Através do esporte, instituto muda vida de crianças em um dos bairros mais violentos de Fortaleza


Através do esporte, instituto muda vida de crianças em um dos bairros mais violentos de Fortaleza

Instituto Sol funciona desde 2013 na Praia do Futuro e já atende 200 crianças com escolinhas de surf, futebol, capoeira e vôlei

Por Rosana Romão em Cotidiano

9 de julho de 2014 às 08:04

Há 5 anos
Ariel Castro tem oito anos e já surfa pensando em um futuro no esporte. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Ariel Castro tem oito anos e já surfa pensando em um futuro no esporte. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Praia do Futuro. Barulho das ondas do mar, pés descalços na areia e crianças reunidas. Parece o cenário de um domingo de lazer, mas, na verdade, esse é o panorama de uma segunda-feira de muita atividade física e educativa para as crianças que moram no Bairro Praia do Futuro.

Ariel Castro tem oito anos e já surfa pensando em um futuro no esporte. “Olha o cara aqui pegando o tubo. Eu quero ser assim”, aponta para revista entusiasmado. Ele é uma das 200 crianças beneficiadas com o Instituto Sol, que busca ocupar o tempo dos pequenos da Praia do Futuro com esporte, arte e geração de renda. O objetivo da instituição é resgatá-los da criminalidade e transformar a realidade daquela comunidade através do esporte.

Pela manhã, as crianças podem surfar, participar de oficina de conserto de prancha, ler revistas ou mesmo ajudar o instrutor de surf a realizar suas atividades diárias. À tarde acontecem as escolinhas de surf, futebol, vôlei e capoeira. Ao todo, são 200 crianças beneficiadas com a iniciativa. “Eu tento ocupar o tempo deles com coisas boas, que levam pra frente. Influência pro mal, eles têm muita”, explica Zé Côco, que trabalha há três anos como voluntário no instituto.

Para participar do projeto, as mães das crianças precisam levar o boletim escolar e a assiduidade nas aulas. Apenas quem estiver estudando permanece no projeto. “Esse papel é da escola, de ocupar o tempo e oferecer lazer. Se o dinheiro público fosse bem aplicado, faria total diferença na vida dessas crianças”, explica o idealizador do Instituto, Paulo Maranfon.

Início

O instrutor de capoeira Rodrigo Jorge do Nascimento tem uma história de vida que se cruza com o início do projeto. Em 2009, quando tinha 19 anos, caminhava pela Praia do Futuro com um amigo quando avistaram um homem passeando com seus cachorros. Aproximaram-se dos animais e brincaram com eles. O dono dos cachorros, Paulo Maranfon, vendo a necessidade que aqueles dois jovens poderiam estar passando, decidiu pagá-los para que eles passeassem com os cães. De imediato, Rodrigo e o amigo aceitaram.

O incentivo funcionou e, daquele dia em diante, os dois jovens ficaram encarregados de cuidar dos cachorros de Paulo. Hoje, Rodrigo continua com essa atividade e, graças a ela, já conseguiu construir uma família e ter uma casa. Já o amigo de Rodrigo trilhou pelo caminho do crime e hoje está preso por ter participado de um assalto. “Acontece de alguns desistirem, mas a maioria agradece a oportunidade. Hoje têm muitos trabalhando de carteira assinada, com um futuro promissor”, comemora Zé Côco.

“Eu vi que com pouca estrutura já dá pra ocupar o tempo desses garotos. Na minha cabeça, eu percebi que isso poderia funcionar melhor e passei a fazer isso com mais frequência”, aponta Paulo Maranfon. O início do projeto veio em parceria com amigos que recolhiam o lixo da praia diariamente. Juntos, em 2013, alugaram uma barraca na praia para acolher as crianças que moram na região da Praia do Futuro e desenvolver atividades relacionadas ao esporte, à arte e geração de renda.

