Mestre de kung fu supera amputação e volta a dar aulas


‘Parente’ de Bruce Lee, mestre de kung fu supera amputação e volta a dar aulas

Mestre Sifu, Marcos Teixeira é descendente de Yip Man, e, mesmo após um acidente de carro, ele treina a Guarda Municipal de Fortaleza com artes marciais

Por Lucas Catrib em Perfil

2 de março de 2015 às 07:00

Há 4 anos
O instituto comandado por Marcos Teixeira funciona na sua própria residência (FOTO: arquivo pessoal)

O instituto comandado por Marcos Teixeira funciona na sua própria residência (FOTO: arquivo pessoal)

Há quase dois anos e meio, um dos principais personagens do kung fu cearense passou por um drama: amputou a perna esquerda e teve uma lesão grave no braço esquerdo. O Sifu Marcos Teixeira é um exemplo e leva para dentro do tatame todo o seu poder de superação. Assim, os alunos aprendem a respeitar a cultura oriental, se tornam fãs e ganham incentivo motivacional com o seu mestre.

“No dia 30 de setembro de 2012. Eu tive um acidente de colisão frontal, na BR 060, com um carro. Eu pensava que tudo tinha acabado. Porém, em 2013, eu voltei a dar aula. Fui fortalecendo. Fisioterapia, acupuntura. Foram dois anos de intensa reabilitação. Eu coloquei uma prótese. E já estava dando aula no fim de ano”, explica o ex-técnico em informática.

O envolvimento com o kung fu veio dos tempos de fã dos filmes de artes marciais. Quando tinha 14 anos, em 1989, iniciou as aulas em uma academia de Fortaleza. Contudo, depois, em um período entre as décadas de 1990 e 2000, passou mais de 10 anos na prática de forma autônoma.Em 2005, foi ao Rio de Janeiro realizar um curso e conheceu seu futuro novo mestre, Benny Meng, um chinês que mora nos Estados Unidos.

“O mestre de Bruce Lee é Yip Man (personagem do filme “O Grande Mestre” e ‘avô’ de Benny Meng). Eu sou terceira geração de Yip Man. Um conhecimento de mão a mão. Não é de outra forma. A gente fala dessa forma, como se fosse uma árvore genealógica. O Bruce Lee é como se fosse meu tio-avô, a cultura chinesa leva como se fosse assim”, relatou. O famoso ator e praticante de kung fu faleceu no dia 20 de julho de 1973, ou seja, Marcos, nascido um ano após, não chegou a conhece-lo.

A modalidade praticada pelo cearense é o Wing Chun, proveniente do sul da China. Uma arte marcial de movimentos curtos, rápidos e diretos. Utiliza um sistema de alavancas. Um sistema científico de luta que é dividido em seis niveis. Três níveis com mãos nuas, mãos livres. No outros três, utilizam um boneco de madeira, bastão longo (2,5 metros) e par de facas.

Em 2010, Marcos decidiu fundar sua própria academia. Uma escola de kung fu com CNPJ, e agora tendo como sede o quintal da sua própria residência. Texeira transformou o deck em um tatame pronto para a prática das artes marciais depois de se recuperar do acidente.

“O Instituto Wing Chun vai se tornar a maior escola do Wing Chun do nosso estado. Eu te falo isso com toda certeza porque desde quando eu sofri o acidente eu tive que reconstruir tudo. Eu podia ter ficado deitado na cama paraplégico. Quando o médico falou que eu não ia andar mais, com cinco dias eu fiquei em pé, cai. A partir do momento que eu sai da cama, na cadeira de rodas, eu comecei a fazer o trabalho de novo. Eu falo maior em número de alunos e também no sentido de qualidade de ensino”,indica.

Casado e pai de duas filhas, Marcos Teixeira também é responsável por comandar um curso de defesa pessoal para os guardas municipais de Fortaleza que estão em formação. O kung fu tem influência no ensino por conta do mestre, mas não é a característica principal.

“Dou o curso de capacitação de táticas defensivas, e o outro é tonfa operacional. O operador de segurança não pode chegar e bater no rosto de uma pessoa. Mesmo assim, vai ter que utilizar a força para deter”, ressalta.

Marcos, inclusive, já teve alunos que acabaram se interessando pelo kung fu. Entretanto, só podem praticar depois da conclusão do curso de formação da Guarda Municipal.

