Ex-vereador de Morrinhos acusado de homicídio será julgado em Fortaleza - Noticias


Ex-vereador de Morrinhos acusado de homicídio será julgado em Fortaleza

O julgamento do ex-vereador de Morrinhos Antônio Luciano Alves acusado de atroplear e matar um garoto de 13 anos foi transferido para Fortaleza

Por Rodrigo Cavalcante em Ceará

15 de fevereiro de 2012 às 23:47

Há 7 anos

O julgamento do ex-vereador de Morrinhos Antônio Luciano Alves acusado de atroplear e matar um garoto de 13 anos foi transferido para Fortaleza.

O Ministério Público do Ceará ingressou com pedido de desaforamento no TJCE argumentando que o acusado mantém “forte ligação com políticos da cidade”, além de ser primo do ex-prefeito de Morrinhos, Airton Rocha Bruno Júnior. Para o órgão ministerial, tal situação influenciaria os jurados e comprometeria o julgamento.

Ao analisar o caso nesta quarta-feira (15), as Câmaras Criminais julgaram procedente o pedido, determinando a transferência do julgamento para a Comarca de Fortaleza. Segundo o relator do processo, desembargador Francisco Darival Beserra Primo, a medida visa a garantir o interesse público e a imparcialidade do júri.

O caso

O crime ocorreu em dezembro de 2001 no Município de Morrinhos, distante 220 km de Fortaleza. Segundo denúncia do Ministério Público, o garoto andava de bicicleta quando foi atingido pelo caminhão conduzido por Antônio Luciano Alves. Ainda de acordo com o MP, ele estava embriagado e dirigia em alta velocidade.

Depois do acidente, o acusado ficou foragido, sendo encontrado em julho de 2002. Em novembro do mesmo ano, o Juízo da Comarca de Morrinhos determinou que ele fosse levado a júri popular.

A defesa impetrou sucessivos recursos, inclusive no STJ, adiando o julgamento. Em setembro de 2008, a 2ª Câmara Criminal do TJCE julgou recurso crime em sentido estrito interposto pelo acusado, mantendo a decisão de levá-lo ao Tribunal do Júri.

Leia mais:
Pedido de vista suspende julgamento sobre provas de embriaguez ao volante

Depoimentos durante inquérito policial devem ser gravados em áudio e vídeo

Com informações do TJCE

Publicidade

Dê sua opinião

Ex-vereador de Morrinhos acusado de homicídio será julgado em Fortaleza

O julgamento do ex-vereador de Morrinhos Antônio Luciano Alves acusado de atroplear e matar um garoto de 13 anos foi transferido para Fortaleza

Por Rodrigo Cavalcante em Ceará

15 de fevereiro de 2012 às 23:47

Há 7 anos

O julgamento do ex-vereador de Morrinhos Antônio Luciano Alves acusado de atroplear e matar um garoto de 13 anos foi transferido para Fortaleza.

O Ministério Público do Ceará ingressou com pedido de desaforamento no TJCE argumentando que o acusado mantém “forte ligação com políticos da cidade”, além de ser primo do ex-prefeito de Morrinhos, Airton Rocha Bruno Júnior. Para o órgão ministerial, tal situação influenciaria os jurados e comprometeria o julgamento.

Ao analisar o caso nesta quarta-feira (15), as Câmaras Criminais julgaram procedente o pedido, determinando a transferência do julgamento para a Comarca de Fortaleza. Segundo o relator do processo, desembargador Francisco Darival Beserra Primo, a medida visa a garantir o interesse público e a imparcialidade do júri.

O caso

O crime ocorreu em dezembro de 2001 no Município de Morrinhos, distante 220 km de Fortaleza. Segundo denúncia do Ministério Público, o garoto andava de bicicleta quando foi atingido pelo caminhão conduzido por Antônio Luciano Alves. Ainda de acordo com o MP, ele estava embriagado e dirigia em alta velocidade.

Depois do acidente, o acusado ficou foragido, sendo encontrado em julho de 2002. Em novembro do mesmo ano, o Juízo da Comarca de Morrinhos determinou que ele fosse levado a júri popular.

A defesa impetrou sucessivos recursos, inclusive no STJ, adiando o julgamento. Em setembro de 2008, a 2ª Câmara Criminal do TJCE julgou recurso crime em sentido estrito interposto pelo acusado, mantendo a decisão de levá-lo ao Tribunal do Júri.

Leia mais:
Pedido de vista suspende julgamento sobre provas de embriaguez ao volante

Depoimentos durante inquérito policial devem ser gravados em áudio e vídeo

Com informações do TJCE