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
1/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

O local escolhido para a instalação do instituto foi estratégico, uma das áreas mais violentas de Fortaleza. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
2/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
3/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
4/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
5/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
6/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
7/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
8/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A entidade é mantida através de contribuições e voluntariado. Para continuar funcionando, o Instituto Sol precisa de apoio financeiro. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
9/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A entidade é mantida através de contribuições e voluntariado. Para continuar funcionando, o Instituto Sol precisa de apoio financeiro. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
10/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A escolinha de surf possui 50 alunos. Além de aulas sobre a prática do esporte, eles aprendem a consertar pranchas. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
11/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A escolinha de surf possui 50 alunos. Além de aulas sobre a prática do esporte, eles aprendem a consertar pranchas. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
12/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Grupo se reúne para surfar e exibe obras de artes feitas com ajuda das crianças. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
13/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Os resultados vão além da prática de esporte e lazer. São frutos gerados nas vidas de todos que são beneficiados pela entidade. Paulo Maranfon acredita que se o projeto acabar amanhã, já valeu a pena. “Recentemente o Rodrigo, que cuida dos meus cachorros, estava andando pela praia e parou em um lugar onde estavam cinco meninos armados com faca escondidos para pegar os turistas. Daí o Rodrigo contou sobre a história do instituto, e os cinco voltaram pra casa. Vai saber o que aconteceria se ele não tivesse passado por eles! Isso já justifica todo o meu trabalho”.

 Futuramente, a ideia é que o projeto torne-se auto-sustentável. Existem quatro professores de artes que ensinam as crianças a pintar quadros, para posteriormente serem vendidos para turistas, e toda renda adquirida ser revertida para o instituto. “Meu plano é viver de artes plásticas ajudando essas crianças”, projeta Paulo Maranfon.

Violência

O local escolhido para a fundação do instituto é estratégico, de lá saem os maiores índices de violência. De janeiro a maio deste ano já foram contabilizados 114 crimes violentos letais intencionais.“Funciona como uma válvula de escape de oxigênio para essas crianças e, através disso, elas encontram o caminho. Isso já existe na prática, como o caso do Rodrigo, que hoje é instrutor de surf”, justifica o idealizador da instituição.

Voluntários e as próprias crianças beneficiadas com o projeto já presenciaram assaltos próximos à barraca, mas isso não os desmotiva. “Pessoas que trabalham com o bem sempre recebem ajuda. Um dia eu posso estar trabalhando de carteira assinada, futuramente pode aparecer um patrocinador para uma dessas crianças”, almeja com fé o instrutor de surf Zé Côco.

Tem algo que eu sempre repito pros meninos: se eu te dou uma bola, tu vira jogador, se eu te dou uma prancha, tu vira surfista. Mas e se eu te der uma arma? Tu vira bandido, traficante. E é daí pra pior. Então eu tento dar o máximo de bom exemplo pra eles. (Zé Côco)

Falta incentivo

Atualmente o projeto se mantém através de contribuições, de voluntários e da pequena renda da oficina de concertos de pranchas. Essa ajuda é necessária para manter as escolinhas e as oficinas, para poder atender cada vez mais crianças e jovens. Mas como trata-se de uma iniciativa social, o projeto precisa de auxílio financeiro para ajudar os voluntários, levar alimentação à essas crianças e comprar material de esporte para mantimento das escolinhas. Para isso, foi criada uma campanha na internet, onde o doador escolhe o valor que deseja ajudar, e pode pagar através de cartão de crédito ou boleto bancário.

Assim como as crianças, os voluntários também precisam do Instituto Sol, como é o caso de Zé Côco. “Isso aqui pra mim é uma terapia, eu dou minha vida por esse projeto. Eu sou quase um pai pras crianças, sem elas eu entro em depressão.” A fé também é incentivada para todos que participam do Instituto Sol. Semanalmente o grupo faz uma oração para agradecer pela saúde, pelo material (pranchas), pela vida e pelo mar. E é com fé que o pequeno Ariel, do início do texto, projeta o seu futuro: “Estar aqui é melhor do que roubar. Eu quero ser um grande surfista. E eu vou morar no Havaí”, garante.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15098668″]

Serviço
Instituto Sol – Avenida Zezé Diogo, 2233 – Praia do Futuro.

