Apesar das chuvas, volume de água diminui em 88 açudes do Ceará


Apesar das chuvas, volume de água diminui em 88 açudes do Ceará

Volume total de água acumulada no Ceará é de somente 31,7%. Apenas dois açudes estão com volume acima de 90%

Por Roberta Tavares em Ceará

26 de dezembro de 2013 às 11:02

Há 6 anos
Dos 144 açudes monitorados, 88 diminuíram nível de água (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

Dos 144 açudes monitorados, 88 diminuíram nível de água (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

As chuvas no interior do Ceará animaram os sertanejos. No entanto, apesar das precipitações, o volume de água diminuiu em 88 açudes no estado, nos últimos sete dias – período compreendido de 18 a 26 de dezembro. Os dados são do portal Hidrológico do Ceará.

Segundo levantamento realizado pelo Tribuna do Ceará, dos 144 açudes monitorados pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), 88 diminuíram o nível de água, 28 aumentaram e 28 permaneceram com níveis iguais.

> LEIA MAIS

Atualmente, apenas dois açudes estão com volume acima de 90%: Curral Velho (98,4%), localizado no município de Morada Nova, e Gavião (91,9%), em Pacatuba. Dos açudes monitorados, 110 permanecem com volume inferior a 30%. O volume total de água acumulada no Ceará é de somente 31,7%.

Chuvas

Entre os dias 19 e 20 de dezembro, choveu em 126 municípios do Ceará, sendo alguns registros com mais de 100 mm. Entretanto, de acordo com a Funceme, se trata de precipitações de pré-estação chuvosa, ou seja, não há relação com a quadra chuvosa de 2014.

Segundo o meteorologista do órgão, Raul Fritz, as precipitações estavam previstas, e foram causadas por dois sistemas, típicos do período. “Um vórtice ciclônico está atuando sobre o Nordeste brasileiro, e a Zona de Convergência do Atlântico Sul também está trazendo nebulosidade. Dessa forma, tivemos as chuvas intensas, porém típicas desse período de pré-estação”.

Ele ressalta que é errado relacionar essas chuvas e a próxima estação chuvosa. “Durante o período chuvoso, entre fevereiro e maio, o sistema meteorológico que atua no Ceará é outro: a Zona de Convergência Intertropical. Se chover bem em janeiro e fevereiro, não significa que teremos uma quadra chuvosa boa”, explica Fritz. O prognóstico da quadra chuvosa será divulgado apenas na segunda quinzena de janeiro.

Agricultura

O secretário de Política Agrícola da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Ceará (Fetraece), Luiz Carlos Ribeiro, espera uma boa safra em 2014, mas as questões meteorológicas deixam os agricultores desanimados.

“A gente está torcendo para que seja um ano bom, com nível alto de água nos reservatórios e uma boa safra. Mas, infelizmente, as informações da Funceme nos deixam desanimados”, afirma, acrescentando ser “preocupante” a situação.

Segundo o secretário, em 2013 a agricultura praticamente não teve produção. “Não chegou a 30%. Os municípios de Independência e Crateús, por exemplo, tiveram praticamente zero de produção, sendo melhor nas regiões do Cariri e Serra da Ibiapaba”. Quem sabe, no próximo ano, a média suba para 50%, considerada positiva para os agricultores.

Publicidade

Dê sua opinião

Apesar das chuvas, volume de água diminui em 88 açudes do Ceará

Volume total de água acumulada no Ceará é de somente 31,7%. Apenas dois açudes estão com volume acima de 90%

Por Roberta Tavares em Ceará

26 de dezembro de 2013 às 11:02

Há 6 anos
Dos 144 açudes monitorados, 88 diminuíram nível de água (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

Dos 144 açudes monitorados, 88 diminuíram nível de água (FOTO: Arquivo/Tribuna do Ceará)

As chuvas no interior do Ceará animaram os sertanejos. No entanto, apesar das precipitações, o volume de água diminuiu em 88 açudes no estado, nos últimos sete dias – período compreendido de 18 a 26 de dezembro. Os dados são do portal Hidrológico do Ceará.

Segundo levantamento realizado pelo Tribuna do Ceará, dos 144 açudes monitorados pela Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos (Funceme), 88 diminuíram o nível de água, 28 aumentaram e 28 permaneceram com níveis iguais.

> LEIA MAIS

Atualmente, apenas dois açudes estão com volume acima de 90%: Curral Velho (98,4%), localizado no município de Morada Nova, e Gavião (91,9%), em Pacatuba. Dos açudes monitorados, 110 permanecem com volume inferior a 30%. O volume total de água acumulada no Ceará é de somente 31,7%.

Chuvas

Entre os dias 19 e 20 de dezembro, choveu em 126 municípios do Ceará, sendo alguns registros com mais de 100 mm. Entretanto, de acordo com a Funceme, se trata de precipitações de pré-estação chuvosa, ou seja, não há relação com a quadra chuvosa de 2014.

Segundo o meteorologista do órgão, Raul Fritz, as precipitações estavam previstas, e foram causadas por dois sistemas, típicos do período. “Um vórtice ciclônico está atuando sobre o Nordeste brasileiro, e a Zona de Convergência do Atlântico Sul também está trazendo nebulosidade. Dessa forma, tivemos as chuvas intensas, porém típicas desse período de pré-estação”.

Ele ressalta que é errado relacionar essas chuvas e a próxima estação chuvosa. “Durante o período chuvoso, entre fevereiro e maio, o sistema meteorológico que atua no Ceará é outro: a Zona de Convergência Intertropical. Se chover bem em janeiro e fevereiro, não significa que teremos uma quadra chuvosa boa”, explica Fritz. O prognóstico da quadra chuvosa será divulgado apenas na segunda quinzena de janeiro.

Agricultura

O secretário de Política Agrícola da Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Ceará (Fetraece), Luiz Carlos Ribeiro, espera uma boa safra em 2014, mas as questões meteorológicas deixam os agricultores desanimados.

“A gente está torcendo para que seja um ano bom, com nível alto de água nos reservatórios e uma boa safra. Mas, infelizmente, as informações da Funceme nos deixam desanimados”, afirma, acrescentando ser “preocupante” a situação.

Segundo o secretário, em 2013 a agricultura praticamente não teve produção. “Não chegou a 30%. Os municípios de Independência e Crateús, por exemplo, tiveram praticamente zero de produção, sendo melhor nas regiões do Cariri e Serra da Ibiapaba”. Quem sabe, no próximo ano, a média suba para 50%, considerada positiva para os agricultores.