Câncer de mama é responsável por 498 mortes no Ceará


Outubro Rosa: cearenses de 50 a 59 anos têm maior risco para câncer de mama

A estimativa é de que o Estado apresente 1.770 novos casos em 2013, sendo 770 deles, só em Fortaleza

Por Aline Lima em Ceará

7 de outubro de 2013 às 08:15

Há 6 anos

No mês de outubro, monumentos de diversas partes do mundo ganharam iluminação especial para marcar o Outubro Rosa, um movimento internacional para o combate de câncer de mama. No Ceará não tem sido diferente, desde o início do mês, a Prefeitura tem realizado uma série de atividades para alertar a população sobre a importância de prevenir e tratar a doença.

O câncer de mama é considerada hoje a segunda causa de morte entre mulheres. De acordo com os dados do Ministério da Saúde, em 2011 o Brasil teve 13.225 vítimas, das quais 498 foram registradas no Ceará. A estimativa é de que o Estado apresente 1.770 novos casos até o fim de 2013, sendo 770 deles, só em Fortaleza.

mamografia

A faixa etária de 50 a 59 anos aparece como a de maior risco. Foi ela quem apresentou o maior índice de óbitos no Estado, com 109 casos em 2010 e 126 em 2011. A faixa de 40 a 49 anos é a segunda colocada, ao registrar 100 casos em 2010 e 85 em 2011. De acordo com o Dr. Luiz Porto, chefe do Serviço de Mastologia da Maternidade Escola Assis Chateaubriand, esta variação do câncer está ligada ao envelhecimento, por isso a maior parte das vítimas têm acima de 50 anos.

Ele conta que o Ceará tem 48 mamógrafos disponíveis para o Sistema Único de Saúde (SUS) e considera um número suficiente para atender a demanda. No entanto, cerca de metade das mulheres com mais de 50 anos não realizam o exame conforme recomendado. “Elas (mulheres) não estão comparecendo, devido à dificuldade de acesso, medo do câncer e do exame, por exemplo”.

Diagnóstico

Segundo o médico, pessoas que tenham a doença no histórico familiar, não amamentaram e consumam bebidas alcoólicas com frequência, por exemplo, são mais suscetíveis à doença. Os sintomas apresentados são caroços ou feridas no seio ou axila.

O autoexame é fundamental para a mulher detectar precocemente algum sintoma, ele ressalta que o diagnóstico será dado apenas pelo mastologista, mediante exame clínico e/ou mamografia.

Procedimento

Caso a doença seja detectada, a mulher será encaminhada para um tratamento que depende da extensão da doença, podendo ser realizado sob três formas: cirurgia, quimioterapia ou radioterapia.

Publicidade

Dê sua opinião

Outubro Rosa: cearenses de 50 a 59 anos têm maior risco para câncer de mama

A estimativa é de que o Estado apresente 1.770 novos casos em 2013, sendo 770 deles, só em Fortaleza

Por Aline Lima em Ceará

7 de outubro de 2013 às 08:15

Há 6 anos

No mês de outubro, monumentos de diversas partes do mundo ganharam iluminação especial para marcar o Outubro Rosa, um movimento internacional para o combate de câncer de mama. No Ceará não tem sido diferente, desde o início do mês, a Prefeitura tem realizado uma série de atividades para alertar a população sobre a importância de prevenir e tratar a doença.

O câncer de mama é considerada hoje a segunda causa de morte entre mulheres. De acordo com os dados do Ministério da Saúde, em 2011 o Brasil teve 13.225 vítimas, das quais 498 foram registradas no Ceará. A estimativa é de que o Estado apresente 1.770 novos casos até o fim de 2013, sendo 770 deles, só em Fortaleza.

mamografia

A faixa etária de 50 a 59 anos aparece como a de maior risco. Foi ela quem apresentou o maior índice de óbitos no Estado, com 109 casos em 2010 e 126 em 2011. A faixa de 40 a 49 anos é a segunda colocada, ao registrar 100 casos em 2010 e 85 em 2011. De acordo com o Dr. Luiz Porto, chefe do Serviço de Mastologia da Maternidade Escola Assis Chateaubriand, esta variação do câncer está ligada ao envelhecimento, por isso a maior parte das vítimas têm acima de 50 anos.

Ele conta que o Ceará tem 48 mamógrafos disponíveis para o Sistema Único de Saúde (SUS) e considera um número suficiente para atender a demanda. No entanto, cerca de metade das mulheres com mais de 50 anos não realizam o exame conforme recomendado. “Elas (mulheres) não estão comparecendo, devido à dificuldade de acesso, medo do câncer e do exame, por exemplo”.

Diagnóstico

Segundo o médico, pessoas que tenham a doença no histórico familiar, não amamentaram e consumam bebidas alcoólicas com frequência, por exemplo, são mais suscetíveis à doença. Os sintomas apresentados são caroços ou feridas no seio ou axila.

O autoexame é fundamental para a mulher detectar precocemente algum sintoma, ele ressalta que o diagnóstico será dado apenas pelo mastologista, mediante exame clínico e/ou mamografia.

Procedimento

Caso a doença seja detectada, a mulher será encaminhada para um tratamento que depende da extensão da doença, podendo ser realizado sob três formas: cirurgia, quimioterapia ou radioterapia.