Publicidade

Dê sua opinião

Através do esporte, instituto muda vida de crianças em um dos bairros mais violentos de Fortaleza

Instituto Sol funciona desde 2013 na Praia do Futuro e já atende 200 crianças com escolinhas de surf, futebol, capoeira e vôlei

Por Rosana Romão em Cotidiano

9 de julho de 2014 às 08:04

Há 5 anos
Ariel Castro tem oito anos e já surfa pensando em um futuro no esporte. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Ariel Castro tem oito anos e já surfa pensando em um futuro no esporte. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Praia do Futuro. Barulho das ondas do mar, pés descalços na areia e crianças reunidas. Parece o cenário de um domingo de lazer, mas, na verdade, esse é o panorama de uma segunda-feira de muita atividade física e educativa para as crianças que moram no Bairro Praia do Futuro.

Ariel Castro tem oito anos e já surfa pensando em um futuro no esporte. “Olha o cara aqui pegando o tubo. Eu quero ser assim”, aponta para revista entusiasmado. Ele é uma das 200 crianças beneficiadas com o Instituto Sol, que busca ocupar o tempo dos pequenos da Praia do Futuro com esporte, arte e geração de renda. O objetivo da instituição é resgatá-los da criminalidade e transformar a realidade daquela comunidade através do esporte.

Pela manhã, as crianças podem surfar, participar de oficina de conserto de prancha, ler revistas ou mesmo ajudar o instrutor de surf a realizar suas atividades diárias. À tarde acontecem as escolinhas de surf, futebol, vôlei e capoeira. Ao todo, são 200 crianças beneficiadas com a iniciativa. “Eu tento ocupar o tempo deles com coisas boas, que levam pra frente. Influência pro mal, eles têm muita”, explica Zé Côco, que trabalha há três anos como voluntário no instituto.

Para participar do projeto, as mães das crianças precisam levar o boletim escolar e a assiduidade nas aulas. Apenas quem estiver estudando permanece no projeto. “Esse papel é da escola, de ocupar o tempo e oferecer lazer. Se o dinheiro público fosse bem aplicado, faria total diferença na vida dessas crianças”, explica o idealizador do Instituto, Paulo Maranfon.

Início

O instrutor de capoeira Rodrigo Jorge do Nascimento tem uma história de vida que se cruza com o início do projeto. Em 2009, quando tinha 19 anos, caminhava pela Praia do Futuro com um amigo quando avistaram um homem passeando com seus cachorros. Aproximaram-se dos animais e brincaram com eles. O dono dos cachorros, Paulo Maranfon, vendo a necessidade que aqueles dois jovens poderiam estar passando, decidiu pagá-los para que eles passeassem com os cães. De imediato, Rodrigo e o amigo aceitaram.

O incentivo funcionou e, daquele dia em diante, os dois jovens ficaram encarregados de cuidar dos cachorros de Paulo. Hoje, Rodrigo continua com essa atividade e, graças a ela, já conseguiu construir uma família e ter uma casa. Já o amigo de Rodrigo trilhou pelo caminho do crime e hoje está preso por ter participado de um assalto. “Acontece de alguns desistirem, mas a maioria agradece a oportunidade. Hoje têm muitos trabalhando de carteira assinada, com um futuro promissor”, comemora Zé Côco.

“Eu vi que com pouca estrutura já dá pra ocupar o tempo desses garotos. Na minha cabeça, eu percebi que isso poderia funcionar melhor e passei a fazer isso com mais frequência”, aponta Paulo Maranfon. O início do projeto veio em parceria com amigos que recolhiam o lixo da praia diariamente. Juntos, em 2013, alugaram uma barraca na praia para acolher as crianças que moram na região da Praia do Futuro e desenvolver atividades relacionadas ao esporte, à arte e geração de renda.

