Cearense detido na Rússia deve continuar internado em clínica psiquiátrica por mais 2 semanas

AFLIÇÃO

Cearense detido na Rússia deve continuar internado em clínica psiquiátrica por mais 2 semanas

Segundo a mãe de Leonardo Pestana, o consulado brasileiro temporário de São Petersburgo, na Rússia, informou que o estudante está “bem de saúde e tranquilo”

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

22 de junho de 2018 às 18:34

Há 1 ano
São Petersburgo Rússia

O cearense foi detido no dia 16 de junho, quando voltava para o Brasil (FOTO: Google Street/Reprodução)

O cearense Leonardo Pestana, de 27 anos, deve continuar internado em clínica psiquiátrica, na Rússia, por mais duas semanas. O engenheiro ambiental foi detido no aeroporto de São Petersburgo, no dia 16 de junho, quando seguia para o Brasil.

De acordo com a mãe do jovem, Fátima Pestana, o consulado temporário do Brasil na cidade de São Petersburgo afirmou que o filho está bem de saúde e tranquilo.

“Seu filho está sendo acompanhado e sob controle. O ideal é que a senhora se acostume com a ideia de que seu filho está internado, bem de saúde, tranquilo. A situação ficará assim por até, pelo menos, as próximas duas semanas”, disse o consulado à mãe.

Por outro lado, no último contato que teve com o filho, Fátima ressalta que ele estava com uma voz diferente por conta de um medicamento que estaria tomando.”Eu não sei que tipo de tratamento estão dando ao meu filho”, diz aflita sem saber o motivo da detenção.

Dias antes do embarque para o Brasil, Leonardo havia sido detido após um desentendimento durante as aulas do curso, mas liberado em seguida. A mãe do rapaz afirma que ele voltou ao curso para pedir desculpas pelo ocorrido. Ainda assim, a instituição não aceitou que ele retomasse as atividades, apesar do investimento de cerca de 10 mil reais.

Sem histórico

Fátima conta que Leonardo não possui histórico psiquiátrico ou problemas psicológicos para ser submetido à internação. Ele morava na Rússia desde março. Foi ao país para fazer um curso de línguas e tentava cursar Medicina. Segundo a mãe, o cearense costumava ficar em casa para poder estudar o idioma russo, no qual tinha dificuldade. “Ele gostava da cidade”, comenta.

De acordo com ela, a embaixada brasileira na Rússia tentou trazer Leonardo para ser tratado no Brasil, acompanhado por um estudante de medicina. Entretanto, a possibilidade foi descartada. “Eu ia conseguir um médico e custear as despesas do acompanhante, mas agora não pode mais. Se eu tiver de ir, eu vou. Não vou deixar meu filho abandonado”, afirma.

Em nota ao Tribuna do Ceará, o Ministério das Relações Exteriores informou que “o consulado temporário do Brasil em São Petesburgo e a embaixada do Brasil em Moscou acompanham a situação do cidadão brasileiro, mantêm contato com seus familiares e prestam toda assistência consular cabível”. O Ministério ressaltou que não está autorizada a fornecer informações pessoais sobre o caso.

Publicidade

Dê sua opinião

AFLIÇÃO

Cearense detido na Rússia deve continuar internado em clínica psiquiátrica por mais 2 semanas

Segundo a mãe de Leonardo Pestana, o consulado brasileiro temporário de São Petersburgo, na Rússia, informou que o estudante está “bem de saúde e tranquilo”

Por Tribuna do Ceará em Cotidiano

22 de junho de 2018 às 18:34

Há 1 ano
São Petersburgo Rússia

O cearense foi detido no dia 16 de junho, quando voltava para o Brasil (FOTO: Google Street/Reprodução)

O cearense Leonardo Pestana, de 27 anos, deve continuar internado em clínica psiquiátrica, na Rússia, por mais duas semanas. O engenheiro ambiental foi detido no aeroporto de São Petersburgo, no dia 16 de junho, quando seguia para o Brasil.

De acordo com a mãe do jovem, Fátima Pestana, o consulado temporário do Brasil na cidade de São Petersburgo afirmou que o filho está bem de saúde e tranquilo.

“Seu filho está sendo acompanhado e sob controle. O ideal é que a senhora se acostume com a ideia de que seu filho está internado, bem de saúde, tranquilo. A situação ficará assim por até, pelo menos, as próximas duas semanas”, disse o consulado à mãe.

Por outro lado, no último contato que teve com o filho, Fátima ressalta que ele estava com uma voz diferente por conta de um medicamento que estaria tomando.”Eu não sei que tipo de tratamento estão dando ao meu filho”, diz aflita sem saber o motivo da detenção.

Dias antes do embarque para o Brasil, Leonardo havia sido detido após um desentendimento durante as aulas do curso, mas liberado em seguida. A mãe do rapaz afirma que ele voltou ao curso para pedir desculpas pelo ocorrido. Ainda assim, a instituição não aceitou que ele retomasse as atividades, apesar do investimento de cerca de 10 mil reais.

Sem histórico

Fátima conta que Leonardo não possui histórico psiquiátrico ou problemas psicológicos para ser submetido à internação. Ele morava na Rússia desde março. Foi ao país para fazer um curso de línguas e tentava cursar Medicina. Segundo a mãe, o cearense costumava ficar em casa para poder estudar o idioma russo, no qual tinha dificuldade. “Ele gostava da cidade”, comenta.

De acordo com ela, a embaixada brasileira na Rússia tentou trazer Leonardo para ser tratado no Brasil, acompanhado por um estudante de medicina. Entretanto, a possibilidade foi descartada. “Eu ia conseguir um médico e custear as despesas do acompanhante, mas agora não pode mais. Se eu tiver de ir, eu vou. Não vou deixar meu filho abandonado”, afirma.

Em nota ao Tribuna do Ceará, o Ministério das Relações Exteriores informou que “o consulado temporário do Brasil em São Petesburgo e a embaixada do Brasil em Moscou acompanham a situação do cidadão brasileiro, mantêm contato com seus familiares e prestam toda assistência consular cabível”. O Ministério ressaltou que não está autorizada a fornecer informações pessoais sobre o caso.