Ausência de Cid e temas como corrupção, saúde e educação marcam debate de candidatos ao Senado

PRINCIPAIS MOMENTOS

Ausência de Cid e temas como corrupção, saúde e educação marcam debate de candidatos ao Senado

O debate dos candidatos ao Senado no Sistema Jangadeiro teve ainda temas como segurança, Escola sem Partido, violência contra a mulher e foro privilegiado

Por Jéssica Welma em Eleições 2018

25 de setembro de 2018 às 15:42

Há 10 meses
Sete candidatos ao Senado participaram do debate. (Foto: Esdras Oliveira/Tribuna do Ceará)

Sete candidatos ao Senado participaram do debate. (Foto: Esdras Oliveira/Tribuna do Ceará)

O primeiro debate entre candidatos ao Senado no Ceará foi marcado por discussões de temas variados e por ataques ao ex-governador Cid Gomes (PDT), que anunciou ausência minutos antes do início do encontro. O debate foi transmitido ao vivo pela TV Jangadeiro/SBT e pelo portal Tribuna do Ceará nesta terça-feira (25), com a presença de sete dos nove candidatos convidados, dos quais os partidos têm representação na Câmara dos Deputados.

Participaram Anna Karina (Psol), Bardawil (Pode), Dra. Mayra (PSDB), Dr. Marcio Pinheiro (PSL), Eduardo Girão (Pros), Pastor Pedro Ribeiro (PSL) e Pastor Simões (Psol). A mediação foi feita pelo jornalista Wanderley Filho.

O candidato do PDT, Cid Gomes, em nota, explicou ausência no debate, alegando que “vínculo partidário dos proprietários da emissora com outros candidatos comprometeria a imparcialidade do certame”. Seu aliado em chapa informal, Eunício Oliveira (MDB) também não participou, mas havia justificado a ausência com antecedência, por motivo de viagem ao Exterior.

Líder das pesquisas e ausente, Cid tornou-se alvo dos adversários. Pastor Pedro Ribeiro questionou Bardawil sobre o significado da ausência do adversário: “Dizer que esse ambiente não é digno de recebê-lo, nos faz o quê?”.

“Não é a primeira vez, sempre desafiei Cid pela sua vida pregressa. Como foi governador, tem um monte de processo contra ele de corrupção, de lavagem de dinheiro. Ele não poderia vir porque sabia que eu estaria aqui para mostrar o quanto ele fez mal para o Ceará. Cid Gomes, esse dinheiro de que incriminam o senhor foi investido em juízes, desembargadores, ou está usando para comprar votos?”, atacou Bardawil.

Pedro Ribeiro disse estar “perplexo em saber que o cearense conhece a vida de Cid” e, ainda assim, “ele aparece nas pesquisas com 64% dos votos”.

Cid também foi citado em debate entre Bardawil e Dra. Mayra sobre saúde pública. O candidato do Podemos mencionou a nomeação do presidenciável Ciro Gomes (PDT) a secretário da Saúde na gestão de Cid e disse que a atuação de Ciro “deixou muito pior” o atendimento na área.

Cid Gomes avisou que não participaria do debate minutos antes do início. (Foto: Esdras Oliveira / Tribuna do Ceará)

Cid Gomes avisou que não participaria do debate minutos antes do início. (Foto: Esdras Oliveira / Tribuna do Ceará)

“Não é possível que tenhamos governantes que não priorizem a saúde. Na minha caminhada pelos 184 municípios, a situação é mais dramática ainda no Interior”, pontuou Mayra. Ela pediu responsabilidade dos eleitores ao escolher seus representantes e citou aumento em índices de mortalidade infantil e materna no Estado.

Corrupção

O tema da corrupção foi tratado, especialmente, como ataque a Cid e Eunício. Girão disse que há candidatos em busca de ser eleito para “se esconder por trás do foro privilegiado”.

Bardawil foi mais incisivo e citou os adversários. “Eunício Lopes de Oliveira e Cid Ferreira Gomes estão na (operação) Lava Jato. Dos candidatos que estão (disputando) tem mais? Tem. Estão lá querendo se eleger para conseguir imunidade parlamentar, não podemos elegê-los de jeito nenhum”, disse.

