Caso Subtenente: Sobrinha será investigada por acionar a polícia quando militar já havia sido socorrido


Caso Subtenente: Sobrinha será investigada por acionar a polícia quando militar já havia sido socorrido

A sobrinha de Cristiane Coelho, mulher do subtenente Francilewdo Bezerra, ligou para polícia após médicos e policiais chegarem à residência do casal, o que intrigou delegado

Por Rosana Romão em Cotidiano

11 de dezembro de 2014 às 16:50

Há 5 anos

Selo SubtenenteUm mês depois da morte por envenenamento de filho do subtenente do Exército Francilewdo Bezerra, a polícia teve acesso aos áudios de duas ligações feitas na noite do crime que irão ajudar na investigação. Uma delas feita pela esposa do subtenente, Cristiane Coelho, informando sobre o crime, e a outra feita por sua sobrinha após a chegada da polícia na residência onde ocorreu o envenenamento.

O delegado Wilder Brito, que está apurando o caso, considera os dois áudios importantes para o processo investigativo, pois a partir da gravação é possível avaliar o estado emocional e psicológico de quem está na ligação. “Vamos averiguar nas entrelinhas aquilo que está sendo dito e aquilo que é simulação, e fazer o comparativo”, adiantou.

Identificada como Maria Luísa Coelho, a sobrinha de Cristiane Coelho ligou para a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) solicitando uma viatura na residência do casal. “Minha filha, eu preciso imediatamente de um carro de polícia para ir na casa de uma tia minha. É o seguinte, a minha tia informou que o marido dela tentou suicídio e matou o meu primo. Ela está desequilibrada passionalmente”, informou na ligação. Maria Luísa Coelho também será ouvida pela polícia para prestar esclarecimentos.

Horários das ligações

O horário exato da ligação de Cristiane Coelho, esposa do subtenente do Exército, foi a 1h55min do dia 11 de novembro, enquanto a ligação de sua sobrinha ocorreu aproximadamente às 3h do mesmo dia. De acordo com o delegado Wilder Brito, no momento da segunda ligação, o subtenente do Exército já havia sido socorrido. “Nós averiguamos agora esse lapso temporal das ligações dela quanto da familiar. E também como a familiar tinha recebido essa informação”, declarou. A polícia investiga onde a sobrinha de Cristiane Coelho estava no momento da ligação, como ficou sabendo do ocorrido e por que ligou para o Ciops, pois a ambulância já havia socorrido as vítimas no momento da ligação.

Ligação de sobrinha de Cristiane Coelho fará parte da investigação da polícia. (Arte: Tiago Leite)

Ligação de sobrinha de Cristiane Coelho fará parte da investigação da polícia. (Arte: Tiago Leite)

Confira a entrevista do delegado Wilder Brito ao Barra Pesada:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15308540″]


Relembre as matérias do caso:

12 de novembro – Subtenente é suspeito de matar filho autista, agredir esposa e anunciar crimes no Facebook

13 de novembro – Subtenente suspeito de matar filho e agredir esposa continua em estado grave no hospital

15 de novembro – Polícia quer ouvir mulher de subtenente do Exército suspeito de matar o filho envenenado

19 de novembro – Filho autista de subtenente do Exército ingeriu “chumbinho”, aponta laudo

19 de novembro – Esposa de militar do Exército suspeito de matar o filho nega traição que seria estopim do caso

21 de novembro – Militar suspeito de matar filho sai do coma, mas ainda não tem condições de prestar depoimento

21 de novembro – Delegado quer saber quem comprou chumbinho usado para matar o filho de militar do Exército

24 de novembro – Amigo duvida que subtenente tenha sido o autor da morte do filho autista

24 de novembro – Com melhora de subtenente, delegado aguarda depoimento até o fim da semana

25 de novembro – Subtenente fica chocado ao acordar do coma e saber que é acusado do assassinato do filho

26 de novembro – Delegado estuda fazer reconstituição do caso de subtenente acusado pela mulher de matar o filho

27 de novembro – Delegado desconfia que uma terceira pessoa tenha assassinado filho de subtenente do Exército

28 de novembro – Subtenente suspeito de matar filho será ouvido pela polícia mesmo na UTI

29 de novembro – Subtenente nega acusações e seu advogado acusa esposa de assassinar o filho para culpar militar

2 de dezembro – Delegado considera esposa de subtenente uma “suspeita em potencial” da morte do filho

3 de dezembro – Subtenente vai de vilão a mocinho após 3 semanas de investigação por morte de filho envenenado

3 de dezembro – Subtenente suspeito de matar o filho tem prisão preventiva revogada pela Justiça

4 de dezembro – Caso Subtenente: pai e mãe ficarão frente a frente pela 1ª vez após morte do filho envenenado

4 de dezembro – Em 1ª entrevista após sair de UTI, subtenente revela que tem tatuagem com nome de filho morto

8 de dezembro – Esposa de subtenente suspeita de matar o filho contrata um dos juristas mais conhecidos do Ceará

11 de dezembro – Um mês após crime, vizinha diz que nunca acreditou na versão de esposa de que subtenente matou o filho

Mensagem no Facebook
2/4

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Mensagem no Facebook
3/4

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Hospital Geral do Exército
4/4

Hospital Geral do Exército

Francilewdo Bezerra estava internado no apartamento do hospital militar, local em que trabalha (FOTO: Tribuna do Ceará/Rosana Romão)

