Número de casos de câncer linfático duplica em 25 anos


Número de casos de câncer linfático duplica em 25 anos

Maior incidência ocorre em pessoas com mais de 60 anos

Por Hayanne Narlla em Cotidiano

5 de agosto de 2014 às 18:19

Há 5 anos
Com diagnóstico precoce, pacientes têm mais chances de cura (FOTO: Reprodução)

Com diagnóstico precoce, pacientes têm mais chances de cura (FOTO: Reprodução)

Com a estimativa de 10 mil novos casos neste ano somente de um tipo, o câncer linfático duplicou de número nos últimos 25 anos. Os dados são do Instituto Nacional do Câncer (Inca), que aponta a maior incidência em pessoas com mais de 60 anos. Além disso, o linfoma é o quinto câncer mais frequente do mundo.

O aumento considerável da doença tem relação com o diagnóstico, que está mais preciso. “Hoje existe todo um recurso e um movimento de tentar se diagnosticar precocemente, de forma correta. E ainda há maior pesquisa sobre a doença”, explicou Fernando Barroso, médico e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Quanto mais cedo o câncer for diagnosticado, mais chances de cura o paciente terá. Por isso, é necessário sempre realizar exames pelo menos uma vez por ano. “A principal prevenção dessa doença é evitar o aumento de um gânglio linfático, tendo cuidado com a alimentação e com irradiações”.

Sintomas e tratamento

O tratamento é realizado com quimioterapia, o que aumenta a chance de cura dos pacientes. Porém, mesmo após curado e novamente saudável, há suscetibilidade de adquirir a doença em outros órgãos, conhecida como segunda neoplasia. “Ainda não se sabe a causa, mas ele tem uma associação, uma relação indireta, com infecções virais”.

Para diagnosticar o câncer ainda precocemente, é bom ficar de olho nos sintomas. Aumento de um gânglio persistente que não diminui, perda de peso e febre são algumas alterações que podem ser notadas no corpo.

Publicidade

Dê sua opinião

Número de casos de câncer linfático duplica em 25 anos

Maior incidência ocorre em pessoas com mais de 60 anos

Por Hayanne Narlla em Cotidiano

5 de agosto de 2014 às 18:19

Há 5 anos
Com diagnóstico precoce, pacientes têm mais chances de cura (FOTO: Reprodução)

Com diagnóstico precoce, pacientes têm mais chances de cura (FOTO: Reprodução)

Com a estimativa de 10 mil novos casos neste ano somente de um tipo, o câncer linfático duplicou de número nos últimos 25 anos. Os dados são do Instituto Nacional do Câncer (Inca), que aponta a maior incidência em pessoas com mais de 60 anos. Além disso, o linfoma é o quinto câncer mais frequente do mundo.

O aumento considerável da doença tem relação com o diagnóstico, que está mais preciso. “Hoje existe todo um recurso e um movimento de tentar se diagnosticar precocemente, de forma correta. E ainda há maior pesquisa sobre a doença”, explicou Fernando Barroso, médico e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Quanto mais cedo o câncer for diagnosticado, mais chances de cura o paciente terá. Por isso, é necessário sempre realizar exames pelo menos uma vez por ano. “A principal prevenção dessa doença é evitar o aumento de um gânglio linfático, tendo cuidado com a alimentação e com irradiações”.

Sintomas e tratamento

O tratamento é realizado com quimioterapia, o que aumenta a chance de cura dos pacientes. Porém, mesmo após curado e novamente saudável, há suscetibilidade de adquirir a doença em outros órgãos, conhecida como segunda neoplasia. “Ainda não se sabe a causa, mas ele tem uma associação, uma relação indireta, com infecções virais”.

Para diagnosticar o câncer ainda precocemente, é bom ficar de olho nos sintomas. Aumento de um gânglio persistente que não diminui, perda de peso e febre são algumas alterações que podem ser notadas no corpo.