Subtenente suspeito de matar filho autista e agredir esposa continua em estado grave no hospital


Subtenente suspeito de matar filho e agredir esposa continua em estado grave no hospital

O militar publicou mensagem no Facebook explicando o motivo do suposto crime; polícia investiga o caso

Por Roberta Tavares em Cotidiano

13 de novembro de 2014 às 11:04

Há 5 anos
Subtenente respira com ajuda de aparelhos, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Subtenente respira com ajuda de aparelhos, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Selo SubtenenteO subtenente do Exército Brasileiro Francilewdo Bezerra, suspeito de matar filho e agredir esposa, segue em estado grave no Hospital Geral Militar. Segundo a direção da unidade de saúde, o militar respira com ajuda de aparelhos e está em coma, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O boletim médico deve sair ainda na tarde desta quinta-feira (13).

Após a mensagem publicada no Facebook do subtenente ter repercutido nas redes sociais, o perfil do militar foi desativado. Ele teria obrigado a esposa a ingerir alta dosagem de medicamento tranquilizante e, em seguida, tomado o mesmo remédio tarja preta. Após a medicação, a mulher sobreviveu. O filho não resistiu e morreu na hora. O caso ocorreu na madrugada de terça-feira (11), no Conjunto Napoleão Viana, no Bairro Dias Macedo, em Fortaleza.

Segundo o delegado Jairo Façanha Pequeno, Diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, o laudo do filho do subtenente, identificado como Lewdo Ricardo Coelho Severino, de 9 anos, deve sair até sexta-feira (14). “A orientação é explorar todas as hipóteses, nenhuma está descartada. Não podemos nos prender 100% naquela mensagem no Facebook, apesar de ser um indício muito forte”. O enterro do garoto ocorre nesta quinta, em Recife.

Mensagem no Facebook
1/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Mensagem no Facebook
2/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

A polícia aguarda recuperação do subtenente para ouvir o depoimento. Segundo Jairo Pequeno, no local do suposto crime foi encontrado um bilhete com conteúdo semelhante ao publicado na mensagem do Facebook. “Temos dúvidas que podem ser retiradas por ele [subtenente]. Tem esse bilhete ainda, com os mesmos dizeres do que foi publicado na rede social. Tudo vai ser investigado”, conclui.

Mensagem na rede social

Na rede social, o subtenente teria publicado que é pai de dois filhos especiais. O de 9 anos morreu após tomar a medicação. Outro filho do casal de 5 anos não tomou os remédios. “Vou levar um comigo. Obriguei ela [esposa] a beber vinho com seus tranquilizantes para dormir e não ver o que vou fazer. Me perdoem, família, mas a carga tá grande demais, e não aguento mais sofrer calado vendo essa mulher se anular há 10 anos”, conta na publicação.

Ainda na postagem, é explicado que a esposa pediu o divórcio, por tratá-lo como irmão, e que supostamente teria um caso com outro homem. “Sei que ela nunca escondeu ser casada, e abdicou a vida pelos filhos. Queria morrer ao lado dela (…) Eu a machuquei muito, eu enlouqueci. Quem ver essa postagem veja se ainda há jeito de salvá-la”, diz.

Assista à matéria exibida no programa Barra Pesada:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15272687″]

Publicidade

Dê sua opinião

Subtenente suspeito de matar filho e agredir esposa continua em estado grave no hospital

O militar publicou mensagem no Facebook explicando o motivo do suposto crime; polícia investiga o caso

Por Roberta Tavares em Cotidiano

13 de novembro de 2014 às 11:04

Há 5 anos
Subtenente respira com ajuda de aparelhos, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Subtenente respira com ajuda de aparelhos, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Selo SubtenenteO subtenente do Exército Brasileiro Francilewdo Bezerra, suspeito de matar filho e agredir esposa, segue em estado grave no Hospital Geral Militar. Segundo a direção da unidade de saúde, o militar respira com ajuda de aparelhos e está em coma, na Unidade de Terapia Intensiva (UTI). O boletim médico deve sair ainda na tarde desta quinta-feira (13).

Após a mensagem publicada no Facebook do subtenente ter repercutido nas redes sociais, o perfil do militar foi desativado. Ele teria obrigado a esposa a ingerir alta dosagem de medicamento tranquilizante e, em seguida, tomado o mesmo remédio tarja preta. Após a medicação, a mulher sobreviveu. O filho não resistiu e morreu na hora. O caso ocorreu na madrugada de terça-feira (11), no Conjunto Napoleão Viana, no Bairro Dias Macedo, em Fortaleza.

Segundo o delegado Jairo Façanha Pequeno, Diretor do Departamento de Polícia Metropolitana, o laudo do filho do subtenente, identificado como Lewdo Ricardo Coelho Severino, de 9 anos, deve sair até sexta-feira (14). “A orientação é explorar todas as hipóteses, nenhuma está descartada. Não podemos nos prender 100% naquela mensagem no Facebook, apesar de ser um indício muito forte”. O enterro do garoto ocorre nesta quinta, em Recife.

Mensagem no Facebook
1/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

Mensagem no Facebook
2/2

Mensagem no Facebook

Uma das provas do crime é uma mensagem publicada no perfil do subtenente. A postagem foi editada quando o militar estava em coma, no hospital (FOTO: Reprodução/Facebook)

A polícia aguarda recuperação do subtenente para ouvir o depoimento. Segundo Jairo Pequeno, no local do suposto crime foi encontrado um bilhete com conteúdo semelhante ao publicado na mensagem do Facebook. “Temos dúvidas que podem ser retiradas por ele [subtenente]. Tem esse bilhete ainda, com os mesmos dizeres do que foi publicado na rede social. Tudo vai ser investigado”, conclui.

Mensagem na rede social

Na rede social, o subtenente teria publicado que é pai de dois filhos especiais. O de 9 anos morreu após tomar a medicação. Outro filho do casal de 5 anos não tomou os remédios. “Vou levar um comigo. Obriguei ela [esposa] a beber vinho com seus tranquilizantes para dormir e não ver o que vou fazer. Me perdoem, família, mas a carga tá grande demais, e não aguento mais sofrer calado vendo essa mulher se anular há 10 anos”, conta na publicação.

Ainda na postagem, é explicado que a esposa pediu o divórcio, por tratá-lo como irmão, e que supostamente teria um caso com outro homem. “Sei que ela nunca escondeu ser casada, e abdicou a vida pelos filhos. Queria morrer ao lado dela (…) Eu a machuquei muito, eu enlouqueci. Quem ver essa postagem veja se ainda há jeito de salvá-la”, diz.

Assista à matéria exibida no programa Barra Pesada:

[uol video=”http://mais.uol.com.br/view/15272687″]