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
1/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

O local escolhido para a instalação do instituto foi estratégico, uma das áreas mais violentas de Fortaleza. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
2/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
3/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
4/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
5/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
6/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
7/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
8/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A entidade é mantida através de contribuições e voluntariado. Para continuar funcionando, o Instituto Sol precisa de apoio financeiro. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
9/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A entidade é mantida através de contribuições e voluntariado. Para continuar funcionando, o Instituto Sol precisa de apoio financeiro. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
10/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A escolinha de surf possui 50 alunos. Além de aulas sobre a prática do esporte, eles aprendem a consertar pranchas. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
11/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

A escolinha de surf possui 50 alunos. Além de aulas sobre a prática do esporte, eles aprendem a consertar pranchas. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
12/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Grupo se reúne para surfar e exibe obras de artes feitas com ajuda das crianças. (FOTO: Arquivo Pessoal)

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro
13/13

Instituto Sol oferece esporte e artes à crianças da Praia do Futuro

Com o desejo de oferecer uma nova oportunidade para crianças que moram na Praia do Futuro, o artista plástico Paulo Maranfon criou o Instituto Sol. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Os resultados vão além da prática de esporte e lazer. São frutos gerados nas vidas de todos que são beneficiados pela entidade. Paulo Maranfon acredita que se o projeto acabar amanhã, já valeu a pena. “Recentemente o Rodrigo, que cuida dos meus cachorros, estava andando pela praia e parou em um lugar onde estavam cinco meninos armados com faca escondidos para pegar os turistas. Daí o Rodrigo contou sobre a história do instituto, e os cinco voltaram pra casa. Vai saber o que aconteceria se ele não tivesse passado por eles! Isso já justifica todo o meu trabalho”.

 Futuramente, a ideia é que o projeto torne-se auto-sustentável. Existem quatro professores de artes que ensinam as crianças a pintar quadros, para posteriormente serem vendidos para turistas, e toda renda adquirida ser revertida para o instituto. “Meu plano é viver de artes plásticas ajudando essas crianças”, projeta Paulo Maranfon.

Violência

O local escolhido para a fundação do instituto é estratégico, de lá saem os maiores índices de violência. De janeiro a maio deste ano já foram contabilizados 114 crimes violentos letais intencionais.“Funciona como uma válvula de escape de oxigênio para essas crianças e, através disso, elas encontram o caminho. Isso já existe na prática, como o caso do Rodrigo, que hoje é instrutor de surf”, justifica o idealizador da instituição.

Voluntários e as próprias crianças beneficiadas com o projeto já presenciaram assaltos próximos à barraca, mas isso não os desmotiva. “Pessoas que trabalham com o bem sempre recebem ajuda. Um dia eu posso estar trabalhando de carteira assinada, futuramente pode aparecer um patrocinador para uma dessas crianças”, almeja com fé o instrutor de surf Zé Côco.

Tem algo que eu sempre repito pros meninos: se eu te dou uma bola, tu vira jogador, se eu te dou uma prancha, tu vira surfista. Mas e se eu te der uma arma? Tu vira bandido, traficante. E é daí pra pior. Então eu tento dar o máximo de bom exemplo pra eles. (Zé Côco)

Falta incentivo

Atualmente o projeto se mantém através de contribuições, de voluntários e da pequena renda da oficina de concertos de pranchas. Essa ajuda é necessária para manter as escolinhas e as oficinas, para poder atender cada vez mais crianças e jovens. Mas como trata-se de uma iniciativa social, o projeto precisa de auxílio financeiro para ajudar os voluntários, levar alimentação à essas crianças e comprar material de esporte para mantimento das escolinhas. Para isso, foi criada uma campanha na internet, onde o doador escolhe o valor que deseja ajudar, e pode pagar através de cartão de crédito ou boleto bancário.

Assim como as crianças, os voluntários também precisam do Instituto Sol, como é o caso de Zé Côco. “Isso aqui pra mim é uma terapia, eu dou minha vida por esse projeto. Eu sou quase um pai pras crianças, sem elas eu entro em depressão.” A fé também é incentivada para todos que participam do Instituto Sol. Semanalmente o grupo faz uma oração para agradecer pela saúde, pelo material (pranchas), pela vida e pelo mar. E é com fé que o pequeno Ariel, do início do texto, projeta o seu futuro: “Estar aqui é melhor do que roubar. Eu quero ser um grande surfista. E eu vou morar no Havaí”, garante.

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15098668″]

Serviço
Instituto Sol – Avenida Zezé Diogo, 2233 – Praia do Futuro.