Mãe de menino morto após ter braços amputados denuncia IJF por homicídio culposo

DENÚNCIA

Mãe de menino morto após ter braços amputados denuncia IJF por homicídio culposo

Segundo a mãe, o hospital se nega a entregar o prontuário do filho. “Se eles não têm nada a esconder, por que não querem me entregar?”, desabafa

Por Deborah Tavares em Cotidiano

16 de janeiro de 2017 às 16:16

Há 2 anos

O hospital será investigado por homicídio culposo (FOTO: Arquivo pessoal)

A mãe do menino que morreu no Instituto Doutor José Frota (IJF) após ter os braços amputados entrou, nesta segunda-feira (16), com uma denúncia contra o hospital por suposta negligência.

Segundo a mãe, Daliete Silva, o IJF se nega a entregar o prontuário de Diego Rauã Silva dos Santos. “É um direito meu. Se eles não têm nada a esconder, por que não querem me entregar?”, desabafa.

O advogado de Daliete explica que o Ministério Público foi notificado, e um Boletim de Ocorrência será entregue à delegacia. O hospital será investigado por homicídio culposo.

“Isso só demonstra o descaso. Estão nos atrapalhando a chegar a verdade. Se a criança tivesse sido atendida devidamente, teria sobrevivido? Nós queremos a resposta para essa pergunta”, disse Gaudêncio Santiago.

Em nota, o Instituto Dr. José Frota informou que o atendimento prestado ao paciente está sendo analisado de forma independente pelas Comissões de Ética Médica e em Enfermagem da instituição.

Segundo o hospital, um processo administrativo interno também foi instaurado para avaliar o caso. “A Superintendência do IJF esclarece que segue empenhada em apurar qualquer possível anormalidade ocorrida durante o período em que o paciente permaneceu no hospital”.

Caso confuso

Diego Rauã Silva dos Santos, de 9 anos, morreu na quarta-feira (4), no IJF, em Fortaleza após ter os braços amputados. Daliete Silva, mãe do garoto, denuncia que ele sofreu com a falta de atendimento e culpa a unidade pela morte do menino.

O caso é confuso e, segundo a Daliete, nem os médicos souberam explicar como o menino foi a óbito. No dia 29 de dezembro de 2016, a criança caiu e quebrou os dois braços. Então, Daliete levou o filho para o Frotinha da Parangaba, local onde recebeu os primeiros atendimentos e passaria pelo processo cirúrgico, contudo o garoto passou mal e foi encaminhado ao IJF.

De acordo com Daliete, o fato de o garoto não ter fratura expostas seria o motivo para que os funcionários não dessem a real importância à situação. “Meu filho ficou na enfermaria e foi pior do que no corredor. Não davam nenhuma atenção. O caso do Diego se agravou, e eles disseram que tinham que amputar o braço do meu filho”, relata. Depois do procedimento, a situação do menino só piorou até chegar ao falecimento.

O Ministério Público informou ao Sistema Jangadeiro que ainda não recebeu a denúncia.

Publicidade

Dê sua opinião

DENÚNCIA

Mãe de menino morto após ter braços amputados denuncia IJF por homicídio culposo

Segundo a mãe, o hospital se nega a entregar o prontuário do filho. “Se eles não têm nada a esconder, por que não querem me entregar?”, desabafa

Por Deborah Tavares em Cotidiano

16 de janeiro de 2017 às 16:16

Há 2 anos

O hospital será investigado por homicídio culposo (FOTO: Arquivo pessoal)

A mãe do menino que morreu no Instituto Doutor José Frota (IJF) após ter os braços amputados entrou, nesta segunda-feira (16), com uma denúncia contra o hospital por suposta negligência.

Segundo a mãe, Daliete Silva, o IJF se nega a entregar o prontuário de Diego Rauã Silva dos Santos. “É um direito meu. Se eles não têm nada a esconder, por que não querem me entregar?”, desabafa.

O advogado de Daliete explica que o Ministério Público foi notificado, e um Boletim de Ocorrência será entregue à delegacia. O hospital será investigado por homicídio culposo.

“Isso só demonstra o descaso. Estão nos atrapalhando a chegar a verdade. Se a criança tivesse sido atendida devidamente, teria sobrevivido? Nós queremos a resposta para essa pergunta”, disse Gaudêncio Santiago.

Em nota, o Instituto Dr. José Frota informou que o atendimento prestado ao paciente está sendo analisado de forma independente pelas Comissões de Ética Médica e em Enfermagem da instituição.

Segundo o hospital, um processo administrativo interno também foi instaurado para avaliar o caso. “A Superintendência do IJF esclarece que segue empenhada em apurar qualquer possível anormalidade ocorrida durante o período em que o paciente permaneceu no hospital”.

Caso confuso

Diego Rauã Silva dos Santos, de 9 anos, morreu na quarta-feira (4), no IJF, em Fortaleza após ter os braços amputados. Daliete Silva, mãe do garoto, denuncia que ele sofreu com a falta de atendimento e culpa a unidade pela morte do menino.

O caso é confuso e, segundo a Daliete, nem os médicos souberam explicar como o menino foi a óbito. No dia 29 de dezembro de 2016, a criança caiu e quebrou os dois braços. Então, Daliete levou o filho para o Frotinha da Parangaba, local onde recebeu os primeiros atendimentos e passaria pelo processo cirúrgico, contudo o garoto passou mal e foi encaminhado ao IJF.

De acordo com Daliete, o fato de o garoto não ter fratura expostas seria o motivo para que os funcionários não dessem a real importância à situação. “Meu filho ficou na enfermaria e foi pior do que no corredor. Não davam nenhuma atenção. O caso do Diego se agravou, e eles disseram que tinham que amputar o braço do meu filho”, relata. Depois do procedimento, a situação do menino só piorou até chegar ao falecimento.

O Ministério Público informou ao Sistema Jangadeiro que ainda não recebeu a denúncia.