Professores do IFCE fecham cruzamento e fazem protesto em Quixadá - Noticias


Professores do IFCE fecham cruzamento e fazem protesto em Quixadá

Professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) realizaram manisfestação, fechando o cruzamento das Avenida Plácido Castelo com a Rua Rodrigues Júnior, no Centro de Quixadá, no Sertão Central. Durante o ato de protesto, os mestres, com apoio de alguns estudantes, entregaram uma carta aberta. O documento contém as explicações sobre a greve dedflagrada pela categoria.

Por Tribuna do Ceará em Ceará

31 de agosto de 2011 às 15:58

Há 8 anos

Os professores exibiram faixas e entregaram carta com as explicações da greve (Foto: Revista Central)

Professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) realizaram manisfestação nesta quarta-feira (31), fechando o cruzamento das Avenida Plácido Castelo com a Rua Rodrigues Júnior, no Centro de Quixadá, no Sertão Central.

Durante o ato de protesto, os mestres, com apoio de alguns estudantes, entregaram uma carta aberta. O documento contém as explicações sobre a greve deflagrada pela categoria.

Eulálio Costa, coordenador de Políticas do Sindicato dos Servidores do IFCE, informa que o Governo Federal aumentou o número de campi, de 27 para 420 em todo o País. Entretanto, não abriu vagas por meio de concurso público para suprir as necessidades existentes. Ele lembra que esse é apenas um ítem da pauta de reivindicações dos professores em greve.

A categoria exige ainda a reestruturação do Plano de Cargos e Salários, estabelecido por lei. Eulálio Costa salienta que o déficit de professores efetivos chega a 4 mil e que foi um dos principais fatores para a deflagração da greve, que não tem data para terminar, devido à falta de negociação. A paralisação das atividades está perto de completar um mês. Ao todo, 223 campi estão parados.

Com informações da Revista Central

Publicidade

Dê sua opinião

Professores do IFCE fecham cruzamento e fazem protesto em Quixadá

Professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) realizaram manisfestação, fechando o cruzamento das Avenida Plácido Castelo com a Rua Rodrigues Júnior, no Centro de Quixadá, no Sertão Central. Durante o ato de protesto, os mestres, com apoio de alguns estudantes, entregaram uma carta aberta. O documento contém as explicações sobre a greve dedflagrada pela categoria.

Por Tribuna do Ceará em Ceará

31 de agosto de 2011 às 15:58

Há 8 anos

Os professores exibiram faixas e entregaram carta com as explicações da greve (Foto: Revista Central)

Professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE) realizaram manisfestação nesta quarta-feira (31), fechando o cruzamento das Avenida Plácido Castelo com a Rua Rodrigues Júnior, no Centro de Quixadá, no Sertão Central.

Durante o ato de protesto, os mestres, com apoio de alguns estudantes, entregaram uma carta aberta. O documento contém as explicações sobre a greve deflagrada pela categoria.

Eulálio Costa, coordenador de Políticas do Sindicato dos Servidores do IFCE, informa que o Governo Federal aumentou o número de campi, de 27 para 420 em todo o País. Entretanto, não abriu vagas por meio de concurso público para suprir as necessidades existentes. Ele lembra que esse é apenas um ítem da pauta de reivindicações dos professores em greve.

A categoria exige ainda a reestruturação do Plano de Cargos e Salários, estabelecido por lei. Eulálio Costa salienta que o déficit de professores efetivos chega a 4 mil e que foi um dos principais fatores para a deflagração da greve, que não tem data para terminar, devido à falta de negociação. A paralisação das atividades está perto de completar um mês. Ao todo, 223 campi estão parados.

Com informações da Revista Central