Internet popular no CE é apenas R$ 3 mais barata que plano básico


Internet popular no CE é apenas R$ 3 mais barata que plano básico de operadora

No Ceará, o usuário final paga R$ 35 por mês. Com esse valor, ele tem direito à internet com a velocidade de 1 mega

Por Darlan Araújo em Ceará

15 de janeiro de 2013 às 15:00

Há 7 anos

Apesar do serviço de banda larga popular planejado pelo Governo Federal se comportar como mais uma ferramenta que favorece o acesso da população à internet, alguns pontos do PNBL (Plano Nacional de Banda Larga) mostram que o projeto ainda dá os primeiro passos na busca de uma verdadeira popularização.

O PNBL leva o serviço à população por duas estratégias diferentes. Uma delas é o acordo feito entre o Ministério das Comunicações e as concessionárias de telefonia fixa. Atualmente, a Oi oferece este serviço em 32 cidades cearenses. Outras 26 cidades no estado devem receber o serviço neste ano por intermédio de pequenos provedores que utilizam a rede da Telebras.

Valor no Ceará

No Ceará, o usuário final paga R$ 35 por mês. Com esse valor, ele tem direito à internet com a velocidade de 1 mega. A diferença entre esse preço cobrado e o valor do plano mais básico da Oi, que também oferta a mesma velocidade, é de apenas R$ 3. Enquanto a OI oferece o serviço de banda larga popular a R$ 35, o preço do plano sem ligação com o PNBL é de R$ 38.

Além disso, a diferença de R$ 3 exclui do cliente do PNBL alguns benefícios oferecidos pelo plano que cobra R$ 38. A OI afirma que serviço mais caro permite, por exemplo, a migração de velocidade e adesão de outros produtos.

Apesar da pouca diferença, o diretor de soluções de uma empresa de tecnologia, Átilla Arruda, acredita que essa diferença não diminui a importância e eficácia do plano para a popularização do serviço. Ele lembra que o preço vinculado ao PNBL poderia ser de apenas R$ 29,90, mas a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) acaba encarecendo.

“Eu ainda acho que R$ 35 é um valor barato para esse tipo de serviço, mas eu acho que ele é importante principalmente para o interior. Na capital, acho que não vale muito a pena. Eu também chamo atenção para outro ponto presente no PNBL. No detalhes do serviço, é colocado que a velocidade de download se limita à velocidade de 300 kbps. Ou seja, o cliente paga por 1 mega, mas não pode contar com isso para fazer um download”, critica.

Com informações da Agência Brasil

Publicidade

Dê sua opinião

Internet popular no CE é apenas R$ 3 mais barata que plano básico de operadora

No Ceará, o usuário final paga R$ 35 por mês. Com esse valor, ele tem direito à internet com a velocidade de 1 mega

Por Darlan Araújo em Ceará

15 de janeiro de 2013 às 15:00

Há 7 anos

Apesar do serviço de banda larga popular planejado pelo Governo Federal se comportar como mais uma ferramenta que favorece o acesso da população à internet, alguns pontos do PNBL (Plano Nacional de Banda Larga) mostram que o projeto ainda dá os primeiro passos na busca de uma verdadeira popularização.

O PNBL leva o serviço à população por duas estratégias diferentes. Uma delas é o acordo feito entre o Ministério das Comunicações e as concessionárias de telefonia fixa. Atualmente, a Oi oferece este serviço em 32 cidades cearenses. Outras 26 cidades no estado devem receber o serviço neste ano por intermédio de pequenos provedores que utilizam a rede da Telebras.

Valor no Ceará

No Ceará, o usuário final paga R$ 35 por mês. Com esse valor, ele tem direito à internet com a velocidade de 1 mega. A diferença entre esse preço cobrado e o valor do plano mais básico da Oi, que também oferta a mesma velocidade, é de apenas R$ 3. Enquanto a OI oferece o serviço de banda larga popular a R$ 35, o preço do plano sem ligação com o PNBL é de R$ 38.

Além disso, a diferença de R$ 3 exclui do cliente do PNBL alguns benefícios oferecidos pelo plano que cobra R$ 38. A OI afirma que serviço mais caro permite, por exemplo, a migração de velocidade e adesão de outros produtos.

Apesar da pouca diferença, o diretor de soluções de uma empresa de tecnologia, Átilla Arruda, acredita que essa diferença não diminui a importância e eficácia do plano para a popularização do serviço. Ele lembra que o preço vinculado ao PNBL poderia ser de apenas R$ 29,90, mas a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) acaba encarecendo.

“Eu ainda acho que R$ 35 é um valor barato para esse tipo de serviço, mas eu acho que ele é importante principalmente para o interior. Na capital, acho que não vale muito a pena. Eu também chamo atenção para outro ponto presente no PNBL. No detalhes do serviço, é colocado que a velocidade de download se limita à velocidade de 300 kbps. Ou seja, o cliente paga por 1 mega, mas não pode contar com isso para fazer um download”, critica.

Com informações da Agência Brasil