Pequena ou grande empresa? Saiba onde fazer o melhor estágio


Pequena ou grande empresa? Saiba onde fazer o melhor estágio

Na hora de decidir o estágio, é melhor ao universitário uma empresa de pequeno ou grande porte? O Tribuna do Ceará ouviu psicóloga especialista em gestão de pessoas

Por Hayanne Narlla em Educação

30 de março de 2015 às 07:00

Há 4 anos
Estagiários aprendem em pequenas e grande empresas (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Heisenberg Media)

Estagiários aprendem em pequenas e grande empresas (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Heisenberg Media)

A primeira oportunidade de trabalho, em geral, aparece geralmente ainda durante o período universitário. Jovens que ainda estão se descobrindo enquanto profissionais aproveitam as chances para botar em prática aquilo que aprenderam nas aulas. Mas na hora de decidir o estágio, é melhor uma empresa de pequeno ou grande porte?

Gleyce Castro cursa jornalismo e estagia na Unimed Fortaleza. A empresa é considerada de grande porte, tendo em vista a quantidade de filiais que carregam o mesmo nome pelo país. Esse fator pesou na hora de escolher o estágio. “Nessa hora, pesa também o fato de você almejar a efetivação em uma empresa mais consolidada. Tenho a impressão de que empresas com mais tempo no mercado têm mais experiência também no trato com o funcionário”.

Já Talita Helga, que cursa direito, optou por estagiar no escritório de advocacia Abreu Barbosa Viveiros. A decisão veio pelo contato com uma das sócias do local, que era sua professora. Mesmo não sendo uma grande empresa, a universitária considera que tem aprendido bastante no local, já que o escritório é reconhecido pelo bom trabalho, tendo grandes clientes. “Tenho a expectativa de continuar trabalhando para cá, porque é a área que gosto”.

Especialista

O Tribuna do Ceará entrevistou a psicóloga Kariliny Martins, especialista em gestão de pessoas, para responder a questão. Ela explicou que os estudantes não devem se importar com o porte da empresa, mas se ela lhe dá condições de aplicar seus conhecimentos na prática, além de desenvolver competências profissionais, sem causar danos aos estudos.

Ao trabalhar em uma empresa de pequeno porte, o profissional poderá permear por várias etapas de um processo. “O que poderá ser um ótimo aprendizado, além de desenvolver no profissional a visão sistêmica do negócio. Poderá também ter mais flexibilidade para criar e reformular procedimentos”, considerou.

Já em empresas de grande porte, por já estarem consolidadas no mercado, o fator positivo é que enriquece o currículo, podendo facilitar a conquista de um outro emprego. “Além de já possuírem um plano de carreira bem estruturado, o que motiva o desempenho dos funcionários”.

Por fim, o resultado foi que ambos os portes proporcionam experiências boas ou ruins. Só depende da vontade do estagiário. Após o fim do estágio, são diversas as possibilidades que o estudante tem a sua frente: ser efetivado na empresa em que estava, buscar um novo estágio ou procurar emprego em uma nova empresa. O importante é manter as portas sempre abertas e se aprimorar cada vez mais para o mercado de trabalho.

Publicidade

Dê sua opinião

Pequena ou grande empresa? Saiba onde fazer o melhor estágio

Na hora de decidir o estágio, é melhor ao universitário uma empresa de pequeno ou grande porte? O Tribuna do Ceará ouviu psicóloga especialista em gestão de pessoas

Por Hayanne Narlla em Educação

30 de março de 2015 às 07:00

Há 4 anos
Estagiários aprendem em pequenas e grande empresas (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Heisenberg Media)

Estagiários aprendem em pequenas e grande empresas (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Heisenberg Media)

A primeira oportunidade de trabalho, em geral, aparece geralmente ainda durante o período universitário. Jovens que ainda estão se descobrindo enquanto profissionais aproveitam as chances para botar em prática aquilo que aprenderam nas aulas. Mas na hora de decidir o estágio, é melhor uma empresa de pequeno ou grande porte?

Gleyce Castro cursa jornalismo e estagia na Unimed Fortaleza. A empresa é considerada de grande porte, tendo em vista a quantidade de filiais que carregam o mesmo nome pelo país. Esse fator pesou na hora de escolher o estágio. “Nessa hora, pesa também o fato de você almejar a efetivação em uma empresa mais consolidada. Tenho a impressão de que empresas com mais tempo no mercado têm mais experiência também no trato com o funcionário”.

Já Talita Helga, que cursa direito, optou por estagiar no escritório de advocacia Abreu Barbosa Viveiros. A decisão veio pelo contato com uma das sócias do local, que era sua professora. Mesmo não sendo uma grande empresa, a universitária considera que tem aprendido bastante no local, já que o escritório é reconhecido pelo bom trabalho, tendo grandes clientes. “Tenho a expectativa de continuar trabalhando para cá, porque é a área que gosto”.

Especialista

O Tribuna do Ceará entrevistou a psicóloga Kariliny Martins, especialista em gestão de pessoas, para responder a questão. Ela explicou que os estudantes não devem se importar com o porte da empresa, mas se ela lhe dá condições de aplicar seus conhecimentos na prática, além de desenvolver competências profissionais, sem causar danos aos estudos.

Ao trabalhar em uma empresa de pequeno porte, o profissional poderá permear por várias etapas de um processo. “O que poderá ser um ótimo aprendizado, além de desenvolver no profissional a visão sistêmica do negócio. Poderá também ter mais flexibilidade para criar e reformular procedimentos”, considerou.

Já em empresas de grande porte, por já estarem consolidadas no mercado, o fator positivo é que enriquece o currículo, podendo facilitar a conquista de um outro emprego. “Além de já possuírem um plano de carreira bem estruturado, o que motiva o desempenho dos funcionários”.

Por fim, o resultado foi que ambos os portes proporcionam experiências boas ou ruins. Só depende da vontade do estagiário. Após o fim do estágio, são diversas as possibilidades que o estudante tem a sua frente: ser efetivado na empresa em que estava, buscar um novo estágio ou procurar emprego em uma nova empresa. O importante é manter as portas sempre abertas e se aprimorar cada vez mais para o mercado de trabalho.