Conexões 3G no Nordeste são precárias


Conexões 3G nas estradas do Nordeste são precárias

No Nordeste, a operadora que obteve melhor desempenho apresentou conexão 3G em 68% dos quase 2 mil quilômetros percorridos na região

Por Pedro Alves em Ceará

30 de julho de 2013 às 10:17

Há 6 anos

Nenhuma das quatro principais operadoras de telefonia celular obteve desempenho satisfatório em um estudo que mediu a qualidade dos serviços 3G nas capitais e nas estradas que interligam importantes cidades do Brasil. O estudo pesquisou a intensidade da conexão das empresas Vivo, Tim, Oi e Claro, passando por cinco mil quilômetros de rodovias brasileiras.

No Nordeste, a operadora que obteve melhor desempenho apresentou conexão 3G em 68% dos quase 2 mil quilômetros percorridos na região. A empresa que teve pior resultado apresentou conexão 3G em apenas 32% da área pesquisada. O estudo foi feito pela Associação de Consumidores Proteste e revela que, nem sempre o consumidor recebe das operadoras o produto que ele compra.

“As operadoras não entregam a velocidades de conexão que elas vendem no contrato […]. Nós percorremos vários estados e não conseguimos captar os sinais das operadoras, houve muitas falhas, sinais perdidos, não completados. E por tanto a partir desses resultados decepcionantes, a associação resolveu lançar a campanha Em busca do 3G perdido, para colher relatos sobre os problemas que os consumidores enfrentam”, declara a coordenadora institucional da Proteste, Maria Inês Dolci.

No Nordeste, a pesquisa passou por cidades importantes da região, como Fortaleza, Mossoró, Natal, João Pessoa, Recife, Maceió e Salvador. O pior resultado na região foi da Oi, com 32% de conexão 3G na área pesquisada. A Vivo teve o melhor desempenho, apresentando 3G em 68% da região percorrida. Claro e Tim aparecem em segundo e terceiro lugar na pesquisa, com 36% e 45% de conexão 3G no Nordeste, respectivamente. Veja detalhes no infográfico abaixo.

A Oi apresentou os piores resultados na pesquisa do proteste (ARTE: Proteste)

A Oi apresentou os piores resultados na pesquisa do proteste (ARTE: Proteste)

Serviços Emergências

“A cobertura em Fortaleza e no Nordeste também deixou muito a desejar, houve falta de conexão e de serviços”, avalia Inês. Segundo ela, em alguns trechos das rodovias percorridas, houve falha até mesmo nas ligações de emergências – aquelas feitas para Bombeiros, Polícia ou Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), por exemplo.

O estudo que mediu a qualidade dos serviços 3G das operadoras foi realizado entre os dias 4 de março e 25 de abril. Os testes foram feitos com smartphones do modelo Galaxy SII Lite, fabricados pela Samsumg. Os pesquisadores mediaram as taxas de download (velocidade de recebimento de dados), upload (velocidade de envio de dados) e de latência – que é o tempo de resposta da operadora após uma solicitação.

Em busca do 3G perdido

Por meio do site da campanha Em busca do 3G perdido, os consumidores de todo o Brasil podem registrar suas reclamações. A campanha é mantida pela Associação de Consumidores Proteste. O órgão promete encaminhar os dados coletados para os órgãos responsáveis, com o objetivo de adequar os preços cobrados pelas operadoras a qualidades dos serviços que elas fornecem.

Publicidade

Dê sua opinião

Conexões 3G nas estradas do Nordeste são precárias

No Nordeste, a operadora que obteve melhor desempenho apresentou conexão 3G em 68% dos quase 2 mil quilômetros percorridos na região

Por Pedro Alves em Ceará

30 de julho de 2013 às 10:17

Há 6 anos

Nenhuma das quatro principais operadoras de telefonia celular obteve desempenho satisfatório em um estudo que mediu a qualidade dos serviços 3G nas capitais e nas estradas que interligam importantes cidades do Brasil. O estudo pesquisou a intensidade da conexão das empresas Vivo, Tim, Oi e Claro, passando por cinco mil quilômetros de rodovias brasileiras.

No Nordeste, a operadora que obteve melhor desempenho apresentou conexão 3G em 68% dos quase 2 mil quilômetros percorridos na região. A empresa que teve pior resultado apresentou conexão 3G em apenas 32% da área pesquisada. O estudo foi feito pela Associação de Consumidores Proteste e revela que, nem sempre o consumidor recebe das operadoras o produto que ele compra.

“As operadoras não entregam a velocidades de conexão que elas vendem no contrato […]. Nós percorremos vários estados e não conseguimos captar os sinais das operadoras, houve muitas falhas, sinais perdidos, não completados. E por tanto a partir desses resultados decepcionantes, a associação resolveu lançar a campanha Em busca do 3G perdido, para colher relatos sobre os problemas que os consumidores enfrentam”, declara a coordenadora institucional da Proteste, Maria Inês Dolci.

No Nordeste, a pesquisa passou por cidades importantes da região, como Fortaleza, Mossoró, Natal, João Pessoa, Recife, Maceió e Salvador. O pior resultado na região foi da Oi, com 32% de conexão 3G na área pesquisada. A Vivo teve o melhor desempenho, apresentando 3G em 68% da região percorrida. Claro e Tim aparecem em segundo e terceiro lugar na pesquisa, com 36% e 45% de conexão 3G no Nordeste, respectivamente. Veja detalhes no infográfico abaixo.

A Oi apresentou os piores resultados na pesquisa do proteste (ARTE: Proteste)

A Oi apresentou os piores resultados na pesquisa do proteste (ARTE: Proteste)

Serviços Emergências

“A cobertura em Fortaleza e no Nordeste também deixou muito a desejar, houve falta de conexão e de serviços”, avalia Inês. Segundo ela, em alguns trechos das rodovias percorridas, houve falha até mesmo nas ligações de emergências – aquelas feitas para Bombeiros, Polícia ou Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), por exemplo.

O estudo que mediu a qualidade dos serviços 3G das operadoras foi realizado entre os dias 4 de março e 25 de abril. Os testes foram feitos com smartphones do modelo Galaxy SII Lite, fabricados pela Samsumg. Os pesquisadores mediaram as taxas de download (velocidade de recebimento de dados), upload (velocidade de envio de dados) e de latência – que é o tempo de resposta da operadora após uma solicitação.

Em busca do 3G perdido

Por meio do site da campanha Em busca do 3G perdido, os consumidores de todo o Brasil podem registrar suas reclamações. A campanha é mantida pela Associação de Consumidores Proteste. O órgão promete encaminhar os dados coletados para os órgãos responsáveis, com o objetivo de adequar os preços cobrados pelas operadoras a qualidades dos serviços que elas fornecem.