Lembra deles? Cearenses são responsáveis por 14 títulos do Circuito Mundial de Vôlei de Praia


Lembra deles? Cearenses são responsáveis por 18 títulos do Circuito Mundial de Vôlei de Praia

Franco, Roberto Lopes, Shelda, Márcio Araújo, Juliana, Larissa e Taiana. Estado alencarino foi o “carro-chefe” de vitórias em âmbito mundial na modalidade

Por Lucas Catrib em Outros Esportes

20 de novembro de 2014 às 12:00

Há 5 anos
Franco e Roberto Lopes conquistaram dos títulos do Circuito Mundial (1993 e 1995 (FOTO: Divulgação/CBV)

Franco e Roberto Lopes conquistaram dos títulos do Circuito Mundial (1993 e 1995 (FOTO: Divulgação/CBV)

Vôlei de praia já foi um esporte muito popular no Brasil. E febre também em território cearense. Não é por acaso. Todas as três medalhas olímpicas conquistadas pelo estado são oriundas do vôlei de praia. Na verdade, uma relação afetiva da terra de José de Alencar com a areia.

Na ramificação do vôlei, domínio nas duas últimas décadas. São ainda 18 títulos do Circuito Mundial, além de quatro ouros em edições do Campeonato Mundial. Alguns, como Juliana, Márcio Araújo e Taiana, em plena atividade. Outros, os antigos campeões, tentam carreira em novas funções.

A tradição no esporte ganhou um vínculo de afinco com o povo cearense em 1993, quando Franco e o maranhense Roberto Lopes quebraram a hegemonia dos Estados Unidos no circuito. Foram quatro anos de vitórias dos norte-americanos Sinjin Smith e Randy Stoklos. Com o título inédito, os dois atletas representantes da “Terra do Sol” iniciaram um processo de império dos nordestinos nas quadras.

Na Confederação

A dupla ainda levantou a taça no lugar mais alto do pódio em 1995, além de ter conquistado a medalha de bronze nos Jogos Pan-americanos de Winnipeg, no Canadá, em 1999. Franco ainda teve um vice ao lado de Tande, no ano de 2004. Três anos depois, ganhou uma etapa do Mundial, em Marcelha, na França, aos 40 anos. Disputou a competição em parceria com Pedro Cunha.

Atualmente, o ex-atleta mora no Rio de Janeiro e trabalha a serviço da própria Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Em junho, assumiu o cargo de supervisor de seleções. O ex-companheiro, e ainda amigo, Roberto Lopes, se formou em educação física e depois trabalhou durante a Copa do Mundo como gerente do Comitê Organizador Local (COL) em Fortaleza.

Shelda ganhou duas medalhas de prata em Jogos Olímpicos ao lado de Adriana Behar (FOTO: Divulgação)

Shelda ganhou duas medalhas de prata em Jogos Olímpicos ao lado de Adriana Behar (FOTO: Divulgação)

O talento no vôlei por vezes transcende os possíveis problemas de estatura na modalidade. Shelda, exímia defensora, ganhou duas medalhas de prata em Jogos Olímpicos: Sydney 2000 e Atenas 2004.

Do alto dos 1,65m, ao lado de Adriana Behar, conquistou também dois títulos do Campeonato Mundial (1999 e 2001) e sete do Circuito Mundial (1997 a 2001; 2004 e 2008). A última formou dupla com Ana Paula. A baixinha tem cargo similar ao de Franco na CBV. Antes, foi secretária de esportes do município de Sobral, a cerca de 230 km.

Na ativa

Aos 41 anos, Márcio Araújo ainda esbanja as cortadas de canhota no Circuito Brasileiro. Em 2003, ganhou medalha de bronze no Mundial ao lado de Benjamim.

Dois anos depois, junto com Fábio Luiz, uma vitória espetacular. Em Berlim, ganhou o ouro da segunda principal competição do âmbito mundial de vôlei de praia. Na segunda participação nas Olimpíadas, conseguiu uma medalha de prata. Atualmente, faz dupla com Saymon.

Márcio Araújo, ainda em atividade, ganhou uma medalha de prata em Pequim 2008 (FOTO: Divulgação)

Márcio Araújo, ainda em atividade, ganhou uma medalha de prata em Pequim 2008 (FOTO: Divulgação)

Outro caso de sucesso foi de Juliana e Larissa. Apesar de não terem nascido no Ceará, as jogadores moravam em Fortaleza e representaram durante anos o estado. As duas venceram sete vezes o Circuito Mundial.

Em 2008, no auge da equipe, Juliana machucou o joelho e ficou de fora dos Jogos Olímpicos. Já na Inglaterra, em 2012, finalmente um lugar no pódio: 3º lugar. Em 2011, na Itália, também o título do Mundial.

Após nove anos, as duas resolveram desfazer o conjunto. Junto com Maria Elisa, agora morando no Rio de Janeiro, detém posse do 1º lugar do Circuito, já que venceu na atual temporada. Depois de engravidar, Larissa voltou a jogar e forma dupla com Talita.

Um ano antes, em 2013, Taiana apareceu. Jogadora de 30 anos, que foi campeã mundial sub-21 ao lado da própria Juliana. Quase 10 anos depois, conseguiu ser vencedora também do Circuito Mundial.

