiano, que entrou no decorrer do jogo, empurrou para dentro. Como tinha a vantagem de atuar por um placar igual, os leoninos tiveram a chance de comemorar o 40º título estadual do Tricolor do Pici.

 

Publicidade

Dê sua opinião

Policial ferido em confronto de torcidas no Castelão tomou uma cadeirada na cabeça

O soldado Cassiano, oficial do Batalhão de Eventos, estava em serviço no último domingo (03) quando foi atingido por uma cadeira da própria praça esportiva

Por Lucas Catrib em Futebol cearense

4 de maio de 2015 às 14:00

Há 4 anos
O soldado Alex Cassiano foi atingido por uma cadeira retirada da Arena Castelão (FOTO: reprodução/Facebook)

O soldado Alex Cassiano foi atingido por uma cadeira retirada da Arena Castelão (FOTO: reprodução/Facebook)

Das cenas de selvageria vividas na Arena Castelão, no último domingo (03), registro de pessoas feridas. No confronto entre membros de torcidas de Ceará e Fortaleza, na final do Cearense 2015, um policial foi atingido por um assento ainda dentro de campo. O soldado Alex Cassiano, homônimo do autor do gol do título tricolor, deu entrada em um hospital da capital logo após o ocorrido.

“Ele estava no Uniclinic (hospital local), mas já está bem. Ele foi atingido por uma cadeira, no confronto das torcidas”, revelou Karen Kattiussya, amiga do oficial.

O soldado do Batalhão de Eventos ingressou na Polícia Militar do Ceará em 2010. Cassiano era um dos 700 militares escalados para fazer a segurança da segunda partida da decisão do Campeonato Cearense, embate vencido pelo Fortaleza.

“Esses vândalos participam de gangues, não são torcedores. Os policiais do Batalhão de Policiamento de Eventos só trabalham em eventos de grande porte, sem nenhum tipo de proteção. Sem capacete protetor, como aqueles que os policiais do Batalhão de Choque usam. São desmoralizados”, evidenciou Karen.

Sem condições

Diante do choque entre as torcidas dos dois clubes, o comandante do Batalhão de Eventos da Polícia Militar do Ceará, o tenente-coronel Aginaldo Oliveira, se pronunciou sobre o caso.

É humanamente impossível se impedir uma invasão com 50 mil pessoas, pelas estruturas físicas que foi feito o Castelão. Isso foi para a Copa do Mundo, para a Europa, para o nosso estado não tem condição. Para o Brasil não tem”, afirmou.

Em campo

O Fortaleza conseguiu arrancar um empate aos 47 minutos do segundo tempo. Após bola levantada por Wanderson, Tinga mandou de cabeça para o meio da área. Então, Cassiano, que entrou no decorrer do jogo, empurrou para dentro. Como tinha a vantagem de atuar por um placar igual, os leoninos tiveram a chance de comemorar o 40º título estadual do Tricolor do Pici.