“A corrupção é um crime de intolerância. Graças a ela, as pessoas não têm acesso à educação, à segurança. Corrupto tem que estar na cadeia”.

Educação

Outro tema de destaque foi a educação. Professora da rede estadual, a candidata Anna Karina prometeu lutar no Senado pelo não congelamento de gastos na educação, contra a reforma do ensino médio e contra o projeto Escola sem Partido.

“Vemos índices belíssimos no Ceará, mas esses índices não condizem com a verdade. Há dois anos fizemos greve e paramos quase todas as escolas devido ao nível do sucateamento. A gente chama de sauna de aula pelo calor excessivo”, criticou.

Questionada por Márcio Pinheiro sobre outras propostas para a educação, ela reforçou que lutará contra o Escola sem Partido, pois, segundo ela, perseguições ideológicas feitas aos professores têm resultado em adoecimento psicológico. Karina pontuou que o projeto é defendido pelo partido de Márcio.

O candidato do PSL disse que a proposta é evitar que se mantenha o que chamou de “doutrina de esquerda” por “professores de filosofia, história e sociologia. “É sem partido para a esquerda e para a direita”, defendeu. Karina rebateu que a proposta é defendida por partidos de direita. “O senhor está defendendo uma escola de partido de direita”, disse.

Segurança

O candidato do Psol Pastor Simões defendeu proteção aos profissionais da segurança, recursos para trabalhos culturais na periferia e suporte policial para atendimento de mulheres vítimas de violência no Interior. “Aqueles que dizem que amam a polícia não fazem absolutamente nada por ela. Vamos acabar com as prisões administrativas de policiais e bombeiros. Também precisamos dar celeridade às investigações de homicídios”, pontuou.

Anna Karina, Bardawil, Dra. Mayra, Dr. Marcio Pinheiro, Eduardo Girão, Pastor Pedro Ribeiro e Pastor Simões.

Simões questionou Eduardo Girão sobre propostas relacionadas ao controle de armas, considerando que parte das armas apreendidas com bandidos pertenciam a empresas privadas de segurança.

O candidato do Pros ressaltou que tem vivência na área da segurança privada e defendeu a valorização da Polícia com investimentos na troca de informações entre as polícias e os agentes de segurança particular.

Girão pontuou ser a favor da porte de arma por civis em ambiente domiciliar. “Não há incompatibilidade”, ressaltou, mas disse ser contra ao porte de arma de fogo pelas pessoas nas ruas.

Violência contra a mulher

Mayra e Karina discutiram medidas relacionadas à violência contra a mulher. A candidata do Psol defendeu proposta do partido de investir 1% do PIB em ações de proteção às mulheres.  Mayra lembrou de episódio da atual campanha em que fotos íntimas roubadas de um computador em 2015 foram usadas por adversários como difamação contra ela.

Eduardo Girão também se posicionou a favor de medidas. “Minha mãe era muito amiga da Maria da Penha. Tive a oportunidade de conviver com ela. As mulheres precisam realmente de mais delegacias, de mais reforço. Violência doméstica é um absurdo”.

Pastor Simões também reforçou a luta por direitos. “É preciso mudar a cultura. A nossa cultura é violenta, segrega as pessoas. Comunidade LGBT, as mulheres, negros e negras, precisam ser acolhidos nas políticas públicas”.

Ele também fez referência a ataques do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) contra as mulheres e ressaltou manifestação contra o candidato em Fortaleza, marcada para 29 de setembro.

ELEIÇÕES 2018 | Acompanhe o debate com os candidatos ao senado do Ceará

AO VIVO – A TV Jangadeiro e o portal Tribuna do Ceará realizam o debate com os candidatos ao senado.

