Serviços: Ceará registra 3º maior crescimento nominal do Brasil


Serviços: Ceará registra 3º maior crescimento nominal do Brasil

A maior taxa de serviços prestados às famílias foi observada no Ceará (37,2%)

Por Tribuna do Ceará em Ceará

21 de agosto de 2013 às 17:03

Há 6 anos

O setor de serviços no Ceará registrou crescimento nominal, que não desconta a inflação, de 16% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor no país, divulgado nesta quarta-feira (21) pela primeira vez pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Todas as unidades da Federação apresentaram crescimento nominal do setor de serviços, sendo que as maiores taxas foram registradas em Mato Grosso (29,7%), no Acre (16,3%), Ceará (16%), em Mato Grosso do Sul (13,4%) e no Distrito Federal (13,2%). As menores foram observadas no Espírito Santo, em Minas Gerais e Pernambuco (todas com 5,1%), no Paraná (4,6%), Piauí (3,2%) e Rio Grande do Sul (1,6%).

Ceará em destaque

Os serviços prestados às famílias registraram variação de 9%, após crescimento de 10,6% em maio e de 11,2% em abril. A participação do segmento na composição do índice geral é 7%. Os itens dessa área cujas taxas tiveram maior crescimento foram alojamento e alimentação (10,3%) e outros serviços prestados às famílias (1,2%). As maiores taxas foram observadas no Ceará (37,2%), em São Paulo (15,1%) e Goiás (9,7%). As menores, no Distrito Federal, na Bahia (4,0%), no Espírito Santo (2,2%) e Rio de Janeiro (-0,7%).

Os serviços de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com 9,8%, registraram praticamente a mesma taxa observada em maio (9,9%), inferior, porém, à de abril (14%). Esse segmento contribui, em termos relativos, com 34,9% e com 3 pontos percentuais, em termos absolutos, para a composição do índice geral.

Na comparação com junho do ano passado, os estados que mais apresentaram alta nesse segmento de serviços foram: Santa Catarina (15,7%), o Ceará (12,8%) e Pernambuco (12,6%). As menores variações foram registradas no Distrito Federal (4,6%), Paraná (4,2%) e em Goiás (4%).

Os serviços profissionais, administrativos e complementares tiveram variação de 7,8% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, contra 7,6% em maio e 12,1% em abril. Com uma contribuição relativa de 18,6%, o segmento participa, em termos absolutos, com 1,6 ponto percentual para o índice geral. As maiores taxas de crescimento foram observadas na Bahia (28,3%), no Ceará (20,9%) e Distrito Federal (12,3%). As menores variações foram no Paraná (2,7%), em Pernambuco (0%) e no Rio Grande do Sul (-12,4%).

O IBGE informou que não há divulgação de dados com ajuste sazonal (mês ante mês imediatamente anterior), pois a dessazonalização precisa de uma série histórica de aproximadamente quatro anos.

Com informações da Agência Brasil

Publicidade

Dê sua opinião

Serviços: Ceará registra 3º maior crescimento nominal do Brasil

A maior taxa de serviços prestados às famílias foi observada no Ceará (37,2%)

Por Tribuna do Ceará em Ceará

21 de agosto de 2013 às 17:03

Há 6 anos

O setor de serviços no Ceará registrou crescimento nominal, que não desconta a inflação, de 16% em junho, na comparação com o mesmo mês do ano passado. Os dados fazem parte da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS), primeiro indicador conjuntural mensal que investiga o setor no país, divulgado nesta quarta-feira (21) pela primeira vez pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Todas as unidades da Federação apresentaram crescimento nominal do setor de serviços, sendo que as maiores taxas foram registradas em Mato Grosso (29,7%), no Acre (16,3%), Ceará (16%), em Mato Grosso do Sul (13,4%) e no Distrito Federal (13,2%). As menores foram observadas no Espírito Santo, em Minas Gerais e Pernambuco (todas com 5,1%), no Paraná (4,6%), Piauí (3,2%) e Rio Grande do Sul (1,6%).

Ceará em destaque

Os serviços prestados às famílias registraram variação de 9%, após crescimento de 10,6% em maio e de 11,2% em abril. A participação do segmento na composição do índice geral é 7%. Os itens dessa área cujas taxas tiveram maior crescimento foram alojamento e alimentação (10,3%) e outros serviços prestados às famílias (1,2%). As maiores taxas foram observadas no Ceará (37,2%), em São Paulo (15,1%) e Goiás (9,7%). As menores, no Distrito Federal, na Bahia (4,0%), no Espírito Santo (2,2%) e Rio de Janeiro (-0,7%).

Os serviços de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio, com 9,8%, registraram praticamente a mesma taxa observada em maio (9,9%), inferior, porém, à de abril (14%). Esse segmento contribui, em termos relativos, com 34,9% e com 3 pontos percentuais, em termos absolutos, para a composição do índice geral.

Na comparação com junho do ano passado, os estados que mais apresentaram alta nesse segmento de serviços foram: Santa Catarina (15,7%), o Ceará (12,8%) e Pernambuco (12,6%). As menores variações foram registradas no Distrito Federal (4,6%), Paraná (4,2%) e em Goiás (4%).

Os serviços profissionais, administrativos e complementares tiveram variação de 7,8% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, contra 7,6% em maio e 12,1% em abril. Com uma contribuição relativa de 18,6%, o segmento participa, em termos absolutos, com 1,6 ponto percentual para o índice geral. As maiores taxas de crescimento foram observadas na Bahia (28,3%), no Ceará (20,9%) e Distrito Federal (12,3%). As menores variações foram no Paraná (2,7%), em Pernambuco (0%) e no Rio Grande do Sul (-12,4%).

O IBGE informou que não há divulgação de dados com ajuste sazonal (mês ante mês imediatamente anterior), pois a dessazonalização precisa de uma série histórica de aproximadamente quatro anos.

Com informações da Agência Brasil