Zelador usa cartaz para pedir emprego em Fortaleza: "As crianças estão sem leite"

PROCURA-SE UMA CHANCE

Zelador usa cartaz para pedir emprego em Fortaleza: “As crianças estão sem leite”

Raimundo Wagner, de 35 anos, tem três filhas e foi flagrado em um cruzamento da avenida Bezerra de Menezes, em Fortaleza, pedindo emprego

Por Crisneive Silveira em Cotidiano

11 de abril de 2019 às 14:41

Há 3 meses

Raimundo Wagner tem pedido emprego em sinal de trânsito de Fortaleza. (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

Flagrado em um dos sinais de Fortaleza com o pedido “Preciso de um emprego” escrito em um cartaz, a imagem de Raimundo Wagner, de 35 anos, casado e pai de três filhas, ganhou as redes sociais nesta semana. Morando há três semanas em Fortaleza, o zelador e a família vieram da cidade de Trairi, no norte do estado, para buscar oportunidades na capital, mas estão passando momentos difíceis.

Após o pedido, algumas propostas até chegaram, mas ele conta que não tem como se locomover para entrevistas e conta com doações de uma igreja para alimentar a família.

Wagner começou a pedir emprego na rua nesta quarta-feira (10). Ele foi visto em um cruzamento em frente ao North Shopping, na Avenida Bezerra de Menezes. A ideia foi da esposa, com quem mora de aluguel na Barra do Ceará, e não pode trabalhar para cuidar das três filhas de 8, 4 e 1 ano e 3 meses.

“Nunca tinha a vaga que eu queria lá no Sine. Aí a minha esposa disse que a única solução é fazer um cartaz e ir pro sinal pedir. Aí comprei uma cartolina e pedi para uma pessoa fazer. Eu estou atrás. Nós estamos passando necessidade, passando fome… As crianças estão sem leite, sem ter o que comer”, conta Wagner.

Wagner conta que, após o primeiro dia no sinal, já recebeu algumas ligações para possíveis vagas de emprego. No entanto, não consegue ir para as entrevistas pois não tem dinheiro para locomoção.

“Tem um pessoal ligando, mas estou sem dinheiro para ir até a empresa fazer entrevista”, contou, quando estava no terminal do Antônio Bezerra, voltando para casa após mais um dia de tentativa de arrumar uma vaga.

Perguntado se estaria nesta sexta-feira (12) no mesmo local, caso não conseguisse arrumar um emprego, o zelador se mostrou esperançoso.

“Se eu não arrumar nada, volto para o sinal de novo. Tomara que dê certo. Estou indo para os sinais porque estou precisando. Passei necessidade, fome… De vez em quando a igreja doa uma cesta básica, doa roupa… A gente procura uma melhora e não dá certo. As pessoas viram as costas pra gente”, desabafou.

Quem quiser ajudar o Raimundo Wagner e a família dele, basta entrar em contato através dos números 85-98933-8728 e 85-98119-3979.

Publicidade

Dê sua opinião

PROCURA-SE UMA CHANCE

Zelador usa cartaz para pedir emprego em Fortaleza: “As crianças estão sem leite”

Raimundo Wagner, de 35 anos, tem três filhas e foi flagrado em um cruzamento da avenida Bezerra de Menezes, em Fortaleza, pedindo emprego

Por Crisneive Silveira em Cotidiano

11 de abril de 2019 às 14:41

Há 3 meses

Raimundo Wagner tem pedido emprego em sinal de trânsito de Fortaleza. (FOTO: Reprodução/WhatsApp)

Flagrado em um dos sinais de Fortaleza com o pedido “Preciso de um emprego” escrito em um cartaz, a imagem de Raimundo Wagner, de 35 anos, casado e pai de três filhas, ganhou as redes sociais nesta semana. Morando há três semanas em Fortaleza, o zelador e a família vieram da cidade de Trairi, no norte do estado, para buscar oportunidades na capital, mas estão passando momentos difíceis.

Após o pedido, algumas propostas até chegaram, mas ele conta que não tem como se locomover para entrevistas e conta com doações de uma igreja para alimentar a família.

Wagner começou a pedir emprego na rua nesta quarta-feira (10). Ele foi visto em um cruzamento em frente ao North Shopping, na Avenida Bezerra de Menezes. A ideia foi da esposa, com quem mora de aluguel na Barra do Ceará, e não pode trabalhar para cuidar das três filhas de 8, 4 e 1 ano e 3 meses.

“Nunca tinha a vaga que eu queria lá no Sine. Aí a minha esposa disse que a única solução é fazer um cartaz e ir pro sinal pedir. Aí comprei uma cartolina e pedi para uma pessoa fazer. Eu estou atrás. Nós estamos passando necessidade, passando fome… As crianças estão sem leite, sem ter o que comer”, conta Wagner.

Wagner conta que, após o primeiro dia no sinal, já recebeu algumas ligações para possíveis vagas de emprego. No entanto, não consegue ir para as entrevistas pois não tem dinheiro para locomoção.

“Tem um pessoal ligando, mas estou sem dinheiro para ir até a empresa fazer entrevista”, contou, quando estava no terminal do Antônio Bezerra, voltando para casa após mais um dia de tentativa de arrumar uma vaga.

Perguntado se estaria nesta sexta-feira (12) no mesmo local, caso não conseguisse arrumar um emprego, o zelador se mostrou esperançoso.

“Se eu não arrumar nada, volto para o sinal de novo. Tomara que dê certo. Estou indo para os sinais porque estou precisando. Passei necessidade, fome… De vez em quando a igreja doa uma cesta básica, doa roupa… A gente procura uma melhora e não dá certo. As pessoas viram as costas pra gente”, desabafou.

Quem quiser ajudar o Raimundo Wagner e a família dele, basta entrar em contato através dos números 85-98933-8728 e 85-98119-3979.