Publicidade

Dê sua opinião

Caso Subtenente: Sobrinha será investigada por acionar a polícia quando militar já havia sido socorrido

A sobrinha de Cristiane Coelho, mulher do subtenente Francilewdo Bezerra, ligou para polícia após médicos e policiais chegarem à residência do casal, o que intrigou delegado

Por Rosana Romão em Cotidiano

11 de dezembro de 2014 às 16:50

Há 5 anos

Selo SubtenenteUm mês depois da morte por envenenamento de filho do subtenente do Exército Francilewdo Bezerra, a polícia teve acesso aos áudios de duas ligações feitas na noite do crime que irão ajudar na investigação. Uma delas feita pela esposa do subtenente, Cristiane Coelho, informando sobre o crime, e a outra feita por sua sobrinha após a chegada da polícia na residência onde ocorreu o envenenamento.

O delegado Wilder Brito, que está apurando o caso, considera os dois áudios importantes para o processo investigativo, pois a partir da gravação é possível avaliar o estado emocional e psicológico de quem está na ligação. “Vamos averiguar nas entrelinhas aquilo que está sendo dito e aquilo que é simulação, e fazer o comparativo”, adiantou.

Identificada como Maria Luísa Coelho, a sobrinha de Cristiane Coelho ligou para a Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops) solicitando uma viatura na residência do casal. “Minha filha, eu preciso imediatamente de um carro de polícia para ir na casa de uma tia minha. É o seguinte, a minha tia informou que o marido dela tentou suicídio e matou o meu primo. Ela está desequilibrada passionalmente”, informou na ligação. Maria Luísa Coelho também será ouvida pela polícia para prestar esclarecimentos.

Horários das ligações

O horário exato da ligação de Cristiane Coelho, esposa do subtenente do Exército, foi a 1h55min do dia 11 de novembro, enquanto a ligação de sua sobrinha ocorreu aproximadamente às 3h do mesmo dia. De acordo com o delegado Wilder Brito, no momento da segunda ligação, o subtenente do Exército já havia sido socorrido. “Nós averiguamos agora esse lapso temporal das ligações dela quanto da familiar. E também como a familiar tinha recebido essa informação”, declarou. A polícia investiga onde a sobrinha de Cristiane Coelho estava no momento da ligação, como ficou sabendo do ocorrido e por que ligou para o Ciops, pois a ambulância já havia socorrido as vítimas no momento da ligação.

Ligação de sobrinha de Cristiane Coelho fará parte da investigação da polícia. (Arte: Tiago Leite)

Ligação de sobrinha de Cristiane Coelho fará parte da investigação da polícia. (Arte: Tiago Leite)

Confira a entrevista do delegado Wilder Brito ao Barra Pesada:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15308540″]


Relembre as matérias do caso:

12 de novembro – Subtenente é suspeito de matar filho autista, agredir esposa e anunciar crimes no Facebook

13 de novembro – Subtenente suspeito de matar filho e agredir esposa continua em estado grave no hospital

15 de novembro – Polícia quer ouvir mulher de subtenente do Exército suspeito de matar o filho envenenado

19 de novembro – Filho autista de subtenente do Exército ingeriu “chumbinho”, aponta laudo

19 de novembro – Esposa de militar do Exército suspeito de matar o filho nega traição que seria estopim do caso

21 de novembro – Militar suspeito de matar filho sai do coma, mas ainda não tem condições de prestar depoimento

21 de novembro – Delegado quer saber quem comprou chumbinho usado para matar o filho de militar do Exército

24 de novembro – Amigo duvida que subtenente tenha sido o autor da morte do filho autista

24 de novembro – Com melhora de subtenente, delegado aguarda depoimento até o fim da semana

25 de novembro – Subtenente fica chocado ao acordar do coma e saber que é acusado do assassinato do filho

26 de novembro – Delegado estuda fazer reconstituição do caso de subtenente acusado pela mulher de matar o filho

27 de novembro – Delegado desconfia que uma terceira pessoa tenha assassinado filho de subtenente do Exército

28 de novembro – Subtenente suspeito de matar filho será ouvido pela polícia mesmo na UTI

29 de novembro – Subtenente nega acusações e seu advogado acusa esposa de assassinar o filho para culpar militar

2 de dezembro – Delegado considera esposa de subtenente uma “suspeita em potencial” da morte do filho

3 de dezembro – Subtenente vai de vilão a mocinho após 3 semanas de investigação por morte de filho envenenado

3 de dezembro – Subtenente suspeito de matar o filho tem prisão preventiva revogada pela Justiça

4 de dezembro – Caso Subtenente: pai e mãe ficarão frente a frente pela 1ª vez após morte do filho envenenado

4 de dezembro – Em 1ª entrevista após sair de UTI, subtenente revela que tem tatuagem com nome de filho morto

8 de dezembro – Esposa de subtenente suspeita de matar o filho contrata um dos juristas mais conhecidos do Ceará

11 de dezembro – Um mês após crime, vizinha diz que nunca acreditou na versão de esposa de que subtenente matou o filho

Mensagem no Facebook
2/4

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Mensagem no Facebook
3/4

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Hospital Geral do Exército
4/4

Hospital Geral do Exército

Francilewdo Bezerra estava internado no apartamento do hospital militar, local em que trabalha (FOTO: Tribuna do Ceará/Rosana Romão)