Posted by Tribuna do Ceará on Tuesday, September 25, 2018

Acompanhe a cobertura do debate:

Veja como foi o debate do Sistema Jangadeiro com os candidatos ao Senado
Cid Gomes falta a debate do Sistema Jangadeiro com os candidatos ao Senado
Você lembra os nomes dos 13 concorrentes ao Senado pelo Ceará? Perguntamos aos candidatos
Candidatos tiveram tempo no debate até 100 vezes maior do que em propaganda eleitoral

 

Publicidade

Dê sua opinião

PRINCIPAIS MOMENTOS

Ausência de Cid e temas como corrupção, saúde e educação marcam debate de candidatos ao Senado

O debate dos candidatos ao Senado no Sistema Jangadeiro teve ainda temas como segurança, Escola sem Partido, violência contra a mulher e foro privilegiado

Por Jéssica Welma em Eleições 2018

25 de setembro de 2018 às 15:42

Há 10 meses
Sete candidatos ao Senado participaram do debate. (Foto: Esdras Oliveira/Tribuna do Ceará)

Sete candidatos ao Senado participaram do debate. (Foto: Esdras Oliveira/Tribuna do Ceará)

O primeiro debate entre candidatos ao Senado no Ceará foi marcado por discussões de temas variados e por ataques ao ex-governador Cid Gomes (PDT), que anunciou ausência minutos antes do início do encontro. O debate foi transmitido ao vivo pela TV Jangadeiro/SBT e pelo portal Tribuna do Ceará nesta terça-feira (25), com a presença de sete dos nove candidatos convidados, dos quais os partidos têm representação na Câmara dos Deputados.

Participaram Anna Karina (Psol), Bardawil (Pode), Dra. Mayra (PSDB), Dr. Marcio Pinheiro (PSL), Eduardo Girão (Pros), Pastor Pedro Ribeiro (PSL) e Pastor Simões (Psol). A mediação foi feita pelo jornalista Wanderley Filho.

O candidato do PDT, Cid Gomes, em nota, explicou ausência no debate, alegando que “vínculo partidário dos proprietários da emissora com outros candidatos comprometeria a imparcialidade do certame”. Seu aliado em chapa informal, Eunício Oliveira (MDB) também não participou, mas havia justificado a ausência com antecedência, por motivo de viagem ao Exterior.

Líder das pesquisas e ausente, Cid tornou-se alvo dos adversários. Pastor Pedro Ribeiro questionou Bardawil sobre o significado da ausência do adversário: “Dizer que esse ambiente não é digno de recebê-lo, nos faz o quê?”.

“Não é a primeira vez, sempre desafiei Cid pela sua vida pregressa. Como foi governador, tem um monte de processo contra ele de corrupção, de lavagem de dinheiro. Ele não poderia vir porque sabia que eu estaria aqui para mostrar o quanto ele fez mal para o Ceará. Cid Gomes, esse dinheiro de que incriminam o senhor foi investido em juízes, desembargadores, ou está usando para comprar votos?”, atacou Bardawil.

Pedro Ribeiro disse estar “perplexo em saber que o cearense conhece a vida de Cid” e, ainda assim, “ele aparece nas pesquisas com 64% dos votos”.

Cid também foi citado em debate entre Bardawil e Dra. Mayra sobre saúde pública. O candidato do Podemos mencionou a nomeação do presidenciável Ciro Gomes (PDT) a secretário da Saúde na gestão de Cid e disse que a atuação de Ciro “deixou muito pior” o atendimento na área.

Cid Gomes avisou que não participaria do debate minutos antes do início. (Foto: Esdras Oliveira / Tribuna do Ceará)

Cid Gomes avisou que não participaria do debate minutos antes do início. (Foto: Esdras Oliveira / Tribuna do Ceará)

“Não é possível que tenhamos governantes que não priorizem a saúde. Na minha caminhada pelos 184 municípios, a situação é mais dramática ainda no Interior”, pontuou Mayra. Ela pediu responsabilidade dos eleitores ao escolher seus representantes e citou aumento em índices de mortalidade infantil e materna no Estado.

Corrupção

O tema da corrupção foi tratado, especialmente, como ataque a Cid e Eunício. Girão disse que há candidatos em busca de ser eleito para “se esconder por trás do foro privilegiado”.

Bardawil foi mais incisivo e citou os adversários. “Eunício Lopes de Oliveira e Cid Ferreira Gomes estão na (operação) Lava Jato. Dos candidatos que estão (disputando) tem mais? Tem. Estão lá querendo se eleger para conseguir imunidade parlamentar, não podemos elegê-los de jeito nenhum”, disse.