“A arte marcial não é um grupo de técnicas de bater e se defender, seria pobre. O Wing Chun mesmo é saúde. Você trabalha os seus aspectos sociais. A cultura chinesa tem uma etiqueta muito rica”, completa.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15388913″]

Serviço

Instituto Wing Chun

Rua Emílio de Menezes, 491, Bom Sucesso (Fortaleza-CE)
Celular: (85) 8535-8646 / facebook.com.br/wingchu

 

Publicidade

Dê sua opinião

‘Parente’ de Bruce Lee, mestre de kung fu supera amputação e volta a dar aulas

Mestre Sifu, Marcos Teixeira é descendente de Yip Man, e, mesmo após um acidente de carro, ele treina a Guarda Municipal de Fortaleza com artes marciais

Por Lucas Catrib em Perfil

2 de março de 2015 às 07:00

Há 4 anos
O instituto comandado por Marcos Teixeira funciona na sua própria residência (FOTO: arquivo pessoal)

O instituto comandado por Marcos Teixeira funciona na sua própria residência (FOTO: arquivo pessoal)

Há quase dois anos e meio, um dos principais personagens do kung fu cearense passou por um drama: amputou a perna esquerda e teve uma lesão grave no braço esquerdo. O Sifu Marcos Teixeira é um exemplo e leva para dentro do tatame todo o seu poder de superação. Assim, os alunos aprendem a respeitar a cultura oriental, se tornam fãs e ganham incentivo motivacional com o seu mestre.

“No dia 30 de setembro de 2012. Eu tive um acidente de colisão frontal, na BR 060, com um carro. Eu pensava que tudo tinha acabado. Porém, em 2013, eu voltei a dar aula. Fui fortalecendo. Fisioterapia, acupuntura. Foram dois anos de intensa reabilitação. Eu coloquei uma prótese. E já estava dando aula no fim de ano”, explica o ex-técnico em informática.

O envolvimento com o kung fu veio dos tempos de fã dos filmes de artes marciais. Quando tinha 14 anos, em 1989, iniciou as aulas em uma academia de Fortaleza. Contudo, depois, em um período entre as décadas de 1990 e 2000, passou mais de 10 anos na prática de forma autônoma.Em 2005, foi ao Rio de Janeiro realizar um curso e conheceu seu futuro novo mestre, Benny Meng, um chinês que mora nos Estados Unidos.

“O mestre de Bruce Lee é Yip Man (personagem do filme “O Grande Mestre” e ‘avô’ de Benny Meng). Eu sou terceira geração de Yip Man. Um conhecimento de mão a mão. Não é de outra forma. A gente fala dessa forma, como se fosse uma árvore genealógica. O Bruce Lee é como se fosse meu tio-avô, a cultura chinesa leva como se fosse assim”, relatou. O famoso ator e praticante de kung fu faleceu no dia 20 de julho de 1973, ou seja, Marcos, nascido um ano após, não chegou a conhece-lo.

A modalidade praticada pelo cearense é o Wing Chun, proveniente do sul da China. Uma arte marcial de movimentos curtos, rápidos e diretos. Utiliza um sistema de alavancas. Um sistema científico de luta que é dividido em seis niveis. Três níveis com mãos nuas, mãos livres. No outros três, utilizam um boneco de madeira, bastão longo (2,5 metros) e par de facas.

Em 2010, Marcos decidiu fundar sua própria academia. Uma escola de kung fu com CNPJ, e agora tendo como sede o quintal da sua própria residência. Texeira transformou o deck em um tatame pronto para a prática das artes marciais depois de se recuperar do acidente.

“O Instituto Wing Chun vai se tornar a maior escola do Wing Chun do nosso estado. Eu te falo isso com toda certeza porque desde quando eu sofri o acidente eu tive que reconstruir tudo. Eu podia ter ficado deitado na cama paraplégico. Quando o médico falou que eu não ia andar mais, com cinco dias eu fiquei em pé, cai. A partir do momento que eu sai da cama, na cadeira de rodas, eu comecei a fazer o trabalho de novo. Eu falo maior em número de alunos e também no sentido de qualidade de ensino”,indica.

Casado e pai de duas filhas, Marcos Teixeira também é responsável por comandar um curso de defesa pessoal para os guardas municipais de Fortaleza que estão em formação. O kung fu tem influência no ensino por conta do mestre, mas não é a característica principal.

“Dou o curso de capacitação de táticas defensivas, e o outro é tonfa operacional. O operador de segurança não pode chegar e bater no rosto de uma pessoa. Mesmo assim, vai ter que utilizar a força para deter”, ressalta.

Marcos, inclusive, já teve alunos que acabaram se interessando pelo kung fu. Entretanto, só podem praticar depois da conclusão do curso de formação da Guarda Municipal.

“A arte marcial não é um grupo de técnicas de bater e se defender, seria pobre. O Wing Chun mesmo é saúde. Você trabalha os seus aspectos sociais. A cultura chinesa tem uma etiqueta muito rica”, completa.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15388913″]

Serviço

Instituto Wing Chun

Rua Emílio de Menezes, 491, Bom Sucesso (Fortaleza-CE)
Celular: (85) 8535-8646 / facebook.com.br/wingchu