Anatel acusa TIM de derrubar ligações de propósito


Anatel acusa TIM de derrubar ligações de propósito

As quedas de chamadas do Plano Infinity são quatro vezes maior que a quantidade de desligamentos ocorridos em ligações de clientes que não aderiram a esse tipo de serviço.

Por Tribuna do Ceará em Ceará

7 de agosto de 2012 às 11:52

Há 7 anos
A operadora de telefonia móvel TIM foi acusada, em relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), junto ao Ministério Público do Paraná (MP/PR), de interromper de forma proposital as ligações de clientes que possuem o plano Infinity

Plano cobra tarifa miníma por ligação (FOTO: Divulgação)

A operadora de telefonia móvel TIM foi acusada, em relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), junto ao Ministério Público do Paraná (MP/PR), de interromper de forma proposital as ligações de clientes que possuem o plano Infinity, que faz a cobrança tarifária com base no número de chamadas independentemente da duração da ligação.

De acordo com o MP/PR, a Anatel constatou no período entre o dia 5 de março e 25 de maio que as quedas de chamadas do Plano Infinity são quatro vezes maior que a quantidade de desligamentos ocorridos em ligações de clientes que não aderiram a esse tipo de serviço.

“Aqui, claramentente, constata-se uma discriminação na rede quanto ao tratamento dado às duas modalidades de ligação. Existe um acréscimo de 300% de quedas das chamadas provenientes de tarifação por ligação em comparação às por tarifação por minuto ”, aponta o relatório.

Um levantamento divulgado pelo jornal Folha de São Paulo mostrou que o índice de reclamações feitos contra a operadora por conta das chamadas interrompidas somente no Ceará é de 34,4 a cada 100 mil clientes. Conforme a ação, somente no dia 8 de março, quase 8,2 milhões de clientes da TIM foram afetados por desligamentos provocados pela TIM. Nesse mesmo dia, os usuários teriam pago cerca de R$ 4,3 milhões por serviços não prestados em sua totalidade pela operadora.

Proibição no Ceará

A TIM foi recentemente proibida de vender chips da operadora no Ceará e em mais 16 estados e Distrito Federal, após determinação da Anatel. Na época, a assessoria da TIM declarou que a empresa recebeu a decisão com “bastante surpresa”, pois os indicadores de qualidade monitorados estavam em boas condições. A empresa considerava ainda que a medida da Anatel era desproporcional, afetando “a competição no setor de telecomunicações no país em beneficio de alguns concorrentes e em prejuízo aos mais de 200 milhões de usuários”.

Nota da Anatel

A Anatel informou em nota que o relatório faz parte do processo admintrativo do órgão, que investiga o descumprimento de obrigações da operadora e afirmou que as providências legais e regulamentares referentes às denúncias apuradas só serão deliberadas após a “regular tramitação do processo, com direito ao contraditório e à ampla defesa da prestadora”.

Com informações da Agência Brasil.

Publicidade

Dê sua opinião

Anatel acusa TIM de derrubar ligações de propósito

As quedas de chamadas do Plano Infinity são quatro vezes maior que a quantidade de desligamentos ocorridos em ligações de clientes que não aderiram a esse tipo de serviço.

Por Tribuna do Ceará em Ceará

7 de agosto de 2012 às 11:52

Há 7 anos
A operadora de telefonia móvel TIM foi acusada, em relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), junto ao Ministério Público do Paraná (MP/PR), de interromper de forma proposital as ligações de clientes que possuem o plano Infinity

Plano cobra tarifa miníma por ligação (FOTO: Divulgação)

A operadora de telefonia móvel TIM foi acusada, em relatório da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), junto ao Ministério Público do Paraná (MP/PR), de interromper de forma proposital as ligações de clientes que possuem o plano Infinity, que faz a cobrança tarifária com base no número de chamadas independentemente da duração da ligação.

De acordo com o MP/PR, a Anatel constatou no período entre o dia 5 de março e 25 de maio que as quedas de chamadas do Plano Infinity são quatro vezes maior que a quantidade de desligamentos ocorridos em ligações de clientes que não aderiram a esse tipo de serviço.

“Aqui, claramentente, constata-se uma discriminação na rede quanto ao tratamento dado às duas modalidades de ligação. Existe um acréscimo de 300% de quedas das chamadas provenientes de tarifação por ligação em comparação às por tarifação por minuto ”, aponta o relatório.

Um levantamento divulgado pelo jornal Folha de São Paulo mostrou que o índice de reclamações feitos contra a operadora por conta das chamadas interrompidas somente no Ceará é de 34,4 a cada 100 mil clientes. Conforme a ação, somente no dia 8 de março, quase 8,2 milhões de clientes da TIM foram afetados por desligamentos provocados pela TIM. Nesse mesmo dia, os usuários teriam pago cerca de R$ 4,3 milhões por serviços não prestados em sua totalidade pela operadora.

Proibição no Ceará

A TIM foi recentemente proibida de vender chips da operadora no Ceará e em mais 16 estados e Distrito Federal, após determinação da Anatel. Na época, a assessoria da TIM declarou que a empresa recebeu a decisão com “bastante surpresa”, pois os indicadores de qualidade monitorados estavam em boas condições. A empresa considerava ainda que a medida da Anatel era desproporcional, afetando “a competição no setor de telecomunicações no país em beneficio de alguns concorrentes e em prejuízo aos mais de 200 milhões de usuários”.

Nota da Anatel

A Anatel informou em nota que o relatório faz parte do processo admintrativo do órgão, que investiga o descumprimento de obrigações da operadora e afirmou que as providências legais e regulamentares referentes às denúncias apuradas só serão deliberadas após a “regular tramitação do processo, com direito ao contraditório e à ampla defesa da prestadora”.

Com informações da Agência Brasil.