“A corrupção é um crime de intolerância. Graças a ela, as pessoas não têm acesso à educação, à segurança. Corrupto tem que estar na cadeia”.

Educação

Outro tema de destaque foi a educação. Professora da rede estadual, a candidata Anna Karina prometeu lutar no Senado pelo não congelamento de gastos na educação, contra a reforma do ensino médio e contra o projeto Escola sem Partido.

“Vemos índices belíssimos no Ceará, mas esses índices não condizem com a verdade. Há dois anos fizemos greve e paramos quase todas as escolas devido ao nível do sucateamento. A gente chama de sauna de aula pelo calor excessivo”, criticou.

Questionada por Márcio Pinheiro sobre outras propostas para a educação, ela reforçou que lutará contra o Escola sem Partido, pois, segundo ela, perseguições ideológicas feitas aos professores têm resultado em adoecimento psicológico. Karina pontuou que o projeto é defendido pelo partido de Márcio.

O candidato do PSL disse que a proposta é evitar que se mantenha o que chamou de “doutrina de esquerda” por “professores de filosofia, história e sociologia. “É sem partido para a esquerda e para a direita”, defendeu. Karina rebateu que a proposta é defendida por partidos de direita. “O senhor está defendendo uma escola de partido de direita”, disse.

Segurança

O candidato do Psol Pastor Simões defendeu proteção aos profissionais da segurança, recursos para trabalhos culturais na periferia e suporte policial para atendimento de mulheres vítimas de violência no Interior. “Aqueles que dizem que amam a polícia não fazem absolutamente nada por ela. Vamos acabar com as prisões administrativas de policiais e bombeiros. Também precisamos dar celeridade às investigações de homicídios”, pontuou.

Anna Karina, Bardawil, Dra. Mayra, Dr. Marcio Pinheiro, Eduardo Girão, Pastor Pedro Ribeiro e Pastor Simões.

Simões questionou Eduardo Girão sobre propostas relacionadas ao controle de armas, considerando que parte das armas apreendidas com bandidos pertenciam a empresas privadas de segurança.

O candidato do Pros ressaltou que tem vivência na área da segurança privada e defendeu a valorização da Polícia com investimentos na troca de informações entre as polícias e os agentes de segurança particular.

Girão pontuou ser a favor da porte de arma por civis em ambiente domiciliar. “Não há incompatibilidade”, ressaltou, mas disse ser contra ao porte de arma de fogo pelas pessoas nas ruas.

Violência contra a mulher

Mayra e Karina discutiram medidas relacionadas à violência contra a mulher. A candidata do Psol defendeu proposta do partido de investir 1% do PIB em ações de proteção às mulheres.  Mayra lembrou de episódio da atual campanha em que fotos íntimas roubadas de um computador em 2015 foram usadas por adversários como difamação contra ela.

Eduardo Girão também se posicionou a favor de medidas. “Minha mãe era muito amiga da Maria da Penha. Tive a oportunidade de conviver com ela. As mulheres precisam realmente de mais delegacias, de mais reforço. Violência doméstica é um absurdo”.

Pastor Simões também reforçou a luta por direitos. “É preciso mudar a cultura. A nossa cultura é violenta, segrega as pessoas. Comunidade LGBT, as mulheres, negros e negras, precisam ser acolhidos nas políticas públicas”.

Ele também fez referência a ataques do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) contra as mulheres e ressaltou manifestação contra o candidato em Fortaleza, marcada para 29 de setembro.

ELEIÇÕES 2018 | Acompanhe o debate com os candidatos ao senado do Ceará

AO VIVO – A TV Jangadeiro e o portal Tribuna do Ceará realizam o debate com os candidatos ao senado.

Posted by Tribuna do Ceará on Tuesday, September 25, 2018

Acompanhe a cobertura do debate:

Veja como foi o debate do Sistema Jangadeiro com os candidatos ao Senado
Cid Gomes falta a debate do Sistema Jangadeiro com os candidatos ao Senado
Você lembra os nomes dos 13 concorrentes ao Senado pelo Ceará? Perguntamos aos candidatos
Candidatos tiveram tempo no debate até 100 vezes maior do que em propaganda eleitoral