Conheça a origem do mito de que o José Walter é o "bairro dos cornos" de Fortaleza


Conheça a origem do mito de que o José Walter é o “bairro dos cornos” de Fortaleza

São várias as teorias para o mito em torno do José Walter. O presidente da Associação dos Cornos do Ceará acompanhou o Tribuna do Ceará numa visita ao bairro

Por Rosana Romão em Cotidiano

14 de setembro de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Homens que sofrem traição costumam se lamentar no "Bar dos Cornos". (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Homens que sofrem traição costumam se lamentar no “Bar dos Cornos”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

— Tu mora onde?
— No José Walter.
— Vixe…

Essa é a reação da maioria das pessoas em Fortaleza porque o bairro, o Conjunto Prefeito José Walter, é conhecido popularmente como o “bairro dos cornos”. Mas de onde veio essa fama? O Tribuna do Ceará foi até o bairro para saber mais sobre esse mistério.

Os moradores preferem não ser identificados, mas cada um tem uma teoria sobre o assunto. “É porque aqui tem muita mulher bonita, elas são muito cobiçadas”, diz um aposentado. “É porque aqui tem muito lugar pra trair, tem as caixas d’água, tem os matos”, brinca um morador. “Eu acho que isso é conversa, não conheço tanto corno assim não. O povo é que inventa e o bairro fica assim, mal falado”, opina uma comerciante.

Já para o empresário Eugênio Távora, mais conhecido como “Papel”, por ser magro, o motivo é outro. “Essa lenda do José Walter é porque os homens passam o dia ocupados trabalhando e deixam a mulher só. Às vezes nem dão atenção à esposa quando chegam em casa, aí pode ter certeza que é corno”, enfatiza. Ele próprio já foi traído duas vezes e está no seu terceiro casamento. Em uma das traições, descobriu que sua mulher estava saindo com cinco homens.

A história de Eugênio trouxe fama ao seu bar, que ao invés de “Bar do Papel” passou a ser conhecido como “Bar dos Cornos”. Lá, os homens costumam se lamentar das traições que sofrem. Eugênio, “experiente”, dá conselhos amorosos para os clientes. “Ele é o homem que mais entende de chifre aqui do Zé Walter, é o mestre da gente”, brinca um de seus clientes.

Segundo o presidente da Associação dos Cornos do Ceará, José Adauto Caetano, a fama do bairro se dá devido à sua arquitetura. “Quando o bairro foi criado, as casas eram praticamente iguais. À noite, quando os maridos chegavam em casa, às vezes eles se confundiam e entravam na casa errada. Daí, acabavam dormindo com a mulher errada e só depois descobriam do engano e consequentemente do chifre”, brinca.

José Adauto Caetano têm 108 cordéis publicados sobre traição, e mais de 100 chifres decorando a associação. Ele se declara corno, apesar de nunca ter presenciado uma traição. “Eu nunca vi, só desconfio”, adverte. Mas acrescenta que isso pode acontecer com qualquer um. “Só tem dois tipos de corno: o que sabe e o que nega”. Em 2015, José Adauto pretende construir uma sede para os cornos da sua associação. Segundo ele, a sede terá piscina, restaurante, um quarto para os cornos chorarem quando descobrirem a traição e outro para abrigar os cornos expulsos de casa pelas esposas.

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
1/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

No “Bar dos Cornos” é preciso balançar o sino para ser atendido. É uma forma de anunciar “tem um corno aqui”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
2/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Proprietário do “Bar dos Cornos” já foi traído duas vezes e é considerado como “mestre dos chifres”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
3/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Eugênio Távora, proprietário do “Bar dos Cornos” e o José Adauto, presidente da Associação dos Cornos. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
4/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Em Fortaleza existe o Shopping dos Cornos, onde também é adquirir a carteirinha de sócio. (Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
5/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Carteirinha da Associação dos cornos custa R$ 2. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
6/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Homens que sofrem traição costumam se lamentar no “Bar dos Cornos”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

A teoria mais aceita é a da fundação do bairro. Criado em 1970, o José Walter era um grande conjunto habitacional popular – não havia comércio e nem empregos. Os homens, então, tinham que se deslocar até o centro da cidade ou para outros bairros em busca de trabalho, e só retornavam à noite. Como as mulheres passavam o dia inteiro em casa sozinhas, as histórias começaram a surgir e a fama pegou.