Publicidade

Dê sua opinião

Lembra deles? Cearenses são responsáveis por 18 títulos do Circuito Mundial de Vôlei de Praia

Franco, Roberto Lopes, Shelda, Márcio Araújo, Juliana, Larissa e Taiana. Estado alencarino foi o “carro-chefe” de vitórias em âmbito mundial na modalidade

Por Lucas Catrib em Outros Esportes

20 de novembro de 2014 às 12:00

Há 5 anos
Franco e Roberto Lopes conquistaram dos títulos do Circuito Mundial (1993 e 1995 (FOTO: Divulgação/CBV)

Franco e Roberto Lopes conquistaram dos títulos do Circuito Mundial (1993 e 1995 (FOTO: Divulgação/CBV)

Vôlei de praia já foi um esporte muito popular no Brasil. E febre também em território cearense. Não é por acaso. Todas as três medalhas olímpicas conquistadas pelo estado são oriundas do vôlei de praia. Na verdade, uma relação afetiva da terra de José de Alencar com a areia.

Na ramificação do vôlei, domínio nas duas últimas décadas. São ainda 18 títulos do Circuito Mundial, além de quatro ouros em edições do Campeonato Mundial. Alguns, como Juliana, Márcio Araújo e Taiana, em plena atividade. Outros, os antigos campeões, tentam carreira em novas funções.

A tradição no esporte ganhou um vínculo de afinco com o povo cearense em 1993, quando Franco e o maranhense Roberto Lopes quebraram a hegemonia dos Estados Unidos no circuito. Foram quatro anos de vitórias dos norte-americanos Sinjin Smith e Randy Stoklos. Com o título inédito, os dois atletas representantes da “Terra do Sol” iniciaram um processo de império dos nordestinos nas quadras.

Na Confederação

A dupla ainda levantou a taça no lugar mais alto do pódio em 1995, além de ter conquistado a medalha de bronze nos Jogos Pan-americanos de Winnipeg, no Canadá, em 1999. Franco ainda teve um vice ao lado de Tande, no ano de 2004. Três anos depois, ganhou uma etapa do Mundial, em Marcelha, na França, aos 40 anos. Disputou a competição em parceria com Pedro Cunha.

Atualmente, o ex-atleta mora no Rio de Janeiro e trabalha a serviço da própria Confederação Brasileira de Voleibol (CBV). Em junho, assumiu o cargo de supervisor de seleções. O ex-companheiro, e ainda amigo, Roberto Lopes, se formou em educação física e depois trabalhou durante a Copa do Mundo como gerente do Comitê Organizador Local (COL) em Fortaleza.

Shelda ganhou duas medalhas de prata em Jogos Olímpicos ao lado de Adriana Behar (FOTO: Divulgação)

Shelda ganhou duas medalhas de prata em Jogos Olímpicos ao lado de Adriana Behar (FOTO: Divulgação)

O talento no vôlei por vezes transcende os possíveis problemas de estatura na modalidade. Shelda, exímia defensora, ganhou duas medalhas de prata em Jogos Olímpicos: Sydney 2000 e Atenas 2004.

Do alto dos 1,65m, ao lado de Adriana Behar, conquistou também dois títulos do Campeonato Mundial (1999 e 2001) e sete do Circuito Mundial (1997 a 2001; 2004 e 2008). A última formou dupla com Ana Paula. A baixinha tem cargo similar ao de Franco na CBV. Antes, foi secretária de esportes do município de Sobral, a cerca de 230 km.

Na ativa

Aos 41 anos, Márcio Araújo ainda esbanja as cortadas de canhota no Circuito Brasileiro. Em 2003, ganhou medalha de bronze no Mundial ao lado de Benjamim.

Dois anos depois, junto com Fábio Luiz, uma vitória espetacular. Em Berlim, ganhou o ouro da segunda principal competição do âmbito mundial de vôlei de praia. Na segunda participação nas Olimpíadas, conseguiu uma medalha de prata. Atualmente, faz dupla com Saymon.

Márcio Araújo, ainda em atividade, ganhou uma medalha de prata em Pequim 2008 (FOTO: Divulgação)

Márcio Araújo, ainda em atividade, ganhou uma medalha de prata em Pequim 2008 (FOTO: Divulgação)

Outro caso de sucesso foi de Juliana e Larissa. Apesar de não terem nascido no Ceará, as jogadores moravam em Fortaleza e representaram durante anos o estado. As duas venceram sete vezes o Circuito Mundial.

Em 2008, no auge da equipe, Juliana machucou o joelho e ficou de fora dos Jogos Olímpicos. Já na Inglaterra, em 2012, finalmente um lugar no pódio: 3º lugar. Em 2011, na Itália, também o título do Mundial.

Após nove anos, as duas resolveram desfazer o conjunto. Junto com Maria Elisa, agora morando no Rio de Janeiro, detém posse do 1º lugar do Circuito, já que venceu na atual temporada. Depois de engravidar, Larissa voltou a jogar e forma dupla com Talita.

Um ano antes, em 2013, Taiana apareceu. Jogadora de 30 anos, que foi campeã mundial sub-21 ao lado da própria Juliana. Quase 10 anos depois, conseguiu ser vencedora também do Circuito Mundial.