Cerca de 80% dos dependentes químicos em tratamento eram usuários de crack


Cerca de 80% dos dependentes químicos em tratamento já foram usuários de crack

A dependência química causada por drogas como o crack, é por vezes considerada um problema de saúde pública.

Por Lyvia Rocha em Ceará

8 de junho de 2012 às 09:40

Há 7 anos

A dependência química causada por drogas como o crack, por vezes considerada um problema de saúde pública, atinge crianças, jovens e até mesmo idosos, conforme conta o técnico em Terapia e coordenador da Casa Despertar Centro de Reabilitação, Adriano Fabiano. Segundo ele, cerca de 80% dos dependentes químicos em tratamento já foram usuários da droga.

“Temos jovens de 20 anos a senhores de 60 anos. Recebemos também ligações de famílias com interesse de internação para menores, e não são poucas, mas existe um empecilho: o ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente] que tem regulamentação específica para tratamento de menores. A dependência é como doença”, comenta.

Adriano aponta o número de pessoas em tratamento por conta do uso de crack e explica o como funciona o tratamento. “Dos nossos residentes, 80% são usuários de crack. O tratamento é realizado basicamente em três fases distintas: desintoxicação, interiorização e ressocialização”, esclarece.

Mais apoio

O Desafio Jovem, um dos principais centros de recuperação de dependentes químicos, tem capacidade para abrigar 40 pessoas em tratamento interno. Há 36 anos atuando na luta pela reabilitação e ressocialização de jovens e de suas famílias, a ONG desenvolve atividades diárias para os internos, que inclui curso supletivo.

O coordenador do Desafio Jovem, Wesley Moreira, conta que a ONG também realiza atendimento ambulatorial, onde cerca de 800 homens e mulheres são recebidos de maneira voluntária. “Eles (os dependentes) recebem apoio de psicólogos, assistente social, terapia ocupacional e orientação cristão. Nós procuramos preencher o dia deles com atividades para criar responsabilidade e reinventá-los como pessoas”.

Residentes

Diferente da Casa Despertar, que existe há dois anos e abriga atualmente 14 pessoas, todas do sexo masculino, a média de idade dos internos do Desafio Jovem é de 13 anos. Wesley também observa o aumento do número de mulheres dependentes de drogas e ainda afirma que o tratamento contra o crack não é o mais difícil.

“Tratar o dependente de crack não é difícil, mas a droga é a que causa dependência mais rápido. Toda droga tem seu perfil, no caso do crack, se a pessoal usá-la pelo menos duas vezes já pode viciar”, conta.

Confira no mapa abaixo algumas instituições que tratam dependentes químicos. Você pode encontrar mais matérias sobre o crack no link: https://tribunadoceara.com.br/noticias//especiais/crack/


Visualizar Instituições de combate ao uso de drogas em um mapa maior

Publicidade

Dê sua opinião

Cerca de 80% dos dependentes químicos em tratamento já foram usuários de crack

A dependência química causada por drogas como o crack, é por vezes considerada um problema de saúde pública.

Por Lyvia Rocha em Ceará

8 de junho de 2012 às 09:40

Há 7 anos

A dependência química causada por drogas como o crack, por vezes considerada um problema de saúde pública, atinge crianças, jovens e até mesmo idosos, conforme conta o técnico em Terapia e coordenador da Casa Despertar Centro de Reabilitação, Adriano Fabiano. Segundo ele, cerca de 80% dos dependentes químicos em tratamento já foram usuários da droga.

“Temos jovens de 20 anos a senhores de 60 anos. Recebemos também ligações de famílias com interesse de internação para menores, e não são poucas, mas existe um empecilho: o ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente] que tem regulamentação específica para tratamento de menores. A dependência é como doença”, comenta.

Adriano aponta o número de pessoas em tratamento por conta do uso de crack e explica o como funciona o tratamento. “Dos nossos residentes, 80% são usuários de crack. O tratamento é realizado basicamente em três fases distintas: desintoxicação, interiorização e ressocialização”, esclarece.

Mais apoio

O Desafio Jovem, um dos principais centros de recuperação de dependentes químicos, tem capacidade para abrigar 40 pessoas em tratamento interno. Há 36 anos atuando na luta pela reabilitação e ressocialização de jovens e de suas famílias, a ONG desenvolve atividades diárias para os internos, que inclui curso supletivo.

O coordenador do Desafio Jovem, Wesley Moreira, conta que a ONG também realiza atendimento ambulatorial, onde cerca de 800 homens e mulheres são recebidos de maneira voluntária. “Eles (os dependentes) recebem apoio de psicólogos, assistente social, terapia ocupacional e orientação cristão. Nós procuramos preencher o dia deles com atividades para criar responsabilidade e reinventá-los como pessoas”.

Residentes

Diferente da Casa Despertar, que existe há dois anos e abriga atualmente 14 pessoas, todas do sexo masculino, a média de idade dos internos do Desafio Jovem é de 13 anos. Wesley também observa o aumento do número de mulheres dependentes de drogas e ainda afirma que o tratamento contra o crack não é o mais difícil.

“Tratar o dependente de crack não é difícil, mas a droga é a que causa dependência mais rápido. Toda droga tem seu perfil, no caso do crack, se a pessoal usá-la pelo menos duas vezes já pode viciar”, conta.

Confira no mapa abaixo algumas instituições que tratam dependentes químicos. Você pode encontrar mais matérias sobre o crack no link: https://tribunadoceara.com.br/noticias//especiais/crack/


Visualizar Instituições de combate ao uso de drogas em um mapa maior