Publicidade

Dê sua opinião

Conheça a origem do mito de que o José Walter é o “bairro dos cornos” de Fortaleza

São várias as teorias para o mito em torno do José Walter. O presidente da Associação dos Cornos do Ceará acompanhou o Tribuna do Ceará numa visita ao bairro

Por Rosana Romão em Cotidiano

14 de setembro de 2014 às 08:00

Há 5 anos
Homens que sofrem traição costumam se lamentar no "Bar dos Cornos". (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Homens que sofrem traição costumam se lamentar no “Bar dos Cornos”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

— Tu mora onde?
— No José Walter.
— Vixe…

Essa é a reação da maioria das pessoas em Fortaleza porque o bairro, o Conjunto Prefeito José Walter, é conhecido popularmente como o “bairro dos cornos”. Mas de onde veio essa fama? O Tribuna do Ceará foi até o bairro para saber mais sobre esse mistério.

Os moradores preferem não ser identificados, mas cada um tem uma teoria sobre o assunto. “É porque aqui tem muita mulher bonita, elas são muito cobiçadas”, diz um aposentado. “É porque aqui tem muito lugar pra trair, tem as caixas d’água, tem os matos”, brinca um morador. “Eu acho que isso é conversa, não conheço tanto corno assim não. O povo é que inventa e o bairro fica assim, mal falado”, opina uma comerciante.

Já para o empresário Eugênio Távora, mais conhecido como “Papel”, por ser magro, o motivo é outro. “Essa lenda do José Walter é porque os homens passam o dia ocupados trabalhando e deixam a mulher só. Às vezes nem dão atenção à esposa quando chegam em casa, aí pode ter certeza que é corno”, enfatiza. Ele próprio já foi traído duas vezes e está no seu terceiro casamento. Em uma das traições, descobriu que sua mulher estava saindo com cinco homens.

A história de Eugênio trouxe fama ao seu bar, que ao invés de “Bar do Papel” passou a ser conhecido como “Bar dos Cornos”. Lá, os homens costumam se lamentar das traições que sofrem. Eugênio, “experiente”, dá conselhos amorosos para os clientes. “Ele é o homem que mais entende de chifre aqui do Zé Walter, é o mestre da gente”, brinca um de seus clientes.

Segundo o presidente da Associação dos Cornos do Ceará, José Adauto Caetano, a fama do bairro se dá devido à sua arquitetura. “Quando o bairro foi criado, as casas eram praticamente iguais. À noite, quando os maridos chegavam em casa, às vezes eles se confundiam e entravam na casa errada. Daí, acabavam dormindo com a mulher errada e só depois descobriam do engano e consequentemente do chifre”, brinca.

José Adauto Caetano têm 108 cordéis publicados sobre traição, e mais de 100 chifres decorando a associação. Ele se declara corno, apesar de nunca ter presenciado uma traição. “Eu nunca vi, só desconfio”, adverte. Mas acrescenta que isso pode acontecer com qualquer um. “Só tem dois tipos de corno: o que sabe e o que nega”. Em 2015, José Adauto pretende construir uma sede para os cornos da sua associação. Segundo ele, a sede terá piscina, restaurante, um quarto para os cornos chorarem quando descobrirem a traição e outro para abrigar os cornos expulsos de casa pelas esposas.

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
1/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

No “Bar dos Cornos” é preciso balançar o sino para ser atendido. É uma forma de anunciar “tem um corno aqui”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
2/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Proprietário do “Bar dos Cornos” já foi traído duas vezes e é considerado como “mestre dos chifres”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
3/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Eugênio Távora, proprietário do “Bar dos Cornos” e o José Adauto, presidente da Associação dos Cornos. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
4/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Em Fortaleza existe o Shopping dos Cornos, onde também é adquirir a carteirinha de sócio. (Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
5/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Carteirinha da Associação dos cornos custa R$ 2. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos
6/6

Bairro em Fortaleza é popularmente conhecido como o bairro dos cornos

Homens que sofrem traição costumam se lamentar no “Bar dos Cornos”. (FOTO: Tribuna do Ceará/ Rosana Romão)

A teoria mais aceita é a da fundação do bairro. Criado em 1970, o José Walter era um grande conjunto habitacional popular – não havia comércio e nem empregos. Os homens, então, tinham que se deslocar até o centro da cidade ou para outros bairros em busca de trabalho, e só retornavam à noite. Como as mulheres passavam o dia inteiro em casa sozinhas, as histórias começaram a surgir e a fama pegou.